Siga-nos

Perfil

Expresso

Atualidade / Arquivo

Obama aproxima-se de Castro

Cuba volta a poder receber quantidades ilimitadas de dinheiro e mercadoria oriundos da sua comunidade imigrante nos EUA. Viajar também ficou mais fácil.

Ricardo Lourenço, correspondente nos EUA

A habitual conferência de imprensa das 15h30, na Casa Branca, teve ontem uma surpresa. Em directo e em espanhol, o conselheiro presidencial para a América Latina, Dan Restrepo, anunciou o levantamento, parcial, das sanções contra Cuba.



A comunidade cubana imigrante volta a poder enviar quantidades ilimitadas de dinheiro e a viajar, sempre que quiser, para aquele território insular - autorização não extensível aos outros cidadãos americanos.



Robert Gibbs, secretário de imprensa da Casa Branca, tomou depois a palavra e explicou que será mais fácil telefonar de Cuba, porque as chamadas passam, em alternativa, a ser pagas nos EUA. Empresas dos sectores agrícola e farmacêutico têm autorização para investir.



Os mais críticos do regime dos irmãos Castro defendem que o dinheiro enviado acabará nos bolsos da elite política. Outros têm uma opinião diferente. Joe Garcia, presidente da Cuban American National Foundation, recordou um facto: "O milhão e meio de cubanos que vivem na América são os melhores embaixadores que Cuba pode ter. Conhecem o valor da liberdade. Eles têm o direito de relacionar-se normalmente com a família".



Será este o primeiro passo para o fim do embargo a Cuba? Robert Gibbs afirma que tudo depende da reacção de Havana às medidas anunciadas. "A boa vontade da Administração necessita de uma resposta construtiva", disse.



Em Washington, um grupo de senadores - republicanos e democratas - formulou, há três semanas, um pedido oficial para que o embargo fosse reavaliado e debatido. O democrata Byron Dorgan participa nesse esforço. Considera que esta decisão é um "marco no descongelamento das relações entre os dois países".



Na sexta-feira, o Presidente norte-americano, Barack Obama, chega a Trinidad e Tobago para participar na Cimeira das Américas. Este assunto estará no topo da agenda do encontro, que se prolongará até domingo.