Copiloto da Germanwings interrompeu formação devido a crise nervosa

Nova Iorque. Explosão em edifício provoca incêndio de grandes dimensões

Anterior
Príncipe Carlos visita estufas de saladas em Alcochete
Seguinte
Portugal tem 2 milhões de hectares de terra abandonados
Página Inicial   >  Economia  >  Agricultura  >  Agricultura: ministro quer desempregados nos campos

Agricultura: ministro quer desempregados nos campos

O ministro da Agricultura, António Serrano, desafia população desempregada a aceitar propostas de trabalho no sector agrícola.
Agricultura: ministro quer desempregados nos campos

O ministro da Agricultura desafiou hoje, no Algarve, os desempregados nacionais com capacidade para trabalhar no setor agrícola a aceitarem as propostas de emprego existentes em Portugal e recordou que os empresários estão a contratar mão de obra externa.

"Gostaria de ver mais gente que está no desemprego a aproveitar a oportunidade que o setor da Agricultura cria, porque há de facto uma criação de postos de trabalho na área", disse António Serrano, à margem de uma visita a diversos investimentos do Programa de Desenvolvimento Rural (PRODER) na região algarvia.

Questionado pela agência Lusa sobre o porquê de haver falta de mão de obra portuguesa no setor hortícola e frutícola por todo o país, o ministro explicou que os empresários têm dificuldades em encontrar portugueses que queiram trabalhar na Agricultura e, por isso, estão a recorrer à mão de obra externa, nomeadamente tailandesa.

Oportunidades de trabalho 


"Havendo tanta oportunidade de emprego na Agricultura (...), temos hoje, face ao crescimento dos hortícolas e frutícolas, uma incapacidade de conseguir atrair gente que está no desemprego para trabalhar neste setor", explicou António Serrano, acrescentando que esta situação tem levado "muitos empresários a recorrer a imigrantes, nomeadamente à Tailâdia".

O ministro admitiu que era um trabalho com "alguma dureza", mas que gera recursos financeiros para alimentar uma família e, por isso, reiterou que "gostava muito que quem está no desemprego pudesse aderir aos empregos e às ofertas que são criadas todos os dias" em todo o país.

"Se não houvesse necessidade não estávamos a recorrer a mão de obra externa. Havendo desemprego e havendo oferta de trabalho, acho que tem de haver algum ajustamento e esperar que as pessoas possam também ser cativadas para trabalhar nesta área", adiantou.


Opinião


Multimédia

Edwin. O rapaz que aprendeu a sonhar

O que Edwin sabia sobre a vida era sobreviver. Na cabeça dele não cabiam sonhos e os dias eram passados à procura de comida para ele e para a mãe e para o irmão. A fome espreitava nos cantos da barraca de palha no Quénia e ele escondia-se dela como podia - chupar as pedras era uma forma de a enganar. Mas a sorte dele mudou porque alguém viu nele outra coisa. E tudo começou numa dança. Agora, os mesmos dedos que agarravam as pedras tocam hoje teclas de um piano Bechstein. E os pés dele já não estão nus mas calçados. Com chuteiras. Primeiro no Benfica, agora no Estoril, o miúdo de 15 anos que fala como gente grande descobriu que tinha um sonho: ser futebolista. Como Drogba.

Em três quartos de hora não se esquece só a idade. "Esquece-se o mundo"

Maria do Céu dá três voltas ao lar sempre que pode. Edviges vai a todos os velórios, faz hidroginástica e sopas de letras. António dá um apoio na Igreja e nos escuteiros. Tudo é uma ajuda para passar os dias quando se tornam todos iguais. No Pinhal Interior Sul, a região mais envelhecida da União Europeia, quase um terço da população tem mais de 65 anos. Os mais velhos ficaram, os mais novos partiram.

Profissão: Sniper

O Expresso foi ver como são selecionados, que armas usam, para que missões estão preparados os snipers da Força de Operações Especiais do Exército. São uma elite dentro da elite. Um pelotão restrito. Anónimo. Treinam diariamente com um único objetivo: eliminar um alvo à primeira, mesmo que esteja a centenas de metros. Humano ou material. Sem dramas morais, dizem.

Xarém com conquilhas

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione com esta nova receita.

O que se passa dentro da cabeça dele

O que leva um tipo a quem iam amputando uma perna a regressar ao sítio onde os ossos se desfizeram, uma e outra vez, e testar os limites do seu corpo? Resposta: a busca pelo salto perfeito, que ele diz existir dentro dele e que ele encontrará mais dia menos dia. É a fé e a confiança que o movem e o levam a pular para lá do que é exigido a um campeão olímpico e mundial que não tem mais nada a provar a ninguém - a não ser a ele próprio. Este é um trabalho que publicámos em agosto de 2014, quando o saltador se preparava para os Europeus e falava das metas que tinha traçado para 2015 e 2016: mostrar que não estava acabado. Sete meses depois, provou-o no Europeu de pista coberta em Praga, onde venceu este fim de semana.

Amadeu, que aprendeu o mundo no campo e tinha o coração na ponta dos dedos

Em Portugal, a dedicação à língua mirandesa tem nome próprio: Amadeu Ferreira, o jurista da CMVM que - quando todos diziam que "era uma loucura impossível" - arranjou tempo para traduzir "Os Lusíadas", a "Mensagem", os quatro Evangelhos da Bíblia e ainda duas aventuras do Asterix para uma língua que pertence a um cantinho do nordeste português e é falada por menos de 15 mil pessoas. No final de 2014 deu ao Expresso aquela que viria a ser a sua última entrevista. Morreu no passado domingo e esta quinta-feira foi lançada a sua biografia, "O fio das lembranças", com quase 800 páginas.

Temos 16 imagens que não explicam o mundo, mas que ajudam a compreendê-lo

O júri do World Press Photo queria dar o prémio maior da edição deste ano (e talvez das edição todas) a uma fotografia com "potencial para se tornar icónica". A primeira imagem desta fotogaleria, por ser "esteticamente poderosa" e "revelar humanidade", é o que o júri procurava. A fotografia de um casal homossexual russo, a grande vencedora, é a primeira de 16 imagens de uma seleção onde há Messi desolado, migrantes em condições indignas no Mediterrâneo, a aflição do ébola, mistérios afins e etc - são os contrastes do mundo.

Vamos falar de sexo. Seis portugueses revelam tudo o que lhes dá prazer na cama

Neste primeiro episódio de uma série que vai durar sete semanas, seis entrevistados falam abertamente sobre aquilo que lhes dá mais satisfação na intimidade. Sexo em grupo, sexo na gravidez, prazer sem orgasmo e melhor sexo após a menopausa são alguns dos temas referidos nos testemunhos desta semana. O psiquiatra Francisco Allen Gomes explica ainda a razão de muitas mulheres fingirem o orgasmo. O Expresso e a SIC falaram com 33 portugueses que deram a cara e o testemunho de como são na cama. Ao longo das próximas sete semanas, contamos-lhe tudo.

Elvis. Gostamos ou não gostamos?

Ele não é consensual, mas é incontornável. Dispunha de penteado majestoso e patilha marota, aparentava olhar matador e pose atrevida. E deixou canções: umas fáceis e outras nem tanto, por vezes previsíveis e às vezes inesperadas, ora gentis ora aceleradas. E ele, Elvis, nasceu em janeiro de 1934 - há precisamente 40 anos, ao oitavo dia. Temos quatro textos sobre o artista: Nicolau Santos, Rui Gustavo, Nicolau Pais e João Cândido da Silva explicam o que apreciam, o que toleram e o que não suportam.

A última viagem do navio indesejado

Construído nos Estaleiros de Viana e pensado para fazer a ligação entre ilhas nos Açores, o Atlântida foi recusado pelo Governo Regional por alegadamente não atingir a velocidade pretendida. Contando com os custos associados à dissolução do contrato, o prejuízo ascendeu a 70 milhões de euros. Foi agora comprado a "preço de saldo", para mudar de nome e ser reconvertido num cruzeiro na Amazónia. Fizemos a última viagem do Atlântida e vamos mostrar-lhe os segredos do navio.

Desfile de vedetas

Saiba tudo sobre os modelos concorrentes ao Carro do Ano 2015/Troféu Essilor Volante de Cristal. Conheça o essencial sobre os 20 automóveis participantes nesta iniciativa, da estética, às características técnicas, do preço ao consumo. A apresentação ficará completa no dia 3 de janeiro.

Tudo o que precisa de saber sobre o ébola. Em dois minutos

Porque é que este está a ser o pior surto da história? Como é que os primeiros sintomas se confundem com os de outras doenças? É possível viajar depois de ter contraído o vírus, sem transmitir a doença? E estamos ou não perto de ter uma vacina? O Expresso procurou as respostas a estas e outras dúvidas sobre o ébola.

Desacelerámos a realidade para observar a euforia da liberdade

Ela, Jacarandá, é algarvia. Ele, Katmandu, é espanhol. São linces e agora experimentam a responsabilidade da liberdade: foram soltos esta terça-feira numa herdade alentejana, próxima de Mértola, eles que saíram de centros de reprodução em cativeiro. Foi inédito: nunca tinha acontecido algo assim em Portugal. Estivemos lá e ensaiámos o slow motion.


Comentários 57 Comentar
ordenar por:
mais votados
No campo
Bem se vê que é muito ingénuo ao fazer tal convite aos desempregados !
Como se eles alguma vez aceitassem !
Enquanto houver subsídio de desemprego R. I. S. a maior parte não aceita outro "emprego " !
Re: No campo
Re: No campo
Re: No campo
Re: No campo
Re: No campo
Re: No campo
Re: No campo
Muito obrigado Senhor!
Re: Muito obrigado Senhor!
Odiar o mundo?
Re: Odiar o mundo?
Re: Muito obrigado Senhor!
Sai um "Pol Pot" para a mesa do canto!
Ministro esperto
Este Ministro é um caso sério.

Ele, os seus colegas, os respectivos Secretários de Estado, Chefes de Gabinete, Directores Gerais, depois das eleições, como se adivinha, vão ficar desempregados...
... logo, como saída, irão trabalhar para as estufas
... logo, terão uma vida mais saudável e alegre
... logo, terão diálogos interessantes:

"Ó Teixeira, larga os tomates"
"Ó Zé, torce o pepino"
"Ó Amado, apanha as couves de Bruxelas"
(...)

O capataz:
"levas com um reponho nos cornos,ai levas, levas"
O dinheiro do QREN foi para o golfe do Roquete
Verbas do QREN da agricultura,foram para investimentos do golfe.O Ministério da Agricultura é um elefante cheio de direcções gerais e gente á espera da reforma.oS GRÉMIOS-OS ANTIGOS GRÉMIOS DA lAVOURA TRANSFORMARA-SE EM MERCEARIAS.vENDEM DE TUDO,até tintas de construção civil.Os campos estão abandonados e o ex.Jaime Silva agora é um alto quadro de Bruxelas.Projectos de emparcelaneto rural, em várias zonas do País, com projectos prontos ,não tiveram financiamento porque Sócrates não deu luz verde .
Re: O dinheiro do QREN foi para o golfe do Roquete
Totalmente de acordo desde que politicos que
visitam as feiras de agricultura com chapeuzinhos de agricultores dêm o exemplo. Agora começo a compreender as razões porque o PSD quer acabar com o Ministério da Agricultura...se por azar do país fôr governo...
Vá você, Sr. Ministro!
Trabalhar muitas vezes 12h por dia para ganhar o salário mínimo.

Andam a importar tailandeses? E quanto pagam a esses tailandeses? 400€? Pois, para eles é uma fortuna. Vão viver num buraco durante uns tempos, 10 famílias em 50m2 e depois com os 400€ que ganharam, voltam para a Tailândia e são uns senhores.

Por alguma razão esses tais empresários importam tailandeses: são bons escravos (trabalham muito, muitas horas, por pouco dinheiro). Vejam lá se importam gente de países desenvolvidos...pois concerteza que não. Esses não trabalham em regime de escravatura. E fazem bem!
Re: Vá você, Sr. Ministro!
Re: Vá você, Sr. Ministro!
Re: Vá você, Sr. Ministro!
A demagogia do sr. ministro da Agricultura
apenas tem um equivalente na atitude soviética de que os pequeno-burgueses(?) têm de "curvar a espinha".
Claro que o ideal é colocar milhares de desempregados das indústrias a "curvar a espinha" na agricultura: não só aliviava as estatísticas como o país se tornava mais "humilde".
Evidentemente, há quem aqui o apoie - uma mensagem para esses: façam-no Vs. Não têm idade para isso? Não estão desempregados? Ah, então do alto dos vossos privilégios cantam de alto? Que saudades das FP25 para tratarem da vossa arrogância
Re: A demagogia do sr. ministro da Agricultura
Re: A demagogia do sr. ministro da Agricultura
Re: A demagogia do sr. ministro da Agricultura
Re: A demagogia do sr. ministro da Agricultura
Re: A demagogia do sr. ministro da Agricultura
Muito obrigado Senhor!
Obrigado por me dares oportunidade existir!
Obrigado pelo luz do sol que aquece os campos de trigo!
Obrigado pela chuva que alimenta o meu alimento!
Obrigado por criares pessoas como António Serrano que nos dá tão bons conselhos!
Obrigado por criares os donos dos campos para os qual eu posso trabalhar de manhãzinha até bem à tardinha debaixo de um sol esturricante, de chuva e do vento por uma recompensa de menos 500€. 500€ esses que são mais que suficientes para levar uma vida humilde, de muito trabalho, sem qualquer perspectivas de futuro mas muito muito feliz!!! E Senhor, o que é preciso é saúde para alegremente servir os nossos senhores patrões que Crias-te!
Obrigado Senhor, por nos dares a oportunidade de sermos servos tão felizes!!!
A lei da oferta e da procura
Em Portugal faltam trabalhadores agrícolas e sobram doutores. Se na Tailândia sobram trabalhadores agrícolas é provável que faltem doutores.
O mundo não está em recessão como Portugal. Há muito emprego no estrangeiro especialmente fora da UE. Os doutores portugueses só precisam de ser competitivos em qualquer parte do mundo como são os trabalhadores agrícolas tailandeses em Portugal.
Será uma anedota!
Será que é para continuarem a pagar aos 50 E por mês como tem acontecido a muitos que recebem.
É que tão vis exploradores como estes xuxalistas jamé se viu.
Eles conseguem roubar aos milhões e nada lhes acontece, mas é Portugal e o seu povo valente?
Alguem honesto
Acredita em gente desonesta, que tem promovido a criminalidade, corrupção e exploração.
Só mesmo acreditando em xuxalistas!
É engraçado, tenho a ceteza que a maioria
dos desempregados também gostariam de ver não só o ministro, mas também o governo inteiro nos campos, mas era nos campos..............de concentração!
AGRICULTURA
os desempregados deviam tratar dos nabos dos nossos políticos
lol
A menos que seja alterada alguma da política de preços na distribuição e sua melhor regulamentação parece-me uma medida ridícula. Digo isto porque os produtores agrícolas queixam-se da pressão feita pelos distribuidores (que hoje também são os retalhistas). Trabalham muito e ganham pouco enquanto aqueles que não sujam as mãos e fazem pouco ganham muito. Estão sempre a ver as suas margens diminuídas porque para escoar o seu stock/produto, já por si preso por quotas de produção impostas de fora, necessitam da distribuição moderna (pingos doce e continentes) porque o comércio tradicional está morto ou prestes a morrer.

Se fosse produtor, após estudar o sector/gama de produtos em causa, tentaria liquidar o intermediário "distribuição moderna" com uma venda directa B2C (produtor para consumidor final) apostando nos produtos de qualidade e no consumo local (diminuído também a pegada ecológica) que muitas vezes, se não todas, são inexistentes nessas cadeias, e na fidelização do cliente. Deviam provar uma alface do meu vizinho para sentirem do que estou a falar.

Parece difícil mas acredito que seja possível na base da produção ser feita e ajustada para o local onde é produzida. Sem falar na venda directa B2B (restaurantes, bares, hotéis etc).

Não é por nada que os estrangeiros quando chegam a Portugal e entram numa mercearia local até cheiram e ficam espantados com o sabor dos vegetais, frutos etc etc.
Re: lol
Re: lol
Os desempregados para os campos,JÁ!!
Re: Os desempregados para os campos,JÁ!!
Re: Os desempregados para os campos,JÁ!!
Re: Os desempregados para os campos,JÁ!!
Re: Os desempregados para os campos,JÁ!!
Re: Os desempregados para os campos,JÁ!!
lol
Também gostaria de ver uma tabela salarial demonstrativa das remunerações/horas de trabalho que esses "tailandeses" têm.

E mais uma vez vamos ao sabor do vento, não planeamos absolutamente nada, apenas apontamos para possibilidades sem nos preocuparmos com o que pode acontecer com o excesso de produção. Medidas ridículas e avulsas sem qualquer planeamento base. Seria, isso sim, melhor para todos nós que cortassem nos secretários de estado, assessores, instituições inúteis, obrigar os políticos a pagar do bolso carros, viagens, almoços e jantares, visto que ganham o suficiente para isso e ainda sobra.

Não posso deixar de dizer que durante anos, ANOS, tiveram uma politica de não produzir, pagaram para não produzir (o que de si é reflexo contraditório do que se pede hoje, para produzirmos) e agora sem mais nem menos dizem-nos para ocupar as terras e produzir sem sequer se preocuparem com o planeamento da produção.

Pais de loucos..
Comentários 57 Comentar

Últimas

Receba a nova Newsletter
Ver Exemplo

Pub