Siga-nos

Perfil

Expresso

Atualidade / Arquivo

12 anos de prisão para homicida de filho de Nelinho

Gonçalo Cardoso foi hoje condenado a uma pena de 12 anos de prisão efetiva pelo homicídio de Nélio Marques, filho de Nelinho, antigo jogador do Benfica.

<#comment comment="[if gte mso 9]> Normal 0 false false false MicrosoftInternetExplorer4 <#comment comment="[if gte mso 9]> <#comment comment="[if !mso]> <#comment comment=" /* Font Definitions */ @font-face {font-family:Tahoma; panose-1:2 11 6 4 3 5 4 4 2 4; mso-font-charset:0; mso-generic-font-family:swiss; mso-font-pitch:variable; mso-font-signature:1627421319 -2147483648 8 0 66047 0;} /* Style Definitions */ p.MsoNormal, li.MsoNormal, div.MsoNormal {mso-style-parent:""; margin:0cm; margin-bottom:.0001pt; mso-pagination:widow-orphan; font-size:12.0pt; font-family:"Times New Roman"; mso-fareast-font-family:"Times New Roman";} @page Section1 {size:612.0pt 792.0pt; margin:72.0pt 90.0pt 72.0pt 90.0pt; mso-header-margin:36.0pt; mso-footer-margin:36.0pt; mso-paper-source:0;} div.Section1 {page:Section1;} "> <#comment comment="[if gte mso 10]>

O coletivo de juízes da 2ª Vara do Tribunal Criminal de Lisboa, no Campus da Justiça, deu como provado que Gonçalo Cardoso alvejou "com três tiros nas costas" Nélio Marques, classificando o ato de "aleivosia".  

O tribunal condenou ainda Gonçalo Cardoso ao pagamento de uma indemnização cível aos pais de Nélio Marques no valor de 251 mil euros, acrescidos de juros de mora, a que são deduzidos 40 mil euros que tinham sido já entregues aos familiares. Condenou ainda o homicida a pagar à Segurança Social a quantia de 2 248 euros, também com juros de mora.  

Enquanto os advogados de Gonçalo Cardoso não se pronunciaram sobre a sentença, José António Barreiros, mandatário da família de Nélio Marques, reservou para mais tarde uma decisão, adiantando, contudo, que, "em princípio", não vai recorrer da pena determinada. 

Nelinho esperava pena mais pesada

"Fez-se justiça. Ficou provado que Nélio Marques foi atingido pelas costas. Esperava esta decisão. Tenho de ler o acórdão antes de decidir", disse José António Barreiros. 

Acompanhado da esposa e de familiares, o pai de Nélio Marques referiu que esperava uma pena exemplar, considerando que os 12 anos de prisão efectiva "é pouco". "Não estava à espera. Foi tudo provado em tribunal. Um jovem foi morto pelas costas, depois de tudo estar ultrapassado. Eu esperava e a família também que a pena fosse para cima de 20 anos. 12 anos não é nada", declarou Nelinho. 

O antigo avançado do Benfica salientou que vai "falar com o advogado" para "se tomarem as decisões certas" e criticou a morosidade da Justiça. "A minha mulher está neste estado há cinco anos. Chora todos os dias. Este jovem foi morto pelas costas e demorámos cinco anos e meio em julgamento", disse. 

Morte aos 25 anos

O pai da vítima referiu-se ainda ao Ministério Público, sublinhando que "devia estar ao lado da vítima e não do assassino". 

Nélio Marques e Gonçalo Cardoso envolveram-se em confrontos físicos a 28 de março de 2005, num posto de abastecimento de combustível de Sete Rios/Benfica, depois de uma rixa de trânsito, motivada por uma ultrapassagem do filho do antigo futebolista do Benfica. 

O tribunal deu como provado que Gonçalo Cardoso disparou três tiros com arma de fogo de calibre .32 em direção a Nélio Marques, que acabou por falecer no hospital em consequência dos ferimentos provocados por dois projéteis. Nélio Marques tinha 25 anos.  

*** Este texto foi escrito ao abrigo do novo Acordo Ortográfico ***

Clique para ler a Nota da Direcção do Expresso sobre o novo Acordo Ortográfico.