Siga-nos

Perfil

Expresso

Atualidade / Arquivo

Passos garante que Governo vai tomar muitas decisões

O primeiro-ministro volta a reafirmar que o Governo não gozará de férias, de modo a não perder tempo na execução do programa de ajuda externa.

O primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, garantiu hoje em Bruxelas que o novo Governo não terá férias, de modo a tomar nos próximos meses "o essencial das decisões" para a efetiva implementação do programa de ajuda a Portugal.

"Começámos já a trabalhar com a Comissão Europeia, o Banco Central Europeu e o Fundo Monetário Internacional no sentido de criar nos próximos dois meses o maior número de decisões praticas, concretas, que permitam traduzir as intenções, os objetivos que estavam fixados, em politicas concretas que vão ser aplicadas rapidamente a Portugal", disse.

Passos Coelho, que falava após uma reunião com o presidente da Comissão Europeia, Durão Barroso, vincou que "o parlamento português durante este período não gozará de férias e o Governo não gozará de férias", de modo a não se perder tempo na execução do programa negociado pelo anterior executivo com a chamada "troika".

"Os portugueses estarão absolutamente comprometidos em que nos próximos meses o essencial das decisões que tivermos de aplicar possam ser aplicadas", sublinhou.

Portugal reconhecido

Apontando que Portugal está "muito reconhecido pelo facto de ter tido da parte dos seus parceiros europeus a ajuda que necessitava", Passos Coelho disse haver a noção no país de que essa ajuda é de certo modo também um "encargo para todas as democracias europeias".

"Não descansaremos enquanto não pudermos devolver com trabalho e com resultados a confiança que em nos depositaram", asseverou.

O novo primeiro-ministro disse ter toda a confiança em que "o programa em Portugal será um sucesso", até porque das últimas eleições legislativas de junho saiu "não apenas uma larga maioria de mudança, que permite um Governo estável e condições de estabilidade para a execução do programa", mas também uma composição do parlamento "muito especial", já que "mais de 85 por cento dos deputados pertencem a partidos que se comprometeram firmemente com a execução do programa" negociado com a troika.

"Portugal dispõe de todas as condições internas para ser bem sucedido", sintetizou.

Depois do encontro com Durão Barroso, Passos Coelho rumou à cimeira do Partido Popular Europeu (PPE), participando a partir do final do dia no seu primeiro Conselho Europeu, no qual deverá reafirmar as ideias deixadas hoje na sede da Comissão.