Siga-nos

Perfil

Expresso

Atualidade / Arquivo

Carlos Lobo passou com 17 valores

O secretário de Estado dos Assuntos Fiscais doutorou-se com nota elevada. Do júri faziam parte dois sócios do seu escritório de advogados.

Mónica Contreras e Paulo Paixão

Carlos Lobo, secretário de Estado dos Assuntos Fiscais, doutorou-se com 17 valores e por unanimidade. A nota é considerada muito boa para a Faculdade de Direito de Lisboa.

Acontece, porém, que o júri integrava dois sócios do seu escritório de advogados, Eduardo Paz Ferreira e Luís Morais, que pertencem com Carlos Lobo à sociedade Paz Ferreira e Associados.

O caso fez com que o fiscalista Saldanha Sanches se recusasse a integrar o júri. Saldanha Sanches disse ontem ao Expresso recear que "a posição do júri seja parcial. Esta situação não é habitual na faculdade, pois até agora tem havido distanciamento".

Já o vice-reitor da Universidade de Lisboa e presidente do júri, António Vallera, afirmou que a Reitoria, quando soube da situação, perguntou ao Conselho Científico se poderiam existir incompatibilidades. "A resposta foi negativa e várias pessoas por mim contactadas disseram não haver problemas". António Vallera disse ainda que é muito pequeno o grupo de avaliadores especializados na área de doutoramento de Carlos Lobo, o que explicaria o facto de existirem dois sócios seus no júri.

  • Bronca na Faculdade de Direito de Lisboa

    Carlos Lobo, secretário de Estado dos Assuntos Fiscais, presta amanhã, quarta-feira, provas de doutoramento. Dois sócios seus, Eduardo Paz Ferreira e Luís Silva Morais, integram o júri. Saldanha Sanches, também nomeado, recusa estar presente, pois o veredicto"pode ser parcial".