Siga-nos

Perfil

Expresso

Atualidade / Arquivo

A16 aumenta portagens da A5 em cinco cêntimos

A alteração dos fluxos de tráfego na auto-estrada da Costa do Estoril provocada pela abertura da A16 é razão avançada pela Brisa para aumentar em cinco cêntimos as portagens da A5.

A Brisa, responsável pela concessão da auto-estrada A5 (Cascais/Lisboa), anunciou hoje que vai aumentar o preço das portagens de Carcavelos e Estoril até cinco cêntimos, devido à alteração de tráfego provocada pela abertura da A16. 

Em declarações à agência Lusa, o porta-voz desta concessionária adianta que "a abertura da A16 altera os fluxos de tráfego na Auto-estrada da Costa do Estoril, introduzindo, numa auto-estrada que funciona em sistema aberto e onde se cobra em função de uma distância média, um significativo acréscimo de quilómetros percorridos".

"De igual modo, se assiste a um impacto na respectiva operação e na necessidade de antecipar a adaptação da infra-estrutura a um maior número de veículos em circulação", acrescentou o responsável, sublinhando que "o aumento acordado será, no máximo, de cinco cêntimos para a classe 1, nas barreiras de Carcavelos e Estoril", sem, no entanto, adiantar uma data precisa para a entrada em vigor desta decisão.

Capucho não comenta

Contactada pela agência Lusa, a candidata socialista à presidência da Câmara Municipal de Cascais, Leonor Coutinho, disse não ter conhecimento sobre esta decisão, embora considere ser uma medida "bastante estranha", remetendo o assunto para o presidente da Câmara, António Capucho, por ser "o único que poderá falar sobre o assunto, uma vez que é quem conhece os contratos".

A Lusa tentou contactar o presidente da autarquia de Cascais, mas não obteve qualquer resposta até ao momento.

A A16, que vai ligar a A5 à CREL (Circular Regional Exterior de Lisboa), foi inaugurada quarta-feira e prevê a circulação diária de 26 mil veículos, funcionando como alternativa ao IC19 e à A5.

O novo troço abrange os concelhos de Cascais e Sintra e vai criar uma nova circular exterior na área metropolitana de Lisboa, atravessando zonas altamente povoadas como Agualva, Algueirão-Mem Martins, Sintra e Belas.