Siga-nos

Perfil

Expresso

Atualidade / Arquivo

Dilma quer Palestina nas Nações Unidas (vídeo)

Dilma Rousseff: «Lamento ainda não poder saudar desta tribuna o ingresso pleno da Palestina como membro das Nações Unidas»

Richard Drew/AP

Presidente do Brasil defende reconhecimento do Estado Palestino como membro oficial das Nações Unidas.

A presidente Dilma Rousseff defendeu hoje a entrada do Estado Palestino como membro oficial das Nações Unidas, durante abertura da 66ª Assembleia Geral da organização, realizada em Nova Iorque.

"Lamento ainda não poder saudar desta tribuna o ingresso pleno da Palestina como membro das Nações Unidas", afirmou a presidente brasileira, após dar as boas vindas ao Sudão do Sul.

Dilma defendeu que o reconhecimento ampliará as possibilidades de uma paz duradoura no Médio Oriente.

"Assim como a maioria dos países nessa Assembleia, acreditamos que é chegado o momento de ver a Palestina aqui representada a pleno título", acrescentou.

Marco histórico

Ao defender valores como a paz e o diálogo, a líder brasileira destacou que no seu país descendentes de árabes e judeus são compatriotas e convivem em harmonia "como deve ser".

O Brasil reconheceu oficialmente o Estado Palestino em dezembro de 2010, sob o governo de Luiz Inácio Lula da Silva.

Com a decisão, a representação em Brasília da Organização para a Libertação da Palestina (OLP), fundada em 1979, passou a ter o status de embaixada.

Dilma é a primeira mulher a abrir uma Assembleia Geral das Nações Unidas desde a criação do organismo internacional, em 1947.

Com a menção ao Estado Palestino, a presidente cria um novo marco histórico em torno do tema. Na primeira audiência do organismo, o brasileiro Oswaldo Aranha, então representante brasileiro na Assembleia, defendera a criação de um Estado para Israel.