Expresso

Siga-nos

Perfil

Perfil

Atualidade / Arquivo

Sexo em autocarro escolar está a escandalizar Argentina

  • 333

Seis professoras de um povoado argentino costumavam ter relações sexuais dentro de um autocarro escolar, com o motorista, que as fotografava com o telemóvel. A noiva do homem descobriu as imagens e difundiu-as no seu blogue.

Uma história no mínimo bizarra está a escandalizar a Argentina. Todos os dias na localidade rural com o sugestivo nome de Sítio do Desejo, o condutor do autocarro da escola local passava por Saladas, o povoado mais próximo, para recolher seis professoras. A distância até ao estabelecimento de ensino não ultrapassava os 15km, mas as mestras chegavam habitualmente atrasadas. O que ninguém desconfiava é que, no percurso de casa para o trabalho, as mulheres (quase todas casadas e com filhos) entretinham-se em orgias sexuais com o condutor, deixando-se fotografar. Uma noiva ciumenta veio estragar a festa.

As cenas escaldantes no autocarro e as caras dos protagonistas - o motorista, protótipo de 'macho latino', de 35 anos, e as professoras, com idades compreendidas entre os 30 e os 40 anos - acabaram por circular na web. Graças à noiva do condutor que, vasculhando a sua caixa de correio electrónico, encontrou as fotografias das orgias. Despeitada, vingou-se do noivo, difundindo-as na Internet.

Poder da web

As chamadas 'orgias das mestras' - um prato apetecível para a comunicação social na falta de escândalos políticos - são uns dos assuntos mais comentados esta quinta-feira pelos órgãos de comunicação social argentinos. Também os jornais espanhóis estão a divulgar o caso.

Consta que o filho de uma das professoras, um rapaz de 18 anos, deu entrada no hospital de Saladas, vítima de um ataque de nervos, depois de ter descoberto alguns amigos a observarem as fotografias da sua mãe a praticar sexo com o motorista.

O escândalo poderia não ter assumido proporções internacionais, ficando restrito às localidades de Saladas e Sítio do Desejo. Isso, porém, só teria sido possível se a noiva do motorista não se tivesse lembrado de procurar e difundir as fotografias através da sua página na Internet e dos telemóveis dos amigos.

Em menos de 24 horas, a picante história do motorista com as professoras tornou-se assunto nacional. Perante isso, o director educativo do Primeiro Grau, Luís António Daniel, admitiu que o Ministério argentino da Educação iniciou um processo sumário disciplinar contra as seis professoras. Especula-se, porém, que o acto administrativo não terá consequências drásticas, visto os factos terem ocorrido fora da escola.

Em declarações à rádio local 'La Cueva', uma das professoras, que não quis ser identificada, afirmou : "Somos todos seres humanos, ninguém está livre de cometer um erro ou de tropeçar numa pedra durante a sua vida. O que não mata, fortalece".

Entretanto, o motorista-galã desapareceu de Saladas. Segundo o jornal 'El Mundo', os vizinhos comentam, entre risos, que há mais do que um marido à sua procura para conversar...