Siga-nos

Perfil

Expresso

Atualidade / Arquivo

Balsemão chocado com relatório encomendado por Silva Carvalho

Presidente do grupo Impresa vai processar judicialmente os autores do documento hoje divulgado pela imprensa.

Carlos Abreu (www.expresso.pt)

Chocado e surpreendido com o relatório sobre a sua vida pessoal, alegadamente pedido pelo ex-diretor do SIED, Jorge Silva Carvalho, numa altura em que já se encontrava ao serviço da Ongoing (empresa liderada por Nuno Vasconcellos, que está em litígio com o grupo de Balsemão), o presidente da Impresa anunciou hoje que vai processar criminalmente os autores do documento.

Os excertos do relatório, hoje divulgados pela imprensa, contêm, segundo o ex-primeiro-ministro e atual conselheiro de Estado, "dezenas de calúnias e falsidades - algumas das quais de mau gosto e grotescas".

"Surpreendeu-me e chocou-me conhecer os métodos, os princípios e as práticas adotados por pessoas e empresas que desenvolvem as suas atividades livre e impunemente numa sociedade democrática", pode ler-se no comunicado emitido esta tarde pelo patrão da Impresa (proprietária do Expresso, da Visão e da SIC).

"Métodos 'pidescos'"

"Quase 40 anos depois da instalação da democracia em Portugal, é lamentável que se continuem a praticar este tipo de métodos 'pidescos', que julgávamos erradicados e que o sistema judicial devia rapidamente punir, condenar e abolir", acrescenta.

Segundo a imprensa deste sábado, a 4 de setembro de 2011 Jorge Silva Carvalho (à época administrador da Ongoing) pediu a Paulo Félix (funcionário da Ongoing e ex-PJ) que visse "em fontes abertas" tudo o que havia "sobre" Francisco Pinto Balsemão, nomeadamente, que empréstimos tinha e em que bancos. No e-mail então enviado, o ex-expião argumentou que tais informações interessavam à Ongoing.

O relatório de 31 páginas que lhe foi posteriormente enviado, e que consta agora do processo-crime elaborado pelo DIAP de Lisboa, inclui o que diz ser uma lista de amigos, inimigos e aliados, recortes de imprensa e uma biografia, além de registar alegados episódios da vida pessoal de Balsemão que o visado nega.

Ainda de acordo com os jornais de hoje, esta informação terá sido usada para promover uma campanha difamatória do líder da Impresa através da rede social Twitter.

O grupo de Pinto Balsemão e a Ongoing estão em litigio há algum tempo por divergências em relação à Impresa, da qual a empresa liderada por Nuno Vasconcellos também é acionista.