Siga-nos

Perfil

Expresso

Atualidade / Arquivo

Miguel Relvas jantou com ex-espião no Gigi

Ministro-Adjunto e dos Assuntos Parlamentares jantou com Jorge Silva Carvalho, e com Rafael Mora, da Ongoing, na Quinta do Lago em agosto de 2011.

O ministro-Adjunto e dos Assuntos Parlamentares jantou com o ex-expião Jorge Silva Carvalho em 5 de agosto do ano passado no restaurante Gigi,  Quinta do Lago, Algarve, avança a "Sábado".

A 15 de maio último, durante uma audição na Comissão Parlamentar de Assuntos Constitucionais, Miguel Relvas declarou que conheceu Jorge Silva Carvalho "depois de abril" de 2010, mês em que foi eleito secretário-geral do PSD.

"Conheci-o num acontecimento público, encontrámo-nos uma vez, conversámos", disse o governante sob juramento.

Questionado pela "Sábado", Miguel Relvas respondeu: "Os esclarecimentos sobre este assunto foram oportunamente prestados na 1.ª Comissão Parlamentar. Nessa altura afirmei que me tinha cruzado com o Dr. Jorge Silva Carvalho numa festa de aniversário, no Algarve, em agosto de 2011".

Com efeito, durante a audição Miguel Relvas disse que após a saída de Silva Carvalho do SIED, no final de 2010, os dois mantêm "uma relação de conhecimento", mas não "uma relação estreita" e que desde a sua tomada de posse como ministro apenas se encontraram uma vez, "fortuitamente", numa festa de aniversário no Algarve.

Nesse jantar estiveram ainda presentes Rafael Mora, número dois da Ongoing, o grupo empresarial de Nuno Vasconcellos.

Esta informações constam de um sms enviado nessa noite por Silva Carvalho ao assessor de Imprensa da Ongoing, Ricardo Santos Ferreira. O ex-jornalista  estaria preocupado com as notícias em que Silva Carvalho era apontado como suspeito de ter enviado para a Ongoing Media informações das secretas.

Segundo a revista, às 20h 51m e 44s dessa sexta-feira 5 de agosto, Silva Carvalho enviou um sms a Ricardo Santos Ferreira no qual "recomendou-lhe tranquilidade, elogiou-o e mandou-o repousar. O conselho foi que ignorasse o que se dizia, pelo menos até ao dia seguinte quando saísse o jornal Expresso".