Siga-nos

Perfil

Expresso

Atualidade / Arquivo

É uma causa "com fundamento", diz Garcia Pereira

"Considerei que a sua causa tinha fundamento, por isso aceitei defender Paulo Portas", afirmou Garcia Pereira, acrescentando: "Vou trabalhar com tranquilidade de espírito."

O advogado e dirigente do PCTP/MRPP Garcia Pereira justificou esta sexta-feira ter aceite defender Paulo Portas no processo judicial contra o ministro da Agricultura, Jaime Silva, por considerar que a sua causa "tem fundamento".

"Considerei que a sua causa tinha fundamento, por isso aceitei defender Paulo Portas", afirmou Garcia Pereira, à margem de um colóquio da Associação dos Juízes para a Cidadania.

O advogado considerou que esta defesa do líder do CDS-PP "é um desafio como outro qualquer", lembrando que exerce a profissão há cerca de 30 anos.

"Vou trabalhar com tranquilidade de espírito", assegurou.

Questionado sobre as linhas estratégicas da sua defesa, Garcia Pereira disse que essa era uma matéria "entre advogado e o seu constituinte", recusando avançar pormenores.

Paulo Portas anunciou hoje que seria representado por Garcia Pereira no processo judicial contra o ministro da Agricultura, Jaime Silva.

"Em princípio, muitas são as diferenças ideológicas que existem entre o dr. Garcia Pereira e eu próprio. Não é isso que está em causa neste processo. Sempre tive admiração profissional e respeito pessoal pelo dr. Garcia Pereira", afirmou o líder do CDS.

Paulo Portas disse ter solicitado a Garcia Pereira para o representar, elogiando a sua combatividade e o facto "de se bater por questões de princípio".

O líder do CDS-PP vai processar Jaime Silva por se considerar lesado no direito ao bom-nome por afirmações do governante.

Jaime Silva tinha acusado Portas de ter "calotes políticos" e de dever explicações aos portugueses sobre os casos Portucale, Casino de Lisboa que envolvem ex-ministros do CDS-PP.