Anterior
França: tribunal constitucional delibera que pacto orçamental europeu ...
Seguinte
Zona euro: sete catalizadores duma crise em roda livre (Expresso)
Página Inicial   >  Economia  >  Lisbon Wires  >  PT  >  Europa  >   Alemanha pode entrar em recessão no segundo semestre (RTRS)

Alemanha pode entrar em recessão no segundo semestre (RTRS)

Três anos depois do inicio da crise de dívida europeia, a economia alemã revela sinais sombrios e poderá entrar em recessão no segundo semestre deste ano. A queda do desemprego ao longo de seis anos parece ter chegado ao fim. E uma sondagem da televisão alemã ARD revela que 84% dos alemães acha que o pior da crise de dívida, ainda está para vir.
Reuters:
"A economia alemã está a perder força, não há dúvidas sobre isso", disse Joerg Kraemer, economista-chefe do Commerzbank. "A partir daqui, vai ser a descer. A economia alemã não se está a sair tão mal como o resto da zona euro, mas não pode desligar-se disso, especialmente porque o crescimento da China desacelerou." (...)

Peter Bofinger, um dos cinco "sábios" que aconselham o governo alemão sobre economia, disse que os dados recentes da produção industrial sugerem que o país está à beira de uma recessão técnica. "A Alemanha não pode contrariar a fraca situação económica internacional com o seu próprio dinamismo", disse Bofinger à Reuters. (...)

Uma sondagem encomendada pela televisão pública alemã ARD, no início deste mês, revelou que 63 por cento dos alemães acreditam que a economia está em boa forma. A principal razão para isso é o robusto mercado de trabalho. (...) O desemprego dos jovens na Alemanha é de apenas 7,9 por cento em junho, face a uma média europeia de 22,6 por cento. Mas estão a surgir sinais de que a queda do desemprego ao longo de seis anos está a chegar ao fim. (...) Grandes empresas alemãs - Deutsche Bank, RWE e a distribuidora de aço Kloeckner - estão a avançar com milhares de demissões. (...)

A mesma sondagem (...) mostrou um aumento acentuado no número de entrevistados que acredita que a economia se vai deteriorar ao longo do próximo ano. A sondagem para a ARD mostrou que 84 por cento dos alemães acreditam que o pior da crise da dívida ainda está por vir. (...) Klaus-Peter Schoeppner, director da empresa de sondagens Emnid, (...) referiu que os resgates da Grécia, Irlanda, Portugal e Espanha são o "calcanhar de Aquiles" do governo (alemão). "Isso vai piorar à medida que a capacidade do governo para distribuir mais dinheiro ficar sob pressão" de uma economia em enfraquecimento, referiu Schoeppner. "O governo terá que ter muito cuidado daqui para frente."
fonte: German economy faces recession fear in threat to euro zone | Reuters

Opinião


Multimédia

Cheesecake com manjericão e doce de tomate

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Voámos num F-16

Um piloto da Força Aérea voou com uma câmara GoPro do Expresso e temos imagens inéditas e exclusivas para lhe mostrar num trabalho multimédia.

Salada de salmão com sorvete de manga

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Por faróis nunca dantes navegados

São a salvaguarda dos navegantes, a luz que tranquiliza o mar. Há 48 faróis em Portugal continental e nas ilhas. Este é um acontecimento único: todos os faróis e 1830 km de costa disponíveis num mesmo trabalho. Para entendê-los e vê-los, basta navegar neste artigo.

Parecem casulos onde gente hiberna à espera de ver terra

No Porto de Manaus não há barcos, mas autocarros bíblicos que caminham sobre água. Têm vários andares e estão cheios de camas de rede que parecem casulos onde homens, mulheres e crianças aguardam o destino. E há gente a vender o que houver e tiver de ser junto ao Porto. "Como há Copa, tem por aí muito gringo que vem ter com 'nóis'. E então fica mais fácil vender"

O adeus de Lobo Antunes às aulas de medicina

O neurocirurgião deu terça-feira a sua "Última Lição" no auditório do Instituto de Medicina Molecular da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa, na véspera de deixar o seu trabalho no serviço nacional de saúde.

Jaguar volta a fabricar desportivo dos anos 60

Até ao verão será fabricado um número limitado de desportivos Jaguar E-Type Lightweight, seguindo todas as especificações originais, incluindo a continuação do número de série das unidades produzidas em 1963.

"Naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas"

Mais do que uma manifestação, o 'primeiro' 1º de Maio é recordado como a grande festa da Revolução dos Cravos, quando o povo saiu às ruas em massa e a união das esquerdas era um sonho possível. "O 1º de Maio seria mais uma primeira coisa, porque naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas." Foi há 40 anos.

Este trabalho não foi visado por qualquer comissão de censura

Aquilo que hoje é uma expressão anacrónica estava em relevo na primeira página do "República", a 25 de Abril de 1974: "Este jornal não foi visado por qualquer comissão de censura". Quarenta anos depois da Revolução, veja os jornais, ouça os sons e compreenda como decorreu o "dia inicial inteiro e limpo", como lhe chamou Sophia. O Expresso falou ainda com cinco gerações de 40 anos e percorreu a "geografia" das Ruas 25 de Abril de todo o país, falando com quem lá mora. Veja a reportagem multimédia.


Comentários 9 Comentar
ordenar por:
mais votados
É a vida!

Está na altura dos alemães mostrarem a sua fibra.
Os emergentes estão sequiosos de gastar a massa nas suas exportações. Se a tivessem.

Claro que a culpa será nossa; nossa e dos gregos e dos irlandeses e dos espanhóis e dos italianos mais semana menos semana.

Mas compreendo o drama alemão: já não há a Checoslováquia para invadir, nem o espaço vital (Deutschland über alles) e mesmo que houvesse já não têm exército para semelhantes façanhas.

Auf Wiedersehen
Uma mão lava a outra e as duas lavam a cara...
Era espectável ainda muito durou a primavera na Alemanha.É preciso ser-se doutorado em economia para ver que donde se tira e não se repõe acaba faltando?
Por muito saudável que seja a economia de um país não pode viver por ele só.Agora é que os alemães vão ter que começar a enfrentar a realidade;
As exportações têm-se reduzido substancialmente e não é só em Portugal.Se as pessoas perdem poder de compra em todo o mundo que é que podem esperar?.
Aí está o velho sistema capitalista a funcionar.Pode ser que assim eles entendam que também precisam dos outros.
Re: Uma mão lava a outra e as duas lavam a cara...
Re: Uma mão lava a outra e as duas lavam a cara...
Re: Uma mão lava a outra e as duas lavam a cara...
Economia:Só cresce quem estava parado, e nem todos
« "A economia alemã está a perder força, não há dúvidas sobre isso", disse Joerg Kraemer »

Tomáramos nós estarmos a 'perder' a força deles, era sinal que a tínhamos...

- Mas é de admirar que, quando todos estão a comprar menos e de forma retraída, a Alemanha venda menos?

Enfim, anda muita gente à procura dos holofotes dos jornais.
E estes, como o que querem é vender...

Já ontem...era tarde!
Cá se fazem cá se pagam. Já ontem era tarde !
politica
Governar e fazer politica sao coisas deferentes,nem um pais do mundo vai escapar ao mal da politica,mentir e enganhar utilizar o poder de decisao em seo proveito,manipular intereses e apruveitar-se deles, politica e destrutiva,mesmo a ideia de uma europa unida coisa que nao e dos politicos esta em perigo.
Notícia para encher chouriços
Se pode, vai. Aguentem-se como os outros.

Portugal não só é, como sempre foi e há-de continuar a ser o "calcanhar de aquiles" para qualquer sistema injusto, seja ele na Europa ou noutro canto do planeta.

E podem vir os alemães todos ao mesmo tempo ou um de cada vez, os portugueses continuarão cá.
Comentários 9 Comentar

Últimas

Ver mais

Edição Diária 17.Abr.2014

Leia no seu telemóvel, tablet e computador
PUBLICIDADE

Pub