Anterior
RTP: incúria seguida de desistência
Seguinte
O rating e as cambalhotas de Cavaco
Página Inicial   >  Blogues  >  Antes pelo contrário  >  Afinal os mercados não são amigos dos nossos aspirantes a liberais

Afinal os mercados não são amigos dos nossos aspirantes a liberais

|

Os nossos aspirantes a liberais passaram os últimos anos a desenvolver uma teoria complexa de uma enorme profundidade ideológica: as coisas são como são. E pronto, é isto. Os mercados são como são. E sendo como são, só lhes devemos estar agradecidos por serem assim mesmo. São eles que nos emprestam dinheiro. E, como explicou o nosso Presidente, que é, ele próprio, como é, não devemos aborrecer os mercados. Porque se os mercados são como são, se ficarem aborrecidos são muito piores. E da mesma forma que os mercados são como são, as agências de rating, está visto, limitam-se a ser as mensageiras da realidade. Ela própria indiscutível, por ser como é.

Os nossos aspirantes a liberais sorriem quando falamos de especulação e ataques ao euro. "Ui, que malandros são os especuladores!", dizem com ar trocista. Os nossos aspirantes a liberais desprezam quem diz que as agências de rating se dedicam ao tráfico de influências que vai destruindo economias. "Sim, matem o mensageiro em vez de tratar da doença!", acusam. As agências só fazem o diagnóstico, acreditam eles.

Os nossos aspirantes a liberais chegaram ao governo. Apresentaram um plano de privatizações muito catita. Disseram que iam mais longe do que já era muito distante. E os especuladores, que são como são, nem quiseram saber. E os traficantes de ratings, que são como são, estão-se nas tintas. Ao contrário do que nos diziam os nossos aspirantes a liberais, o problema não era a credibilidade de quem fazia as propostas. Ao contrário do que sinceramente pareciam acreditar, o problema nem eram as propostas. O problema é que no casino a casa ganha sempre. E ou se põe fim ao jogo ou se sai de lá depenado. Quem acredita que a solução está em Portugal pode começar a preparar a falência e a saída do euro. Quem ainda não percebeu que a especulação também ganha com a nossa falência vive noutro tempo, quando o jogo era bem mais simples. Também se aposta na desgraça alheia. E os que estão a atacar o euro não esperam de nós soluções. Esperam apenas que nos verguemos. Com Sócrates, Passos Coelho ou outro qualquer. Eles querem lá saber...

A classificação da Moody's é um escândalo? É injustificada? É pouco fundamentada? Mas alguma vez foi séria, justificada ou fundamentada? Será que ainda ninguém percebeu a que se dedicam estas instituições? Para quem trabalham e como ganham a vida? O mais perturbante nos nossos aspirantes a liberais não são as suas "soluções". É mesmo a sua candura.


Opinião


Multimédia

Edwin. O rapaz que aprendeu a sonhar

O que Edwin sabia sobre a vida era sobreviver. Na cabeça dele não cabiam sonhos e os dias eram passados à procura de comida para ele e para a mãe e para o irmão. A fome espreitava nos cantos da barraca de palha no Quénia e ele escondia-se dela como podia - chupar as pedras era uma forma de a enganar. Mas a sorte dele mudou porque alguém viu nele outra coisa. E tudo começou numa dança. Agora, os mesmos dedos que agarravam as pedras tocam hoje teclas de um piano Bechstein. E os pés dele já não estão nus mas calçados. Com chuteiras. Primeiro no Benfica, agora no Estoril, o miúdo de 15 anos que fala como gente grande descobriu que tinha um sonho: ser futebolista. Como Drogba.

Todas as ilhas têm a sua nuvem

Raul Brandão chamou-lhe 'A Ilha Branca'. Como viajante digo que tem um verde diferente das outras oito que com ela formam o arquipélago dos Açores. É tenra, mansa, repousante e simultaneamente desafiante. Esconde segredos como a lenda da Maria Encantada e um vulcão florestado a meio do século passado que nos transporta para uma dimensão sulfurosa e mágica. Obrigatória para projetos de férias de natureza.

Em três quartos de hora não se esquece só a idade. "Esquece-se o mundo"

Maria do Céu dá três voltas ao lar sempre que pode. Edviges vai a todos os velórios, faz hidroginástica e sopas de letras. António dá um apoio na Igreja e nos escuteiros. Tudo é uma ajuda para passar os dias quando se tornam todos iguais. No Pinhal Interior Sul, a região mais envelhecida da União Europeia, quase um terço da população tem mais de 65 anos. Os mais velhos ficaram, os mais novos partiram.

Profissão: Sniper

O Expresso foi ver como são selecionados, que armas usam, para que missões estão preparados os snipers da Força de Operações Especiais do Exército. São uma elite dentro da elite. Um pelotão restrito. Anónimo. Treinam diariamente com um único objetivo: eliminar um alvo à primeira, mesmo que esteja a centenas de metros. Humano ou material. Sem dramas morais, dizem.

Xarém com conquilhas

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione com esta nova receita.

O que se passa dentro da cabeça dele

O que leva um tipo a quem iam amputando uma perna a regressar ao sítio onde os ossos se desfizeram, uma e outra vez, e testar os limites do seu corpo? Resposta: a busca pelo salto perfeito, que ele diz existir dentro dele e que ele encontrará mais dia menos dia. É a fé e a confiança que o movem e o levam a pular para lá do que é exigido a um campeão olímpico e mundial que não tem mais nada a provar a ninguém - a não ser a ele próprio. Este é um trabalho que publicámos em agosto de 2014, quando o saltador se preparava para os Europeus e falava das metas que tinha traçado para 2015 e 2016: mostrar que não estava acabado. Sete meses depois, provou-o no Europeu de pista coberta em Praga, onde venceu este fim de semana.

Amadeu, que aprendeu o mundo no campo e tinha o coração na ponta dos dedos

Em Portugal, a dedicação à língua mirandesa tem nome próprio: Amadeu Ferreira, o jurista da CMVM que - quando todos diziam que "era uma loucura impossível" - arranjou tempo para traduzir "Os Lusíadas", a "Mensagem", os quatro Evangelhos da Bíblia e ainda duas aventuras do Asterix para uma língua que pertence a um cantinho do nordeste português e é falada por menos de 15 mil pessoas. No final de 2014 deu ao Expresso aquela que viria a ser a sua última entrevista. Morreu no passado domingo e esta quinta-feira foi lançada a sua biografia, "O fio das lembranças", com quase 800 páginas.

Temos 16 imagens que não explicam o mundo, mas que ajudam a compreendê-lo

O júri do World Press Photo queria dar o prémio maior da edição deste ano (e talvez das edição todas) a uma fotografia com "potencial para se tornar icónica". A primeira imagem desta fotogaleria, por ser "esteticamente poderosa" e "revelar humanidade", é o que o júri procurava. A fotografia de um casal homossexual russo, a grande vencedora, é a primeira de 16 imagens de uma seleção onde há Messi desolado, migrantes em condições indignas no Mediterrâneo, a aflição do ébola, mistérios afins e etc - são os contrastes do mundo.

Vamos falar de sexo. Seis portugueses revelam tudo o que lhes dá prazer na cama

Neste primeiro episódio de uma série que vai durar sete semanas, seis entrevistados falam abertamente sobre aquilo que lhes dá mais satisfação na intimidade. Sexo em grupo, sexo na gravidez, prazer sem orgasmo e melhor sexo após a menopausa são alguns dos temas referidos nos testemunhos desta semana. O psiquiatra Francisco Allen Gomes explica ainda a razão de muitas mulheres fingirem o orgasmo. O Expresso e a SIC falaram com 33 portugueses que deram a cara e o testemunho de como são na cama. Ao longo das próximas sete semanas, contamos-lhe tudo.

Elvis. Gostamos ou não gostamos?

Ele não é consensual, mas é incontornável. Dispunha de penteado majestoso e patilha marota, aparentava olhar matador e pose atrevida. E deixou canções: umas fáceis e outras nem tanto, por vezes previsíveis e às vezes inesperadas, ora gentis ora aceleradas. E ele, Elvis, nasceu em janeiro de 1934 - há precisamente 40 anos, ao oitavo dia. Temos quatro textos sobre o artista: Nicolau Santos, Rui Gustavo, Nicolau Pais e João Cândido da Silva explicam o que apreciam, o que toleram e o que não suportam.

A última viagem do navio indesejado

Construído nos Estaleiros de Viana e pensado para fazer a ligação entre ilhas nos Açores, o Atlântida foi recusado pelo Governo Regional por alegadamente não atingir a velocidade pretendida. Contando com os custos associados à dissolução do contrato, o prejuízo ascendeu a 70 milhões de euros. Foi agora comprado a "preço de saldo", para mudar de nome e ser reconvertido num cruzeiro na Amazónia. Fizemos a última viagem do Atlântida e vamos mostrar-lhe os segredos do navio.

Desfile de vedetas

Saiba tudo sobre os modelos concorrentes ao Carro do Ano 2015/Troféu Essilor Volante de Cristal. Conheça o essencial sobre os 20 automóveis participantes nesta iniciativa, da estética, às características técnicas, do preço ao consumo. A apresentação ficará completa no dia 3 de janeiro.

Tudo o que precisa de saber sobre o ébola. Em dois minutos

Porque é que este está a ser o pior surto da história? Como é que os primeiros sintomas se confundem com os de outras doenças? É possível viajar depois de ter contraído o vírus, sem transmitir a doença? E estamos ou não perto de ter uma vacina? O Expresso procurou as respostas a estas e outras dúvidas sobre o ébola.

Desacelerámos a realidade para observar a euforia da liberdade

Ela, Jacarandá, é algarvia. Ele, Katmandu, é espanhol. São linces e agora experimentam a responsabilidade da liberdade: foram soltos esta terça-feira numa herdade alentejana, próxima de Mértola, eles que saíram de centros de reprodução em cativeiro. Foi inédito: nunca tinha acontecido algo assim em Portugal. Estivemos lá e ensaiámos o slow motion.


Comentários 42 Comentar
ordenar por:
mais votados
Agências
Em todo este assunto, há algo que escapa à compreensão do cidadão médio. Como é possível o BCE, todas as estruturas económicas da Europa, com as suas centenas ou milhares de economistas, prescindir da sua capacidade de análise de riscos e pagar a agências americanas, com interesses próprios, para fazer essa análise
Essas agências gerem fundos, cujos rendimentos variam consoante as classificações várias, pelo que a manipulação de dados é bastante provável.
Não parece admissível pôr o equilíbrio financeiro da Europa nas mãos de essa gente, que deveria merecer pouco crédito e até desconfiança, atendendo às lutas pela predominância de moedas entre euro e dolar.
Para quem está de fora, isto parece tão evidente, que o melhor termo para definir o sentimento é pura estupefacção .
Um mistério insondável.................
Re: Agências
Re: Agências
Re: Agências
Agências da má-língua?
Será? Ou não acreditam nem no programa deste governo nem na sua capacidade para implementar uma estratégia de desenvolvimento?
Sócrates,seis anos e a bancarrota
A verdade nua e crua é esta: Portugal teve um governo socialista de Sócrates,seis anos:acabou na berma da bancarrota.Ora não vai ser da noite para o dia que as coisas se endireitam, os vícios da administração se corrigem e os resultados aparecem.
Milagres não há,mas as eleições de 5 de Junho, a derrota do PS e do Bloco, foram um passo decisivo para inverter a descida ao abismo.
Agora,mãos à obra: Passos Coelho e o seu Governo estão a dar o exemplo, a começar pelos cortes nos seus gabinetes,no fim de utilização de cartões de crédito,carros oficiais em serviços privados e muitas outras coisas que virão a seguir.
Ao trabalho, a começar pelos politicos profissionais.
A hora não é de "palanque",holofotes e jantaradas oficiais à Sócrates.
A hora é de luta,de muita luta.
Re: Sócrates,seis anos e a bancarrota
Re: Sócrates,seis anos e a bancarrota
O Tribunal julgará Sócrates
Re: Sócrates,seis anos e a bancarrota
Traficantes de rating
A minha opinião, de um mero não-economista, é um pouco diferente da vigente. A Moody's não acredita que vamos pagar a dívida toda e toda a gente sabe disso. É só fazer contas.

78 mil milhões não chega a metade da totalidade da nossa dívida externa. Ainda por cima vamos pagá-los a 5,5% -- ou seja, mais uns 10 mil milhões (no mínimo).
O plano é que após pagarmos o empréstimo ao FEEF/FMI voltemos aos omni-potentes mercados para continuarmos a pagar dívidas... endividando-nos.
Mas alguém acha que isso vai dar certo?? Para isso acontecer só vejo duas hipóteses:
- Ou a economia cresce uns 6% ao ano;
- Ou atira-se 60% da população para a pobreza.
Ora nós somos mansos, mas com fome somos como os outros -- partimos tudo!

Obviamente as agências de rating são agentes ao serviço ou do caos, ou de interesses financeiros! Senão como justificar que há poucos meses estava tudo mais ou menos e que estamos no caixote do lixo? O que mudou na economia?

E o que dizer dos palhaços do BCE?? Dizem que vão deixar de ter em conta o rating SÓ da dívida portuguesa... E das outras? Somos especiais? Andam a brincar, ou quê???
Traficantes de empréstimos....
Re: Traficantes de empréstimos....
Re: Afinal os mercados não são amigos dos nossos a
Repito: não votei Sócrates/PS nem em 2005, nem em 2009, nem em 2011. Acho que em múltiplas matérias Sócrates foi objectivamente um mau PM. Os portugueses não têm motivos para se orgulhar especialmente da resenha do seu consulado. Há, agora, uma gigantesca onda de indignação. A nossa direita, sempre a correr atrás não se sabe bem de quê, está muito indignada com as agências de rating. Descobriu agora que é indigno e pusilânime rotularem-nos de lixo logo agora, por sinal, que temos um governo ultra-radical liberal. Só que já desde 2009 que a banca, aliás, as rating, vem sucessivamente notando o nosso país e as nossas empresas negativamente. Com base em quê? Em documentos? Na análise profunda das contas do Estado? De estudos exaustivos sobre os indicadores da economia deste país? Não! Com base no facto do Estado anunciar que vai aos mercados financiar-se. Esta onda generalizada de indignação tresanda a hipocrisia. Parece que o dia 5/6/2011 foi o botão 'start' que modificou a outrora profissão de fé nos 'mercados' rumo a um sentimento nacional de indignação. As coisas vão continuar assim, até ao dia em que os indignados percebam (vai tardando...) que o problema só se resolve quando o poder político puser um ponto final nesta subserviência que tem vindo a votar ao poder financeiro.
Afinal os mercados não ligam aos liberais
E foi assim que muita donzela se perdeu em tempos que já lá vão. De boas intenções está o Inferno cheio e de promessas o Céu vazio. Não digo que foi por tal fato só que a direita em Portugal ganhou as eleições e a esquerda as perdeu. Pelo fato de haver uma esquerda maioritária serviu para muito pouco. A vitoria da esquerda sobre o aborto e os casamentos gay, não foram suficientes para evitar uma estrondosa derrota. A questão é que andaram entretidos com os entretantos e esqueceram os finalmentos. Como diria o outro:-Só se preocuparam com os pentelhos. Para aqueles que acreditaram nas palavras de Cavaco e da direita que caso ganhassem as eleições só por si os mercados acalmavam e os juros baixavam, devem estar profundamente desiludidos. A final a culpa não era de Sócrates, mas de todos que nos pusemos a jeito, mas também da União e muita culpa das agências com interesses na especulação. Deixo dois vídeos que diz muito do que se passa.

http://www.youtube.com/wa...

http://www.youtube.com/wa...

Moody’s, PCP e BE, separados à nascença
A coincidência dos pontos de vista o confirmam: “Portugal não tem condições para pagar a dívida”.

Será a Moody’s de esquerda? Estarão todos combinados? Com que fins obscuros?

Brincadeira aparte, vejo com preocupação este ressurgir de “patriotismo” com aroma Salazarento. Apontado o novo inimigo, eis que todos se lançam ao ataque. Isto, até ao inimigo que se seguir.

Esta campanha é para efeitos internos: “para não desmoralizarmos” – Como sempre resisti a ser menorizado (e não é agora em velho), não alinho na “teatrocracia” do politicamente correcto. Não quero ser moralizado com o mascarar da realidade. Quero ser moralizado pelas acções, pelos factos.

Se o governo mantiver a determinação de eliminar o garrote que nos asfixia, sinto a moral em cima para aguentar o que for preciso.

Quando do chumbo do PEC4, perante a reacção das agências de rating, desde Sócrates à turba de seguidores clamaram contra a coligação-negativa (inimigo da altura) pela atitude anti-patriótica. E deram como justificação, a baixa (merecida, na opinião deles) no ranking.

Nessa altura, não foi desenvolvida qualquer teoria da conspiração, sobre as referidas agências. Curioso.

Sabemos que o empréstimo não chega. Sabemos que se cumprirmos, teremos a força política para exigir o seu reforço ou a renegociação. Até lá, é fazer o que for preciso.

Talvez seja de agradecer à Moody’s, a tomada de posição do BCE

Valha-nos isso

PS. O artigo de DO não merece comentários
DO
São capazes de ser mais amigos do BE, porreiro pá!
Aguentem-se enquanto podem...

O dinheiro e a ganância da sua posse criaram o monstro dentro do capitalismo liberal. Há muito que o seu controlo foge aos detentores do poder político que o alimentaram.
É preciso partir e dar de novo!
Sem medos do escuro nem tibiezas face aos adamastores...
Uma nova Ordem Económica Mundial é necessária, sob pena de acabar tudo à míngua!
Mas quem não é liberal?
Dani, até tu és liberal.... o que fazes a todo o capital recebido? Oferece-os?
Lixo ou semi-lixo ?!
Eu não sei se a avaliação esta correcta ou não. Só o senhor DO, os nossos competentes políticos profissionais e as donas de casa reformadas é que são especialistas na matéria.
A excessiva importancia dada a esta materia tem várias causas que variam conforme o expectro partidario, desde os que procuram bodes expiatórios para a sua incompetencia e irresponsabilidade enquanto governos até à esquerda mais radical que sem qualquer projecto alternativo procura agarrar-se a qualquer coisa que seja susceptível de criar alguma coesao, mantendo acesa a chama ...
O que parece ser verdade indiscutível é que Portugal não demonstra neste momento capacidade para cumprir o pagamento das suas dividas e é essa a questão essencial. Se isto é lixo, semi-lixo ou apenas uma situação dramática é quase indiferente e não foram as agencias que nos levaram a esta situação.
Há que demonstrar que esta agencia não tem credibilidade com uma condução seria da politica e falando verdade.
Gostava que o DO nos oferecesse a sua alternativa económica e de organização do Estado, obviamente sem recurso a esses agiotas dos mercados, sem banca privada, auto suficientes e independentes, enfim a revolução há muito sonhada pela corrente politica que conflui no BE e que nunca teve coragem para dar um exemplo do tipo de sociedade que defende. Será Cuba esse modelo ? Pelo menos não estão sujeitos as avaliaçoes das agencias e não fora o embargo viveriam melhor do que na Suiça, evidentemente !
Caro Daniel Oliveira
Retratei o jogo dos mercados e a situação a que estes remeteram Portugal e a Grécia aqui:

http://arruadas.blogspot....

Saudações
Misturada
Que grande misturada que o sr. DO faz! Confunde tudo: os mercados com as agências, estas com os liberais, estes com ambos, soluções com situações. Até, imagine-se, os ultra-liberais, são agora só "aspirantes a liberais". Oh homem, decida-se!
Re: Misturada
Re: Misturada
A sério ...
Poque que é que não se aproveita um dos Institutos Publicos e se converte em agencia internacional de rating ?
Publica-se um rating AA++ para a Republica Portuguesa (das bananas) e Bancos Portugueses e ficam os nossos problemas resolvidos !
Depois é só aumentar o numero de camaras municipais, novas PPPs, mais deputados e um financiamento dos partidos como deve ser ! Ah e assim sendo em vez de privatizar até já podiam re-nacionalizar-se algumas empresas para garantir o adequado controlo das areas estrategicas da economia. E já agora fazer uns referendos para aumentar o numero de feriados e promover uma legislação laboral que proteja verdadeiramente o trabalhador (trabalhe ou não).
O que é que acham ?
Re: A sério ...
Os "mercados" não são amigos de ninguém
Estamos perante um terrorismo economico praticado pelas agencias de rating.A politica é acessória, um mero instrumento dos interesses desses grupos.Esta "guerra" está muito acima destas lutas que o Daniel insiste em estimular contra Passos.. Deixemos o homem governar. ´.DO devia tirar as palas que tem e que o impedem de analisar os assuntos com lucidez . pq neste momento essas lutas partidárias são um obstáculo à recuperação do nosso país.
Guerras
Re: Só Agora?
Comentários 42 Comentar

Últimas

Ver mais
Receba a nova Newsletter
Ver Exemplo

Pub