4
Anterior
Ai este blogue
Seguinte
Os olhos pelas notícias
Página Inicial   >  Blogues  >  Ré em causa própria  >   A toga

A toga

|
Ré em causa própria - A toga

Este fim de semana um grupo de amigos teve o prazer e fez questão de oferecer a toga a uma jovem futura advogada.

Faculdade terminada, Erasmus feito em Itália, Mestrado a finalizar e exames na Ordem dos Advogados com notas excelentes.

Lembrei-me então das palavras do Dr. Galopim de Carvalho que, perguntado se achava que ainda se justificava o uso da Toga respondeu: "Redondamente, não! E voz corrente entre os cidadãos que o tribunal já não é um local de respeito e de Justiça. Está sim, a ser visto como uma instituição de profissionais habilidosos onde se ganha ou se perde. Neste lamentável panorama, já não se justifica o seu uso".

Depois de algumas palavras amigas a nossa menina envergou a toga e, quando ela acabou de nos dizer o que lhe ía na alma eu tive a certeza de que o Dr Galopim de Carvalho queria dizer era que é urgente vestir a Toga.

Cada vez mais faz sentido que se vista e que se use. O tribunal ainda é um local de Justiça e de respeito.

Urge, vestir a Toga, urge envergar as Becas.

 

ACCB


Opinião


Multimédia

O papa-medalhas que veio do espaço

O atleta português mais medalhado de sempre, Francisco Vicente, regressou dos campeonatos europeus de veteranos, na Turquia, com novas lembranças ao pescoço. Três de ouro e duas de prata para juntar à coleção. Tem 81 medalhas, uma por cada ano de vida.

Tudo o que precisa de saber sobre o ébola, em dois minutos

Porque é que este está a ser o pior surto da história? Como é que os primeiros sintomas se confundem com os de outras doenças? É possível viajar depois de ter contraído o vírus, sem transmitir a doença? E estamos ou não perto de ter uma vacina? O Expresso procurou as respostas a estas e outras dúvidas sobre o ébola.

United Colors of Gnocchi

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Vai pagar mais ou menos IRS? Veja as simulações

Reforma do imposto protege quem tem dependentes a cargo, mas pode penalizar os restantes contribuintes. Função pública e pensionistas vão ter mais dinheiro disponível. Veja simulações para vários casos.

A última viagem do navio indesejado

Construído nos Estaleiros de Viana e pensado para fazer a ligação entre ilhas nos Açores, o Atlântida foi recusado pelo Governo Regional por alegadamente não atingir a velocidade pretendida. Contando com os custos associados à dissolução do contrato, o prejuízo ascendeu a 70 milhões de euros. Foi agora comprado a "preço de saldo", para mudar de nome e ser reconvertido num cruzeiro na Amazónia. Fizemos a última viagem do Atlântida e vamos mostrar-lhe os segredos do navio.

Strogonoff de peixe espada preto

Faz agora cinco anos que o Chefe Tiger, especialista em pratos de confeção acessível e com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, começou esta aventura gastronómica. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Caril de banana

Faz agora cinco anos que o Chefe Tiger, especialista em pratos de confeção acessível e com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, começou esta aventura gastronómica. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Tem três minutinhos? Vamos explicar-lhe o que muda no orçamento de 350 mil portugueses (e no de muitas empresas)

O novo salário mínimo entrou em vigor. São mais €20 brutos para cerca de 350 mil portugueses (números do Ministério da Segurança Social, porque os sindicatos falam em 500 mil trabalhadores). Mudou o valor, mas também os descontos que as empresas fazem para a Segurança Social. Porque se trata de uma medida que afeta a vida de muitos portugueses, queremos explicar o que se perde e o que se ganha, o que se altera e o que se mantém.

Cantaril com risotto de espargos

Faz agora cinco anos que o Chefe Tiger, especialista em pratos de confeção acessível e com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, começou esta aventura gastronómica. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Music fighter: temos Marco Paulo e Bruno Nogueira numa batalha épica

Está preparado para um dos encontros mais improváveis na história da música portuguesa? O humorista Bruno Nogueira e a cantora Manuela Azevedo, dos Clã, pegaram em várias músicas consideradas "pimba" - daquelas que ninguém admite ouvir mas que, no fundo, todos vão dançar assim que começam a tocar - e deram-lhe novos arranjos, num projeto que chegou aos coliseus de Lisboa e do Porto.  "Ninguém, ninguém", de Marco Paulo, tem possivelmente a introdução mais acelerada e frenética do panorama musical português. Mas, no frente-a-frente, quem é o mais rápido? Vai um tira-teimas à antiga?

Dez verdades assustadoras sobre filmes de terror

Este vídeo é como o monstro de "Frankenstein": ganhou vida graças à colagem de partes de alguns dos filmes mais aterrorizantes de sempre. Com uma ratazana mutante e os organizadores do festival de cinema de terror MotelX pelo meio. O Expresso foi à procura das razões que explicam o fascínio pelo terror, com muito sangue (feito de corante alimentar) à mistura. 

A paixão do vinil

Se para muitos o vinil é apenas uma moda que faz parte da cultura do revivalismo vintage, para outros ver o disco girar nunca deixou de ser algo habitual.

Portugal foi herdado, comprado ou conquistado?

Era agosto em Lisboa e, às portas de Alcântara, milhares de homens lutavam por dois reis, participando numa batalha decisiva para os espanhóis e ainda hoje maldita. Aconteceu em agosto de 1580. Mais de 400 anos depois, o Expresso deu-lhe vida, fazendo uma reconstituição do confronto através do recorte e animação digital de uma gravura anónima da época.

O Maradona dos bancos centrais

Dizer que Mario Draghi está a ser uma espécie de Maradona dos bancos centrais pode parecer estranho. Mas não é exagerado. Os jornalistas João Silvestre e Jorge Nascimento Rodrigues explicaram porquê num conjunto de artigos publicado no Expresso em Novembro de 2013 e que venceu em junho deste ano o prémio de jornalismo económico do Santander e da Universidade Nova. O trabalho observa ainda o desempenho de Ben Bernanke no combate à crise, revisita a situação em Portugal e arrisca um ranking dos 25 principais governadores de bancos centrais. Republicamos os artigos num formato especial desenvolvido para a web.

Com Deus na alma e o diabo no corpo

Quem os vê de fora pode pensar que estão possuídos. Eles preferem sublinhar o lado espiritual e terapêutico desta dança - chamam-lhe "krump" e nasceu nos bairros pobres dos Estados Unidos. De Los Angeles para Chelas, em Lisboa, já ajudou a tirar jovens do crime. Ligue o som bem alto e entre com o Expresso no bairro. E faça o teste: veja se consegue ficar quieto.


Comentários 4 Comentar
ordenar por:
mais votados
Desculpe, meretissima, mas está errada
Os tribunais deixaram de ser locais de justiça e de respeito!

Como se pode chamar local de justiça e respeito, quando um assassino é ilibado, não por se ter demonstrado que estava inocente, mas porque a prova do crime, (Registo de chamadas) deveria ter sido destruída e, por acaso a operadora do telemóvel não o tinha feito, pois ainda tinha espaço no disco.

Como se pode chamar local de justiça e respeito, quando colegas seus tremem de medo e aceitam todos os recursos estapafúrdios de Isaltino Morais, e condenam um sem abrigo que roubou um pacote de batatas fritas, ou um jovem que fez download pirata de 2 músicas.

Como se pode chamar local de justiça e respeito, quando ministério público investiga um crime, leva os suspeitos a tribunal e nas alegações finais, afirma "Meritíssima Juiz liberte estes homens pois estão inocentes". Ou seja, mais valia ter dito "já gozamos à brava com eles".

Como se pode chamar local de justiça e respeito, quando as mais altas instâncias tomam decisões arbitrárias, que anos mais tarde vão servir como uma luva para absolveram corruptos?

A Justiça Portuguesa está num poço, que foi cavado pelos advogados, juristas, procuradores e juízes. Que como não percebiam nada de engenharia, esqueceram-se de ter consigo uma simples escada. Agora estão todos no fundo do poço, sem hipótese de sair, e todos ralham uns com os outros.
O hábito não faz o monge!
E os Tribunais estão cheios de monges que não respeitam o hábito.
Comentários
Muito bons comentários, que certamente farão pensar a autora e seus colegas de profissão.
Atingida pelo descrédito generalizado, a justiça precisa de se regenerar a partir de dentro.Deixar as posições corporativas e de elite e preocupar-se com a função. Não ter problemas em denunciar leis inadequadas, apontando onde e porquê deixam as tais fugas, aproveitadas por advogados, algumas vezes de escritórios onde as leis foram elabolradas.

Denunciar essa fraude de cozinhar leis fora do único local onde devem nascer, a Assembleia da República

Terem uma atitude activa de crítica e aconselhamento, para isso têm uma associação-.

Não deve ser agradável, para juízes sérios, notar a pouca consideração popular pelo seu trabalho.....
Injustiça
Hoje a justiça é bode espiatorio de todos os males do país. Lamentavelmente. O poder político edificou um sistema judicial passível de ser manietado, dando cobertura a um permanente atropelo a direitos de cidadania individuais e um enorme laxismo face ao crime. Será que os seus profissionais só se manifestam em relação aos seus direitos? Ou Vestuário? Pugnar pela qualidade e estabilidade legislativa fica para quem? E se iniciássemos o processo pela ridícula Constituição? As Togas e as Becas até aplaudiriam!
Comentários 4 Comentar

Últimas


Edição Diária 17.Abr.2014

Leia no seu telemóvel, tablet e computador
PUBLICIDADE

Pub