Expresso

Siga-nos

Perfil

Perfil

Atualidade / Arquivo

Índice de Desenvolvimento Humano: Portugal é 41.º

  • 333

A baixa escolaridade é um dos fatores que impede Portugal de estar mais bem posicionado no índice

Tiago Miranda

Em matéria de esperança de vida, escolaridade e PIB per capita, Portugal ocupa o 41º lugar no ranking do desenvolvimento humano das Nações Unidas, numa lista de 187, ao nível dos países da Europa do Leste e Médio Oriente, e a anos luz da Noruega.  

Maria Luiza Rolim (www.expresso.pt)

No ranking deste ano da ONU dos países com desenvolvimento humano elevado, a Noruega voltou, pela sétima vez, a ocupar a primeira classificação, seguida pela Austrália (2ª), Holanda (3ª) e EUA (4ª). A 41ª posição no índice é ocupada por Portugal, que voltou este ano a descer mais um lugar.

Apesar da baixa classificação, Portugal ainda é o único lusófono entre os 47 países com "desenvolvimento humano muito elevado".

Todos os dez últimos colocados no Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) ficam em África, sendo a última posição ocupada pela República Democrática do Congo, onde a esperança de vida é de apenas 48,4 anos (contra seguida pelo Niger e Burundi.

Imediatamente a seguir a Portugal, estão o Bahrein, a Letónia, o Chile, a Argentina, a Croácia e Barbados.

Países lusófonos

Cabo Verde (133.º) surge classificado como tendo "desenvolvimento humano médio". Mas a maioria dos países lusófonos apresenta IDH muito baixos, sendo Moçambique (184º posição), com apenas 1,2 anos de escolaridade média e 898 dólares de rendimento per capita (643 euros), o pior.

Seguem-se a Guiné-Bissau, ocupa a 176º posição, Angola (148.º), Timor-Leste (147.º) e São Tomé e Príncipe (144.º).

Em Moçambique, a esperança de vida ronda os 50,2 anos, há apenas 1,2 anos de escolaridade média e 898 dólares de rendimento per capita (643 euros).     

A Guiné-Bissau é o país lusófono com a menor esperança de vida à nascença (48,1 anos), registando 2,3 anos de escolaridade média e um rendimento per capita de 994 dólares (712 euros).

Angola regista uma esperança média de vida de 51,1 anos, 4,4 anos de escolaridade média e um rendimento per capita de 4.874 dólares (3.486 euros).    

O estudo revela ainda que mais de metade da população angolana vive abaixo do limiar da pobreza ou em pobreza extrema, ressalvando contudo que os últimos dados disponíveis nesta área remontam a 2001.

Em Timor-Leste, a pobreza extrema atinge 38,7 por cento da população (dados de 2009) e o RNB per capita ronda os 3.005 dólares (2.147 euros).     

Já o Brasil avançou uma posição em relação ao ano passado, e agora ocupa o 84º lugar, enquadrando-se, ainda assim, na categoria de país  com "desenvolvimento humano elevado".

Muito perto da classificação do  Brasil está outra potência económica, a China, que ocupa a 101ª posição.

O IDH é elaborado desde 1990 pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), que este ano adverte para a questão dos problemas ambientais, como as alterações climáticas, que ameaçam avanços em especial nos países mais pobres.

Baixa escolaridade "atrasa" Portugal

Mas se a esperança de vida à nascença dos portugueses é de 79,5 anos - sempre a crescer nas últimas décadas mas ainda assim menos dois anos que os espanhóis (81,4) -, a baixa escolaridade contribui para o "atraso" de Portugal no mundo desenvolvido. Com a média de  7,7 anos passados na escola, pior só o Qatar (7,3). 

Quando comparado com o ano passado, Portugal desce de 40.º para 41.º, mas o número de países que integram a tabela aumento de 169 para 187, pelo que os especialistas da ONU consideram que mantém a posição no "ranking".  

O documento apresenta a evolução ao longo dos últimos 30 anos, período no qual a esperança de vida à nascença em Portugal aumentou 8,2 anos, a escolaridade subiu em média 2,9 anos e o rendimento nacional bruto por pessoa cresceu 76%.

Contudo, no que toca a este último indicador, a previsão para este ano aponta para o valor mais baixo registado entre os últimos quatro referidos: em 2000 atingiu os 20.662, cinco anos depois subiu para 20.980, em 2010 baixou ligeiramente para 20.928, tendência que manterá este ano, quando decrescerá para 20.573.

Semelhanças com Grécia e Hungria

Grécia e Hungria são países que os peritos da ONU consideram semelhantes a Portugal pelo número de habitantes e índice de desenvolvimento humano e que ocupam, respetivamente, o 29.º e o 38.º lugares.

Portugal apresenta uma esperança de vida para os nascidos este ano de 79,5 anos, ligeiramente inferior à Grécia (79,9), mas consideravelmente superior à Hungria (74,4).

A ordem mantém-se quanto ao rendimento nacional bruto -- Grécia com 23.747 dólares por pessoa em 2011, Portugal com 20.573 e Hungria com 16.581 -  mas altera-se na escolarização, onde os húngaros surgem na liderança dos três países com 11,1 anos de escolaridade média por habitante, seguidos dos gregos (10,1) e, à distância, dos portugueses (7,7).

Portugal assume a dianteira entre os três países e situa-se em 19.º lugar quando são ponderados os critérios do índice de desigualdade de género avaliados em 149 países. A Grécia aparece no 24.º lugar e a Hungria em 39.º.

Entre os fatores que contribuem para este índice, Portugal lidera na taxa de mulheres deputadas (27,4%), à frente da Grécia (17,3%) e da Hungria (9,1%), e na percentagem de mulheres com emprego (56,2%), destacado à frente da Grécia (49,2%) e da Hungria (42,5%).

A Grécia volta a liderar quando é avaliada a taxa de mortalidade materna (mulheres que morrem devido a complicações relacionadas com a gravidez ou no parto), com duas mães a morrerem por cada 100 mil crianças que nascem anualmente, seguida de Portugal (sete) e Hungria (13).

Onde Portugal volta a liderar é na taxa de mães adolescentes, que são 16,8 em cada mil crianças que nascem, seguido da Hungria (16,5) e da Grécia (11,6).