Expresso

Siga-nos

Perfil

Perfil

Atualidade / Arquivo

Vacina da gripe A associada a doença neurológica

  • 333

Agência Europeia do Medicamento investigará possível relação entre a Pandemrix, vacina da gripe A/H1N1, e vários casos de narcolepsia, doença neurológica, detetados na Europa.

Maria Luiza Rolim (www.expresso.pt)

Num comunicado divulgado hoje, a Agência Europeia do Medicamento (EMA) diz que vai investigar , a pedido da Comissão Europeia, uma eventual relação entre a vacina da gripe A/H1N1 - Pandemrix -, administrada durante a passada pandemia, e 21 casos de narcolepsia registados na Suécia, Finlândia e França.

A EMA adverte, porém, que apesar das suspeitas de efeitos secundários da vacina não há provas de que exista uma relação direta. "Ainda que os casos detectados (de narcolepsia) coincidam com o uso de Pandemrix, até ao momentos desconhece-se se a vacina é responsável pela doença".

Doença da "preguiça"

Segundo o jornal "Le Fígaro", dos 22 casos de narcolepsia detectados na Europa, 21 doentes foram vacinados com a Pandermrix, da GlaxoSmithKline, e apenas um recebeu Panenza, a vacina sem adjuvante contra a gripe pandémica, da Sanofi, indicada para vacinar gestantes.

Desde setembro de 2009, a vacina Pandermrix foi aplicada a mais de 30 milhões de cidadãos da União Europeia.

A narcolepsia é um transtorno raro do sono, que faz com que o doente adormeça repentinamente sem poder evitá-lo. A doença, caracterizada por "preguiça" e sonolência diurna excessiva, põe em perigo o paciente durante a execução de tarefas como conduzir e trabalhar com máquinas. Tem consequências pessoais, sociais e económicas graves.

O caso foi entregue ao Comité para Produtos Médicos de Uso Humano, da EMA, que avaliará todos os dados disponíveis para determinar se existem provas que permitam estabelecer uma relação casual entre a vacina Pandemrix e a narcolepsia.

Recorde-se que em Novembro de 2009, a Agência Europeia do Medicamento encerrou o processo que analisava a relação entre a vacina Pandermrix e vários casos de mortes fetais registados na Europa. Uma ligação entre os dois fatores foi considerada "improvável".