Anterior
Jovem lésbica síria era, afinal, americano de meia-idade
Seguinte
Cinco mil descendentes e metade tem Alzheimer
Página Inicial   >  Blogues  >  Do outro mundo  >   Americana condenada por fazer piercings em gatos

Americana condenada por fazer piercings em gatos

O tribunal considerou que a produção de gatos "góticos" implicava atos cruéis, mutilações e tortura.
|
Além dos piercings, os gatos eram sujeitos a um procedimento para fazer a cauda cair mediante a interrupção prolongada do fluxo de sangue

Numa altura em que se fala tanto de sentenças judiciais absurdas, ou que parecem sê-lo, vale a pena conhecer uma que é um brilhante exemplo de sensatez. Infelizmente, não foi dada em Portugal. O caso teve lugar na Pensilvânia, um estado americano vizinho de Nova Iorque. O tema eram gatos. Mais concretamente, piercings feitos em gatos, e a questão de saber se essa prática, bem como outros tratamentos proporcionados aos animais, eram ou não crueldade nos termos da lei.

Holly Crawford, uma mulher de trinta e cinco anos, pôs anúncios no eBay, um site online, para vender gatos 'góticos'. Enquanto subcultura, o gótico anda normalmente associado a certo aspeto onde predomina a roupa negra (com toques vitorianos) e os piercings. Crawford não se propunha vestir casaca aos seus felinos, mas tinha-lhes aplicado piercings em grande quantidade. Havia-os nas orelhas, na parte de trás do pescoço e na cauda. Uma das vítimas, um gatinho de seis semanas, apresentava piercings nessas três zonas. Uns eram em forma de anel, outros de haltere.

Além dos piercings, os gatos eram sujeitos a um procedimento para fazer a cauda cair mediante a interrupção prolongada do fluxo de sangue. Para isto usava-se um elástico apertado. Uma investigadora veterinária, dra. Melinda Merch, testemunhou no julgamento que essa prática, chamada banding em inglês, seria sempre extremamente dolorosa, dada a existência de nervos espinhais na parte da cauda onde se colocava o elástico.

A dra. Merch notou igualmente que a agulha com que Crawford fazia os piercings era normalmente usada para injeções no gado. As próprias para gatos, em especial gatos novos, eram muito mais finas. Usar as outras nos piercings equivalia a tortura.

Holly Crawford foi condenada a pena de seis meses de prisão domiciliária (com monitorização eletrónica)

As funções da orelha 


Tudo isto surge explicado em termos ao mesmo tempo jurídicos e fáceis de perceber na sentença do tribunal de Luzerne County (Divisão Criminal), onde o caso foi decidido em instância de recurso. Confirmando a decisão do tribunal inferior, os três juízes mantiveram a condenação por crueldade animal e a pena de seis meses de prisão domiciliária (com monitorização eletrónica), seguida por um período de liberdade condicional.

Acessoriamente, o negócio principal de Crawford - como tratadora de cães - fica encerrado durante dois anos.   

No seu recurso, a ré alegava não ter percebido que os seus métodos causavam sofrimento, até porque vários deles eram usados em cães. Mas o tribunal notou que cães e gatos eram animais diferentes, com diferentes graus de sensibilidade em certas zonas do corpo. Crawford tentou igualmente comparar os gatos às crianças, aludindo aos brincos, que ninguém considera que "torturam, mutilam, desfiguram, maltratam, abusam ou por qualquer forma negligenciam" quem deles é objecto. O tribunal respondeu: "Uma pessoa de inteligência comum sabe que a orelha de uma criança humana e a de um gatinho são inteiramente diferentes".

A orelha de um gato, continua a sentença, "é sensível e essencial, pois serve duas funções: capturar som e comunicar de forma não-verbal (...)". Exemplo: "Quando um gato dobra as orelhas para aparecer 'ameaçador' a outro animal". Assim, "o acto de piercing pode danificá-lo permanentemente e considera-se mutilação, o que é proibido por lei. Furar a orelha de uma criança não leva às mesmas consequências".       

Quanto aos piercings no pescoço, bastava lembrar que essa área, por onde as gatas submetem as crias, é um feixe de nervos.

Um gatinho arrancou um piercing


O processo teve origem quando alguém avisou a PETA, uma organização de defesa dos animais, sobre o anúncio colocado por Crawford. Uma investigadora foi enviada à morada lá referida e deparou com um espetáculo arrepiante: "Quatro gatinhos pretos estavam no chão; três tinham orelhas furadas, um não tinha cauda, e um tinha um anel de borracha na cauda (...) Os três gatinhos furados não se moviam de todos e eram muito dóceis, ao contrário do que é normal nessa idade".

Crawford mostrou-se entusiástica sobre piercings, e disse que acabado de fazer um pela primeira vez a uma criança dela. Admitiu que os gatos eram furados sem anestesia, e que gritavam. "Um dos gatinhos tinham arrancado um piercing, que a ré admitiu ter voltado a colocar". Contou também como tinha posto um anel numa cauda que acabara por cair.

A última defesa de Crawford foi dizer que a lei sobre crueldade animal era demasiado vaga, e portanto inconstitucional. Como podia ela saber que fazer aquelas coisas era cruel? Mais, que podia ser tortura? O tribunal rejeitou o argumento: "'Atroz' é definido, em parte, como extremamente maldoso, brutal, cruel ou bárbaro (...) Colocar um anel de borracha na cauda de um gatinho para interromper a circulação de sangue até a cauda cair, ou a ação de pôr uma grande agulha, empregue para injetar gado, na orelha ou pescoço de um animal de quilo e meio qualifica-se como atroz. O tribunal tem muita consciência de que os animais são criaturas vivas que sentem dor e têm a experiência do sofrimento". 

 


Opinião


Multimédia

Dez verdades assustadoras sobre filmes de terror

Este vídeo é como o monstro de "Frankenstein": ganhou vida graças à colagem de partes de alguns dos filmes mais aterrorizantes de sempre. Com uma ratazana mutante e os organizadores do festival de cinema de terror MotelX pelo meio. O Expresso foi à procura das razões que explicam o fascínio pelo terror, com muito sangue (feito de corante alimentar) à mistura. 

A paixão do vinil

Se para muitos o vinil é apenas uma moda que faz parte da cultura do revivalismo vintage, para outros ver o disco girar nunca deixou de ser algo habitual.

Portugal foi herdado, comprado ou conquistado?

Era agosto em Lisboa e, às portas de Alcântara, milhares de homens lutavam por dois reis, participando numa batalha decisiva para os espanhóis e ainda hoje maldita. Aconteceu em agosto de 1580. Mais de 400 anos depois, o Expresso deu-lhe vida, fazendo uma reconstituição do confronto através do recorte e animação digital de uma gravura anónima da época.

O Maradona dos bancos centrais

Dizer que Mario Draghi está a ser uma espécie de Maradona dos bancos centrais pode parecer estranho. Mas não é exagerado. Os jornalistas João Silvestre e Jorge Nascimento Rodrigues explicaram porquê num conjunto de artigos publicado no Expresso em Novembro de 2013 e que venceu em junho deste ano o prémio de jornalismo económico do Santander e da Universidade Nova. O trabalho observa ainda o desempenho de Ben Bernanke no combate à crise, revisita a situação em Portugal e arrisca um ranking dos 25 principais governadores de bancos centrais. Republicamos os artigos num formato especial desenvolvido para a web.

Com Deus na alma e o diabo no corpo

Quem os vê de fora pode pensar que estão possuídos. Eles preferem sublinhar o lado espiritual e terapêutico desta dança - chamam-lhe "krump" e nasceu nos bairros pobres dos Estados Unidos. De Los Angeles para Chelas, em Lisboa, já ajudou a tirar jovens do crime. Ligue o som bem alto e entre com o Expresso no bairro. E faça o teste: veja se consegue ficar quieto.

O Cabo da Roca depois da tragédia que matou casal polaco

Os turistas portugueses e estrangeiros que visitam o Cabo da Roca, em Sintra, continuam a desafiar a vida nas falésias, mesmo depois da tragédia que resultou na morte de um casal polaco, cujos filhos menores estavam também no local. Durante a visita do Expresso, um segurança tentou alertar os turistas para o perigo e refere a morte do casal polaco. O apelo não teve grande efeito. Veja as imagens.

Ó Capitão! meu Capitão! ergue-te e ouve os sinos

Ele foi a nossa ama... desajeitada. Ele foi o professor que nos inspirou no liceu. Ele trouxe alegria, mesmo nas alturas mais difíceis. Ele indicou-nos o caminho na faculdade. Ele ensinou-nos a manter a postura, mas também a quebrar preconceitos. Ele ensinou-nos que a vida é para ser aproveitada a cada instante. Ó capitão, meu capitão, crescemos contigo e vamos ter de envelhecer sem ti. 

Crumble. A sobremesa mais fácil do mundo

Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida, especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Voámos num F-16

Um piloto da Força Aérea voou com uma câmara GoPro do Expresso e temos imagens inéditas e exclusivas para lhe mostrar num trabalho multimédia.

Salada de salmão com sorvete de manga

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Por faróis nunca dantes navegados

São a salvaguarda dos navegantes, a luz que tranquiliza o mar. Há 48 faróis em Portugal continental e nas ilhas. Este é um acontecimento único: todos os faróis e 1830 km de costa disponíveis num mesmo trabalho. Para entendê-los e vê-los, basta navegar neste artigo.

Parecem casulos onde gente hiberna à espera de ver terra

No Porto de Manaus não há barcos, mas autocarros bíblicos que caminham sobre água. Têm vários andares e estão cheios de camas de rede que parecem casulos onde homens, mulheres e crianças aguardam o destino. E há gente a vender o que houver e tiver de ser junto ao Porto. "Como há Copa, tem por aí muito gringo que vem ter com 'nóis'. E então fica mais fácil vender"

O adeus de Lobo Antunes às aulas de medicina

O neurocirurgião deu terça-feira a sua "Última Lição" no auditório do Instituto de Medicina Molecular da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa, na véspera de deixar o seu trabalho no serviço nacional de saúde.

Jaguar volta a fabricar desportivo dos anos 60

Até ao verão será fabricado um número limitado de desportivos Jaguar E-Type Lightweight, seguindo todas as especificações originais, incluindo a continuação do número de série das unidades produzidas em 1963.

"Naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas"

Mais do que uma manifestação, o 'primeiro' 1º de Maio é recordado como a grande festa da Revolução dos Cravos, quando o povo saiu às ruas em massa e a união das esquerdas era um sonho possível. "O 1º de Maio seria mais uma primeira coisa, porque naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas." Foi há 40 anos.


Comentários 12 Comentar
ordenar por:
mais votados
eu já fiz o mesmo...
mas com moscas.
Tive um problema... não voavam!
A falta de humanidade...
... desta mulher vê-se no alheamento que demonstrou pelo sofrimento que provocou aos gatos.

Dizer que desconhecia que semelhantes actos provocavam dor e sofrimento apenas atesta que não fez mais do que mentir e o castigo que sofreu foi pouco.
...
Isto é juntar a brutalidade à estupidez.
E dizem-se góticos! Penso que bárbaros lhes assenta melhor...
Que raio de...
...religião segue esta criatura?

Talvez a do dinheiro fácil à custa de vitimar pobres animais indefesos.
Absurdidades
Ridiculo, absurdo o completo descalabro da sociedades, porque raio isto é notícia??
Que sociedade demagogica é esta que permite aos pais furarem as orelhas das filhas, muitas vezes barbaramente, mas que se revolta contra os furos num gato?

O mundo está estúpido? Os animais SERVEM os humanos, SERVEM as necessidades humanas, uma coisa é violência gratuita, condenável, outra é o extremo onde se está a chegar...

Está tudo trocado, é revoltante ver a crueldade, sim crueldade, com que os amigos dos animais tratam estes assuntos, elevando a gataria à categoria de ser superior, esquecendo-se do ser humano.
Re: Absurdidades
Re: Absurdidades
Re: Absurdidades
Que tipo de pessoas são estas?!
Mas que mulher estúpida e cruel! Mas que falta de sentimentos e conhecimentos sobre os animais!
...
Também deviam ser condenados aqueles que compravam estes animais por incentivarem este "negocio" de tortura...
Coisas
Ora aqui está um crime que até me arrepia os pêlos do peito...do gato.
Uma perda de tempo.
Gastar tempo e dinheiro a criar um animal que não serve para comer é uma parvoíce. Que raio de utilidade tem? Eu, ao menos, posso gastar algum tempo e dinheiro mas ponho-os na panela logo que possível....e são uma delícia.
Comentários 12 Comentar

Últimas


Edição Diária 17.Abr.2014

Leia no seu telemóvel, tablet e computador
PUBLICIDADE

Pub