8
Anterior
O meu exame de condução dava um filme Indiano (maiores 16 anos)
Seguinte
Vídeo hilariante: Fátima Lopes paga-lhe as contas nem que tenha de ir ...
Página Inicial   >  Blogues  >  100 reféns  >   Alice no país das calhandrices

Alice no país das calhandrices

A Alice torna-se verdadeiramente perigosa quando começa a ser o comum, a ser o país, a forma de ser e estar, de agir e de ver, de encarar o futuro.
|

Alice nasceu no interior perdido do Portugal profundo. Cresceu a ver meninos de famílias abastadas da aldeia não se privarem de terem, sem esforço, aquilo que não ousava pedir. Sonhava com a igualdade de oportunidades e justiça social. Uma vida melhor. Nunca foi inteligente. A esperteza nasceu-lhe da necessidade e depressa aprendeu a usá-la, aguçada.

Um sorriso na padaria significava a diferença entre um ou dois papos-secos ao lanche. Uma conversa com as beatas à porta da Igreja dava-lhe acesso a um nicho de informações. Guardar para usar. Cresceu, cresceu-lhe o ego e o vício de o ver alimentado constantemente. Queria o que não tivera. A todo o custo. Os ideais puros foram desaparecendo até se esbaterem no muro das desilusões. Alice mudou de caminho. Alice perdeu-se.

As injustiças que passara haviam-na tornado imune ao sentimento de culpa. Era órfã da moral e imoral nos pensamentos. Profundamente revoltada. Fria. Distante. Precocemente maquiavélica. Alice foi fraca aluna. Alguns professores e colegas achavam-na desligada, burra, tonta. Revoltou-se ainda mais. A crueldade de alguns acabou por endurecer e encrespar a sua débil e instável personalidade. Fechou-se. "Um dia todos irão conhecer Alice", pensava.

Fez o Liceu com a mediania que a caracterizava e enveredou pela política sem manifestar qualquer talento ou aptidão. Entre muitos à espera de um lugar para se aquecer nas pedras mornas da velha República e teenager Democracia. E ali ficou. Quieta e inquieta. Até que alguém estendeu a mão e a puxou para o hall das pessoas com futuro. As pessoas moldáveis. É sempre assim. Alice tirou o curso superior sem esforço ou mérito. Soube rodear-se de quem a ajudasse. Conveniências. Amizade, poucas, quase nenhumas. Tudo interesse. Oportunidade.

Subiu no partido devagar. Um camaleão a trepar a árvore. Tomou-lhe os diferentes tons à passagem. Não ser visto mas especialmente notado. O ignorante serviçal, calado e discreto chega longe. A recompensa dos pobres de espírito. Aos poucos. Passo a passo. Até ao topo. Ao sol. Aprendeu a palavra esperança e passou a usá-la. Acreditar. Não é preciso fazer grande coisa. Basta acreditar. Ortodoxias fechadas em gavetas escuras. Perdiam-se as chaves. Tudo surgia, e Alice parecia estar sempre no sítio certo e rodeada das pessoas capazes, munidas dos cordéis que mexiam o tonto sistema. Adaptar-se ao Ambiente era fácil. Chegava a parecer natural. Incrível. Alice brilhava finalmente.

Do sol ao poder foi um passo. Alice começou a adorar o espelho e o espelho a adorá-la. Construiu e cultiva a imagem como ninguém. Ouvir-se falar mais do que ouvir quem precisa. Ao acreditar em si mesma, ao agir como se acreditasse, mesmo destituída de um pingo de sinceridade e abraçada ao cinismo, Alice consegue reunir consenso, e apoio. Tudo aos seus pés. Todos ao seu alcance. Poder. Permanece até hoje igual a si própria. Proprietária exclusiva da razão.

Quando atacada Alice é humilde, recatada e pura. Cândida. Digna. Incapaz de usar o poder de modo ilegítimo ou dele servir-se de forma imprópria. Teatralmente indignada por fora. Roída de raiva, jorra vingança por dentro. Tudo boatos. Mentiras. Fumaça. Calhandrices de gente invejosa. Esguia, Alice esquiva-se às balas como ninguém. Escorrega pelos dedos da justiça podre que ela própria faz desacreditar, dia após dia. A fumaça leva-a o vento. O fogo destrói as provas. As pessoas arredam-se ou são arredadas. Uma a uma. As inconveniências, afastadas.

Prossegue, altiva, sobranceira. Aparentemente intocável. Inimputável. Alice não é uma pessoa física. Ou até pode ser. Podem ser várias. Mas Alice torna-se verdadeiramente perigosa quando começa a ser o comum, a ser o país, a forma de ser e estar, de agir e de ver, de encarar o futuro. A Alice não é Portugal. Portugal não pode ser a Alice. Chega. Basta de Alice.

 Nota: este texto vai integrar a 1ª edição (Novembro) da revista mensal "Diz que Disse" onde vou manter a rubrica "Bater no cego até ele ver" a convite do Tiago Cruz Cação. Autores participantes: Alberto Oliveira, Cláudio Cardoso, Catarina Moleiro, Dora Dinis, Fernando Almeida, Fernando Alvim, Fernando Gonçalves, José Dinis, Manuel da Silva Ramos, Manuel João Vieira, Nuno Ávila, Pedro Eça, Pedro Sebastião, Rogério Lourenço, Tiago Cação, Tiago Mesquita e Tiago Salazar.

 


 



 


Opinião


Multimédia

A paixão do vinil

Se para muitos o vinil é apenas uma moda que faz parte da cultura do revivalismo vintage, para outros ver o disco girar nunca deixou de ser algo habitual.

Com Deus na alma e o diabo no corpo

Quem os vê de fora pode pensar que estão possuídos. Eles preferem sublinhar o lado espiritual e terapêutico desta dança - chamam-lhe "krump" e nasceu nos bairros pobres dos Estados Unidos. De Los Angeles para Chelas, em Lisboa, já ajudou a tirar jovens do crime. Ligue o som bem alto e entre com o Expresso no bairro. E faça o teste: veja se consegue ficar quieto.

O Cabo da Roca depois da tragédia que matou casal polaco

Os turistas portugueses e estrangeiros que visitam o Cabo da Roca, em Sintra, continuam a desafiar a vida nas falésias, mesmo depois da tragédia que resultou na morte de um casal polaco, cujos filhos menores estavam também no local. Durante a visita do Expresso, um segurança tentou alertar os turistas para o perigo e refere a morte do casal polaco. O apelo não teve grande efeito. Veja as imagens.

Ó Capitão! meu Capitão! ergue-te e ouve os sinos

Ele foi a nossa ama... desajeitada. Ele foi o professor que nos inspirou no liceu. Ele trouxe alegria, mesmo nas alturas mais difíceis. Ele indicou-nos o caminho na faculdade. Ele ensinou-nos a manter a postura, mas também a quebrar preconceitos. Ele ensinou-nos que a vida é para ser aproveitada a cada instante. Ó capitão, meu capitão, crescemos contigo e vamos ter de envelhecer sem ti. 

Crumble. A sobremesa mais fácil do mundo

Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida, especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Voámos num F-16

Um piloto da Força Aérea voou com uma câmara GoPro do Expresso e temos imagens inéditas e exclusivas para lhe mostrar num trabalho multimédia.

Salada de salmão com sorvete de manga

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Por faróis nunca dantes navegados

São a salvaguarda dos navegantes, a luz que tranquiliza o mar. Há 48 faróis em Portugal continental e nas ilhas. Este é um acontecimento único: todos os faróis e 1830 km de costa disponíveis num mesmo trabalho. Para entendê-los e vê-los, basta navegar neste artigo.

Parecem casulos onde gente hiberna à espera de ver terra

No Porto de Manaus não há barcos, mas autocarros bíblicos que caminham sobre água. Têm vários andares e estão cheios de camas de rede que parecem casulos onde homens, mulheres e crianças aguardam o destino. E há gente a vender o que houver e tiver de ser junto ao Porto. "Como há Copa, tem por aí muito gringo que vem ter com 'nóis'. E então fica mais fácil vender"

O adeus de Lobo Antunes às aulas de medicina

O neurocirurgião deu terça-feira a sua "Última Lição" no auditório do Instituto de Medicina Molecular da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa, na véspera de deixar o seu trabalho no serviço nacional de saúde.

Jaguar volta a fabricar desportivo dos anos 60

Até ao verão será fabricado um número limitado de desportivos Jaguar E-Type Lightweight, seguindo todas as especificações originais, incluindo a continuação do número de série das unidades produzidas em 1963.

"Naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas"

Mais do que uma manifestação, o 'primeiro' 1º de Maio é recordado como a grande festa da Revolução dos Cravos, quando o povo saiu às ruas em massa e a união das esquerdas era um sonho possível. "O 1º de Maio seria mais uma primeira coisa, porque naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas." Foi há 40 anos.

Este trabalho não foi visado por qualquer comissão de censura

Aquilo que hoje é uma expressão anacrónica estava em relevo na primeira página do "República", a 25 de Abril de 1974: "Este jornal não foi visado por qualquer comissão de censura". Quarenta anos depois da Revolução, veja os jornais, ouça os sons e compreenda como decorreu o "dia inicial inteiro e limpo", como lhe chamou Sophia. O Expresso falou ainda com cinco gerações de 40 anos e percorreu a "geografia" das Ruas 25 de Abril de todo o país, falando com quem lá mora. Veja a reportagem multimédia.


Comentários 8 Comentar
ordenar por:
mais votados
"Os circulos da meia dúzia"
O tempo,hoje ,já não devia, ser o "diz que disse".Porque quando se chega aí,é dificil separar o trigo do joio e a verdade da mentira.
Portugal precisa hoje que se fale e escreva sobre o quotidiano e que se ponham nas coisa e nas pessoas o seu próprio nome.
O País e os papéis estão cheios de conversas da trêta,rodapés e "noites da má lingua".
Chamar o toiro pelos "cornos",é o que os intelectuais devem procurar fazer,sob pena de não saírem do "circulo da "meia dúzia".
TM
Portugal hoje em dia o que mais tem são destas Alices, umas fazem por ser mais recatadas, outras querem andar na ribalta dando um ar de puta séria utilizando todos os meios para atingir os seus fins, não se importando minimamente em dar um ar de séria.
Mas enfim esta democracia não começou com os atributos da honestidade, mas sim salve-se quem puder.
Mas o exemplo desta Alice actual é o mais degradante possível com todos os aperitivos necessários para exemplificar a condição humana dos oportunistas.
Brilhante.
Deixe-me acrescentar:
A Alice por ser como é e por se ter tornado quem é, é portanto perigosa.
Sem segundos sentidos.
Perigosa e um autêntico desastre para este Portugal tão calhado para Alices.
A sua herança é, será desastrosa, por tudo e sobretudo pela deseducação. Pelo exemplo que vem de cima.
Parabéns pela crónica.
Pela visão.
Não se canse de bater nos ceguinhos até eles verem.
Mas já percebeu... Portugal é maioritariamente um país de cegos e daqueles que não o sendo olham para o lado.
E Alice que tem olho... é rei, ou rainha.
A Alice e os anões
Muito bem escrito.Poderia eu acrescentar os anões da outra história a este artigo? Permitam-me esclarecer que os anões são os pajens,( a corja socialista,os lacões,os silvas,os rodrigues,os andrés,os victores,os varas,os ruis pedros,os lelos,as marias de belem,os victorinos,as edites das estrelas,as medeiros,etcetcetcetcetc é já muito anão não é? pois temos também muito da Alice...),) que suportam o véu de modo que não se suje
o que mais há por aí...
são "Alices", no masculino e no feminino. Perigosas, como já alguém escreveu.
O facto é que parece haver uma certa contemplação para com os actos "alicianos" (permitam-me que crie o neologismo hehehe...) pelo que exemplos de "aliciados" não faltam! Uns por robalos outros por libras, outros ainda por um cargozito que dê direito a reforma dourada, colégio dos filhos "à conta" e seguro de saúde incluído, para não falar do usufruto de cartão de crédito, do carrôncio e motorista...
Este, tornou-se um país de Alices...
Outras Personagens de Alice no País das Maravilhas
Chapeleiro Louco - Acho que Todos nós; quem é minimamente consciente pode chegar facilmente à insanidade mental quando confrontando com este país surreal
Coelho - Todas as Alicinhas da vida que estão de dente afiado e orelhas em pé à espera e à espreita da sua oportunidade:"Ai, ai! Ai, ai! Vou chegar atrasado demais!"
Gato de Cheshire - Cavaco Silva: sorriso pronunciado e uma enorme capacidade de aparecer e desaparecer...
Lagarta azul - É como as Alicinhas acham que vamos acabar: a fumar um narguilé mas antes convencidos por elas de que a resolução dos problemas estará num cogumelo mágico (ou doses massivas de anti-depressivos)
Rainha Branca- Antº Guterres; Mário Soares; Almeida Santos, etc...: comemoram a promoção de Alice de peão a rainha. Quando a festa se torna uma "bagunça", a Rainha Branca foge, desaparecendo numa terrina de sopa .
Rainha Vermelha: Sócrates: Colérico; Pavio curto; Quem afronta a sua autoridade é decapitado (decapitou a economia, um país e o fututo dass gerações vindouras)
Gémeos: Muitos analistas de política e de economia que falam, em horário nobre, numa linguagem que apenas eles entendem..
A verdadeira história do Sócrates
A história do Sócrates.
Mudou mais ou menos o género e o nome mas é a história mais fiel e bem contada que li nos últimos tempos.
Parabéns, magnífico escrito em que nada faltou na análise das "nuances" do sujeito.
Esqueci o mais importante.
Comentários 8 Comentar

Últimas


Edição Diária 17.Abr.2014

Leia no seu telemóvel, tablet e computador
PUBLICIDADE

Pub