Siga-nos

Perfil

Expresso

Atualidade / Arquivo

Espanha: PP a um passo de esmagar PSOE nas urnas

Sondagem hoje divulgada pelo jornal "El Periódico" atribui ao Partido Popular (PP) 46,1% dos votos. Uma maioria absoluta maior do que a conseguida por José María Aznar em 2000.

O Partido Popular (PP), de Mariano Rajoy, poderá conseguir nas eleições de 20 de novembro próximo a maior maioria absoluta de sempre, com mais de 46% dos votos, segundo uma sondagem divulgada hoje.

A sondagem foi divulgada no jornal "El Periódico" no mesmo dia em que o chefe do Governo José Luis Rodríguez Zapatero assinou o decreto que formalmente terminará a sua era de governação, depois de sete anos a chefiar o executivo espanhol. (ver caixa)

Segundo a sondagem, da empresa GESOP, o PP obteria 46,1% dos votos - o que equivale a entre 185 e 189 deputados -, uma maioria absoluta maior do que a de 183 mandatos conseguidos pelo PP de José María Aznar em 2000.

Socialistas batem no fundo

O PSOE, segundo a mesma sondagem, ficaria pelos 31,4% dos votos, obtendo entre 121 e 125 deputados, um dos seus piores resultados de sempre.

A sondagem coloca como terceira força no parlamento a Convergência e União (CiU), com 3,7% dos votos mas entre 14 e 15 deputados, acima dos 10 que controla atualmente.

A União Progresso e Democracia (UPyD) também registaria uma grande melhoria eleitoral, com 5% dos votos e entre 4 e 6 deputados, valores idênticos aos que poderia obter a Esquerda Unida (IU).

Tanto os nacionalistas bascos do PNV como os independentes catalães da ERC perderiam mandatos, segundo esta sondagem.

O chefe do Governo espanhol assinou hoje o decreto de convocatória de eleições gerais para 20 de novembro, que já foi promulgado pelo Rei Juan Carlos e que será publicado na terça-feira no Boletim Oficial de Estado.

"O rei acaba de rubricar o real decreto de convocatória de eleições gerais, que de acordo com o artigo 115 da constituição mereceu o apoio favorável do Conselho de Ministros", disse José Luis Rodríguez Zapatero, aos jornalistas.

"De acordo com o estabelecido na lei eleitoral será publicado no Boletim Oficial de Estado (BOE). As eleições terão lugar a 20 de novembro, a campanha começa a 4 de novembro e a sessão constituinte das Cortes terá lugar a 13 de dezembro", anunciou.

Zapatero disse aos jornalistas que o decreto formaliza assim a decisão que ele próprio anunciou no passado dia 29 de julho, reiterando que escolheu a data das eleições para permitir ao novo Governo "tomar cargo de todo o novo exercício económico" de 2012.