Siga-nos

Perfil

Expresso

Atualidade / Arquivo

Vídeo de Marcelo recusado pela Alemanha

Autoridades alemãs rejeitaram divulgar vídeo promocional de Portugal que Marcelo Rebelo de Sousa impulsionou. Protesto já seguiu para a embaixada em Lisboa.

Martim Silva (www.expresso.pt)

A Alemanha recusou a divulgação no país do vídeo sobre Portugal que o professor Marcelo Rebelo de Sousa anunciou e promoveu.

Marcelo Rebelo de Sousa tinha anunciado no seu programa da TVI, que, "já que o Governo não pode", ele próprio ia lançar uma iniciativa para divulgar a situação de Portugal "junto, principalmente, do povo alemão" que tem uma ideia péssima dos portugueses.

A ideia, segundo Marcelo, era "fazer um filme do mesmo género" que circulou quando os finlandeses deram a entender não querer participar na ajuda da União Europeia a Portugal.

O filme de Marcelo, que contou com a colaboração do blogger dirigente do PSD Rodrigo Moita de Deus, ficou entretanto pronto e a intenção era divulgá-lo este fim de semana publicamente em Berlim, antes da visita da chanceler Angela Merkel a Portugal na próxima segunda-feira.

O filme visa a realidade portuguesa atual e contém uma explicação dos sacrifícios a que os portugueses estão a ser sujeitos com a aplicação das medidas do memorando da troika. O filme, intitulado "Ich bin ein berliner", que devia ser visionado na Praça Sony em Berlim foi no entanto recusado pelas autoridades locais.

Perante o sucedido, Rodrigo Moita de Deus já enviou uma nota de protesto ao embaixador alemão em Lisboa.

"Recebemos a informação de que as entidades responsáveis não autorizaram a transmissão do filme por "razões políticas". Este facto causa-nos a maior incompreensão e merece o nosso protesto. Dizemos no filme, nomeadamente, que o povo português trabalha mais horas que o povo alemão. Que paga mais impostos. Que tem menos dias de férias e feriados", lê-se na nota de protesto a que o Expresso teve acesso.

"Choca-nos profundamente esta recusa em transmitir o filme que é indigna dos valores e princípios que estão na base da União Europeia. Mas, apesar desta recusa, é nosso propósito prosseguir com esta iniciativa e tudo faremos para que a mensagem do filme chegue ao seu destinatário", conclui Moita de Deus.