Anterior
Príncipe Carlos visita estufas de saladas em Alcochete
Seguinte
Portugal tem 2 milhões de hectares de terra abandonados
Página Inicial   >  Economia  >  Agricultura  >   Agricultura: ministro quer desempregados nos campos

Agricultura: ministro quer desempregados nos campos

O ministro da Agricultura, António Serrano, desafia população desempregada a aceitar propostas de trabalho no sector agrícola.
Agricultura: ministro quer desempregados nos campos

O ministro da Agricultura desafiou hoje, no Algarve, os desempregados nacionais com capacidade para trabalhar no setor agrícola a aceitarem as propostas de emprego existentes em Portugal e recordou que os empresários estão a contratar mão de obra externa.

"Gostaria de ver mais gente que está no desemprego a aproveitar a oportunidade que o setor da Agricultura cria, porque há de facto uma criação de postos de trabalho na área", disse António Serrano, à margem de uma visita a diversos investimentos do Programa de Desenvolvimento Rural (PRODER) na região algarvia.

Questionado pela agência Lusa sobre o porquê de haver falta de mão de obra portuguesa no setor hortícola e frutícola por todo o país, o ministro explicou que os empresários têm dificuldades em encontrar portugueses que queiram trabalhar na Agricultura e, por isso, estão a recorrer à mão de obra externa, nomeadamente tailandesa.

Oportunidades de trabalho 


"Havendo tanta oportunidade de emprego na Agricultura (...), temos hoje, face ao crescimento dos hortícolas e frutícolas, uma incapacidade de conseguir atrair gente que está no desemprego para trabalhar neste setor", explicou António Serrano, acrescentando que esta situação tem levado "muitos empresários a recorrer a imigrantes, nomeadamente à Tailâdia".

O ministro admitiu que era um trabalho com "alguma dureza", mas que gera recursos financeiros para alimentar uma família e, por isso, reiterou que "gostava muito que quem está no desemprego pudesse aderir aos empregos e às ofertas que são criadas todos os dias" em todo o país.

"Se não houvesse necessidade não estávamos a recorrer a mão de obra externa. Havendo desemprego e havendo oferta de trabalho, acho que tem de haver algum ajustamento e esperar que as pessoas possam também ser cativadas para trabalhar nesta área", adiantou.


Opinião


Multimédia

Portugal foi herdado, comprado ou conquistado?

Era agosto em Lisboa e, às portas de Alcântara, milhares de homens lutavam por dois reis, participando numa batalha decisiva para os espanhóis e ainda hoje maldita. Aconteceu em agosto de 1580. Mais de 400 anos depois, o Expresso deu-lhe vida, fazendo uma reconstituição do confronto através do recorte e animação digital de uma gravura anónima da época.

A paixão do vinil

Se para muitos o vinil é apenas uma moda que faz parte da cultura do revivalismo vintage, para outros ver o disco girar nunca deixou de ser algo habitual.

Com Deus na alma e o diabo no corpo

Quem os vê de fora pode pensar que estão possuídos. Eles preferem sublinhar o lado espiritual e terapêutico desta dança - chamam-lhe "krump" e nasceu nos bairros pobres dos Estados Unidos. De Los Angeles para Chelas, em Lisboa, já ajudou a tirar jovens do crime. Ligue o som bem alto e entre com o Expresso no bairro. E faça o teste: veja se consegue ficar quieto.

O Cabo da Roca depois da tragédia que matou casal polaco

Os turistas portugueses e estrangeiros que visitam o Cabo da Roca, em Sintra, continuam a desafiar a vida nas falésias, mesmo depois da tragédia que resultou na morte de um casal polaco, cujos filhos menores estavam também no local. Durante a visita do Expresso, um segurança tentou alertar os turistas para o perigo e refere a morte do casal polaco. O apelo não teve grande efeito. Veja as imagens.

Ó Capitão! meu Capitão! ergue-te e ouve os sinos

Ele foi a nossa ama... desajeitada. Ele foi o professor que nos inspirou no liceu. Ele trouxe alegria, mesmo nas alturas mais difíceis. Ele indicou-nos o caminho na faculdade. Ele ensinou-nos a manter a postura, mas também a quebrar preconceitos. Ele ensinou-nos que a vida é para ser aproveitada a cada instante. Ó capitão, meu capitão, crescemos contigo e vamos ter de envelhecer sem ti. 

Crumble. A sobremesa mais fácil do mundo

Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida, especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Voámos num F-16

Um piloto da Força Aérea voou com uma câmara GoPro do Expresso e temos imagens inéditas e exclusivas para lhe mostrar num trabalho multimédia.

Salada de salmão com sorvete de manga

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Por faróis nunca dantes navegados

São a salvaguarda dos navegantes, a luz que tranquiliza o mar. Há 48 faróis em Portugal continental e nas ilhas. Este é um acontecimento único: todos os faróis e 1830 km de costa disponíveis num mesmo trabalho. Para entendê-los e vê-los, basta navegar neste artigo.

Parecem casulos onde gente hiberna à espera de ver terra

No Porto de Manaus não há barcos, mas autocarros bíblicos que caminham sobre água. Têm vários andares e estão cheios de camas de rede que parecem casulos onde homens, mulheres e crianças aguardam o destino. E há gente a vender o que houver e tiver de ser junto ao Porto. "Como há Copa, tem por aí muito gringo que vem ter com 'nóis'. E então fica mais fácil vender"

O adeus de Lobo Antunes às aulas de medicina

O neurocirurgião deu terça-feira a sua "Última Lição" no auditório do Instituto de Medicina Molecular da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa, na véspera de deixar o seu trabalho no serviço nacional de saúde.

Jaguar volta a fabricar desportivo dos anos 60

Até ao verão será fabricado um número limitado de desportivos Jaguar E-Type Lightweight, seguindo todas as especificações originais, incluindo a continuação do número de série das unidades produzidas em 1963.

"Naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas"

Mais do que uma manifestação, o 'primeiro' 1º de Maio é recordado como a grande festa da Revolução dos Cravos, quando o povo saiu às ruas em massa e a união das esquerdas era um sonho possível. "O 1º de Maio seria mais uma primeira coisa, porque naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas." Foi há 40 anos.

Este trabalho não foi visado por qualquer comissão de censura

Aquilo que hoje é uma expressão anacrónica estava em relevo na primeira página do "República", a 25 de Abril de 1974: "Este jornal não foi visado por qualquer comissão de censura". Quarenta anos depois da Revolução, veja os jornais, ouça os sons e compreenda como decorreu o "dia inicial inteiro e limpo", como lhe chamou Sophia. O Expresso falou ainda com cinco gerações de 40 anos e percorreu a "geografia" das Ruas 25 de Abril de todo o país, falando com quem lá mora. Veja a reportagem multimédia.


Comentários 57 Comentar
ordenar por:
mais votados
No campo
Bem se vê que é muito ingénuo ao fazer tal convite aos desempregados !
Como se eles alguma vez aceitassem !
Enquanto houver subsídio de desemprego R. I. S. a maior parte não aceita outro "emprego " !
Re: No campo
Re: No campo
Re: No campo
Re: No campo
Re: No campo
Re: No campo
Re: No campo
Muito obrigado Senhor!
Re: Muito obrigado Senhor!
Odiar o mundo?
Re: Odiar o mundo?
Re: Muito obrigado Senhor!
Sai um "Pol Pot" para a mesa do canto!
Ministro esperto
Este Ministro é um caso sério.

Ele, os seus colegas, os respectivos Secretários de Estado, Chefes de Gabinete, Directores Gerais, depois das eleições, como se adivinha, vão ficar desempregados...
... logo, como saída, irão trabalhar para as estufas
... logo, terão uma vida mais saudável e alegre
... logo, terão diálogos interessantes:

"Ó Teixeira, larga os tomates"
"Ó Zé, torce o pepino"
"Ó Amado, apanha as couves de Bruxelas"
(...)

O capataz:
"levas com um reponho nos cornos,ai levas, levas"
O dinheiro do QREN foi para o golfe do Roquete
Verbas do QREN da agricultura,foram para investimentos do golfe.O Ministério da Agricultura é um elefante cheio de direcções gerais e gente á espera da reforma.oS GRÉMIOS-OS ANTIGOS GRÉMIOS DA lAVOURA TRANSFORMARA-SE EM MERCEARIAS.vENDEM DE TUDO,até tintas de construção civil.Os campos estão abandonados e o ex.Jaime Silva agora é um alto quadro de Bruxelas.Projectos de emparcelaneto rural, em várias zonas do País, com projectos prontos ,não tiveram financiamento porque Sócrates não deu luz verde .
Re: O dinheiro do QREN foi para o golfe do Roquete
Totalmente de acordo desde que politicos que
visitam as feiras de agricultura com chapeuzinhos de agricultores dêm o exemplo. Agora começo a compreender as razões porque o PSD quer acabar com o Ministério da Agricultura...se por azar do país fôr governo...
Vá você, Sr. Ministro!
Trabalhar muitas vezes 12h por dia para ganhar o salário mínimo.

Andam a importar tailandeses? E quanto pagam a esses tailandeses? 400€? Pois, para eles é uma fortuna. Vão viver num buraco durante uns tempos, 10 famílias em 50m2 e depois com os 400€ que ganharam, voltam para a Tailândia e são uns senhores.

Por alguma razão esses tais empresários importam tailandeses: são bons escravos (trabalham muito, muitas horas, por pouco dinheiro). Vejam lá se importam gente de países desenvolvidos...pois concerteza que não. Esses não trabalham em regime de escravatura. E fazem bem!
Re: Vá você, Sr. Ministro!
Re: Vá você, Sr. Ministro!
Re: Vá você, Sr. Ministro!
A demagogia do sr. ministro da Agricultura
apenas tem um equivalente na atitude soviética de que os pequeno-burgueses(?) têm de "curvar a espinha".
Claro que o ideal é colocar milhares de desempregados das indústrias a "curvar a espinha" na agricultura: não só aliviava as estatísticas como o país se tornava mais "humilde".
Evidentemente, há quem aqui o apoie - uma mensagem para esses: façam-no Vs. Não têm idade para isso? Não estão desempregados? Ah, então do alto dos vossos privilégios cantam de alto? Que saudades das FP25 para tratarem da vossa arrogância
Re: A demagogia do sr. ministro da Agricultura
Re: A demagogia do sr. ministro da Agricultura
Re: A demagogia do sr. ministro da Agricultura
Re: A demagogia do sr. ministro da Agricultura
Re: A demagogia do sr. ministro da Agricultura
Muito obrigado Senhor!
Obrigado por me dares oportunidade existir!
Obrigado pelo luz do sol que aquece os campos de trigo!
Obrigado pela chuva que alimenta o meu alimento!
Obrigado por criares pessoas como António Serrano que nos dá tão bons conselhos!
Obrigado por criares os donos dos campos para os qual eu posso trabalhar de manhãzinha até bem à tardinha debaixo de um sol esturricante, de chuva e do vento por uma recompensa de menos 500€. 500€ esses que são mais que suficientes para levar uma vida humilde, de muito trabalho, sem qualquer perspectivas de futuro mas muito muito feliz!!! E Senhor, o que é preciso é saúde para alegremente servir os nossos senhores patrões que Crias-te!
Obrigado Senhor, por nos dares a oportunidade de sermos servos tão felizes!!!
A lei da oferta e da procura
Em Portugal faltam trabalhadores agrícolas e sobram doutores. Se na Tailândia sobram trabalhadores agrícolas é provável que faltem doutores.
O mundo não está em recessão como Portugal. Há muito emprego no estrangeiro especialmente fora da UE. Os doutores portugueses só precisam de ser competitivos em qualquer parte do mundo como são os trabalhadores agrícolas tailandeses em Portugal.
Será uma anedota!
Será que é para continuarem a pagar aos 50 E por mês como tem acontecido a muitos que recebem.
É que tão vis exploradores como estes xuxalistas jamé se viu.
Eles conseguem roubar aos milhões e nada lhes acontece, mas é Portugal e o seu povo valente?
Alguem honesto
Acredita em gente desonesta, que tem promovido a criminalidade, corrupção e exploração.
Só mesmo acreditando em xuxalistas!
É engraçado, tenho a ceteza que a maioria
dos desempregados também gostariam de ver não só o ministro, mas também o governo inteiro nos campos, mas era nos campos..............de concentração!
AGRICULTURA
os desempregados deviam tratar dos nabos dos nossos políticos
lol
A menos que seja alterada alguma da política de preços na distribuição e sua melhor regulamentação parece-me uma medida ridícula. Digo isto porque os produtores agrícolas queixam-se da pressão feita pelos distribuidores (que hoje também são os retalhistas). Trabalham muito e ganham pouco enquanto aqueles que não sujam as mãos e fazem pouco ganham muito. Estão sempre a ver as suas margens diminuídas porque para escoar o seu stock/produto, já por si preso por quotas de produção impostas de fora, necessitam da distribuição moderna (pingos doce e continentes) porque o comércio tradicional está morto ou prestes a morrer.

Se fosse produtor, após estudar o sector/gama de produtos em causa, tentaria liquidar o intermediário "distribuição moderna" com uma venda directa B2C (produtor para consumidor final) apostando nos produtos de qualidade e no consumo local (diminuído também a pegada ecológica) que muitas vezes, se não todas, são inexistentes nessas cadeias, e na fidelização do cliente. Deviam provar uma alface do meu vizinho para sentirem do que estou a falar.

Parece difícil mas acredito que seja possível na base da produção ser feita e ajustada para o local onde é produzida. Sem falar na venda directa B2B (restaurantes, bares, hotéis etc).

Não é por nada que os estrangeiros quando chegam a Portugal e entram numa mercearia local até cheiram e ficam espantados com o sabor dos vegetais, frutos etc etc.
Re: lol
Re: lol
Os desempregados para os campos,JÁ!!
Re: Os desempregados para os campos,JÁ!!
Re: Os desempregados para os campos,JÁ!!
Re: Os desempregados para os campos,JÁ!!
Re: Os desempregados para os campos,JÁ!!
Re: Os desempregados para os campos,JÁ!!
lol
Também gostaria de ver uma tabela salarial demonstrativa das remunerações/horas de trabalho que esses "tailandeses" têm.

E mais uma vez vamos ao sabor do vento, não planeamos absolutamente nada, apenas apontamos para possibilidades sem nos preocuparmos com o que pode acontecer com o excesso de produção. Medidas ridículas e avulsas sem qualquer planeamento base. Seria, isso sim, melhor para todos nós que cortassem nos secretários de estado, assessores, instituições inúteis, obrigar os políticos a pagar do bolso carros, viagens, almoços e jantares, visto que ganham o suficiente para isso e ainda sobra.

Não posso deixar de dizer que durante anos, ANOS, tiveram uma politica de não produzir, pagaram para não produzir (o que de si é reflexo contraditório do que se pede hoje, para produzirmos) e agora sem mais nem menos dizem-nos para ocupar as terras e produzir sem sequer se preocuparem com o planeamento da produção.

Pais de loucos..
Comentários 57 Comentar

Últimas


Edição Diária 17.Abr.2014

Leia no seu telemóvel, tablet e computador
PUBLICIDADE

Pub