A entrevista que interessa: Malik explica porque deixou os One Direction (envolve caminhos desviantes, diz ele)

Anterior
Jovem lésbica síria era, afinal, americano de meia-idade
Seguinte
Cinco mil descendentes e metade tem Alzheimer
Página Inicial   >  Blogues  >  Do outro mundo  >  Americana condenada por fazer piercings em gatos

Americana condenada por fazer piercings em gatos

O tribunal considerou que a produção de gatos "góticos" implicava atos cruéis, mutilações e tortura.
|
Além dos piercings, os gatos eram sujeitos a um procedimento para fazer a cauda cair mediante a interrupção prolongada do fluxo de sangue

Numa altura em que se fala tanto de sentenças judiciais absurdas, ou que parecem sê-lo, vale a pena conhecer uma que é um brilhante exemplo de sensatez. Infelizmente, não foi dada em Portugal. O caso teve lugar na Pensilvânia, um estado americano vizinho de Nova Iorque. O tema eram gatos. Mais concretamente, piercings feitos em gatos, e a questão de saber se essa prática, bem como outros tratamentos proporcionados aos animais, eram ou não crueldade nos termos da lei.

Holly Crawford, uma mulher de trinta e cinco anos, pôs anúncios no eBay, um site online, para vender gatos 'góticos'. Enquanto subcultura, o gótico anda normalmente associado a certo aspeto onde predomina a roupa negra (com toques vitorianos) e os piercings. Crawford não se propunha vestir casaca aos seus felinos, mas tinha-lhes aplicado piercings em grande quantidade. Havia-os nas orelhas, na parte de trás do pescoço e na cauda. Uma das vítimas, um gatinho de seis semanas, apresentava piercings nessas três zonas. Uns eram em forma de anel, outros de haltere.

Além dos piercings, os gatos eram sujeitos a um procedimento para fazer a cauda cair mediante a interrupção prolongada do fluxo de sangue. Para isto usava-se um elástico apertado. Uma investigadora veterinária, dra. Melinda Merch, testemunhou no julgamento que essa prática, chamada banding em inglês, seria sempre extremamente dolorosa, dada a existência de nervos espinhais na parte da cauda onde se colocava o elástico.

A dra. Merch notou igualmente que a agulha com que Crawford fazia os piercings era normalmente usada para injeções no gado. As próprias para gatos, em especial gatos novos, eram muito mais finas. Usar as outras nos piercings equivalia a tortura.

Holly Crawford foi condenada a pena de seis meses de prisão domiciliária (com monitorização eletrónica)

As funções da orelha 


Tudo isto surge explicado em termos ao mesmo tempo jurídicos e fáceis de perceber na sentença do tribunal de Luzerne County (Divisão Criminal), onde o caso foi decidido em instância de recurso. Confirmando a decisão do tribunal inferior, os três juízes mantiveram a condenação por crueldade animal e a pena de seis meses de prisão domiciliária (com monitorização eletrónica), seguida por um período de liberdade condicional.

Acessoriamente, o negócio principal de Crawford - como tratadora de cães - fica encerrado durante dois anos.   

No seu recurso, a ré alegava não ter percebido que os seus métodos causavam sofrimento, até porque vários deles eram usados em cães. Mas o tribunal notou que cães e gatos eram animais diferentes, com diferentes graus de sensibilidade em certas zonas do corpo. Crawford tentou igualmente comparar os gatos às crianças, aludindo aos brincos, que ninguém considera que "torturam, mutilam, desfiguram, maltratam, abusam ou por qualquer forma negligenciam" quem deles é objecto. O tribunal respondeu: "Uma pessoa de inteligência comum sabe que a orelha de uma criança humana e a de um gatinho são inteiramente diferentes".

A orelha de um gato, continua a sentença, "é sensível e essencial, pois serve duas funções: capturar som e comunicar de forma não-verbal (...)". Exemplo: "Quando um gato dobra as orelhas para aparecer 'ameaçador' a outro animal". Assim, "o acto de piercing pode danificá-lo permanentemente e considera-se mutilação, o que é proibido por lei. Furar a orelha de uma criança não leva às mesmas consequências".       

Quanto aos piercings no pescoço, bastava lembrar que essa área, por onde as gatas submetem as crias, é um feixe de nervos.

Um gatinho arrancou um piercing


O processo teve origem quando alguém avisou a PETA, uma organização de defesa dos animais, sobre o anúncio colocado por Crawford. Uma investigadora foi enviada à morada lá referida e deparou com um espetáculo arrepiante: "Quatro gatinhos pretos estavam no chão; três tinham orelhas furadas, um não tinha cauda, e um tinha um anel de borracha na cauda (...) Os três gatinhos furados não se moviam de todos e eram muito dóceis, ao contrário do que é normal nessa idade".

Crawford mostrou-se entusiástica sobre piercings, e disse que acabado de fazer um pela primeira vez a uma criança dela. Admitiu que os gatos eram furados sem anestesia, e que gritavam. "Um dos gatinhos tinham arrancado um piercing, que a ré admitiu ter voltado a colocar". Contou também como tinha posto um anel numa cauda que acabara por cair.

A última defesa de Crawford foi dizer que a lei sobre crueldade animal era demasiado vaga, e portanto inconstitucional. Como podia ela saber que fazer aquelas coisas era cruel? Mais, que podia ser tortura? O tribunal rejeitou o argumento: "'Atroz' é definido, em parte, como extremamente maldoso, brutal, cruel ou bárbaro (...) Colocar um anel de borracha na cauda de um gatinho para interromper a circulação de sangue até a cauda cair, ou a ação de pôr uma grande agulha, empregue para injetar gado, na orelha ou pescoço de um animal de quilo e meio qualifica-se como atroz. O tribunal tem muita consciência de que os animais são criaturas vivas que sentem dor e têm a experiência do sofrimento". 

 


Opinião


Multimédia

Edwin. O rapaz que aprendeu a sonhar

O que Edwin sabia sobre a vida era sobreviver. Na cabeça dele não cabiam sonhos e os dias eram passados à procura de comida para ele e para a mãe e para o irmão. A fome espreitava nos cantos da barraca de palha no Quénia e ele escondia-se dela como podia - chupar as pedras era uma forma de a enganar. Mas a sorte dele mudou porque alguém viu nele outra coisa. E tudo começou numa dança. Agora, os mesmos dedos que agarravam as pedras tocam hoje teclas de um piano Bechstein. E os pés dele já não estão nus mas calçados. Com chuteiras. Primeiro no Benfica, agora no Estoril, o miúdo de 15 anos que fala como gente grande descobriu que tinha um sonho: ser futebolista. Como Drogba.

Em três quartos de hora não se esquece só a idade. "Esquece-se o mundo"

Maria do Céu dá três voltas ao lar sempre que pode. Edviges vai a todos os velórios, faz hidroginástica e sopas de letras. António dá um apoio na Igreja e nos escuteiros. Tudo é uma ajuda para passar os dias quando se tornam todos iguais. No Pinhal Interior Sul, a região mais envelhecida da União Europeia, quase um terço da população tem mais de 65 anos. Os mais velhos ficaram, os mais novos partiram.

Profissão: Sniper

O Expresso foi ver como são selecionados, que armas usam, para que missões estão preparados os snipers da Força de Operações Especiais do Exército. São uma elite dentro da elite. Um pelotão restrito. Anónimo. Treinam diariamente com um único objetivo: eliminar um alvo à primeira, mesmo que esteja a centenas de metros. Humano ou material. Sem dramas morais, dizem.

Xarém com conquilhas

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione com esta nova receita.

O que se passa dentro da cabeça dele

O que leva um tipo a quem iam amputando uma perna a regressar ao sítio onde os ossos se desfizeram, uma e outra vez, e testar os limites do seu corpo? Resposta: a busca pelo salto perfeito, que ele diz existir dentro dele e que ele encontrará mais dia menos dia. É a fé e a confiança que o movem e o levam a pular para lá do que é exigido a um campeão olímpico e mundial que não tem mais nada a provar a ninguém - a não ser a ele próprio. Este é um trabalho que publicámos em agosto de 2014, quando o saltador se preparava para os Europeus e falava das metas que tinha traçado para 2015 e 2016: mostrar que não estava acabado. Sete meses depois, provou-o no Europeu de pista coberta em Praga, onde venceu este fim de semana.

Amadeu, que aprendeu o mundo no campo e tinha o coração na ponta dos dedos

Em Portugal, a dedicação à língua mirandesa tem nome próprio: Amadeu Ferreira, o jurista da CMVM que - quando todos diziam que "era uma loucura impossível" - arranjou tempo para traduzir "Os Lusíadas", a "Mensagem", os quatro Evangelhos da Bíblia e ainda duas aventuras do Asterix para uma língua que pertence a um cantinho do nordeste português e é falada por menos de 15 mil pessoas. No final de 2014 deu ao Expresso aquela que viria a ser a sua última entrevista. Morreu no passado domingo e esta quinta-feira foi lançada a sua biografia, "O fio das lembranças", com quase 800 páginas.

Temos 16 imagens que não explicam o mundo, mas que ajudam a compreendê-lo

O júri do World Press Photo queria dar o prémio maior da edição deste ano (e talvez das edição todas) a uma fotografia com "potencial para se tornar icónica". A primeira imagem desta fotogaleria, por ser "esteticamente poderosa" e "revelar humanidade", é o que o júri procurava. A fotografia de um casal homossexual russo, a grande vencedora, é a primeira de 16 imagens de uma seleção onde há Messi desolado, migrantes em condições indignas no Mediterrâneo, a aflição do ébola, mistérios afins e etc - são os contrastes do mundo.

Vamos falar de sexo. Seis portugueses revelam tudo o que lhes dá prazer na cama

Neste primeiro episódio de uma série que vai durar sete semanas, seis entrevistados falam abertamente sobre aquilo que lhes dá mais satisfação na intimidade. Sexo em grupo, sexo na gravidez, prazer sem orgasmo e melhor sexo após a menopausa são alguns dos temas referidos nos testemunhos desta semana. O psiquiatra Francisco Allen Gomes explica ainda a razão de muitas mulheres fingirem o orgasmo. O Expresso e a SIC falaram com 33 portugueses que deram a cara e o testemunho de como são na cama. Ao longo das próximas sete semanas, contamos-lhe tudo.

Elvis. Gostamos ou não gostamos?

Ele não é consensual, mas é incontornável. Dispunha de penteado majestoso e patilha marota, aparentava olhar matador e pose atrevida. E deixou canções: umas fáceis e outras nem tanto, por vezes previsíveis e às vezes inesperadas, ora gentis ora aceleradas. E ele, Elvis, nasceu em janeiro de 1934 - há precisamente 40 anos, ao oitavo dia. Temos quatro textos sobre o artista: Nicolau Santos, Rui Gustavo, Nicolau Pais e João Cândido da Silva explicam o que apreciam, o que toleram e o que não suportam.

A última viagem do navio indesejado

Construído nos Estaleiros de Viana e pensado para fazer a ligação entre ilhas nos Açores, o Atlântida foi recusado pelo Governo Regional por alegadamente não atingir a velocidade pretendida. Contando com os custos associados à dissolução do contrato, o prejuízo ascendeu a 70 milhões de euros. Foi agora comprado a "preço de saldo", para mudar de nome e ser reconvertido num cruzeiro na Amazónia. Fizemos a última viagem do Atlântida e vamos mostrar-lhe os segredos do navio.

Desfile de vedetas

Saiba tudo sobre os modelos concorrentes ao Carro do Ano 2015/Troféu Essilor Volante de Cristal. Conheça o essencial sobre os 20 automóveis participantes nesta iniciativa, da estética, às características técnicas, do preço ao consumo. A apresentação ficará completa no dia 3 de janeiro.

Tudo o que precisa de saber sobre o ébola. Em dois minutos

Porque é que este está a ser o pior surto da história? Como é que os primeiros sintomas se confundem com os de outras doenças? É possível viajar depois de ter contraído o vírus, sem transmitir a doença? E estamos ou não perto de ter uma vacina? O Expresso procurou as respostas a estas e outras dúvidas sobre o ébola.

Desacelerámos a realidade para observar a euforia da liberdade

Ela, Jacarandá, é algarvia. Ele, Katmandu, é espanhol. São linces e agora experimentam a responsabilidade da liberdade: foram soltos esta terça-feira numa herdade alentejana, próxima de Mértola, eles que saíram de centros de reprodução em cativeiro. Foi inédito: nunca tinha acontecido algo assim em Portugal. Estivemos lá e ensaiámos o slow motion.


Comentários 12 Comentar
ordenar por:
mais votados
eu já fiz o mesmo...
mas com moscas.
Tive um problema... não voavam!
A falta de humanidade...
... desta mulher vê-se no alheamento que demonstrou pelo sofrimento que provocou aos gatos.

Dizer que desconhecia que semelhantes actos provocavam dor e sofrimento apenas atesta que não fez mais do que mentir e o castigo que sofreu foi pouco.
...
Isto é juntar a brutalidade à estupidez.
E dizem-se góticos! Penso que bárbaros lhes assenta melhor...
Que raio de...
...religião segue esta criatura?

Talvez a do dinheiro fácil à custa de vitimar pobres animais indefesos.
Absurdidades
Ridiculo, absurdo o completo descalabro da sociedades, porque raio isto é notícia??
Que sociedade demagogica é esta que permite aos pais furarem as orelhas das filhas, muitas vezes barbaramente, mas que se revolta contra os furos num gato?

O mundo está estúpido? Os animais SERVEM os humanos, SERVEM as necessidades humanas, uma coisa é violência gratuita, condenável, outra é o extremo onde se está a chegar...

Está tudo trocado, é revoltante ver a crueldade, sim crueldade, com que os amigos dos animais tratam estes assuntos, elevando a gataria à categoria de ser superior, esquecendo-se do ser humano.
Re: Absurdidades
Re: Absurdidades
Re: Absurdidades
Que tipo de pessoas são estas?!
Mas que mulher estúpida e cruel! Mas que falta de sentimentos e conhecimentos sobre os animais!
...
Também deviam ser condenados aqueles que compravam estes animais por incentivarem este "negocio" de tortura...
Coisas
Ora aqui está um crime que até me arrepia os pêlos do peito...do gato.
Uma perda de tempo.
Gastar tempo e dinheiro a criar um animal que não serve para comer é uma parvoíce. Que raio de utilidade tem? Eu, ao menos, posso gastar algum tempo e dinheiro mas ponho-os na panela logo que possível....e são uma delícia.
Comentários 12 Comentar

Últimas

Ver mais
Receba a nova Newsletter
Ver Exemplo

Pub