Siga-nos

Perfil

Expresso

Atualidade / Arquivo

Obama fala de "erro" no combate à imigração ilegal

Com o Arizona inundado pelos gangues do narcotráfico mexicano, a governadora do estado aprovou uma lei que criminaliza a imigração clandestina e autoriza a polícia a interrogar qualquer pessoa que aparente ser ilegal.

Ricardo Lourenço, correspondente nos EUA (www.expresso.pt)

"Penso que é um erro termos a policia a mandar parar pessoas e interrogá-las só porque elas aparentam ser imigrantes ilegais. Isso traz um enorme risco", afirmou ontem o Presidente americano, Barack Obama, comentando a polémica lei de imigração do Estado do Arizona, aprovada há menos de uma semana.

A nova legislação estipula que qualquer polícia, baseado apenas na sua intuição, possa mandar parar uma pessoa que desconfie ser imigrante ilegal e interrogá-la. Organizações de direitos humanos sustentam que hispânicos serão o alvo prioritário das paragens forçadas e, por isso, consideram a lei discriminatória.

Residir ilegalmente no Arizona passa também a ser considerado crime estadual.

"A nova lei transforma os agentes policiais em agentes de imigração", disse ao Expresso Kevin Suarez, membro da organização de apoio a imigrantes "National Coalition of Latino Clergy and Christian Leaders".

Obama indignado

Apesar de indignado, Barack Obama afasta a possibilidade de o Congresso vir a discutir uma reforma da lei de imigração, o que impediria, na prática, cada estado de estabelecer regras próprias nesta matéria.

"Não há apetite legislativo para mergulharmos num assunto tão polémico, principalmente num ano tão desgastante para o Congresso", justificou o Presidente Obama.

Depois da reforma do sistema de saúde, aprovada após mais de um ano de debate, discute-se nesta altura a reforma do sistema financeiro (bloqueada até agora pelos votos dos 41 senadores republicanos). Obama não respondeu se a opção se deve também ao calendário eleitoral, marcado por eleições para o Congresso em Novembro.

A nova lei de imigração do Arizona foi aprovada pela governadora Jan Brewer, em resposta à criminalidade galopante no estado do Arizona, inundado pelos gangues do narcotráfico mexicano.

Phoenix é a cidade onde se registam mais raptos nos Estados Unidos.