Siga-nos

Perfil

Expresso

Atualidade / Arquivo

Sócrates congratula-se por "consenso muito alargado"

"Este acordo deixa-me muito satisfeito e quero felicitar publicamente a senhora ministra da Educação porque valeu a pena perseverar", declarou o primeiro-ministro. (Clique no link para ver reacções ao acordo entre Ministério da Educação e sindicatos no fim do texto)

O primeiro-ministro, José Sócrates, congratulou-se hoje pelo acordo entre Governo e sindicatos sobre a avaliação dos professores, declarando que existe agora "um consenso muito alargado na sociedade portuguesa" em relação a esta matéria.

"Este acordo deixa-me muito satisfeito e quero felicitar publicamente a senhora a ministra da Educação porque valeu a pena perseverar e hoje temos um consenso muito alargado na sociedade portuguesa quanto à importância da avaliação dos professores", declarou José Sócrates.

"Fico muito satisfeito por todos os parceiros sociais terem reconhecido a importância deste instrumento", acrescentou o primeiro-ministro, que falava aos jornalistas à entrada para um debate sobre o novo tratado da União Europeia (UE), no Centro Cultural de Belém, em Lisboa.

Ministra não saíu nem a avaliação foi suspensa

Questionado se o Governo abdicou ou não dos termos que defendia para a avaliação dos professores, José Sócrates evitou responder, considerando que o principal "é que neste acordo está consagrada a avaliação de professores" e que esta avançará com "um melhor clima".

"A oposição gostaria que não tivesse havido acordo", alegou, referindo que "a oposição há um mês atrás o que queria era que se suspendesse a avaliação e que a ministra saísse do Governo". "Nem uma coisa nem outra: a ministra está no Governo a conduzir de forma inteligente, capaz, determinada a política de educação e por outro lado a avaliação dos professores avança", salientou o primeiro-ministro.

Segundo José Sócrates, "quanto à avaliação de professores contratados, cerca de sete mil, que têm de ser avaliados ainda este ano, o que ficou assente são os princípios dessa avaliação que, como o Ministério da Educação já tinha proposto, tratar-se-á de uma avaliação simplificada, reconhecendo que essa avaliação vai decorrer apenas no último período".

"Isso é uma boa razão para que quanto a esses sete mil professores tenhamos acordado que deveria ser agora mais flexível e mais simplificada", defendeu.

Todos os professores avaliados no próximo ano

Para o primeiro-ministro, "o mais importante" é que "o acordo refere que no próximo ano serão avaliados todos os professores, de acordo com as normas que constam do decreto regulamentar".

"Disse muitas vezes que não seria mais um primeiro-ministro que passaria por este lugar sem fazer a avaliação dos professores, que nos últimos 30 anos prosseguiam na carreira sem nenhum tipo de avaliação ou quase nenhum tipo de avaliação, a progressão era quase automática ou automática, se quisermos", assinalou.

José Sócrates afirmou ainda que na sexta-feira "o Presidente da República promulgou o diploma da gestão escolar" e sustentou que esse diploma e a avaliação dos professores "são reformas muito importantes para a política educativa do Governo e que marcam um antes e um depois em matéria educativa".

  • Ministra cede aos sindicatos

    Este ano lectivo a avaliação de desempenho dos docentes terá apenas em conta quatro parâmetros, aplicados de igual forma em todas as escolas.