Anterior
Vieira da Silva investiga preços dos combustíveis
Seguinte
Economia chinesa cresce 11,9%
Página Inicial   >  Economia  >   ANAREC estranha que preços baixem no fim de semana

ANAREC estranha que preços baixem no fim de semana

"Apesar de não interferirmos na política comercial, ficamos a pensar que, se é possível baixar os preços aos fins de semana, porque é que não será possível fazê-lo nos outros dias", afirmou o presidente da Associação Nacional dos Revendedores de Combustíveis.
Lusa |

O presidente da Associação Nacional dos Revendedores de Combustíveis (ANAREC) admitiu hoje estranhar que algumas empresas baixem os preços dos combustíveis nos fins de semana, questionando os motivos pelos quais não o fazem nos restantes dias. 
 
"A política comercial das companhias é a política comercial que nós gostávamos também de perceber um pouco melhor. Apesar de não interferirmos na política comercial, ficamos a pensar que, se é possível baixar os preços aos fins de semana, porque é que não será possível fazê-lo nos outros dias", questionou Virgílio Constantino. 
 
O presidente da ANAREC reagia às declarações do ministro da Economia, Vieira da Silva, que admitiu na quarta feira, em entrevista à SIC Notícias, que o preço dos combustíveis em Portugal é "demasiado alto" e que vai pedir explicações à Autoridade da Concorrência e às empresas do setor. 
 
Considerando que a iniciativa do ministro da Economia "faz todo o sentido", o presidente da ANAREC manifestou, no entanto, "surpresa" pelas declarações
de Vieira da Silva. 
 
"Não queríamos deixar passar em claro sem dizer ao senhor ministro que nos surpreende a declaração quanto ao preço exagerado dos combustíveis, quando estamos a falar de combustíveis cuja carga fiscal é de 64% relativamente à gasolina e 53 ou 54% quando se trata de gasóleo", afirmou à Lusa. 

Falta de transparência no sector?


 
"Surpreende-nos um pouco esta posição do senhor ministro, quando uma parte significativa do custo final dos combustíveis está na excessiva carga fiscal que recai sobre os mesmos", acrescentou, recordando que esta posição tem sido repetida pela empresa desde 2007. 
 
Questionado sobre as acusações de vários sectores relativamente à alegada falta de transparência existente no sector, Virgílio Constantino mencionou o último relatório da Autoridade para a Concorrência, o qual conclui não existir qualquer indício nesse sentido. 
 
"Nessa altura, a entidade informou o Governo, a opinião pública e a Assembleia da República, que não existiam motivos de dúvidas, nem existia cartel, nem existia menor transparência", disse à Lusa, admitindo que a ANAREC considera também que os preços dos combustíveis em Portugal "estão excessivamente caros". 
 
A associação entre o elevado preço dos combustíveis e a carga fiscal existente sobre os mesmos tinha já sido feita ANAREC, em 2009.   

Na altura, a associação exigiu a intervenção urgente do Governo, no sentido de serem reduzidos os impostos sobre os combustíveis, argumentando que só assim se poderia salvaguardar o negócio da revenda e os respetivos postos de trabalho 

"Compete ao Governo, com a máxima celeridade, tomar medidas eficazes de salvaguarda destes postos de trabalho", afirmou a ANAREC na ocasião, precisamente no mesmo dia em que foi divulgado o relatório da Autoridade da Concorrência.  
 
Nesse documento, a entidade referia que os preços dos combustíveis em Portugal acompanhavam a tendência internacional, existindo um paralelismo de comportamento entre os operadores, ao invés de uma concertação de preços.  
 
*** Este texto foi escrito ao abrigo do novo Acordo Ortográfico ***

 

 


Opinião


Multimédia

Cheesecake com manjericão e doce de tomate

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Voámos num F-16

Um piloto da Força Aérea voou com uma câmara GoPro do Expresso e temos imagens inéditas e exclusivas para lhe mostrar num trabalho multimédia.

Salada de salmão com sorvete de manga

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Por faróis nunca dantes navegados

São a salvaguarda dos navegantes, a luz que tranquiliza o mar. Há 48 faróis em Portugal continental e nas ilhas. Este é um acontecimento único: todos os faróis e 1830 km de costa disponíveis num mesmo trabalho. Para entendê-los e vê-los, basta navegar neste artigo.

Parecem casulos onde gente hiberna à espera de ver terra

No Porto de Manaus não há barcos, mas autocarros bíblicos que caminham sobre água. Têm vários andares e estão cheios de camas de rede que parecem casulos onde homens, mulheres e crianças aguardam o destino. E há gente a vender o que houver e tiver de ser junto ao Porto. "Como há Copa, tem por aí muito gringo que vem ter com 'nóis'. E então fica mais fácil vender"

O adeus de Lobo Antunes às aulas de medicina

O neurocirurgião deu terça-feira a sua "Última Lição" no auditório do Instituto de Medicina Molecular da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa, na véspera de deixar o seu trabalho no serviço nacional de saúde.

Jaguar volta a fabricar desportivo dos anos 60

Até ao verão será fabricado um número limitado de desportivos Jaguar E-Type Lightweight, seguindo todas as especificações originais, incluindo a continuação do número de série das unidades produzidas em 1963.

"Naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas"

Mais do que uma manifestação, o 'primeiro' 1º de Maio é recordado como a grande festa da Revolução dos Cravos, quando o povo saiu às ruas em massa e a união das esquerdas era um sonho possível. "O 1º de Maio seria mais uma primeira coisa, porque naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas." Foi há 40 anos.

Este trabalho não foi visado por qualquer comissão de censura

Aquilo que hoje é uma expressão anacrónica estava em relevo na primeira página do "República", a 25 de Abril de 1974: "Este jornal não foi visado por qualquer comissão de censura". Quarenta anos depois da Revolução, veja os jornais, ouça os sons e compreenda como decorreu o "dia inicial inteiro e limpo", como lhe chamou Sophia. O Expresso falou ainda com cinco gerações de 40 anos e percorreu a "geografia" das Ruas 25 de Abril de todo o país, falando com quem lá mora. Veja a reportagem multimédia.


Comentários 0 Comentar

Últimas


Edição Diária 17.Abr.2014

Leia no seu telemóvel, tablet e computador
PUBLICIDADE

Últimas


Pub