Siga-nos

Perfil

Expresso

Atualidade / Arquivo

"José e Pilar" é o candidato português aos Óscares

O documentário "José e Pilar" é o candidato português a "Melhor Filme Estrangeiro" dos Óscares de 2012.

O documentário "José e Pilar", de Miguel Gonçalves Mendes, é o candidato português aos Óscares de Hollywood, informou hoje à agência Lusa o Instituto do Cinema e do Audiovisual (ICA).

Co-produzido pelos realizadores brasileiro Fernando Meirelles e espanhol Pedro Almodóvar, que são membros da Academia Americana de Artes e Ciências Cinematográficas, "José e Pilar" é um documentário sobre a vida em comum do escritor e Nobel português da Literatura, José Saramago, e da sua companheira de décadas, a jornalista e tradutora luso-espanhola Pilar del Río.

O filme foi o escolhido para representar Portugal na corrida à nomeação para Melhor Filme Estrangeiro, "por uma comissão composta por representantes de associações do sector, previamente submetida à aprovação da Academia Americana de Artes e Ciências Cinematográficas", refere o ICA, em comunicado.

Documentário nos EUA em abril

Estreado em Portugal, Espanha e Brasil, o documentário será distribuído nos Estados Unidos pela Outsider Pictures, disse à Lusa, recentemente, o realizador Miguel Gonçalves Mendes.

Porém, segundo o cineasta, a estreia nos Estados Unidos só deverá acontecer em abril. Ora, só são candidatos a uma nomeação para os Óscares de 2012 os filmes que estreiam em sala nos Estados Unidos entre 1 de janeiro e 31 de dezembro de 2011.

Petição pública recolheu quase 2.500 assinaturas

A petição pública dirigida ao ICA que foi criada na Internet pedindo que "José e Pilar" fosse o candidato de Portugal a uma nomeação para o Óscar de Melhor Filme Estrangeiro somou, até hoje, 2.439 assinaturas.

Os nomeados para os Óscares de 2012 serão conhecidos a 24 de janeiro. A cerimónia decorrerá no dia 26 de fevereiro em Los Angeles, Califórnia.

Portugal nunca conseguiu uma nomeação para o Óscar de melhor filme estrangeiro. Em 2010, o candidato de Portugal nesta categoria foi "Morrer como um homem", de João Pedro Rodrigues.