Siga-nos

Perfil

Expresso

Atualidade / Arquivo

Coreia do Norte é uma espécie de bombista suicida coletivo

Kim Jong-un levará algum tempo a consolidar a sua liderança, diz Armando Marques Guedes, professor de Geopolítica no Instituto de Estudos Superiores Militares. Disposta a "irradiar destruição ao seu redor", a Coreia do Norte constitui "uma ameaça global".

Margarida Mota (www.expresso.pt)

Que marca deixou Kim Jong-il na Coreia do Norte?

O processo de transição foi complicado, por vezes mesmo turbulento, devido às mudanças que, a par e passo, foram ocorrendo num sistema que já era, à partida, complexo. Kim Il-sung, o seu pai, fundador e chefe de Estado norte-coreano morreu em 1994. A transição começara alguns anos antes, mas revelou-se difícil. É tido como consensual que só três anos depois Kim Jong-il conseguiu consolidar a sua posição de liderança. O que significou tornar-se secretário-geral do Partido dos Trabalhadores da Coreia e, mais importante, presidente da Comissão de Defesa Nacional, uma entidade então declarada como o posto de topo no país - uma vez que, nesse mesmo ano de 1998, a Assembleia Popular Suprema declarou extinto o lugar de Presidente da República Popular e Democrática da Coreia, em memória e por respeito a seu pai, Kim Il-sung, que postumamente então se tornou no "Presidente Eterno".

E após essa transição?

Ao contrário do seu pai, Kim Jong-il não liderava, formalmente, sozinho. Fazia antes parte de um triunvirato, partilhando o poder com um chefe do Governo e um presidente do Parlamento. Na prática, porém, Kim Jong-il, o "Querido Líder", ou "Querido Pai", tal como antes dele o seu pai, manteve pelo menos desde 1998 um controlo político absoluto em todos os domínios. Cada cinco anos viu-se reconduzido nos lugares que ocupava por unanimidade, em eleições que a Constituição não exigia. Nos termos das mudanças ocorridas no sistema de governo do país, fê-lo representando sempre um eleitorado militar, dadas as suas funções no novo sistema de governo norte-coreano - um sistema no qual a distinção entre o poder formal e o informal é, ao mesmo tempo, marcadíssima e pouco relevante ter, sobretudo, uma alçada simbólica.

E qual o legado económico de Kim Jong-il?

A governação económica de Kim Jong-il viu-se prejudicada por crises cíclicas de má gestão, agravadas por repetidas e gigantescas inundações que, em meados dos anos 1990, virtualmente destruíram a economia agrícola de subsistência existente no pequeno país com pouca superfície arável. Kim depressa adoptou uma "economia socialista de mercado", e começou um processo acelerado de exigência de ajudas alimentares externa. Obteve-a, quantas vezes sob ameaça, de uma Coreia do Sul então como hoje de vento em popa, e ainda negociando com a China e os Estados Unidos em condições de extrema dureza. Em inícios do milénio, Kim Jong-il conseguira delinear uma nova política externa que incluiu o reatamento de relações com a Coreia do Sul e algumas concessões tácticas aos Estados Unidos - mantendo sempre sobre ambos enormes pressões político-militares, designadamente a obtenção, em 1994, de armas nucleares.

E ao nível da política externa?

Externamente, Kim Jong-il manteve o seu controlo do Estado por meio de chantagens e desafios político-militares sucessivos, beneficiando sempre do apoio da vizinha China. A obtenção de armas nucleares permitiram-lhe lograr as famosas e polémicas, mesmo internamente, "Negociações de Seis Parceiros" com a China, o Japão, a Rússia, os Estados Unidos e a Coreia do Sul. Internamente, segurou com firmeza as rédeas do país e da população recorrendo a um misto de repressão sistemática (considera-se haver 200 mil prisioneiros políticos na República Democrática e Popular da Coreia) e pela sofisticação de um "culto da personalidade" que se alimentou por via de regra de imagens paternalistas de reportório (e porventura natureza) 'mágico-religioso', imagens essas persistentemente utilizadas em todos os aspectos do dia a dia, de uma ética neo-Confuciana inculcada pelo sistema de ensino e pelos media, e pela enunciação constante da eminência de agressões externas - a que a presença, na vizinha Coreia do Sul, de 30 mil soldados norte-americanos e de parte do arsenal nuclear de Washington forneciam alguma plausibilidade.

Seul ao alcance dos mísseis norte-coreanos

Um conflito com a Coreia do Sul é, hoje, o principal trauma norte-coreano?

Um conflito com os sul-coreanos seria devastador para estes últimos, caso tivesse (como tudo indica) uma dimensão não-convencional, que incluísse armas de destruição em massa. Seul está facilmente ao alcance dos mísseis de Pyongyang. Seria também catastrófico para o regime norte-coreano, tendo em vista a garantia de segurança norte-americana e a presença robusta de forças de Washington na região. As ameaças sul-coreana e norte-americana ao regime norte-acoreano não são facilmente separáveis uma da outra. Em todo o caso, Pyongyang não tem forças militares capazes de fazer frente a nenhum dos dois adversários. O que tem, isso sim, é uma disponiblidade maior do que a de qualquer deles em absorver perdas num eventual conflito. E colocou-se progressivamente na posição de ter de criar ameaças periódicas que tornem claro esse diferencial de disponibilidade.

Qual o interesse da China na Coreia do Norte?

A posição geográfica e forma da península coreana têm sido objeto de leituras geopolíticas fascinantes. Antes e durante a Segunda Guerra Mundial, por exemplo, o Império Japonês em afirmação expansionista apelidou o país de "um punhal apontado ao coração do Japão". E, de facto, a península historicamente tem funcionado como um corredor entre o continente e o arquipélago japonês, nas duas direções: foi por essa via que correu, a partir do século I DC grande parte da sinificação nipónica, foi por ela também, no sentido inverso, que o Japão nos anos 30 do século XX invadiu a China, como foi ainda por aí que a China e a União Soviética se degladiaram e dividiram a península na guerra de 1950-1953.

Seguiu-se a Guerra Fria...

Depois de 1945, e sobretudo com o início da Guerra Fria, este papel agudizou-se, face a uma China que se sentiu ameaçada por um enclausuramento crescente pelos norte-americanos e, depois de 1953, por uma ameaça dirigida ao coração do Império do Meio. A solução foi criar uma barreira difícil de transpor, a Coreia do Norte; para lá de eventuais afinidades político-ideológicas, a China encara em termos sobretudo geo-estratégicos a ligação que tem feito questão de manter com Pyongyang, que considera lhe fornece profundidade estratégica face ao 'eixo Japão-Estados Unidos'.

E de que forma Pyongyang tem usado esse recurso?

O regime norte-coreano tem usado e abusado dessa posição geográfica privilegiada que tem - como barreira e como válvula de escape - para Pequim. O que tem permitido às elites do partido monolítico de Pyongyang uma inflação do seu poder, ancorada numa constante manipulação das vantagens e riscos que o posicionamento do pequeno Estado lhes concede. A parada tem vindo a subir de tom, na justa medida em que a Dinastia Kim e os seus apoiantes militares tudo tem feito para sustentar esse status quo geopolítico. Radica aqui todas as construções ideológicas norte-coreanas, do conceito de juche (auto-suficiência) a toda a parafernália simbólica que tem vindo a erigir par se legitimar internamente. O "complexo militar-industrial" norte-coreano tem-se mostrado tão exímio como implacável nessa escalada - sacrificando às suas ambições cada vez mais desmesuradas, sem aparentemente pestanejar, a população do pequeno Estado. Enquanto os múltiplos conflitos de interesses e a urgência de contenção recíproca das grandes potências que se defrontam nos palcos nordeste asiáticos se mantiverem, a polarização política interna e externa do Estado norte-coreano parece inescapável.

Nuclear é apólice de seguro para elites sem escrúpulos

E como surge o programa nuclear?

A nuclearização do regime de Pyongyang começou como um esforço chinês de garantir uma neutralização eficaz de ameaças externas e foi-se a pouco e pouco transmutando num mecanismo perigoso de sobrevivência de um regime incapaz de, por outros meios, se manter à tona. Hoje constitui uma espécie de apólice de seguro de elites sem escrúpulos apostadas a eternizar a sua supremacia - mesmo que a China venha a considerar o país um fardo político demasiado pesado, como crescentemente tem vindo a ser o caso.

George W. Bush inscreveu a Coreia do Norte no "eixo do mal". Sente que o país é uma ameaça ao mundo?

A Administração Bush herdou das suas antecessoras a convicção de que o brinkmanship militar (agora nuclear) norte-coreano entrou numa escalada incontrolável. Com efeito, um ponto de não-retorno foi há muito atingido pelas elites no poder em Pyongyang. A sua sobrevivência depende integralmente da disponibilidade que manifestem, alto e bom som, para sofrer perdas maiores do que aquelas que os seus adversários estejam dispostos a incorrer. Pior, o regime norte-coreano aprendeu a manipular essa sua capacidade em assumir riscos impensáveis para os seus adversários e dela extrair ganhos, pondo em cheque a sua própria população sem quaisquer hesitações.

E como reagem os vizinhos?

Os vizinhos de Pyongyang (a China incluída) vêm-se em resultado na contingência de ir trocando os apoios cada vez maiores que lhe concedem pela esperança que nutrem em ver o Estado-Partido implodir - o que apenas terá lugar quando o regime deixar de conseguir controlar a população por intermédio de expedientes ideológicos dia a dia mais surreais; e se, em simultâneo, deixar de conseguir exportar tecnologia termonuclear num mercado internacional em expansão. Por outras palavras, o Estado norte-coreano constitui uma ameaça global pois logrou transformar-se numa espécie de bombista suicida coletivo disposto a irradiar destruição ao seu redor, e mesmo noutros lugares de um mundo mais à mão, num processo que ameaça derrubar em cascata os frágeis equilíbrios regionais e globais que o viabilizaram e lhe deram alento.

O que conhece de Kim Jong-un? Preocupa-o a sua impreparação para o cargo?

Kim Jong-un é o mais novo dos três filhos de Kim Jong-il. Viveu e estudou na Suíça. Em 2009, foi designado pelo seu pai como "Brilhante Camarada". Na mesma data ingressou na carreira militar, sendo de imediato graduado como General de Quatro Estrelas. Quando da morte do seu pai foi designado, oficialmente, como "grande Sucessor". Pouco se sabe sobre ele. Mas desde há pelo menos dois anos estava indigitado como herdeiro do poder e das funções de Kim Jong-il. Surpreender-me-ia pouco se, tal como o seu pai, Kim Jong Un demorasse alguns anos a consolidar o seu poder, num sistema político tão complexo e multi-dimensional como é o norte-coreano. Quaisquer vácuos de poder, mesmo se temporários, são preocupantes quando o que está em causa são os mecanismos de tomada de decisão numa potência nuclear.