Siga-nos

Perfil

Expresso

Atualidade / Arquivo

PSD ultrapassa a barreira dos 30%

Sondagem Expresso, SIC e Rádio Renascença mostra a estabilidade que se continua a verificar nos últimos seis meses nas intenções de voto. PS cada vez mais longe da maioria absoluta, PSD melhor mas distante da vitória e, à esquerda do PS, dois partidos que somados valem 20%.

Humberto Costa

Os sociais-democratas aproximam-se dos melhores resultados da presidência de Manuela Ferreira Leite, verificados no Verão passado, marcado pelo silêncio da sua líder. Embora longe de um resultado que ponha em perigo a vitória socialista, a verdade é que o partido, desde Março, inverte a tendência descendente e regressa a uma percentagem de intenções de voto acima dos 30%.

Clique na imagem para ver o documento em formato PDF

Clique na imagem para ver o documento em formato PDF

Este facto conjugado com a quebra do PS, que volta a descer, cada vez mais longe da maioria absoluta, pode servir de alento para Manuela Ferreira Leite. E se o número de indecisos começa a diminuir (20,9% em Abril para 18,8% em Maio), a percentagem de inquiridos que preferem os partidos à esquerda do PS (BE e CDU) estabilizou à volta dos 20%.

Nesta área política, o BE reafirma-se como o mais forte. À direita, o CDS/PP, ainda que desça este mês 0,1%, vai resistindo, limitando a eventual recuperação do PSD e alimentando os argumentos de quem defende uma solução governativa CDS/ PS.

Clique na imagem para ver o documento em formato PDF

Clique na imagem para ver o documento em formato PDF

Afinando a interpretação dos números verifica-se que, diz o barómetro de Maio, que o eleitorado do Norte é mais afecto ao PSD à excepção da área metropolitana do Porto onde, à semelhança do resto do país, o PS sai sempre vencedor. Recorde-se que na sondagem de Abril o PSD também vencia a Norte, só que por uma diferença mais escassa (apenas 1,4%) quando agora a distância entre estes dois partidos dispara para os 4,6% (31,7% contra 26,3% do PS).

Num desdobramento dos resultados em função das idades, verifica-se que enquanto o PS desce (1%) na faixa entre os 31 e os 59 anos e sobe (2,4%) no eleitorado com mais de 60 anos, o PSD sobe (1,6%) na faixa intermédia  e (0,3%) no eleitorado mais idoso. Quer um quer outro mantêm iguais resultados no eleitorado mais novo (18 aos 30).

Cavaco é mais líder

Clique na imagem para ver o documento em formato PDF

Clique na imagem para ver o documento em formato PDF

O Barómetro de popularidade deste mês é favorável a todos os líderes partidários, mas sobretudo para o Presidente da República que, ao contrário do mês anterior - tinha descido 2,6% - sobe 3% e vale mais do dobro do primeiro-ministro, o segundo mais considerado pelos inquiridos (+ 18,4%).À margem destes dois agentes políticos, e a uma distância considerável, Francisco Louça lidera. Só o líder bloquista e Paulo Portas conseguem um balanço positivo.Há muito Jerónimo de Sousa e Manuela Ferreira Leite desagradam à maioria dos inquiridos.

Porém, este mês recuperam alguma popularidade. Manuel Ferreira Leite sobe mais do que Jerónimo de Sousa, mas este é mais popular do que a líder social-democrata. Ambos muito longe ainda de um balanço positivo.  

A sondagem foi efectuada entre 30 de Abril e 5 de Maio. Teve por objecto perguntas sobre as legislativas de 2009. O Universo é a população com 18 anos ou mais, residente em Portugal Continental e habitando em lares com telefone da rede fixa. A amostra foi estratificada por Região (Norte - 20,1%; A.M. do Porto - 14,5%; Centro - 30,0%; A.M. de Lisboa - 25,6%; Sul - 9,8%), e aleatória no que concerne ao Sexo e Faixa Etária, de onde resultou Feminino (51,9%), Masculino (48,1%) e 18/30 anos (20,6%), 31/59 anos (53,1%) e 60 anos ou mais (26,3%), num total de 1.021 entrevistas telefónicas validadas, que correspondem a uma taxa de resposta de 83,6%. O objecto da sondagem foi a intenção de voto para eleições legislativas, a actuação de órgãos de soberania e líderes partidários, e questões de âmbito político e social da actualidade. O resultado projectado da intenção de voto, é calculado mediante um exercício meramente matemático, presumindo que os 18,8% respondentes "Ns/Nr" se abstêm. O erro máximo da Amostra é de 3,07%, para um grau de probabilidade de 95%.