Anterior
Cavaco: Serei "ativo e dinâmico" mas "prudente" num segundo mandato
Seguinte
Camarate: Freitas do Amaral defende reabertura da investigação
Página Inicial   >  Atualidade / Arquivo   >   Amanda Knox: Dos livros à luta pela inocência dentro da prisão

Amanda Knox: Dos livros à luta pela inocência dentro da prisão

Em dezembro de 2009 Amanda Knox foi condenada, em Itália, a 25 anos de prisão, pela morte de uma amiga num jogo sexual. Na mesma altura que o caso volta a tribunal, foram publicados dois novos livros que a apontam como uma jovem correta e culta.
|
Mais magra e muito pálida, Amanda Knox voltou ao Tribunal de Peruggia um ano depois de ter sido condenada a 26 anos de prisão
Mais magra e muito pálida, Amanda Knox voltou ao Tribunal de Peruggia um ano depois de ter sido condenada a 26 anos de prisão / Alessandro Bianchi/Reuters

Quando lhe dizem que se tornou numa mulher famosa, Amanda Knox é a primeira a concluir: "Que motivo tão feio para o ser". Aos 23 anos, a jovem norte-americana - que foi condenada em Itália a 26 anos de prisão pela morte de uma colega da faculdade com quem partilhava casa em Peruggia - continua a lutar pela sua inocência e conta agora com a ajuda de dois livros que a descrevem como uma mulher culta, correta e potencialmente inocente.

Amanda Knox está já a cumprir pena há um ano, mas o seu caso permanece nas luzes da ribalta. Embora em abril tenha sido publicado um livro intitulado "Cara de Anjo: A História de uma Estudante Assassina", no último mês - em vésperas do início do julgamento do seu recurso - foram publicados dois livros baseados no seu caso e que alegam a seu favor: Um escrito por uma brasileira colega de prisão que privou com a jovem atrás das grades, outro escrito por um delegado do Ministério Público italiano, que acompanhou o caso.

No livro "Leva-me Contigo: Conversas com Amanda Knox na Prisão", Rocco Girlanda fala não só dos mais de vinte encontros que teve com a jovem, mas também das aspirações da americana em formar uma família, casar e adotar uma criança. O delegado deixa ainda clara a sua opinião: Acredita que Amanda está inocente.

Assassina ou inocente?


Embora a imprensa italiana tenha conotado Amanda Knox desde o início como uma menina mimada e adepta de grandes festas, ambos os livros mostram uma outra jovem, cuja imagem foi defendida pela família, amigos e advogados desde novembro de 2007, quando a sua colega de quarto foi encontrada seminua e com um corte profundo na garganta.

"É muito culta e cumpridora das tarefas que lhe são pedidas. A Amanda impressionou-me muito, tinha um comportamento totalmente diferente das outras prisioneiras", revela Florisbela Inocêncio de Jesus, uma brasileira de 58 anos que conviveu com a jovem na prisão enquanto cumpria pena por exploração de prostituição.

No livro "Passeando com Amanda", Florisbela conta que a jovem enfrentou algumas dificuldades por causa "da espécie de gelo que as outras prisioneiras impuseram". "De certa forma ela tinha um tratamento privilegiado, recebia a visita de parlamentares e os agentes homens sentiam-se atraídos por ela", relata a brasileira. "Não há dúvidas que é uma mulher bonita e inteligente. Orgulha-se de ter o armário com mais livros do que vestidos".

Amanda de volta ao tribunal


Um ano depois de ter sido condenada pelo assassinato de Meredith Kercher, de 21 anos, num "jogo sexual" que, nas palavras do juiz, "ficou fora de controlo", Amanda regressou na semana passada ao Tribunal de Peruggia, onde começou a ser julgado o recurso apresentado pelos seus advogados.

A audiência durou cerca de 15 minutos e foi adiada até 11 de dezembro, avançou a agência AP. A defesa pede uma revisão completa do caso para apresentar novas testemunhas e conseguir a absolvição. A acusação também riposta: Amanda deveria ter sido condenada à prisão perpétua.

Amanda e o ex-namorado, Rafaello Sollecito - que cumpre 25 anos de prisão, embora alegue estar inocente -  estão presos desde 6 de novembro de 2007, quatro dias depois da morte de Meredith.


Opinião


Multimédia

O Cabo da Roca depois da tragédia que matou casal polaco

Os turistas portugueses e estrangeiros que visitam o Cabo da Roca, em Sintra, continuam a desafiar a vida nas falésias, mesmo depois da tragédia que resultou na morte de um casal polaco, cujos filhos menores estavam também no local. Durante a visita do Expresso, um segurança tentou alertar os turistas para o perigo e refere a morte do casal polaco. O apelo não teve grande efeito. Veja as imagens.

Ó Capitão! meu Capitão! ergue-te e ouve os sinos

Ele foi a nossa ama... desajeitada. Ele foi o professor que nos inspirou no liceu. Ele trouxe alegria, mesmo nas alturas mais difíceis. Ele indicou-nos o caminho na faculdade. Ele ensinou-nos a manter a postura, mas também a quebrar preconceitos. Ele ensinou-nos que a vida é para ser aproveitada a cada instante. Ó capitão, meu capitão, crescemos contigo e vamos ter de envelhecer sem ti. 

Crumble. A sobremesa mais fácil do mundo

Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida, especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Voámos num F-16

Um piloto da Força Aérea voou com uma câmara GoPro do Expresso e temos imagens inéditas e exclusivas para lhe mostrar num trabalho multimédia.

Salada de salmão com sorvete de manga

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Por faróis nunca dantes navegados

São a salvaguarda dos navegantes, a luz que tranquiliza o mar. Há 48 faróis em Portugal continental e nas ilhas. Este é um acontecimento único: todos os faróis e 1830 km de costa disponíveis num mesmo trabalho. Para entendê-los e vê-los, basta navegar neste artigo.

Parecem casulos onde gente hiberna à espera de ver terra

No Porto de Manaus não há barcos, mas autocarros bíblicos que caminham sobre água. Têm vários andares e estão cheios de camas de rede que parecem casulos onde homens, mulheres e crianças aguardam o destino. E há gente a vender o que houver e tiver de ser junto ao Porto. "Como há Copa, tem por aí muito gringo que vem ter com 'nóis'. E então fica mais fácil vender"

O adeus de Lobo Antunes às aulas de medicina

O neurocirurgião deu terça-feira a sua "Última Lição" no auditório do Instituto de Medicina Molecular da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa, na véspera de deixar o seu trabalho no serviço nacional de saúde.

Jaguar volta a fabricar desportivo dos anos 60

Até ao verão será fabricado um número limitado de desportivos Jaguar E-Type Lightweight, seguindo todas as especificações originais, incluindo a continuação do número de série das unidades produzidas em 1963.

"Naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas"

Mais do que uma manifestação, o 'primeiro' 1º de Maio é recordado como a grande festa da Revolução dos Cravos, quando o povo saiu às ruas em massa e a união das esquerdas era um sonho possível. "O 1º de Maio seria mais uma primeira coisa, porque naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas." Foi há 40 anos.

Este trabalho não foi visado por qualquer comissão de censura

Aquilo que hoje é uma expressão anacrónica estava em relevo na primeira página do "República", a 25 de Abril de 1974: "Este jornal não foi visado por qualquer comissão de censura". Quarenta anos depois da Revolução, veja os jornais, ouça os sons e compreenda como decorreu o "dia inicial inteiro e limpo", como lhe chamou Sophia. O Expresso falou ainda com cinco gerações de 40 anos e percorreu a "geografia" das Ruas 25 de Abril de todo o país, falando com quem lá mora. Veja a reportagem multimédia.


Comentários 0 Comentar

Últimas


Edição Diária 17.Abr.2014

Leia no seu telemóvel, tablet e computador
PUBLICIDADE

Pub