Siga-nos

Perfil

Expresso

Atualidade / Arquivo

Situação política preocupa alto representante

A "deterioração" da situação política está a preocupar o alto representante da comunidade internacional na Bósnia, Miroslav Lajcak, que avisa: "Se existirem ameaças à paz utilizarei os meus poderes".

Paula Cosme Pinto*

O alto representante da comunidade internacional na Bósnia, Miroslav Lajcak, está preocupado com a "deterioração" da actual situação política no país. Os apelos de independência da República Srpska foram rejeitados esta quarta-feira por aqueles que foram os mediadores de paz de Dayton, em 1992: União Europeia, Estados-Unidos e Rússia.

Os acordos de paz de Dayton, colocaram fim a uma guerra inter-étnica e dividiram o território da Bósnia-Herzegovina em duas entidades, Federação Croato-Muçulmana e República Srpska. Contudo, numa declaração divulgada publicamente, União Europeia, Estados-Unidos e Rússia afirmaram que a República Srpska "não tem o direito de avançar com a independência", revelando "uma profunda preocupação face aos apelos oficiais para a independência".

Quatro dias depois da declaração de independência do território de maioria albanesa, o parlamento da República Srpska adoptou uma resolução afirmando o seu "direito" a separar-se da Bósnia-Herzegovina, se as Nações Unidas e a maioria dos países ocidentais reconhecessem o novo Estado. Até ao momento, a proclamação da independência do Kosovo foi oficialmente reconhecida por 21 países, na sua maioria ocidentais.

Mas para o alto representante da comunidade internacional na Bósnia, Miroslav Lajcak, os sérvios da Bósnia não têm "absolutamente nenhum direito" a organizar um referendo sobre uma possível independência. "Se existirem ameaças à paz, à estabilidade e ao respeito dos acordos de Dayton, não terei nenhuma hesitação e utilizarei os meus poderes", afirmou.