Siga-nos

Perfil

Expresso

Atualidade / Arquivo

Ataque reivindicado por talibãs paquistaneses

O porta-voz dos talibãs do Paquistão, aliados da Al-Qaida, reivindicou o ataque ao consulado norte-americano

O ataque suicida falhado de hoje contra o consulado dos Estados Unidos em Peshawar foi reivindicado por um porta-voz dos talibãs do Paquistão, aliados da Al-Qaida.

"Reivindicamos o ataque ao consulado norte-americano, em represália pelos ataques dos 'drones' (aviões não tripulados)" norte-americanos, que quase diariamente disparam mísseis no noroeste do Paquistão, contra os refúgios dos talibãs e da Al-Qaida, declarou Azam Tariq num telefonema para a agência noticiosa francesa AFP.

Segundo a embaixada dos Estados Unidos em Islamabad, pelo menos dois guardas de segurança paquistaneses seus funcionários foram mortos e numerosos outros ficaram feridos hoje no ataque ao consulado norte-americano em Peshawar.

O ataque foi realizado por 10 a 15 homens fortemente armados, entre os quais suicidas que fizeram explodir as suas bombas à entrada, indicou a polícia, que referiu um balanço de seis mortos: quatro assaltantes, um polícia e um outro homem não identificado. Os atacantes não conseguiram entrar no recinto do consulado.

Talibãs ameaçam repetir

"Os Estados Unidos condenam o ataque terrorista ao seu consulado em Peshawar", refere o comunicado da embaixada em Islamabad, que condena igualmente o atentado suicida que causou 41 mortos algumas horas antes no distrito de Lower Dir, mais a norte, num encontro de um partido político laico.

O porta-voz do Movimento dos Talibãs do Paquistão (TTP) disse também que dispõem de "2800 a 3000 'fedayine' (os que se sacrificam)". "Vamos fazer mais ataques deste tipo, que terão como alvo os locais onde se encontram norte-americanos", adiantou Azam Tariq.

O TTP é o principal movimento talibã paquistanês, que jurou lealdade à Al-Qaida em dezembro de 2007 e, tal como Usama bin Laden, decretou a "jihad" (guerra santa) contra Islamabad devido à sua aliança com os Estados Unidos.

*** Este texto foi escrito ao abrigo do novo Acordo Ortográfico ***

Clique para ler a Nota da Direcção do Expresso sobre o novo Acordo Ortográfico.