Siga-nos

Perfil

Expresso

Atualidade / Arquivo

Seis pessoas desfalecem ao ver o filme "127 horas"

Desmaios, vómitos e até um ataque epiléptico dentro docinema. Depois de reações como estas a uma cena de amputação "demasiado real", médicos desaconselham pessoas sensíveis a verem o filme "127 horas", candidato a seis Óscares. (Vídeo no fim do texto)

Médicos australianos advertem que o filme "127 horas" não é recomendável para algumas pessoas mais sensíveis, devido ao realismo de uma mutilação numa das cenas, revela a imprensa do país.   O Hospital de St Vincent, de Sydney, recebeu esta semana três pessoas que sofreram desmaios, vómitos e até um ataque epiléptico dentro das salas de cinema. O filme "127 horas" narra a história real do alpinista americano Aron Ralson, que amputou um braço para escapar de uma rocha sob a qual ficou preso durante cinco dias no Grand Canyon. O chefe da unidade de emergência do centro médico australiano, Gordian Fulde, garantiu ao jornal "Daily Telegraph" que uma cena tão violenta como a relatada da amputação do braço pode provocar descidas de tensão e outros problemas de saúde. "Pode começar a perder oxigénio e sangue no cérebro e o passo seguinte é o ataque a todo o sistema nervoso", afirmou o clínico. O realizador britânico Danny Boyle - que recebeu o Óscar de Melhor Filme e Realizador por "Quem Quer Ser Bilionário?" -  já pediu desculpas ao público quando seis espectadores desfaleceram em plena sala de cinema no Canadá e nos Estados Unidos. O filme é candidato a seis Óscares: melhor filme, melhor argumento adaptado, melhor banda sonora, melhor canção original, melhor montagem e ainda o de melhor ator para James Franco.