Siga-nos

Perfil

Expresso

Atualidade / Arquivo

Comunistas com prenda em dezembro

Jerónimo de Sousa e a CDU sobem no último mês do ano, de acordo com o barómetro da Eurosondagem para o Expresso.

Martim Silva (www.expresso.pt)

Os comunistas têm uma prenda no sapatinho este ano. De acordo com o barómetro da Eurosondagem para o Expresso e a SIC de dezembro, Jerónimo de Sousa e a CDU sobem quer na popularidade aos olhos dos portugueses, quer na intenção de voto.

Esta subida comunista surge depois do congresso do partido, em que Jerónimo de Sousa foi eleito para mais quatro anos como secretário-geral, e quando a grande mensagem foi o pedido de saída da troika de Portugal e de formação de um Governo de esquerda.

Se a aliança dos partidos mais à esquerda parece muito longínqua, a verdade é que as três forças à esquerda de CDS e PSD já valem hoje mais 18 pontos do que os partidos que estão no Governo.

Estudo de opinião efetuado pela Eurosondagem, S.A. para o Expresso e SIC, de 5 a 11 de dezembro de 2012. Entrevistas telefónicas, realizadas por entrevistadores selecionados e supervisionados. O universo é a população com 18 anos ou mais, residente em Portugal Continental e habitando em lares com telefone da rede fixa. A amostra foi estratificada por região (Norte - 20,3%; A.M. do Porto - 14,5%; Centro - 30,0%; A.M. de Lisboa - 25,5%; Sul - 9,7%), num total de 1034 entrevistas validadas. Foram efetuadas 1264 tentativas de entrevistas e, destas, 230 (18,2%) não aceitaram colaborar neste estudo de opinião. Foram validadas 1034 entrevistas, correspondendo a 81,8% das tentativas realizadas. A escolha do lar foi aleatória nas listas telefónicas e o entrevistado, em cada agregado familiar, o elemento que fez anos há menos tempo. Desta forma aleatória resultou, em termos de sexo (Feminino - 51,9%; Masculino - 48,1%) e, no que concerne à faixa etária (dos 18 aos 30 anos - 16,3%; dos 31 aos 59 - 52,5%; com 60 anos ou mais - 31,2%). O erro máximo da amostra é de 3,05%, para um grau de probabilidade de 95,0%. Um exemplar deste estudo de opinião está depositado na Entidade Reguladora para a Comunicação Social.