Siga-nos

Perfil

Expresso

Atualidade / Arquivo

Vídeo mostra ataque norte-americano contra civis

O vídeo colocado na Internet mostra o ataque causou a morte a 11 civis em Bagdade, entre os quais um jornalista da Reuters e o seu motorista (veja vídeo no fim do texto).

Um vídeo que está a circular na Internet mostra um ataque norte-americano contra civis em Bagdade, há três anos, em que morreram 11 pessoas incluindo um jornalista da Reuters e o motorista que o acompanhava.

As imagens, disponíveis no "site" Wikileaks.org - especializado na divulgação de conteúdos sensíveis - são acompanhadas pelo áudio das conversas entre os pilotos do helicóptero norte-americano e o controlo em terra, em que os primeiros pedem autorização para disparar contra homens, identificados como rebeldes, que circulam numa rua em Bagdad.

O Wikileaks não esclarece como obteve estas imagens captadas em julho de 2007.

Nelas se pode ver o referido grupo de homens, alguns dos quais parecem estar armados, e entre os quais estavam dois que trabalhavam para a agência Reuters: Namir Noor-Eldeen e Saeed Chmagh.

Câmara confundida com lança granadas

Os pilotos do Apache, que parecem ter confundido a máquina fotográfica do jornalista da Reuters com um lança granadas RPG, afirmam ter na mira "cinco ou seis homens armados com AK-47" e pedem autorização para disparar, que lhes é concedida quase instantaneamente.

Depois dos disparos, um dos pilotos admite que ficou "um monte de cadáveres" no local.

Pouco depois, uma camioneta para recuperar os mortos e os feridos e é também alvejada pelas forças norte-americanas.

Duas crianças que seguiam na camioneta ficam feridas e são posteriormente levadas para o hospital por soldados norte-americanos que chegam ao local.

Militar diz que vídeo não traz informações

Um responsável do exército dos Estados Unidos comentou na segunda feira à AFP que a divulgação deste vídeo "não traz novas informações, apenas imagens".

"Reconhecemos, desde 2007, tudo o que está no vídeo", disse o militar que pediu para não ser identificado. "Reconhecemos o ataque e que foram mortos dois homens que trabalhavam para a Reuters", declarou.

"Sabemos que duas crianças ficaram feridas, mas o lança granadas RPG é verdadeiro. Havia rebeldes e repórteres numa zona em que as forças norte-americanas iam sofrer uma emboscada", adiantou.

"Naquele momento, não podíamos discernir se (os funcionários da Reuters) levavam câmaras ou armas", insistiu.

Comunicado da Reuters

Em comunicado, o diretor da Reuters David Schlesinger afirmou que a morte dos dois trabalhadores da agência "foi trágica e emblemática dos perigos extremos ligados à cobertura em zonas de guerra".

"O vídeo hoje divulgado via Wikileaks é a prova dos perigos associados ao jornalismo de guerra e das tragédias que podem acontecer", acrescentou.

Depois da divulgação do vídeo, a responsável nos Estados Unidos da organização Repórteres sem Fronteiras pediu ao Pentágono para dar provas de maior transparência e à administração Obama para mostrar "respeito pela justiça".

***Este texto foi escrito ao abrigo do novo Acordo Ortográfico ***

Clique para ler a Nota da Direcção do Expresso sobre o novo Acordo Ortográfico.