Expresso

Siga-nos

Perfil

Perfil

Atualidade / Arquivo

Homem assassinado nos Alpes "agia de forma estranha"

  • 333

Enquanto a Polícia continua a tentar desvendar a "execução" de uma família britânica de férias nos Alpes franceses, turistas dizem que Saad al-Hill deixava a mulher, a sogra e as filhas sozinhas várias vezes ao dia.

Raquel Pinto (www.expresso.pt)

A Polícia britânica continua no encalço de novas pistas que permitam desvender a "execução" de membros de uma família britânica de férias nos Alpes franceses, e um ciclista francês, num caso que está a chocar o Reino Unido.

Saad al-Hilli encontrado morto na passada quarta-feira, nas proximidades do lago de Annecy, dentro de um carro cravado de balas junto com a mulher e a sogra, agiu de forma estranha nos dias que antecederam o ataque, de acordo com o "The Telegraph".

Saad al-Hilli marcou uma reserva no Europa Camping Village em Saint-Jorioz no sábado e disse a alguns turistas que pretendia ficar ali com a família durante uma semana. Todavia, sem explicação fez o check-out na segunda-feira e transferiram-se para o acampamento Solitaire du Lac, a algumas centenas de metros abaixo da estrada.

Homem "incomum" no acampamento

Jan Janssen e a sua amiga Anne-Marie Souderman, dois turistas holandeses que acamparam perto da família britânica referem que Saad al-Hilli se ausentava da família entre "quatro a cinco vezes por dia durante 20 a 30 minutos".

"Disse-nos que pretendia ficar a semana toda, mas dois dias depois saíram repentinamente", revela Janssen ao jornal britânico.

Os holandeses contam ainda que, embora não tenham notado nenhuma visita à família, repararam durante a estadia dos britânicos num homem "invulgar" - vestido com um casaco curto e que parecia oriundo dos "balcãs".

Uma fonte próxima à investigação francesa, citada pelo "The Telegraph", confirmou a mudança abrupta de acampamento e que Saad al-Hilli reuniu-se com várias pessoas na região nos dias que antecederam ao massacre.

Polícia nega "elementos perigosos" na casa em Londres

As únicas testemunhas da chacina são as duas filhas do casal que sobreviveram. A mais velha, de 7 anos, encontra-se hospitalizada em estado grave. A outra, de 4 anos, está em estado de choque.

Um ciclista também foi encontrado sem vida e as autoridades colocam a hipótese de este ter sido assassinado ao testemunhar o massacre, que pode ter resultado por causa de desavenças familiares por litígio financeiro.

Saad al-Hilli era um engenheiro de 50 anos que vivia desde a década de 90, em Oaken Lane, Claygate, no sul de Londres, com os pais, refugiados do ex-regime de Saddam Hussein. 

As autoridades ouviram hoje como testemunha, pelo terceiro dia consecutivo, Zaid al-Hilli, irmão do pai da família assassinada.

Uma equipa de minas e armadilhas foi chamada à casa do casal em virtude da presença de substâncias "potencialmente explosivas" e evacuou a zona. A polícia de Surrey garante que os elementos encontrados "não são perigosos".