Siga-nos

Perfil

Expresso

Atualidade / Arquivo

Trabalho escravo em fábricas da Zara no Brasil (vídeo)

Foi encontrado trabalho escravo em várias fábricas de confecção da marca Zara, no Estado de São Paulo. A inspeção foi acompanhada pelas câmaras de uma televisão brasileira.

A empresa espanhola Inditex, dona da marca Zara, exigiu hoje a um fornecedor brasileiro que resolva, de forma urgente, a situação criada pela subcontratação não autorizada de uma unidade onde foi detetado trabalho escravo.

A questão foi divulgada pela imprensa brasileira que noticiou também a confirmação pelo Ministério do Trabalho brasileiro da existência do caso numa empresa subcontratada por um dos fornecedores de roupa para a marca Zara.

A imprensa referiu que se confirmaram "irregularidades" na unidade em Campinas, tendo a investigação levado a 52 autos de infração contra a Zara, um dos quais faz referência à "discriminação étnica das tribos Quechua e Aimará que recebiam pior tratamento que os outros trabalhadores".

Os trabalhadores, cerca de 15, estavam com "contratações ilegais, condições degradantes e jornadas exaustivas de até 16 horas diárias".A Inditex respondeu de imediato ao caso e pediu ao fornecedor para resolver a situação, incluindo através do pagamento de indemnizações aos trabalhadores, por considerar que a prática viola o seu Código de Conduta para Fabricantes de Unidades Externas.

O grupo espanhol, em colaboração com as autoridades brasileiras, reforçará ainda a revisão do sistema de produção, tanto deste fornecedor como das restantes empresas com as quais colabora no Brasil, para garantir que o caso não se volta a repetir.

Atualmente, a Inditex tem no Brasil 50 fornecedores estáveis que empregam mais de sete mil trabalhadores.O grupo realiza anualmente mais de mil auditorias a fornecedores em todo o mundo, para garantir o cumprimento do Código de Conduta.