Anterior
Relvas: o corta-Searas
Seguinte
António Costa quer troféu Seara para chegar a Belém
Página Inicial   >  Blogues  >  É preciso topete  >  Álvaro: cavaleiro da indústria com lixeira a céu aberto

Álvaro: cavaleiro da indústria com lixeira a céu aberto

|

O novo cavaleiro da indústria, Álvaro Santos Pereira, anda eufórico com a nova política de reindustrialização e terá sido o principal dinamizador de um grupo de países da UE que a vai propor como nova batalha europeia.  

Mas esta é uma política assente em salários baixos, condenada ao insucesso.  

Até Marcelo Caetano, no último plano industrial da  ditadura, interrompido com o 25 de Abril, percebeu que a mais valia de uma nova política industrial dependia do aumento da massa salarial.

É uma política que tem o perigo de ser dirigista. É o Estado e são os burocratas de Bruxelas que a querem impor, de cima para baixo, às empresas privadas sedentas de apoio. Parece que estamos a cair no regime da economia planificada.    

É uma política que ameaça criar grupos económicos "amigos" das novas apostas construídas politicamente (será o novo condicionamento industrial?). Parece que no sector das redes transeuropeias e na energia (mas não foi este governo que pôs fim ao TGV e às eólicas?).

É uma política que ameaça o ambiente, como o próprio ministro Santos Pereira, embalado como está, não teve rebuço em por a nu (devem ser os elogios de Mário Soares de que era corajoso a enfrentar os manifestantes a fazerem efeito).       

Ontem defendeu em Bruxelas que é  necessário  "flexibilizar" algumas regras "fundamentalistas" sobre o ambiente, onde  a Europa "não pode ser mais papista do que o Papa em relação a outras zonas do Globo" (leia-se China) 

A nova teoria de Santos Pereira é simples: protecção do ambiente sim senhor mas desde que não prejudique a indústria.

Substituiu mesmo o velho slogan ecologista, "amiga do ambiente" por "amiga do investimento".  

Os salários baixos e falta de protecção social dos chineses já tínhamos. Faltava-nos a política de lixeira a céu aberto para justificar o crescimento económico.

É mais um ingrediente na espiral do descontentamento social.                


Opinião


Multimédia

Os assassínios, as execuções, as decapitações são as imagens mais chocantes de uma propaganda cada vez mais sofisticada. É a Jihad, que recruta guerrilheiros no ocidente para matar e morrer na Síria. O Expresso seguiu as pisadas de cinco jiadistas portugueses, mostrando quem são e como foram convertidos e radicalizados. E como lutam, como foram morrer - e como já haverá arrependidos com medo de fugir. Reportagem em Londres, no café onde viam jogos de futebol, na universidade onde estudavam e na mesquita onde rezavam. Autoridades e especialistas em terrorismo estão alerta sobre este pequeno mas perigoso grupo, onde corre sangue português - e de onde escorre sangue por Alá.

Musse de chocolate com basmati e pimenta rosa

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione com esta nova receita.

Desfile de vedetas

Saiba tudo sobre os modelos concorrentes ao Carro do Ano 2015/Troféu Essilor Volante de Cristal. Conheça o essencial sobre os 20 automóveis participantes nesta iniciativa, da estética, às características técnicas, do preço ao consumo. A apresentação ficará completa no dia 3 de janeiro.

Elvis. Gostamos ou não gostamos?

Ele não é consensual, mas é incontornável. Dispunha de penteado majestoso e patilha marota, aparentava olhar matador e pose atrevida. E deixou canções: umas fáceis e outras nem tanto, por vezes previsíveis e às vezes inesperadas, ora gentis ora aceleradas. E ele, Elvis, nasceu em janeiro de 1934 - há precisamente 40 anos, ao oitavo dia. Temos quatro textos sobre o artista: Nicolau Santos, Rui Gustavo, Nicolau Pais e João Cândido da Silva explicam o que apreciam, o que toleram e o que não suportam.

Tudo o que precisa de saber sobre o ébola. Em dois minutos

Porque é que este está a ser o pior surto da história? Como é que os primeiros sintomas se confundem com os de outras doenças? É possível viajar depois de ter contraído o vírus, sem transmitir a doença? E estamos ou não perto de ter uma vacina? O Expresso procurou as respostas a estas e outras dúvidas sobre o ébola.

Piza de manga com estragão e canela

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Desacelerámos a realidade para observar a euforia da liberdade

Ela, Jacarandá, é algarvia. Ele, Katmandu, é espanhol. São linces e agora experimentam a responsabilidade da liberdade: foram soltos esta terça-feira numa herdade alentejana, próxima de Mértola, eles que saíram de centros de reprodução em cativeiro. Foi inédito: nunca tinha acontecido algo assim em Portugal. Estivemos lá e ensaiámos o slow motion.

Desaparecidos para sempre no Mar do Norte

O dia 15 de novembro já foi feriado, há 90 anos. A razão foi o desaparecimento de Sacadura Cabral algures no Mar do Norte. Depois de fazer mais de oito mil quilómetros de Lisboa ao Rio de Janeiro, o aviador pioneiro não conseguiu completar o voo entre a cidade holandesa de Amesterdão e a capital portuguesa. Ainda hoje, não se sabe o que aconteceu ao companheiro de Gago Coutinho e tio-avô de Paulo Portas, a quem o Expresso pediu um sms.

Os muros do mundo

Novembro relembrou-nos os muros que caem, mas também os que permanecem e os que se expandem. Berlim aproximou-se de si própria há 25 anos, mas há muros que continuam a desaproximar. Esta é a história de sete deles - diferentes, imprevisíveis, estranhos.

A última viagem do navio indesejado

Construído nos Estaleiros de Viana e pensado para fazer a ligação entre ilhas nos Açores, o Atlântida foi recusado pelo Governo Regional por alegadamente não atingir a velocidade pretendida. Contando com os custos associados à dissolução do contrato, o prejuízo ascendeu a 70 milhões de euros. Foi agora comprado a "preço de saldo", para mudar de nome e ser reconvertido num cruzeiro na Amazónia. Fizemos a última viagem do Atlântida e vamos mostrar-lhe os segredos do navio.

O papa-medalhas que veio do espaço

O atleta português mais medalhado de sempre, Francisco Vicente, regressou dos campeonatos europeus de veteranos, na Turquia, com novas lembranças ao pescoço. Três de ouro e duas de prata para juntar à coleção. Tem 81 medalhas, uma por cada ano de vida.

Terror religioso está a aumentar

Relatório sobre a Liberdade Religiosa é divulgado esta terça-feira em todo o mundo. Dos 196 países analisados, só em 80 não há indícios de perseguições motivadas pela fé.

Vai pagar mais ou menos IRS? Veja as simulações

Reforma do imposto protege quem tem dependentes a cargo, mas pode penalizar os restantes contribuintes. Função pública e pensionistas vão ter mais dinheiro disponível. Veja simulações para vários casos.

Tem três minutinhos? Vamos explicar-lhe o que muda no orçamento de 350 mil portugueses (e no de muitas empresas)

O novo salário mínimo entrou em vigor. São mais €20 brutos para cerca de 350 mil portugueses (números do Ministério da Segurança Social, porque os sindicatos falam em 500 mil trabalhadores). Mudou o valor, mas também os descontos que as empresas fazem para a Segurança Social. Porque se trata de uma medida que afeta a vida de muitos portugueses, queremos explicar o que se perde e o que se ganha, o que se altera e o que se mantém.

Music fighter: temos Marco Paulo e Bruno Nogueira numa batalha épica

Está preparado para um dos encontros mais improváveis na história da música portuguesa? O humorista Bruno Nogueira e a cantora Manuela Azevedo, dos Clã, pegaram em várias músicas consideradas "pimba" - daquelas que ninguém admite ouvir mas que, no fundo, todos vão dançar assim que começam a tocar - e deram-lhe novos arranjos, num projeto que chegou aos coliseus de Lisboa e do Porto.  "Ninguém, ninguém", de Marco Paulo, tem possivelmente a introdução mais acelerada e frenética do panorama musical português. Mas, no frente-a-frente, quem é o mais rápido? Vai um tira-teimas à antiga?


Comentários 9 Comentar
ordenar por:
mais votados
Preso por ter cão, preso por não ter cão
Parece que autor defende que se veja a Europa a definhar, produzindo zero e importando a crédito da China ou da Índia.

Todo o raciocínio da crónica me parece errado. Primeiro não são necessários salários de miséria para produzir com competitividade. Temos (a Europa)a organização empresarial, o controlo de qualidade e o design para pôr no mercado centenas ou milhares de produtos a bons preços e com qualidade superior. Não se pode ficar de braços cruzados.

Quanto ao ambiente, todos sabemos a que leva o fundamentalismo da moda, com o seu ponto alto no lince da Malcata. Por causa disso, Portimão e Albufeira passaram 2 ou 3 verões com problemas de água, por não se poder construir a barragem e temos uma auto-estrada do Algarve a meia dúzia de quilómetros do IC1, para não espantar os linces do Caldeirão, que ninguém vê,há um século.

Não gostar de um governo não obriga ninguém a desprezar e menorizar todas as medidas do mesmo, a não ser que faça parte do contrato com o Expresso........
Já era tempo de calarem os Ecofascistas!
Este deve ter acções em alguma empresa de consultadoria "Verde".

O declínio da Europa começou em 1992 quando na cimeira do Rio optou por destruir a sua indústria em nome do ambiente. Esse suicídio foi logo aproveitado pela China e Índia que passaram a produzir sem qualquer restrição ambiental, aquilo que a Europa entendeu que não queria produzir.

Assim enquanto a Europa alardeava a propaganda (É só propaganda) da luta contra o aquecimento global, fazendo baixar as emissões de CO2, à custa de milhões de desempregados e do endividamento das nações que pagavam a preços de ouro, equipamentos que geravam a tal energia verde (10 x menos energia por 10 x mais dinheiro), a China e a índia multiplicaram as suas emissões de CO2.

Hoje em dia as emissões de CO2 a nível mundial são muito maiores que em 1992, apesar do suicídio Europeu e o que interessa não é o que acontece na Europa, mas sim o que acontece em todo o mundo. E assim, o sacrifício Europeu não vai servir para nada a não ser termos os chinocas e monhés a mandarem em nós!

Temos que acabar com essa treta!
Temos de voltar a produzir!
Temos de impor barreiras alfandegárias aos produtos poluidores da China e da India!
Re: Já era tempo de calarem os Ecofascistas!
'cavaleiro da indústria com lixeira a céu aberto
Boa crónica. Costumo ser simpático para com o ministro Álvaro Santos Pereira porque é dos poucos que neste governo tem uma visão global da economia, porque dá para perceber pelo seu antigo blog, que sabe pensar pela sua própria cabeça, porque suspeito que noutro governo, teria tido um impacto maior.

Mas isso não é um cheque branco para o seu desempenho. É um mau político (algumas das suas tiradas para defender o "seu" governo são infantis), um negociador duvidoso (que me lembre, quase revoltou toda a concertação social contra si), tem perdido competências que não lembra a ninguém (que sentido faz ele não ser responsável pelas privatizações?), e é no mínimo suspeito que a grande maioria dos contratos de investimento que tem assinado seja com empresas mineiras (às dezenas ou centenas... porquê? Como é que ele consegue tanto sucesso onde não consegue atrair outras indústrias?).

Agora, fez o que não podia fazer cá. O "cavaleiro da indústria" como Gaião o chama, está a tentar propor a reindustrialização da Europa. Para além do sabor a planos quinquenais da era soviética, que sentido faz promover a industrialização dos nossos principais concorrentes na Europa, antes de o conseguir para Portugal? A Europa com os seus superavits comerciais consistentes na ordem da centena de milhares de milhões de euros anuais, precisa da indústria mais do que Portugal? A Alemanha precisa?

Tudo isto cheira a uma crítica da "economia" real à "austeridade", pela porta do cavalo.
China à vista
Para mim é mais uma indicação de que o modelo que este governo pretende é o da China. Salários baixos, regalias zero, direitos nenhuns, respeito ao ambiente 'tá quieto!
E no final, do meio das cinzas, novos amanhãs cantarão!
Re: China à vista
Re: China à vista
Relvas e reindustrialização
Para fazer a ligação entre os 2 artigos só há a dizer que então não se industrializa, ficamos todos a comer relvas...
Tenha calma, você vê monstros dissimulados
Algguém tinha que toma uma atitude, que empregos teremos no futuro? Morreu tudo, os serviços falharam, temos que nos virar para a Industria, agricultura e economia do Mar.

Que derrotismo.
Comentários 9 Comentar

Últimas

Receba a nova Newsletter
Ver Exemplo

Edição Diária 17.Abr.2014

Leia no seu telemóvel, tablet e computador

PUBLICIDADE

Pub