12
Anterior
11 perguntas a que Passos Coelho tem de responder
Seguinte
Governo ou recua ou cai, diz Bagão Félix
Página Inicial   >  Dossiês  >  Dossies Atualidade  >  Mais austeridade  >   Álvaro: "Vamos dar a volta à situação"

Álvaro: "Vamos dar a volta à situação"

Álvaro Santos Pereira não duvida que Portugal vai "dar a volta à situação" de crise em que se encontra, porque "o que precisamos de fazer é voltar a crescer rapidamente".
Lusa |
Álvaro Santos Pereira durante a cerimónia de apresentação pública do SIREVE
Álvaro Santos Pereira durante a cerimónia de apresentação pública do SIREVE / Miguel A. Lopes/Lusa

O ministro da Economia e Emprego disse hoje não ter dúvidas de que Portugal vai contornar a atual crise económica e financeira, lembrando o "enorme legado" nessa área com que o Governo se deparou ao entrar em funções.

"Não temos dúvida que vamos dar a volta à situação", disse Álvaro Santos Pereira aos jornalistas em Lisboa, no final de uma cerimónia de apresentação pública do sistema de recuperação de empresas por via extrajudicial (SIREVE).

O governante reconhece que "ninguém gosta das medidas duras de austeridade" e dos sacríficos que estão a ser pedidos, mas sublinhou a "determinação" do Executivo em trabalhar com os portugueses e os parceiros sociais para uma mudança de rumo na economia portuguesa.

"O que precisamos de fazer é voltar a crescer rapidamente, foi nisso que apostámos todas as nossas energias nas reformas estruturais que já estão no terreno", considerou, lembrando a necessidade de "ajudar" cidadãos e empresas nesse sentido, e dando como exemplo o SIREVE como "salvaguarda de postos de trabalho".

Álvaro Santos Pereira reiterou ainda que as "medidas duras" e os sacrifícios pedidos têm de ser partilhados "por todos" os cidadãos portugueses. 


Opinião


Multimédia

Voámos num F-16

Um piloto da Força Aérea voou com uma câmara GoPro do Expresso e temos imagens inéditas e exclusivas para lhe mostrar num trabalho multimédia.

Salada de salmão com sorvete de manga

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Por faróis nunca dantes navegados

São a salvaguarda dos navegantes, a luz que tranquiliza o mar. Há 48 faróis em Portugal continental e nas ilhas. Este é um acontecimento único: todos os faróis e 1830 km de costa disponíveis num mesmo trabalho. Para entendê-los e vê-los, basta navegar neste artigo.

Parecem casulos onde gente hiberna à espera de ver terra

No Porto de Manaus não há barcos, mas autocarros bíblicos que caminham sobre água. Têm vários andares e estão cheios de camas de rede que parecem casulos onde homens, mulheres e crianças aguardam o destino. E há gente a vender o que houver e tiver de ser junto ao Porto. "Como há Copa, tem por aí muito gringo que vem ter com 'nóis'. E então fica mais fácil vender"

O adeus de Lobo Antunes às aulas de medicina

O neurocirurgião deu terça-feira a sua "Última Lição" no auditório do Instituto de Medicina Molecular da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa, na véspera de deixar o seu trabalho no serviço nacional de saúde.

Jaguar volta a fabricar desportivo dos anos 60

Até ao verão será fabricado um número limitado de desportivos Jaguar E-Type Lightweight, seguindo todas as especificações originais, incluindo a continuação do número de série das unidades produzidas em 1963.

"Naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas"

Mais do que uma manifestação, o 'primeiro' 1º de Maio é recordado como a grande festa da Revolução dos Cravos, quando o povo saiu às ruas em massa e a união das esquerdas era um sonho possível. "O 1º de Maio seria mais uma primeira coisa, porque naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas." Foi há 40 anos.

Este trabalho não foi visado por qualquer comissão de censura

Aquilo que hoje é uma expressão anacrónica estava em relevo na primeira página do "República", a 25 de Abril de 1974: "Este jornal não foi visado por qualquer comissão de censura". Quarenta anos depois da Revolução, veja os jornais, ouça os sons e compreenda como decorreu o "dia inicial inteiro e limpo", como lhe chamou Sophia. O Expresso falou ainda com cinco gerações de 40 anos e percorreu a "geografia" das Ruas 25 de Abril de todo o país, falando com quem lá mora. Veja a reportagem multimédia.


Comentários 12 Comentar
ordenar por:
mais votados
ASP: é um bom ministro, e um excelente homem
« Ajuda externa: "Vamos dar a volta à situação" - Álvaro Santos Pereira »

Ao menos este é optimista e preocupa-se com o futuro de Portugal.

É muito melhor ministro que muitos vaidosos, que por ai pululam.

Até os jornalistas o trataram mal.

Portugal tem gente 'madrasta'...
O Pastel é um mediocre nada sabe de economia real
Álvaro,faça mais e fale menos!
E não repita tanto as mesmas frases que começam a ser sem sentido com a realidade.
Cair no ridiculo é o fim de um politico!
Re: Álvaro,faça mais e fale menos!
Re: Álvaro: "Vamos dar a volta à situação"
youtu.be/gNu5BBAdQec
RECUPERAÇÃO DE EMPRESAS PARA DAR A VOLTA Á
Palavras leva-as o vento...
O povo é que não sabe como é que vai pagar as contas...
Voces têm um bom salário, carro, casa, cartões e fico-me por aqui que isto nunca mais acaba...
se conseguir mudar a mentalidade do zé pagode
talvez consiga mudar o paradoxo!
mas não consegue...infelizmente!
os direitos adquiridos são dificeis de diminuir,estão devidamente balizados constitucionalmente, e qqr afectação de um direito fundamental(izado) não passa no crivo do nosso TC.
Tenho direito a ter um iphone 5(ou 2, 1 pra mim,outro pra maria); 2 leds tv-com sportv e tudo; uma casa grande, 2 carros, jantar fora, passar ferias no estrangeiro (mas bem longe pq gosto de andar de avião); trabalhar 6 a 8h (ou estar fisicamente presente no meu emprego durante este PNT)-fazer pausas a cada 10 minutos pq gosto de fumar o meu cigarrito em paz e estar na palheta com os meus colegas e dizer mal do patrão e dos chefes; passar fins de semana no alentejo ou em tras os montes ou na beira; e chegar à 2.ª feira e dizer que estou cansado do fds e à 6.ª a dizer que não consigo trabalhar pq já estou em modo de fim de semana; pagar a quotinha do sindicato para mamar qqr coisinha qdo o patrão me apertar para trabalhar; entre outras coisas... TODOS ESTES MEUS DIREITOS FUNDAMENTAIS ESTÃO PROTEGIDOS PELA CRP E QQR AFECTAÇÃO/INTERVENÇÃO RESTRITIVA OU CONDICIONAMENTO DE UM DELES SÓ PODERÁ EXISTIR mediante lei geral e abstracta para que depois eu possa interpor uma intervenção do TC para que eles reponham a legalidade dos meus direitos fundamentais! e mais nada!
querem cortar-me nos direitos?
VÃO MAS É CORTAR PARA OUTRO LADO! E vou estar nas manifs todas e mais algumas pq este governo é que tem culpa!!!de tudo! até da seca extrema!
RECUPERAÇÃO DE EMPRSAS ...
Ideia feliz, sem dúvida, se levada à prática.
É que se fica normalmente pelas intenções. Nisso, somos os maiores.

Tenho a roer-me as entranhas o que se passa com a aplicação do Decreto-Lei nº 48/2011, de 1 de Abril e Portaria nº 131/2011, de 4 de Abril.

Perguntem nas Câmaras Municipais que tratamento é dado àqueles instrumentos legais, se cair na patetice de querer abrir um restaurante, um café, uma pastelaria... Perguntem e preparem-se para conhecer a burocracia que lhes vai cair em cima da cabeça.

O Dr.Medina Carreira tem toda a razão, quando fala nessa doença terrível que contamina e mata à nascença as ousadias do empreendedor.

Licenciamento Zero, na prática, é igual a licenciamento inferno.

Quem não acreditar...tente. Se não ficar mental, física e materialmente afetado, será merecedor de felicitações.

Há uns tempos atrás, uma Câmara do Norte Trasmontano,
em plena campanha "Magalhães" indeferia um pedido de licenciamento de um gabinete de ensino informatico classificando como "máquinas de diversão" os computadores, o que ofendia o artº 9º (?) do Regulamento Municipal (sic).

A data do citado Decreto-Lei - 1 de Abril - já fazia jus ao dia das mentiras.

E assim vai este País.

Por isso, as minhas dúvidas quanto às declarações do Sr.Ministro da Economia. Se for levado à prática o que diz...os meus antecipados parabéns!
Partilha?
"e os sacrifícios pedidos têm de ser partilhados "por todos" os cidadãos portugueses." Ah ah ah ah!!
Poderia começar desfazendo-se de uns quantos
perturbntes e incompreensivelmente bem remunerados acessores.
Sai um pastel de nata.
Cabecinha redonda. Mente iluminada. Sábio, entre os sábios do Bando de Malfeitores. Sai um pastel de nata...ou dois. VAI DAR UMA VOLTA. O POVO AGRADECE.
Comentários 12 Comentar

Últimas

Ver mais

Edição Diária 17.Abr.2014

Leia no seu telemóvel, tablet e computador
PUBLICIDADE

Pub