Anterior
Qual é o papel das TIC na recuperação económica?
Seguinte
Passos Coelho: tecnologia não faz milagres (fotogaleria e vídeo)
Página Inicial   >  Dossiês  >  Dossiês Tecnologia e Ciência  >  Especial APDC  >   APDC dá contributo para melhorar administração pública (vídeo)

APDC dá contributo para melhorar administração pública (vídeo)

As novas tecnologias da comunicação têm uma palavra a dizer no cumprimento das metas definidas com a troika. Quem assim pensa são os membros da Associação Portuguesa para o Desenvolvimento das Comunicações, que se reúnem em congresso quarta e quinta-feira. Clique para visitar o dossiê Especial APDC
APDC dá contributo para  melhorar administração pública (vídeo)

A Associação Portuguesa para o Desenvolvimento das Comunicações apresenta amanhã um estudo onde "foram identificadas oportunidades e áreas de melhoria na Administração Pública" que uma vez adotadas ajudariam Portugal, segundo os seus autores, a poupar, durante três anos, os tais 11 mil milhões de euros exigidos pela troika.

Realizado por um grupo de parceiros desta associação, o estudo será apresentado no 21.º congresso da APDC que terá como tema "Quantificar o Futuro" e decorre quarta e quinta-feira (dias 23 e 24) no Centro de Congressos de Lisboa (antiga FIL), estando desde já confirmada a presença do primeiro-ministro, Passos Coelho, na sessão de abertura.

As TIC e os new media


"Face ao esforço que se pede ao país, e numa altura em que é necessária uma enorme coesão social, a APDC entende que o sector pode e deve estar disponível para contribuir ativa e decisivamente para este duplo objetivo de consolidação e relançamento", afirmou Pedro Norton, presidente da APDC, durante a conferência de imprensa de apresentação do congresso.

E mostrou o caminho a seguir: "Para consegui-lo, as TIC e os new media terão de ser proativos, identificando oportunidades de transformação estruturais e de otimização de recursos, quer na Administração Pública quer no sector privado".

Segundo Pedro Norton, neste estudo são apresentadas "seis medidas concretas com objetivos quantificados, onde se recorre a soluções tecnológicas já disponíveis, testadas e com enorme vantagem de poder ser implementadas de imediato".

Modelos de negócio procuram-se


No primeiro dia do congresso destaca-se ainda o painel "Media e Convergência", durante o qual Paul Lee, coordenador do estudo "Predictions" da consultora Deloitte, abordará o impacto das rápidas mudanças tecnológicas no negócios dos media. Que posicionamento terão os media na cadeia de valor? Que revoluções se antecipam? Como podem contribuir para o desenvolvimento sustentado da economia e da sociedade?

Eis algumas questões a que Francisco Pinto Balsemão, presidente da Impresa (dona do Expresso), Guilherme Costa, administrador da RTP, e Miguel Pais do Amaral, administrador da Media Capital, que participam como oradores, deverão responder durante as suas intervenções.



Opinião


Multimédia

Cheesecake com manjericão e doce de tomate

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Voámos num F-16

Um piloto da Força Aérea voou com uma câmara GoPro do Expresso e temos imagens inéditas e exclusivas para lhe mostrar num trabalho multimédia.

Salada de salmão com sorvete de manga

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Por faróis nunca dantes navegados

São a salvaguarda dos navegantes, a luz que tranquiliza o mar. Há 48 faróis em Portugal continental e nas ilhas. Este é um acontecimento único: todos os faróis e 1830 km de costa disponíveis num mesmo trabalho. Para entendê-los e vê-los, basta navegar neste artigo.

Parecem casulos onde gente hiberna à espera de ver terra

No Porto de Manaus não há barcos, mas autocarros bíblicos que caminham sobre água. Têm vários andares e estão cheios de camas de rede que parecem casulos onde homens, mulheres e crianças aguardam o destino. E há gente a vender o que houver e tiver de ser junto ao Porto. "Como há Copa, tem por aí muito gringo que vem ter com 'nóis'. E então fica mais fácil vender"

O adeus de Lobo Antunes às aulas de medicina

O neurocirurgião deu terça-feira a sua "Última Lição" no auditório do Instituto de Medicina Molecular da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa, na véspera de deixar o seu trabalho no serviço nacional de saúde.

Jaguar volta a fabricar desportivo dos anos 60

Até ao verão será fabricado um número limitado de desportivos Jaguar E-Type Lightweight, seguindo todas as especificações originais, incluindo a continuação do número de série das unidades produzidas em 1963.

"Naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas"

Mais do que uma manifestação, o 'primeiro' 1º de Maio é recordado como a grande festa da Revolução dos Cravos, quando o povo saiu às ruas em massa e a união das esquerdas era um sonho possível. "O 1º de Maio seria mais uma primeira coisa, porque naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas." Foi há 40 anos.

Este trabalho não foi visado por qualquer comissão de censura

Aquilo que hoje é uma expressão anacrónica estava em relevo na primeira página do "República", a 25 de Abril de 1974: "Este jornal não foi visado por qualquer comissão de censura". Quarenta anos depois da Revolução, veja os jornais, ouça os sons e compreenda como decorreu o "dia inicial inteiro e limpo", como lhe chamou Sophia. O Expresso falou ainda com cinco gerações de 40 anos e percorreu a "geografia" das Ruas 25 de Abril de todo o país, falando com quem lá mora. Veja a reportagem multimédia.


Comentários 2 Comentar
ordenar por:
mais votados
Banha da cobra!
Que querem estes vendedores de "banha da cobra" vender ao Estado?
Querem vender qualquer coisa que nos irá custar mais uma vez os olhos da cara!

Quando batem à porta para vender qualquer coisa, adecisão deve ser sempre "correr com eles"...

Quem compra,deve comprar apenas o que precisa, e antes de comprar deve procurar todas as alternativas, etc..

Estes agora fazem lembrar os bancos que oferecem créditos novos para pagar os créditos mais antigos, juntando-os todos... O cliente fica sempre prejudicado, fica sempre a pagar mais!
Contributo sem conveniência
Se for sem interesses, ou seja mais dinheiro dos contribuintes, são bem-vindas. Através de estudos a pareceres, tem os governos enterrado milhões do erário público para nada.
Comentários 2 Comentar

Últimas

Ver mais

Edição Diária 17.Abr.2014

Leia no seu telemóvel, tablet e computador
PUBLICIDADE

Pub