46
Anterior
Portas diz que reunião do Conselho de Estado é "absolutamente normal"
Seguinte
Promotores da manif desvinculam-se de partidos e sindicatos
Página Inicial   >  Dossiês  >  Dossies Atualidade  >  Mais austeridade  >   Ao minuto: siga as manifs por todo o país
ao minuto

Ao minuto: siga as manifs por todo o país

Dezenas de manifestações saem à rua um pouco por todo o país (e até no estrangeiro). Siga todos os acontecimentos ao minuto.
|

23h20: Um repórter de imagem do "Correio da Manhã", Jorge Lopes, foi atingido por um objeto lançado por manifestantes, em frente à Assembleia da República, em Lisboa. Jorge Lopes ficou a sangrar da cabeça, tendo sido transportado para o hospital, de acordo com o "Correio da Manhã".


23h15: Pelo menos três pessoas foram detidas em frente à Assembleia da República, em Lisboa, onde ainda estão concentradas milhares de pessoas em protesto contra as medidas de austeridade do Governo. Depois da ação da polícia, pelas 23h, os manifestantes começaram a arremessar pedras e vários objetos para as escadarias, onde estão vários agentes policiais.


23h04: Mais duas pessoas foram detidas em frente à Assembleia da República, em Lisboa, de acordo com Tiago Miranda, fotojornalista do Expresso que está no local.


22h34: Raquel Pinto, jornalista do Expresso que está em frente à Assembleia da República, em Lisboa, diz que há um polícia com uma pequena câmara de vídeo a filmar os manifestantes.


22h25: O fotojornalista do Expresso, Tiago Miranda, está em frente à Assembleia da República, em Lisboa, onde ninguém arreda pé:


Tiago Miranda Fotografia tirada através de telemóvel

22h21: Chega agora mais um reforço policial à escadaria da Assembleia da República, em Lisboa, onde milhares de manifestantes continuam reunidos.


22h10: O PS já reagiu às manifestações, através do porta-voz João Ribeiro, para dizer que o Governo tem de tirar uma leitura da insatisfação das pessoas e que a "política de austeridade não pode continuar". Os socialistas dizem que "o primeiro-ministro tem de recuar na proposta de aumento da Taxa Social Única para os trabalhadores".


21h44: Os manifestantes em frente à Assembleia da República pedem aos agentes para se juntarem ao protesto e reclamam a passagem para a escadaria, porque "esta casa [o Parlamento] é nossa", conta Raquel Pinto, jornalista do Expresso no local.


21h39: Para além do rebentamento de três petardos, foram arremessadas garrafas e tomates para a escadaria da Assembleia da República, em Lisboa, onde se encontram vários agentes da polícia.

O trânsito está cortado na Calçada da Estrela e na Rua de São Bento.


21h35: "Tira a farda, tira a farda", gritam os manifestantes para os polícias que impedem a passagem de manifestantes para a escadaria da Assembleia da República, em Lisboa, relata Raquel Pinto, jornalista do Expresso no local.


21h33: Milhares de pessoas continuam em frente à Assembleia da República, em Lisboa (fotografia publicada no Facebook pela conta "Indignados Lisboa"):



21h25: Há no meio da multidão polícias à paisana, diz Raquel Pinto, jornalista do Expresso que está em frente à Assembleia da República, em Lisboa. Foi detida uma pessoa no meio da multidão, que gritou "cabrões infiltrados" enquanto foi levada. O ambiente continua tenso.


21h18: A jornalista do Expresso na Assembleia da República, Raquel Pinto, diz que está a haver um "reforço policial no topo da escadaria", o que motivou assobios dos manifestantes, que gritam "o povo unido jamais será vencido".


21h12: Raquel Pinto, jornalista do Expresso, está na Assembleia da República, em Lisboa, e relata os incidentes a partir do local: "Estava tudo mais ou menos calmo, os manifestantes cantaram o hino nacional e o "Grândola Vila Morena". Continuavam a chegar pessoas quando foram lançados petardos contra a polícia e os ânimos exaltaram-se. Houve pessoas a recuar, abriu-se um clarão, mas a polícia manteve-se serena. Os manifestantes também não entraram em confronto direto com os agentes, ainda que tenha havido um indivíduo a subir a escadaria, que foi rapidamente capturado pela polícia."


21h07: Manifestantes estão a lançar petardos contra a polícia, em frente à Assembleia da República, em Lisboa.


20h58: A Avenida dos Aliados, no Porto, continua fechada ao trânsito e milhares de pessoas continuam reunidas no local.


20h43: A psicóloga Joana Amaral Dias, entrevistada pela RTP junto à Assembleia da República, em Lisboa, diz que os portugueses mostraram estar "profundamente indignados e com razões para isso" e que o Governo não pode continuar "surdo".


20h33: O dispositivo policial está a ser reforçado e há dezenas de agentes com cães a impedir a passagem dos manifestantes para a escadaria da Assembleia da República, em Lisboa. Os protestantes apelam à polícia para deter deputados e governantes, "os gatunos estão lá dentro", dizem.

O fluxo de gente que está a desembocar no Parlamento ocupa toda a Rua de São Bento, como é possível constatar numa fotografia publicada no Twitter por @domingosmiguel:



20h31: Milhares de pessoas já estão reunidas em frente à Assembleia da República e há muitos protestos contra a polícia.


20h24: Há muita tensão em frente à Assembleia da República. A polícia impede os manifestantes de subirem a escadaria e os manifestantes respondem atirando as grades de segurança ao chão. "A polícia é de todos", gritam.


20h22: Publicação de Henrique Monteiro, jornalista e diretor na Impresa Publishing, no Facebook:



20h19: Tweet da jornalista Fernanda Câncio, que esteve na manif em Lisboa:



20h04: Milhares de pessoas continuam na Praça de Espanha, em Lisboa, de acordo com Nuno Botelho, fotojornalista do Expresso:


Nuno Botelho Fotografia tirada através de telemóvel

19h59: A manifestação em Lisboa já está a desmobilizar, mas há manifestantes que se estão a dirigir para a Assembleia da República.


19h55: Tweet do jornalista Rui Catalão, na manif em Lisboa:



19h48: As deputadas do Bloco de Esquerda Ana Drago e Catarina Martins estiveram na manifestação realizada em Lisboa e defenderam que o Governo tem de ouvir a voz dos portugueses antes que seja tarde. "Este não é o caminho. Ouçam, ouçam as pessoas que estão na rua, antes que seja tarde demais", pediu Ana Drago, citada pela Agência Lusa. "A receita que está a ser seguida não dá resultados", acrescentou. No mesmo sentido, Catarina Martins considerou que "não é possível que ninguém ouça hoje os gritos de tantos milhares que estão na rua, a indignação de toda esta população que, em todo o país, saiu à rua para dizer basta".


19h44: Em Ponta Delgada, na ilha de São Miguel, nos Açores, saíram à rua mais de 300 pessoas, junto às Portas da Cidade.


19h37: A socialista Helena Roseta, vereadora da Câmara Municipal de Lisboa, está na manif na capital: "É uma manifestação enorme, um sinal fortíssimo de que as pessoas estão muito insatisfeitas e revoltadas, e querem uma mudança rápida. Governo, deputados e Presidente da República têm de olhar para aqui. Fiquei surpreendida com a dimensão do protesto, não há muitos momentos destes na democracia portuguesa. É um momento de mudança e viragem", disse, em direto na RTPi.


19h34: O cantor Pedro Abrunhosa está no protesto no Porto e congratula-se pela "forma pacífica e serena" como decorreram as diversas manifs. "É bom que o Governo perceba que perdeu o apoio do país", disse, em direto na RTPi.


19h32: A organização do protesto "Que se lixe a troika" apelou aos manifestantes para estarem na sexta-feira "à porta do Conselho de Estado".


19h28: Pedro Passos Coelho foi um dos alvos da indignação da multidão em Lisboa. Fotografia do fotojornalista do Expresso, Tiago Miranda:


Tiago Miranda Fotografia tirada através de telemóvel

19h20: Dezenas de milhares de pessoas na manifestação no Porto (fotografia publicada no Twitter pelo utilizador @cita_57):



19h14: Relato da jornalista do Expresso, Carolina Reis, na Praça de Espanha, em Lisboa: "Quase que não se consegue ver o chão de tão cheio que isto está. Mal me consigo mexer no meio da multidão".


Carolina Reis Fotografia tirada através de telemóvel

19h06: Protestos também em Berlim, divulgados pelo @queselixetroika:



18h59: Tweet da escritora Inês Pedrosa:


18h56: Manifestação em Sines (fotografia publicada no Twitter pelo jornalista Ricardo Rosa):



18h50: Milhares de pessoas saíram à rua no Funchal, na Madeira, como há muito não se via, de acordo com os impulsionadores locais, Ricardo Vieira e Duarte Rodrigues, citados pela Agência Lusa: "Tendo em conta a falta de cultura de manifestação que a região tem, (...) a democracia agradece e mostra que está na altura de mudar".


18h44: Carolina Reis, jornalista do Expresso, diz que os promotores, em Lisboa, anunciam a presença de mais de 80 mil pessoas no Porto. Em Viseu estarão entre 15 e 20 mil, em Beja mais de mil, em Coimbra mais de 10 mil e em Setúbal 6 a 7 mil.


Carolina Reis Fotografia tirada através de telemóvel

18h41: O já habitual "Vai estudar, Relvas", em Lisboa:


Carolina Reis Fotografia tirada através de telemóvel

18h37: Vídeo do protesto em Leiria (que reuniu mais de 3 mil pessoas, de acordo com os promotores), publicado no YouTube por Mário Sérgio Felizardo:



18h29: Uma pessoa foi detida pela polícia depois de alguma tensão junto aos escritórios do FMI, em Lisboa, para onde foram arremessados tomates, petardos e garrafas de cerveja. Veja a fotografia do fotojornalista do Expresso, Nuno Botelho, no local:


Nuno Botelho Fotografia tirada através de telemóvel

18h23: Também há manif em Londres (fotografia publicada no Twitter pelo utilizador @nuno75):



18h21: Os promotores da manifestação - "Que se lixe a troika, queremos as nossas vidas" - dizem que estiveram mais de 3 mil pessoas no protesto em Leiria.


18h19: Carolina Reis, jornalista do Expresso, diz que a manif já está a chegar - de forma pacífica - à Praça de Espanha, em Lisboa.


18h15: Na Avenida da República, em Lisboa, foram atirados tomates e tochas contra o prédio do FMI.


18h12: Milhares de pessoas estão na rua em Faro (fotografia publicada no Twitter pela utilizador @andremarreiros):



18h04: A jornalista do Expresso, Carolina Reis, em Lisboa, diz que há muitas famílias na rua:


Carolina Reis Fotografia tirada através de telemóvel

17h59: Anabela Natário, jornalista do Expresso, também está na manif em Lisboa:


Anabela Natário Fotografia tirada através de telemóvel

17h52: A jornalista do Expresso Carolina Reis está na manifestação em Lisboa e conta que, à passagem pelo edifício do FMI, os gritos de ordem foram dois: "Passos para a rua" e "Não pagamos".


Carolina Reis Fotografia tirada através de telemóvel

Carolina Reis Fotografia tirada através de telemóvel

17h51: Os cantores João Gil e Luís Represas estão no protesto em Lisboa.


17h48: Polícia à frente do edifício onde está instalado o FMI em Portugal (fotografia tirada por @sassmine no Twitter):



17h45: O produtor Pedro Curto e a jornalista Manuela Moura Guedes (e, ao fundo, o produtor Piet-Hein Bakker), no protesto em Lisboa, num fotografia tirada pela jornalista do Expresso, Carolina Reis:


Carolina Reis Fotografia tirada através de telemóvel

17h38: Francisco Louçã está no Porto e já falou aos jornalistas: "O Governo não tem ninguém que o defenda. Vamos ver o que fará, se se mantem fechado na torre de marfim".


17h26: Grita-se "o povo unido jamais será vencido" na Avenida dos Aliados, no Porto.


17h19: A Avenida dos Aliados, no Porto, está a abarrotar com milhares de pessoas. Gritam-se palavras de ordem como "Passos ladrão, pede a demissão" e "o povo não quer gatunos no poder".


17h16: Tweet publicado pela escritora Pilar del Rio (@delRioPilar):


17h12: Manifestação em frente à embaixada portuguesa em Bruxelas (fotografia colocada no Twitter pelo jornalista @DuarteLevy):



17h08: Rotunda do Marquês de Pombal, em Lisboa, também está apinhada, de acordo com a imagem do fotojornalista do Expresso no local, Tiago Miranda:


Tiago Miranda Fotografia tirada através de telemóvel

17h03: Fotografia tirada em Lisboa, na Praça José Fontana, e publicada no Twitter por @caisdomundo:



16h49: A Praça José Fontana, em Lisboa, já tem milhares de pessoas a aguardar o início da manif. São esperadas cerca de 50 mil pessoas na marcha na capital, ao longo da tarde.


16h45: O metropolitano de Lisboa está a abarrotar (fotografia publicada no Twitter pelo utilizador @ocondutor):



16h39: Mais fotografias na Praça José Fontana, em Lisboa, tiradas pelo fotojornalista do Expresso Tiago Miranda:


Tiago Miranda Fotografia tirada através de telemóvel

Tiago Miranda Fotografia tirada através de telemóvel

16h35: Vídeo dos manifestantes em Braga a cantar "Grândola Vila Morena", de Zeca Afonso (vídeo publicado no Facebook por Rui Tavares, deputado no Parlamento Europeu):


16h29: Também há manifestantes em Paris, em frente à embaixada portuguesa:


Foto publicada no Twitter por @LusoRevoltParis

16h26: @Kallymero: "Em viana do castelo já começou! Avenida principal já esta fechada ao trânsito #15spt" (publicado no Twitter)


16h25: O percurso para a manif em Lisboa, que começa na Praça José Fontana e termina na Praça de Espanha:




16h18: O início da manif em Lisboa está marcado para a Praça José Fontana, onde está o fotojornalista do Expresso Tiago Miranda:


Tiago Miranda Fotografia tirada através de telemóvel

16h14: Em Braga já se cantou várias vezes a música "Grândola Vila Morena", de Zeca Afonso


16h09: Uma fotografia do início da manif em Braga, publicada no Twitter pelo utilizador @Msilvame:


16h05: Os bracarenses foram dos primeiros a sair à rua, às 15h. Relatos no local contabilizam já mais de mil pessoas a manifestarem-se.

- As manifestações marcadas para hoje:

Braga  - 15h, Avenida Central

Guimarães  - 17h, Largo do Toural

Porto - 17h, Avenida dos Aliados

Santa Maria da Feira - 17h, Câmara Municipal

Bragança - 17h, Praça Cavaleiro Ferreira

Moncorvo - 15h, Largo da Corredoura

Mogadouro - 17h, Parque da Vila

Lamego  - 17h, Monumento ao soldado desconhecido

Viseu  - 17h, Rossio

Guarda - 17h Praça Luís de Camões

Covilhã  - 17h, Pelourinho

Castelo Branco - 17h, Praça do Município

Nisa - 17h, Praça das República

Portalegre - 17h, Praça da República

Aveiro - 17h, Estação da CP

Coimbra - 15h, Praça da República

Figueira da Foz - 15h, Câmara Municipal

Marinha Grande - 17h, Parque da Cerca         

Caldas da Rainha - 15h, Largo da Câmara

Peniche - 17h, Praça Jacob Rodrigues Pereira

Leiria - 15h, Fonte Luminosa

Torres Novas - 14h, Praça 5 de Outubro

Santarém - 17h Shopping (Rua Pedro Santarém)

Torres Vedras - 15h30, Rodoviária

Lisboa - 17h, Praça José Fontana

Cascais - 17h, Hotel Baía        

Barreiro - 15h, Estação dos barcos

Setúbal - 17h, Praça do Bocage

Sines - 17h, Rossio

Évora - 17h, Praça do Giraldo

Beja - 15h, Praça da República

Castro Verde - 15h, Praça do Município

Loulé - 17h, Praça do Município

Faro - 17h, Praça da República

Portimão - 16h, Largo 1.º de Maio

Funchal  - 17h, Parque de Santa Catarina

Ponta Delgada - 16h, Portas da Cidade

Ler mais: http://expresso.sapo.pt/roteiro-das-manifestacoes-contra-a-troika=f753554#ixzz26YEdlNxb

Opinião


Multimédia

Cheesecake com manjericão e doce de tomate

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Voámos num F-16

Um piloto da Força Aérea voou com uma câmara GoPro do Expresso e temos imagens inéditas e exclusivas para lhe mostrar num trabalho multimédia.

Salada de salmão com sorvete de manga

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Por faróis nunca dantes navegados

São a salvaguarda dos navegantes, a luz que tranquiliza o mar. Há 48 faróis em Portugal continental e nas ilhas. Este é um acontecimento único: todos os faróis e 1830 km de costa disponíveis num mesmo trabalho. Para entendê-los e vê-los, basta navegar neste artigo.

Parecem casulos onde gente hiberna à espera de ver terra

No Porto de Manaus não há barcos, mas autocarros bíblicos que caminham sobre água. Têm vários andares e estão cheios de camas de rede que parecem casulos onde homens, mulheres e crianças aguardam o destino. E há gente a vender o que houver e tiver de ser junto ao Porto. "Como há Copa, tem por aí muito gringo que vem ter com 'nóis'. E então fica mais fácil vender"

O adeus de Lobo Antunes às aulas de medicina

O neurocirurgião deu terça-feira a sua "Última Lição" no auditório do Instituto de Medicina Molecular da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa, na véspera de deixar o seu trabalho no serviço nacional de saúde.

Jaguar volta a fabricar desportivo dos anos 60

Até ao verão será fabricado um número limitado de desportivos Jaguar E-Type Lightweight, seguindo todas as especificações originais, incluindo a continuação do número de série das unidades produzidas em 1963.

"Naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas"

Mais do que uma manifestação, o 'primeiro' 1º de Maio é recordado como a grande festa da Revolução dos Cravos, quando o povo saiu às ruas em massa e a união das esquerdas era um sonho possível. "O 1º de Maio seria mais uma primeira coisa, porque naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas." Foi há 40 anos.

Este trabalho não foi visado por qualquer comissão de censura

Aquilo que hoje é uma expressão anacrónica estava em relevo na primeira página do "República", a 25 de Abril de 1974: "Este jornal não foi visado por qualquer comissão de censura". Quarenta anos depois da Revolução, veja os jornais, ouça os sons e compreenda como decorreu o "dia inicial inteiro e limpo", como lhe chamou Sophia. O Expresso falou ainda com cinco gerações de 40 anos e percorreu a "geografia" das Ruas 25 de Abril de todo o país, falando com quem lá mora. Veja a reportagem multimédia.


Comentários 46 Comentar
ordenar por:
mais votados
Todos devem contribuir
Enquanto eram só os trabalhadores da função pública a contribuir para a resolução da crise…tudo bem! Quando os privados são chamados a pôr também o ombro… é o desastre! Não têm todos de contribuir com a sua parte para melhorar a situação do País que os socialistas/Sócrates deixaram na quase-bancarrota?
Re: Todos devem contribuir
Re: Todos devem contribuir
Re: Todos devem contribuir
Re: Todos devem contribuir
Re: Todos devem contribuir
Re: Todos devem contribuir
Re: Todos devem contribuir
Re: Todos devem contribuir
Re: Todos devem contribuir
Re: Todos devem contribuir
Re: Todos devem contribuir
Re: Todos devem contribuir
Re: Todos devem contribuir
Re: Todos devem contribuir
Re: Todos devem contribuir
Re: Todos devem contribuir
Re: Todos devem contribuir
Re: Todos devem contribuir
Re: Todos devem contribuir
Re: Todos devem contribuir
Re: Todos devem contribuir
Re: Todos devem contribuir
Constatações interessantes
Quando apareceu a convocatória, tudo levava a crer que era assunto de gente fina, de computador e facebook, a dar mais uma passeata na avenida. Nem o PC nem a CGTP apostaram um tostão no evento. Devem estar agora a roer as unhas, por deixar escapar esta oportunidade de pôr a brigada na rua-

E tudo se pode agradecer a Passos e a Gaspar, que, em actuação conjunta, conseguiram pôr todos os portugueses do mesmo lado da barricada.Não conhecem o povo e não sabem que, por mais argumentos económicos que possam apresentar. a ideia de tirar a trabalhadores para dar a patrões, não cabe na cabeça das pessoas.

Eventualmente, uma manifestação elitista e exclusivista, vai transformar-se num dos maiores movimentos de protesto alguma vez feiro em Portugal, genuíno e sentido.

Boa lição para estes aprendizes de feiticeiro, que tratam as pessoas como se fossem um produto nos seus cálculos económicos e não contam com os valores e a personalidade de cada cidadão.

As pessoas não são sacos de batatas.....
Re: Constatações interessantes
Re: Constatações interessantes
Re: Constatações interessantes
Re: Constatações interessantes
Re: Constatações interessantes
Re: Constatações interessantes
esticaram tanto a corda que ela rebentou
hoje estou orgulhoso do meu povo!
Real Demo
se nao houver a grande revoluçao para implantar a verdadeira democracia eu desisto de ser portugues !
Re: Real Demo
Ó rico chulo
Muitas das pessoas que lá estão já trabalham e mesmo assim não têm dinheiro para comer, outras não trabalham porque não Conseguem emprego, eu não estou lá porque estou à espera da única consulta que vou dar numa tarde inteira onde 41.5% vai para o estado e tu estas de certeza com o cu no sofá a escrever porcaria na net e a gozar com quem luta pela vida. Metes nojo.
Re: Ó rico chulo
Re: Ó rico chulo
Manifestações
A SIC bem procura um ângulo dar uma imagem distorcida do que se passa aqui na Avenida dos Aliados. Mas, eu estou a ver de uma das janelas, e a manifestação limita-se a uns 2 milhares de pessoas, se tanto, junto à Câmara. Mais de 4/5 da Avenida não tem ninguém.
Re: Manifestações
Re: Manifestações
Re: Manifestações
Re: Manifestações
também sou assim como vc!
Re: Manifestações
Nem a RTP1 nem a RTP2 a cobrir este facto
HISTÓRICO!!!

Belo serviço público.

POIS é ...
Concordo plenamente com o que aqui já foi escrito. Sou contra algumas medidas,acho que se poderia chegar ao mesmo ponto com medidas diferentes, no entanto, acho uma piada enorme ver que enquanto eram só os fp a sofrer , as pessoas até se riam, e achavam muito bem os cortes pois era a bem do País e os fp eram, afinal, os maus da fita Agora que todos têm que contribuir, e vêem que dói e custa ver o rendimento diminuir, já todos acham mal a austeridade e já se mexem. Pois é ... custa custa ... Estou do lado de todos mas ... há incongruência nestas atitudes,
PROTESTAMOS
Muito haveria a dizer sobre os culpados da situação em que nos encontramos. O BPN, a Divida da Madeira, as PPP'S e Fundações que TODOS os Governos promoveram, as auto-estradas sem sentido que TODOS os Governos inauguraram, a MAIOR entrada de funcionários para a Função Publica e a DESTRUIÇÃO da Agricultura, das Pescas e da Industria com o carimbo de Cavaco Silva, as pequenas e as grandes CORRUPCOES tranversais a toda a Sociedade, particularmente no Estado, nas Câmaras Municipais e Juntas de Freguesis, a CUNHA de que todos beneficiamos e promovemos, as FACTURAS de que prescindimos de exigir, as FORTUNAS que não ficam em Portugal, as m'as opções que Governos, Câmaras Municipais, Empresários e Todos nos apoiamos, a DITADURA a que nos submetram e que, entre outros malefícios nos toldou como um Povo submisso e pouco exigente, os POLÍTICOS que nas opositores e nas campanhas eleitorais PROMETEM uma coisa para logo que são eleitos NÃO CUMPRIREM e que N'OS ACEITAMOS COMO NORMAL, a IDEOLOGIA PERIGOSA que neste momento se quer instalar de novo em Portugal e que se baseia no EMPOBRECIMENTO, a nível económico, de educação e de direitos da maioria dos Portugueses em beneficio de alguns, poucos ...... Enfim, não podemos, honestamente, culpar UNICAMENTE, os Governos Socialistas.
Comentários 46 Comentar

Últimas


Edição Diária 17.Abr.2014

Leia no seu telemóvel, tablet e computador
PUBLICIDADE

Pub