Anterior
Dr. Passos e Dr. Portas: vão roubar para a estrada!
Seguinte
"Sai da frente Guedes" que vem aí o Hélio e ele só pára com a boca nas ...
Página Inicial   >  Blogues  >  100 reféns  >   Angélico, Sónia Brazão e o estrume da comunicação social

Angélico, Sónia Brazão e o estrume da comunicação social

|

Não escrevi até hoje sobre estas duas pessoas. Em primeiro lugar porque não me apeteceu, em segundo porque outros se encarregaram de o fazer de forma incessante, até à exaustão, e em terceiro porque para além de considerar estes dois factos um "não assunto" tenho para mim que a dor e o luto das pessoas em causa e das famílias devem ser respeitados. Mas outros há que acham que a morte de um jovem (igual à morte de qualquer outro jovem em condições trágicas, e como sucedeu no mesmo acidente) e a desgraça de uma actriz (igual à desgraça de qualquer outra pessoa nas mesmas circunstancias) devem ser esquizofrénica e impiedosamente escrutinadas, e fizeram-no de uma forma asquerosa. A exploração da morte e da desgraça alheia atingiu durante uma ou duas semanas neste país o cúmulo do ridículo. E é fácil ver quem e que órgãos promoveram a estupidez de forma vil: é só fazer uma busca simples no Google.

O "famoso" News of the World - jornal britânico de Rupert Murdoch entretanto extinto e mundialmente conhecido por ser capaz de tudo por uma cacha, mas rigorosamente tudo, parece ter disseminado a sua forma de actuação e feito escola entre jornais e revistas portuguesas. Mas se muita imprensa já era e é lixo, outros se colocaram à porta da incineradora e com vontade de entrar. E trituram a própria moral se preciso for.

Acho que nem a morte de Amy Winehouse, uma estrela internacional, das maiores da última década, figura conhecida (nem sempre pelos melhores motivos, é certo) em qualquer canto mais recôndito deste planeta, foi explorada de forma tão cobarde, mesquinha, fútil, imbecil e profundamente deprimente. Um verdadeiro nojo. Lixo. Estrume comunicacional. Sem nível, inteligência ou sombra de discernimento entre o que é informação e o que não passa de excitação momentânea baseada em muitos números e pouco cérebro.

Muitos jornais deste país, no papel e nos seus sites foram atrás das revistas de WC e de sala de espera de consultório na forma de actuar. Publicações que continuam a vender porque, sejamos honestos, grande parte da população deste país gosta é de saber "quem comeu a não sei quantas, onde e a que horas", "a outra que pôs mamas", o híbrido que tem a mania que é vedeta em Nova Iorque, o casal que foi para as Caraíbas depois de aparecer 15 segundos nos Morangos com Açúcar (e nascem mais duas pseudovedetas) e a vida amorosa do drogadinho das novelas que anda a largar a coca e passa a vida num entra e sai da clinica como um esquilo ganzado. Aquilo a que muitos não limpam o rabo é a leitura diária, e única, de milhares de pessoas. Explica muita coisa. Muita mesmo.

E caíram, assim, todos de uma vez na sarjeta da informação. Quem quiser que enfie a carapuça. São escolhas.

Acompanhe o 100 Reféns no Facebook

Na página oficial do 100 Reféns no Facebook juntam-se pessoas que gostam e que não gostam, que odeiam e que adoram, que veneram e que detestam, mas que não são indiferentes a este blogue do Expresso. Dê um passo e junte-se a nós.

Clique no link para aceder à página do 100 Reféns no Facebook .



Opinião


Multimédia

Os assassínios, as execuções, as decapitações são as imagens mais chocantes de uma propaganda cada vez mais sofisticada. É a Jihad, que recruta guerrilheiros no ocidente para matar e morrer na Síria. O Expresso seguiu as pisadas de cinco jiadistas portugueses, mostrando quem são e como foram convertidos e radicalizados. E como lutam, como foram morrer - e como já haverá arrependidos com medo de fugir. Reportagem em Londres, no café onde viam jogos de futebol, na universidade onde estudavam e na mesquita onde rezavam. Autoridades e especialistas em terrorismo estão alerta sobre este pequeno mas perigoso grupo, onde corre sangue português - e de onde escorre sangue por Alá.

Desacelerámos a realidade para observar a euforia da liberdade

Ela, Jacarandá, é algarvia. Ele, Katmandu, é espanhol. São linces e agora experimentam a responsabilidade da liberdade: foram soltos esta terça-feira numa herdade alentejana, próxima de Mértola, eles que saíram de centros de reprodução em cativeiro. Foi inédito: nunca tinha acontecido algo assim em Portugal. Estivemos lá e ensaiámos o slow motion.

Geração Z

Mais rápidos, mais capazes, mais solitários, os Z vivem agarrados aos ecrãs, pensam com a ajuda da internet e estão permanentemente preocupados com a bateria do telemóvel. Que geração é esta que nasceu com a viragem do século?

Desaparecidos para sempre no Mar do Norte

O dia 15 de novembro já foi feriado, há 90 anos. A razão foi o desaparecimento de Sacadura Cabral algures no Mar do Norte. Depois de fazer mais de oito mil quilómetros de Lisboa ao Rio de Janeiro, o aviador pioneiro não conseguiu completar o voo entre a cidade holandesa de Amesterdão e a capital portuguesa. Ainda hoje, não se sabe o que aconteceu ao companheiro de Gago Coutinho e tio-avô de Paulo Portas, a quem o Expresso pediu um sms.

Os muros do mundo

Novembro relembrou-nos os muros que caem, mas também os que permanecem e os que se expandem. Berlim aproximou-se de si própria há 25 anos, mas há muros que continuam a desaproximar. Esta é a história de sete deles - diferentes, imprevisíveis, estranhos.

Tudo o que precisa de saber sobre o ébola. Em dois minutos

Porque é que este está a ser o pior surto da história? Como é que os primeiros sintomas se confundem com os de outras doenças? É possível viajar depois de ter contraído o vírus, sem transmitir a doença? E estamos ou não perto de ter uma vacina? O Expresso procurou as respostas a estas e outras dúvidas sobre o ébola.

A última viagem do navio indesejado

Construído nos Estaleiros de Viana e pensado para fazer a ligação entre ilhas nos Açores, o Atlântida foi recusado pelo Governo Regional por alegadamente não atingir a velocidade pretendida. Contando com os custos associados à dissolução do contrato, o prejuízo ascendeu a 70 milhões de euros. Foi agora comprado a "preço de saldo", para mudar de nome e ser reconvertido num cruzeiro na Amazónia. Fizemos a última viagem do Atlântida e vamos mostrar-lhe os segredos do navio.

O papa-medalhas que veio do espaço

O atleta português mais medalhado de sempre, Francisco Vicente, regressou dos campeonatos europeus de veteranos, na Turquia, com novas lembranças ao pescoço. Três de ouro e duas de prata para juntar à coleção. Tem 81 medalhas, uma por cada ano de vida.

Terror religioso está a aumentar

Relatório sobre a Liberdade Religiosa é divulgado esta terça-feira em todo o mundo. Dos 196 países analisados, só em 80 não há indícios de perseguições motivadas pela fé.

Vai pagar mais ou menos IRS? Veja as simulações

Reforma do imposto protege quem tem dependentes a cargo, mas pode penalizar os restantes contribuintes. Função pública e pensionistas vão ter mais dinheiro disponível. Veja simulações para vários casos.

Tem três minutinhos? Vamos explicar-lhe o que muda no orçamento de 350 mil portugueses (e no de muitas empresas)

O novo salário mínimo entrou em vigor. São mais €20 brutos para cerca de 350 mil portugueses (números do Ministério da Segurança Social, porque os sindicatos falam em 500 mil trabalhadores). Mudou o valor, mas também os descontos que as empresas fazem para a Segurança Social. Porque se trata de uma medida que afeta a vida de muitos portugueses, queremos explicar o que se perde e o que se ganha, o que se altera e o que se mantém.

Music fighter: temos Marco Paulo e Bruno Nogueira numa batalha épica

Está preparado para um dos encontros mais improváveis na história da música portuguesa? O humorista Bruno Nogueira e a cantora Manuela Azevedo, dos Clã, pegaram em várias músicas consideradas "pimba" - daquelas que ninguém admite ouvir mas que, no fundo, todos vão dançar assim que começam a tocar - e deram-lhe novos arranjos, num projeto que chegou aos coliseus de Lisboa e do Porto.  "Ninguém, ninguém", de Marco Paulo, tem possivelmente a introdução mais acelerada e frenética do panorama musical português. Mas, no frente-a-frente, quem é o mais rápido? Vai um tira-teimas à antiga?

Dez verdades assustadoras sobre filmes de terror

Este vídeo é como o monstro de "Frankenstein": ganhou vida graças à colagem de partes de alguns dos filmes mais aterrorizantes de sempre. Com uma ratazana mutante e os organizadores do festival de cinema de terror MotelX pelo meio. O Expresso foi à procura das razões que explicam o fascínio pelo terror, com muito sangue (feito de corante alimentar) à mistura. 

A paixão do vinil

Se para muitos o vinil é apenas uma moda que faz parte da cultura do revivalismo vintage, para outros ver o disco girar nunca deixou de ser algo habitual.

Portugal foi herdado, comprado ou conquistado?

Era agosto em Lisboa e, às portas de Alcântara, milhares de homens lutavam por dois reis, participando numa batalha decisiva para os espanhóis e ainda hoje maldita. Aconteceu em agosto de 1580. Mais de 400 anos depois, o Expresso deu-lhe vida, fazendo uma reconstituição do confronto através do recorte e animação digital de uma gravura anónima da época.

O Maradona dos bancos centrais

Dizer que Mario Draghi está a ser uma espécie de Maradona dos bancos centrais pode parecer estranho. Mas não é exagerado. Os jornalistas João Silvestre e Jorge Nascimento Rodrigues explicaram porquê num conjunto de artigos publicado no Expresso em Novembro de 2013 e que venceu em junho deste ano o prémio de jornalismo económico do Santander e da Universidade Nova. O trabalho observa ainda o desempenho de Ben Bernanke no combate à crise, revisita a situação em Portugal e arrisca um ranking dos 25 principais governadores de bancos centrais. Republicamos os artigos num formato especial desenvolvido para a web.


Comentários 47 Comentar
ordenar por:
mais votados
Tiago, bem hajas!
Estrume da comunicação social!? Juro que nem acredito. Eu leio uma, duas, três vezes e não quero acreditar. Esfrego os olhos e volto a ler; lá está. Lá está aquilo que eu há muito tempo gostaria de ler como uma verdade insufismável e que representa a nossa CS, toda ela; que muitos órgãos da CS promovem a estupidez de forma criminosa e vil. Tiago, meu caro; você é o jornalista anti-jornalista, um anti-corpo num meio altamente cancerígeno, o Kapitan Expresso (e não o piroso America) que luta contra uma enxurrada negra e assassina como tsunami no Japão. Só por isso tem toda a minha admiração, respeito e apoio! Bem haja Tiago.

Re: Tiago, bem hajas!
Tiago Mesquita não tem razão
TRASH TV
Comentários
Não costumo comentar este autor, por não me convencerem muitas das abordagens que faz dos assuntos. Hoje traz um assunto à baila, que me interessa.
Fala da baixeza de alguma imprensa, a recavar na vida das pessoas, sem pudor e sem limites.
Esquece que essa imprensa vende e vende bem, na minha opinião porque o mal não está na imprensa, está na curiosidade mórbida das pessoas, mais interessadas nuns pormenores mais ou menos íntimos de A ou B do que nas troikas ou dívidas.
Esse fenómeno varre todo o ocidente, na Inglaterra esse tipo de imprensa é a que mais vende, em Espanha há dezenas de revistas e longos programas de televisão exclusivamente dedicadas à má língua, à devassa, à insinuação e à calúnia.

Haverá explicações sociológicas para este comportamento, mas não estou qualificado para as dar.
Re: Um mal justifica outro?
Re: Um mal justifica outro?
Re: Um mal justifica outro?
Re: Comentários
A erosão pelo consumismo
Na minha opinião o consumismo estupidificou a generalidade da população. O pessoal gosta de ligar a televisão para esquecer a sua vidinha comezinha e viver a superficialmente glamorosa vida alheia.

Chegar ao ponto de ver mais interesse na vida de outros (frequentemente, zeros à esquerda famosos por serem zeros à esquerda) do que na própria, é grave, e desconcertante.

Pode ter pouco que ver com esta erosão (aparentemente) mas se eu fosse um revolucionário de esquerda começava por pôr bombas nos retransmissores de televisão. É aí que o mal começa!
Mas como sou um moderado de esquerda...

Ha, ha? Não senhores do SIS/SIED, não estava a dar ideias nem a fazer ameaças! Eu sou o tipo menos violento que conheço! A sério! Sim, sim, moderado. De esquerda? Sim, mas...
TM
Excelente crónica cívica e não há muito mais a dizer.
Re: TM
É isso mesmo, abaixo o blogolixo.


Ólhameste…a cuspir no prato onde come…

Se a comunicação social não se alimentasse de estrume (pelo menos parte dela) que razão haveria para publicar o seu lixo…nem sei como catalogar o amontoado de patacoadas que é este blogue – isto são crónicas??

É dever dos leitores pressionar os média no sentido de abandonarem o lixo.

Eu faço a minha parte, 100 ou 200 reféns, é lixo para ocupar espaço... por mim, pode ir vender bolas de praia para a Caparica.

Re: É isso mesmo, abaixo o blogolixo.
Re: É isso mesmo, abaixo o blogolixo.
Re: É isso mesmo, abaixo o blogolixo.
Re: É isso mesmo, abaixo o blogolixo.
Re: É isso mesmo, abaixo o blogolixo.
Re: É isso mesmo, abaixo o blogolixo.
Re: É isso mesmo, abaixo o blogolixo.
Re: É isso mesmo, abaixo o blogolixo.
Ó Tiago «Mesquito»,...
O que é que queriam?
Quando se desincentiva a cultura, a educação, o respeito pelo indíviduo e se incentiva a trica, política e não só, os "fait-divers" para esconder os reais problemas de todos nós, o sucesso a todo o custo e sem olhar a meios para o conseguir, nem sequer vale a pena discutir se a culpa é da comunicação social ou de quem a ela é dirigida. É a vida...habituem-se!
Muito bom
Grande artigo/post/whatever!
Revistas, jornais, televisões,
são todos cada vez mais a contribuir para a estupidificação das pessoas que lhes dão atenção, é o que o povo quer e é o que a comunicação social lhes dá. Se lhes desse o contrário, acredito que um dia teríamos seres humanos mais cultos, mais educados, mais bem formados.
Boa Tiago!!!
No que toca aos telenoveleiros tem toda a razão embora, em ambas as histórias, haja ali uma zona cinzenta por esclarecer quanto a hipotéticos ilícitos.

Quanto ao resto, tenho de o felicitar pela excelente autocrítica que fez e pelo orgulho que deve ter de integrar esse grupelho de estrume, como lhe chama.

O próximo lançamento do livro, faça-o do Cristo-Rei de Almada. O sítio é alto e os livros podem descrever, aquando do lançamento, uma trajectória fantástica.
discordo
não é estrume, porque estrume é o que há de melhor para a agricultura. É algo altamente nocivo e que não comparável a algo fantástico como o estrume...
Não tenho palavras...
Quandi vi o titulo ...
Tive muito receio.
Contudo o corpo do artigo é muito bem escrito e completamente fora daquilo que em si é habitual
Dedica-se normalmente a glosar situações da sua juventude,algumas delas sem grande sentido,outras igualmente emgraçadas e bem escritas.
DESTA VEZ PARABÉNS TIAGO
Bem HAJA
O senhor é uma menino da cidade!
Re: O senhor é um menino da cidade!
tristeza
Tiago,
também sou defensor que existem muito outros assuntos, mais importantes dos que fez questão de relatar.
Concordo também que a CS não tem feito um bom papel nesse sentido, mas trabalha apenas consoante o que o povo português quer ver.
Continuar a falar sobre estes temas não me parece que seja a melhor solução. Para quem tanto critica, mais valia não lhes tocar e aí sim dar o seu belo contributo.

Ultimamente tenho lido alguns artigos do género (com linguagem grosseira e que causa impacto) não porque realmente os seus autores sintam o que estão a dizer, mas sim para gerarem buzz pelos facebook´s, conversas de café e consecutivamente fazer aumentar a imagem dos ditos autores.
Faça-nos um favor, preste serviço público e não esta escória.
Re: tristeza
A verdade nua e crua.
Mas não é só esta imprensa que é vil, também a clientela. Vendem-se notícias porcas porque existe clientela para elas. Os sentimentos de uma grande parte da sociedade têm o mesmo nível. Gostamos de sangue! Gostamos da desgraça alheia! A diferença entre os povos nórdicos face a, por exemplo, um acidente de automóvel, é que eles comunicam às autoridades o sucedido e continuam o seu caminho, nós, fazemos ajuntamento e queremos ver o sangue a jorrar! Uma questão de cultura...Que não temos.
estrume comunicacional
se o senhor tivesse algum tipo de conhecimento ou sabedoria relativamente a comunicação social, saberia que só assim é que os media conseguem vender aquilo que têm para dar.
Comentários 47 Comentar

Últimas


Pub