Siga-nos

Perfil

Expresso

Atualidade / Arquivo

Santana sem perfil para concorrer a Lisboa, insiste Paula Teixeira da Cruz

"Lisboa, no estado em que se encontra, exige um perfil de muito rigor e algum ascetismo", defende a presidente da Assembleia Municipal de Lisboa e militante do PSD.

<#comment comment="[if gte mso 9]> Normal 0 false false false MicrosoftInternetExplorer4 <#comment comment="[if gte mso 9]> <#comment comment=" /* Style Definitions */ p.MsoNormal, li.MsoNormal, div.MsoNormal {mso-style-parent:""; margin:0cm; margin-bottom:.0001pt; mso-pagination:widow-orphan; font-size:12.0pt; font-family:"Times New Roman"; mso-fareast-font-family:"Times New Roman";} @page Section1 {size:612.0pt 792.0pt; margin:72.0pt 90.0pt 72.0pt 90.0pt; mso-header-margin:36.0pt; mso-footer-margin:36.0pt; mso-paper-source:0;} div.Section1 {page:Section1;} "> <#comment comment="[if gte mso 10]>

A presidente da Assembleia Municipal de Lisboa, Paula Teixeira da Cruz (PSD), reitera que Pedro Santana Lopes não tem o perfil de "rigor" e "ascetismo" que defende para a presidência da autarquia da capital. Em entrevista à Lusa, Paula Teixeira da Cruz reafirma também que a coligação do PSD com o CDS-PP em Lisboa irá "acantonar" os sociais-democratas à direita. 

A seis meses de terminar o mandato à frente da Assembleia Municipal, Paula Teixeira da Cruz diz que não vai "andar por aí", irá dedicar-se à sua actividade profissional, intervir civicamente e como "militante de base" do PSD. 

A presidente da Assembleia Municipal não assistiu ao lançamento da candidatura de Pedro Santana Lopes, no sábado, numa declaração na Internet, mas continua a considerar que o cabeça-de-lista social-democrata a Lisboa deveria ter outro perfil. "Lisboa, no estado em que se encontra, exige um perfil de muito rigor e algum ascetismo. Gostaria de ver alguém que tem um discurso para Lisboa e que já fez por Lisboa", afirma, referindo que "estas questões não são pessoais, são institucionais".  

"É evidente que não penso que esse seja o perfil de Pedro Santana Lopes", declara. 

Tal como afirmou ao próprio Santana Lopes em 2001, Paula Teixeira da Cruz continua a pensar que uma coligação com o CDS-PP, MPT e PPM "acantona o PSD à direita". "O PSD não é um partido de direita, é um partido de centro, com vocação de centro. É evidente que uma coligação à direita acantona o PSD à direita", argumenta. 

A presidente da Assembleia Municipal de Lisboa acredita que a líder do PSD pode mobilizar o país e aplaude a escolha de Paulo Rangel para encabeçar a lista às eleições europeias. "Há um tempo para arrumar a casa e um tempo para apresentar propostas concretas. Penso que nos últimos tempos foram já apresentadas propostas alternativas. Nessa medida, penso que Manuela Ferreira Leite pode, com base em pressupostos de credibilidade, rigor e verdade, mobilizar o país", sustenta. 

Sobre Paulo Rangel, diz que tem um "perfil intocável". "Não é ninguém que dependa da vida político-partidária, é uma pessoa com créditos firmados na sua vida profissional, com capacidade de exposição de ideias próprias. Portanto, penso que foi uma boa escolha", defende. 

A seis meses de terminar o mandato à frente da Assembleia Municipal de Lisboa, Paula Teixeira da Cruz ressalva que quem deve julgar o seu desempenho são os seus pares naquele órgão autárquico, mas reclama uma atitude de "rigor" e "isenção" nas funções. "Ninguém poderá dizer que a presidência da Assembleia ou a mesa da Assembleia tiveram alguma vez uma conduta partidarizada, ou de falta de rigor ou falta de isenção. Jamais alguém poderá dizer que a Assembleia não tem uma colaboração institucional lealíssima", afirma. 

Paula Teixeira da Cruz sublinha que na condução da Assembleia e nas reformas efectuadas naquele órgão, teve a colaboração de "todas as forças políticas".   

No futuro, a autarca garante que não vai "andar por aí", uma frase de Santana Lopes após abandonar a liderança do Governo e do PSD na sequência da dissolução do Parlamento pelo então Presidente da República Jorge Sampaio. "A última coisa que farei é andar por aí. Tenho sempre imenso trabalho, não me posso dar ao luxo de andar por aí. Isso é um luxo. Sei demasiadamente bem aquilo que quero para ter que andar por aí. Há causas e questões que são absolutamente definitivas, umas dentro do partido, outras fora do partido", afirma.  

Apesar de ter apoiado Manuela Ferreira Leite, não tem uma "identificação total" com a líder social-democrata que lhe permita antever vir a aceitar um desafio político-partidária nos "próximos tempos". "Não é preciso estar numa direcção partidária. Posso, como militante de base, exercer o meu direito de intervenção cívica, isso fá-lo-ei sempre, não preciso de um cargo dirigente. Os cargos dirigentes, alem de prejudicarem a minha vida pessoal, prejudicam a minha vida profissional", defende. 

"Nos próximos tempos penso que serei uma militante de base e ficarei muito bem como militante de base, não abdicando de dizer o que penso, nem abdicando outras causas, sejam elas ou não comuns ao partido onde milito", afirma. Uma das causas que se perfila é a imigração e a "vergonhosa Directiva do Retorno", adianta. 

"Sou uma voz livre e tenciono continuar a ser uma voz livre", conclui Paula Teixeira da Cruz.