Anterior
França: tribunal constitucional delibera que pacto orçamental europeu ...
Seguinte
Zona euro: sete catalizadores duma crise em roda livre (Expresso)
Página Inicial   >  Economia  >  Lisbon Wires  >  PT  >  Europa  >   Alemanha pode entrar em recessão no segundo semestre (RTRS)

Alemanha pode entrar em recessão no segundo semestre (RTRS)

Três anos depois do inicio da crise de dívida europeia, a economia alemã revela sinais sombrios e poderá entrar em recessão no segundo semestre deste ano. A queda do desemprego ao longo de seis anos parece ter chegado ao fim. E uma sondagem da televisão alemã ARD revela que 84% dos alemães acha que o pior da crise de dívida, ainda está para vir.
Reuters:
"A economia alemã está a perder força, não há dúvidas sobre isso", disse Joerg Kraemer, economista-chefe do Commerzbank. "A partir daqui, vai ser a descer. A economia alemã não se está a sair tão mal como o resto da zona euro, mas não pode desligar-se disso, especialmente porque o crescimento da China desacelerou." (...)

Peter Bofinger, um dos cinco "sábios" que aconselham o governo alemão sobre economia, disse que os dados recentes da produção industrial sugerem que o país está à beira de uma recessão técnica. "A Alemanha não pode contrariar a fraca situação económica internacional com o seu próprio dinamismo", disse Bofinger à Reuters. (...)

Uma sondagem encomendada pela televisão pública alemã ARD, no início deste mês, revelou que 63 por cento dos alemães acreditam que a economia está em boa forma. A principal razão para isso é o robusto mercado de trabalho. (...) O desemprego dos jovens na Alemanha é de apenas 7,9 por cento em junho, face a uma média europeia de 22,6 por cento. Mas estão a surgir sinais de que a queda do desemprego ao longo de seis anos está a chegar ao fim. (...) Grandes empresas alemãs - Deutsche Bank, RWE e a distribuidora de aço Kloeckner - estão a avançar com milhares de demissões. (...)

A mesma sondagem (...) mostrou um aumento acentuado no número de entrevistados que acredita que a economia se vai deteriorar ao longo do próximo ano. A sondagem para a ARD mostrou que 84 por cento dos alemães acreditam que o pior da crise da dívida ainda está por vir. (...) Klaus-Peter Schoeppner, director da empresa de sondagens Emnid, (...) referiu que os resgates da Grécia, Irlanda, Portugal e Espanha são o "calcanhar de Aquiles" do governo (alemão). "Isso vai piorar à medida que a capacidade do governo para distribuir mais dinheiro ficar sob pressão" de uma economia em enfraquecimento, referiu Schoeppner. "O governo terá que ter muito cuidado daqui para frente."
fonte: German economy faces recession fear in threat to euro zone | Reuters

Opinião


Multimédia

Tudo o que precisa de saber sobre o ébola, em dois minutos

Porque é que este está a ser o pior surto da história? Como é que os primeiros sintomas se confundem com os de outras doenças? É possível viajar depois de ter contraído o vírus, sem transmitir a doença? E estamos ou não perto de ter uma vacina? O Expresso procurou as respostas a estas e outras dúvidas sobre o ébola.

Vai pagar mais ou menos IRS? Veja as simulações

Reforma do imposto protege quem tem dependentes a cargo, mas pode penalizar os restantes contribuintes. Função pública e pensionistas vão ter mais dinheiro disponível. Veja simulações para vários casos.

Costeletas de borrego com migas de castanhas

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

A última viagem do navio indesejado

Construído nos Estaleiros de Viana e pensado para fazer a ligação entre ilhas nos Açores, o Atlântida foi recusado pelo Governo Regional por alegadamente não atingir a velocidade pretendida. Contando com os custos associados à dissolução do contrato, o prejuízo ascendeu a 70 milhões de euros. Foi agora comprado a "preço de saldo", para mudar de nome e ser reconvertido num cruzeiro na Amazónia. Fizemos a última viagem do Atlântida e vamos mostrar-lhe os segredos do navio.

Strogonoff de peixe espada preto

Faz agora cinco anos que o Chefe Tiger, especialista em pratos de confeção acessível e com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, começou esta aventura gastronómica. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Caril de banana

Faz agora cinco anos que o Chefe Tiger, especialista em pratos de confeção acessível e com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, começou esta aventura gastronómica. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Tem três minutinhos? Vamos explicar-lhe o que muda no orçamento de 350 mil portugueses (e no de muitas empresas)

O novo salário mínimo entrou em vigor. São mais €20 brutos para cerca de 350 mil portugueses (números do Ministério da Segurança Social, porque os sindicatos falam em 500 mil trabalhadores). Mudou o valor, mas também os descontos que as empresas fazem para a Segurança Social. Porque se trata de uma medida que afeta a vida de muitos portugueses, queremos explicar o que se perde e o que se ganha, o que se altera e o que se mantém.

Cantaril com risotto de espargos

Faz agora cinco anos que o Chefe Tiger, especialista em pratos de confeção acessível e com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, começou esta aventura gastronómica. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Music fighter: temos Marco Paulo e Bruno Nogueira numa batalha épica

Está preparado para um dos encontros mais improváveis na história da música portuguesa? O humorista Bruno Nogueira e a cantora Manuela Azevedo, dos Clã, pegaram em várias músicas consideradas "pimba" - daquelas que ninguém admite ouvir mas que, no fundo, todos vão dançar assim que começam a tocar - e deram-lhe novos arranjos, num projeto que chegou aos coliseus de Lisboa e do Porto.  "Ninguém, ninguém", de Marco Paulo, tem possivelmente a introdução mais acelerada e frenética do panorama musical português. Mas, no frente-a-frente, quem é o mais rápido? Vai um tira-teimas à antiga?

Dez verdades assustadoras sobre filmes de terror

Este vídeo é como o monstro de "Frankenstein": ganhou vida graças à colagem de partes de alguns dos filmes mais aterrorizantes de sempre. Com uma ratazana mutante e os organizadores do festival de cinema de terror MotelX pelo meio. O Expresso foi à procura das razões que explicam o fascínio pelo terror, com muito sangue (feito de corante alimentar) à mistura. 

A paixão do vinil

Se para muitos o vinil é apenas uma moda que faz parte da cultura do revivalismo vintage, para outros ver o disco girar nunca deixou de ser algo habitual.

Portugal foi herdado, comprado ou conquistado?

Era agosto em Lisboa e, às portas de Alcântara, milhares de homens lutavam por dois reis, participando numa batalha decisiva para os espanhóis e ainda hoje maldita. Aconteceu em agosto de 1580. Mais de 400 anos depois, o Expresso deu-lhe vida, fazendo uma reconstituição do confronto através do recorte e animação digital de uma gravura anónima da época.

O Maradona dos bancos centrais

Dizer que Mario Draghi está a ser uma espécie de Maradona dos bancos centrais pode parecer estranho. Mas não é exagerado. Os jornalistas João Silvestre e Jorge Nascimento Rodrigues explicaram porquê num conjunto de artigos publicado no Expresso em Novembro de 2013 e que venceu em junho deste ano o prémio de jornalismo económico do Santander e da Universidade Nova. O trabalho observa ainda o desempenho de Ben Bernanke no combate à crise, revisita a situação em Portugal e arrisca um ranking dos 25 principais governadores de bancos centrais. Republicamos os artigos num formato especial desenvolvido para a web.

Com Deus na alma e o diabo no corpo

Quem os vê de fora pode pensar que estão possuídos. Eles preferem sublinhar o lado espiritual e terapêutico desta dança - chamam-lhe "krump" e nasceu nos bairros pobres dos Estados Unidos. De Los Angeles para Chelas, em Lisboa, já ajudou a tirar jovens do crime. Ligue o som bem alto e entre com o Expresso no bairro. E faça o teste: veja se consegue ficar quieto.

O Cabo da Roca depois da tragédia que matou casal polaco

Os turistas portugueses e estrangeiros que visitam o Cabo da Roca, em Sintra, continuam a desafiar a vida nas falésias, mesmo depois da tragédia que resultou na morte de um casal polaco, cujos filhos menores estavam também no local. Durante a visita do Expresso, um segurança tentou alertar os turistas para o perigo e refere a morte do casal polaco. O apelo não teve grande efeito. Veja as imagens.


Comentários 9 Comentar
ordenar por:
mais votados
É a vida!

Está na altura dos alemães mostrarem a sua fibra.
Os emergentes estão sequiosos de gastar a massa nas suas exportações. Se a tivessem.

Claro que a culpa será nossa; nossa e dos gregos e dos irlandeses e dos espanhóis e dos italianos mais semana menos semana.

Mas compreendo o drama alemão: já não há a Checoslováquia para invadir, nem o espaço vital (Deutschland über alles) e mesmo que houvesse já não têm exército para semelhantes façanhas.

Auf Wiedersehen
Uma mão lava a outra e as duas lavam a cara...
Era espectável ainda muito durou a primavera na Alemanha.É preciso ser-se doutorado em economia para ver que donde se tira e não se repõe acaba faltando?
Por muito saudável que seja a economia de um país não pode viver por ele só.Agora é que os alemães vão ter que começar a enfrentar a realidade;
As exportações têm-se reduzido substancialmente e não é só em Portugal.Se as pessoas perdem poder de compra em todo o mundo que é que podem esperar?.
Aí está o velho sistema capitalista a funcionar.Pode ser que assim eles entendam que também precisam dos outros.
Re: Uma mão lava a outra e as duas lavam a cara...
Re: Uma mão lava a outra e as duas lavam a cara...
Re: Uma mão lava a outra e as duas lavam a cara...
Economia:Só cresce quem estava parado, e nem todos
« "A economia alemã está a perder força, não há dúvidas sobre isso", disse Joerg Kraemer »

Tomáramos nós estarmos a 'perder' a força deles, era sinal que a tínhamos...

- Mas é de admirar que, quando todos estão a comprar menos e de forma retraída, a Alemanha venda menos?

Enfim, anda muita gente à procura dos holofotes dos jornais.
E estes, como o que querem é vender...

Já ontem...era tarde!
Cá se fazem cá se pagam. Já ontem era tarde !
politica
Governar e fazer politica sao coisas deferentes,nem um pais do mundo vai escapar ao mal da politica,mentir e enganhar utilizar o poder de decisao em seo proveito,manipular intereses e apruveitar-se deles, politica e destrutiva,mesmo a ideia de uma europa unida coisa que nao e dos politicos esta em perigo.
Notícia para encher chouriços
Se pode, vai. Aguentem-se como os outros.

Portugal não só é, como sempre foi e há-de continuar a ser o "calcanhar de aquiles" para qualquer sistema injusto, seja ele na Europa ou noutro canto do planeta.

E podem vir os alemães todos ao mesmo tempo ou um de cada vez, os portugueses continuarão cá.
Comentários 9 Comentar

Últimas


Edição Diária 17.Abr.2014

Leia no seu telemóvel, tablet e computador
PUBLICIDADE

Pub