Siga-nos

Perfil

Expresso

Arquivos Expresso

KGB tinha 14 espiões em Lisboa

A investigação este sábado publicada na Revista do Expresso revela que a base dos serviços de informação soviéticos instalada no Hotel Tivoli, em 1974, dispunha de 14 operacionais Neste fim de semana em que nos despedimos de um ano e nos preparamos para outro, o Expresso republica histórias, reportagens, conversas, narrativas, dúvidas, considerações, certezas e revelações que fizeram de 2016 um ano preenchido. Todos estes artigos são publicados tal como saíram inicialmente

Miguel Cadete

Miguel Cadete

Diretor-Adjunto

O acesso ao Arquivo Mitrokhin, depositado na Universidade de Cambridge, indica que a "rezidentura" do KGB em Lisboa, no pós-25 de Abril, era considerável. Os 14 espiões do posto de Lisboa, todos com cobertura legal, e tal como a Embaixada da União Soviética, instalados no Hotel Tivoli, incluiam também jornalistas do "Izvestia" ou das agências TASS e Novosti.

Estas e muitas outras informações são pela primeira vez publicadas na edição do Expresso que este sábado cehgou às bancas, de acordo com uma investigação de Paulo Anunciação que, desde novembro, tem passado a pente fino os arquivos que Vasili Mitrokhov copiou quando era arquivista-chefe do KGB em Moscovo. Esses arquivos estão depositados, juntamente com os de Winston Churchill e Margaret Thatcher, na Universidade de Cambridge e foram agora, e pela primeira vez, alvo de um estudo sistemático que confrontou fontes e visados.

O posto de Lisboa começou a operar em agosto de 1974, poucos dias depois da chegada a Lisboa de Arnold Kalinin, então nomeado Embaixador da União Soviética em Portugal. Kalinin tinha prestado serviço em Havana e, de Portugal, seguiria para Angola, como embaixador. Era fluente em espanhol e português mas o KGB só comunicava com o "Centro", isto é Moscovo, a partir de Paris.

Nesse ano, a Embaixada soviética chegou a ter 210 funcionários, um número apreciável em que se contavam quase todos os 14 agentes do KGB. Como termo de comparação, vale a pena sublinhar que naquela época, e ainda de acordo com a informação do Arquivo Mitrokhin, em Paris encontravam-se 50 espiões.

Com o PCP à beira de chegar ao poder e as independências das ex-colónias, sobretudo Angola, em curso, existia um renovado interesse geo-estratégico por Lisboa que também poderia ter um papel decisivo nos movimentos contra a NATO e a entrada na CEE numa Europa ainda dividida pela Guerra Fria.

É neste cenário que, nos anos que se seguem ao 25 de Abril e até à chegada de Gorbachov ao poder, se desenrolam inúmeros episódios que envolvem os espiões soviéticos e os políticos e jornalistas portugueses que com eles vêm a colaborar.

  • Ainda há esqueletos no armário sobre atividades do KGB em Portugal

    As implicações do Arquivo Mitrokhin, e as ligações portuguesas, reveladas na última edição do Expresso, não têm fim à vista. Agora, o politólogo António Costa Pinto e a historiadora Irene Pimentel comentam a posição do PCP. Esta última lembra, a propósito, que o desvio para Moscovo dos arquivos da PIDE referentes às agências secretas também implica o partido. E que, em 1995, uma resolução do Parlamento prometeu abrir um inquérito para saber o que aconteceu. Ainda nada se fez

  • A simpática viúva inglesa que era do KGB

    A propósito da investigação do Expresso sobre os ficheiros portugueses do KGB, cuja segunda parte publicamos no próximo sábado, vale a pena olhar para casos relacionados com o Arquivo Mitrokhin que deram que falar lá fora. Como a história de Melita Norwood, a simpática viúva inglesa que era do KGB