Siga-nos

Perfil

Expresso

Atualidade / Arquivo

O vírus contra-ataca

ILUSTRAÇÃO DE WILLIAM WHITEHURST/CORBIS

Cientistas japoneses desenvolveram um programa de computador capaz de encontrar e destruir na origem qualquer ataque informático. Mas a sua utilização coloca problemas legais. Saiba mais na edição de janeiro, já nas bancas,

O Ministério da Defesa japonês desenvolveu um contravírus informático capaz de localizar, identificar e paralisar as fontes dos ataques cibernéticos. O desenvolvimento desta arma virtual teve início em 2008.

Posteriormente foi testado em rede fechada. As armas cibernéticas são já utilizadas por países como os Estados Unidos e a China. Mas no Japão, a legislação relativa aos ataques provenientes do estrangeiro nada prevê em matéria de utilização de armas informáticas contra inimigos externos.

Assim, os ministérios da Defesa e dos Negócios Estrangeiros começam a debruçar-se sobre os aspetos legislativos da questão.

Atacar o problema na fonte

Foi lançado um programa de três anos para investigar, produzir, testar e analisar ferramentas de segurança para as redes informáticas. O instituto de investigação e desenvolvimento técnico do Ministério da Defesa, responsável pelo desenvolvimento de todo o tipo de ciberarmas, subcontratou o projeto a uma companhia privada. A empresa Fujitsu ganhou o contrato para o desenvolvimento do contravírus, bem como o de um sistema de vigilância e análise de ciberataques. O custo eleva-se a 178,50 milhões de ienes (1,81 milhões de euros).