Anterior
Paulo Portas: o novo líder do PSD?
Seguinte
Santana Lopes ou Fernando Seara: qual o candidato do PSD a Lisboa?
Página Inicial   >  Blogues  >  Politicoesfera  >   A serenata aos desempregados de Passos Coelho

A serenata aos desempregados de Passos Coelho

|

Queridos desempregados,

Bem sei que os vossos dias são difíceis. Têm de contar todos os cêntimos com grande e prudente parcimónia: as vossas despesas têm de ser controladas com um rigor extremo. Mas, meus caros, isso é a vida: cada um sabe de si e Deus sabe de todos. Eu não sou Deus: sou Pedro Passos Coelho, rei entre os liberais portugueses. Ainda conseguem comprar esta? Ai, ai, ai, meus compatriotas tão distraídos...ainda bem que assim são: é que tal distracção permitiu-me chegar à liderança do Governo! Vou confessar: o liberalismo entre nós é uma doutrina económica que consiste em enaltecer os vícios e o lado perverso do capitalismo; e, por outro lado, esquecer as suas virtualidades. A doutrina liberal postula que o Estado deve abster-se de intervir na vida económica e social: as forças da sociedade civil devem, pois, desempenhar um papel preponderante na organização societária. Julgam mesmo que iria dar mais liberdade às pessoas, às empresas e aos empresários? Seria uma irresponsabilidade! Pelo contrário, os cidadãos têm de ser cada vez mais onerados, apertados pelo fisco (a propósito, terei de ligar ao Vítor Gaspar para preparar a próxima subida dos impostos - já estamos há muitos dias sem subir a percentagem de um imposto ou de uma taxa); as empresas devem subordinar-se ao poder político, sendo dirigidas por uma elite de luxo, liderada pela minha referência máxima, o Dr. Ângelo Correia e os jornalistas alvo de um controlo intenso e discreto. Ai, o que eu me ri com a minha esposa quando criticava o pobre do José Sócrates por querer comprar a TVI com dinheiros públicos...eu faria exactamente o mesmo! Mas mais sofisticadamente: o meu amigo Miguel Relvas não brinca em serviço! Ainda ontem me contou que já ameaçou mais uns quantos jornalistas e já estão todos caladinhos! Senão, podem crer que o Miguel Relvas lá os mandava para o mesmo caminho que vocês, meus caros: para o desemprego! O Relvas é implacável - mas é isso que o torna tão especial para mim. Enquanto eu permito-me dar um sério e respeitável, sempre muito sério e acima de todos os interesses, o Relvas vai fazendo o trabalho que se impõe junto das redacções e das suas ligações aos espiões e a outras entidades que não releva aqui identificar. Enfim, meus caros desempregados, a mensagem que quero deixar é....Coragem, desempregados, coragem!

Olhem para mim: eu quando saí da JSD, passei por dificuldades. Contudo, graças aos meus contactos, lá consegui que o PSD me indicasse para deputado - e lá fui para o Parlamento. E, depois, o meu amigo Ângelo Correia lá me arranjou um cargo impecável na empresa dele. Estão a perceber onde quero chegar? Com a ajuda de um "amigo especial, vocês podem vencer as dificuldades da vida! Há outro caminho: estudarem, trabalharem afincadamente, terem muito mérito, aplicarem-se, esforçarem-se, dedicarem-se...mas o mais provável, no meu Portugal, é persistirem no desemprego caso sigam este caminho. Aliás, não vos posso dar grandes conselhos sobre como trabalhar com mérito e afinco, visto não ser grande especialista nessa matéria. Arranjem o vosso Ângelo Correia! Mas, acima de tudo, Coragem, coragem, desempregados! Não têm dinheiro para sustentar a vossa família, vêem diariamente os vossos planos e projectos de vida desmoronarem-se - mas nós não mudaremos de rumo pois a Senhora Merkel diz que é muito importante ter aquele "número mágico" de défice. E, garanto-vos, que enquanto eu for Primeiro-Ministro, a vossa situação não melhorará: os impostos irão aumentar; a vida ficará mais cara; as prestações sociais serão menores. Sei que faço muitas promessas que não cumpro - no entanto, podem ter a certeza que estas irei cumprir. Com muita dedicação e carinho por vós, desempregados. Coragem, vá, coragem! Pensem positivo: a razão de ser do vosso desemprego é o que me permite convidar e contratar os meus boys políticos, como o José Luís Arnaut! Imaginem que não estavam desempregados e eu não aplicasse as medidas de austeridade - o que seria do José Luís Arnaut? A ganhar milhões no escritório de advogados? Isso não é vida para ninguém! Precisa de um complemento com a bênção do Estado! Acham que eu iria desamparar o meu amigo Arnaut? Podem ficar descansados que eu não permito que tal aconteça. Mas, para tal, aguentem aí no desempregado e não desanimem: estão a pagar o ordenado do Zé Luís Arnaut, dos meninos do Relvas...Vá, CORAGEM, CORAGEM, desempregados! Até porque vocês são o único indicador que o meu Governo aumenta diariamente: o crescimento económico diminui; as receitas fiscais diminuem; os salários baixam...o desemprego aumenta! Vêem como nós trabalhamos para vocês? Para que não fiquem sozinhos no desemprego? Coragem, desempregado, coragem....

Desempregados, até podem aplicar a frase do político que mais me inspirou (embora nunca tenha lido nada sobre ele, mas ensinaram-me que é fashion citá-lo): "hoje, somos muitos; amanhã, seremos milhões". É isso, desempregados: hoje vocês são muitos; amanhã serão milhões. Ainda mais. Esta é a marca da minha governação.

Coragem, desempregados, coragem!

Nota: Esta carta é ficcional. Contudo, advertimos os nossos caríssimos leitores para o facto de ela conter mais verdades do que qualquer comunicação feita por Passos Coelho até hoje.

Email: politicoesfera@gmail.com


Opinião


Multimédia

O papa-medalhas que veio do espaço

O atleta português mais medalhado de sempre, Francisco Vicente, regressou dos campeonatos europeus de veteranos, na Turquia, com novas lembranças ao pescoço. Três de ouro e duas de prata para juntar à coleção. Tem 81 medalhas, uma por cada ano de vida.

Tudo o que precisa de saber sobre o ébola, em dois minutos

Porque é que este está a ser o pior surto da história? Como é que os primeiros sintomas se confundem com os de outras doenças? É possível viajar depois de ter contraído o vírus, sem transmitir a doença? E estamos ou não perto de ter uma vacina? O Expresso procurou as respostas a estas e outras dúvidas sobre o ébola.

United Colors of Gnocchi

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Vai pagar mais ou menos IRS? Veja as simulações

Reforma do imposto protege quem tem dependentes a cargo, mas pode penalizar os restantes contribuintes. Função pública e pensionistas vão ter mais dinheiro disponível. Veja simulações para vários casos.

A última viagem do navio indesejado

Construído nos Estaleiros de Viana e pensado para fazer a ligação entre ilhas nos Açores, o Atlântida foi recusado pelo Governo Regional por alegadamente não atingir a velocidade pretendida. Contando com os custos associados à dissolução do contrato, o prejuízo ascendeu a 70 milhões de euros. Foi agora comprado a "preço de saldo", para mudar de nome e ser reconvertido num cruzeiro na Amazónia. Fizemos a última viagem do Atlântida e vamos mostrar-lhe os segredos do navio.

Strogonoff de peixe espada preto

Faz agora cinco anos que o Chefe Tiger, especialista em pratos de confeção acessível e com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, começou esta aventura gastronómica. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Caril de banana

Faz agora cinco anos que o Chefe Tiger, especialista em pratos de confeção acessível e com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, começou esta aventura gastronómica. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Tem três minutinhos? Vamos explicar-lhe o que muda no orçamento de 350 mil portugueses (e no de muitas empresas)

O novo salário mínimo entrou em vigor. São mais €20 brutos para cerca de 350 mil portugueses (números do Ministério da Segurança Social, porque os sindicatos falam em 500 mil trabalhadores). Mudou o valor, mas também os descontos que as empresas fazem para a Segurança Social. Porque se trata de uma medida que afeta a vida de muitos portugueses, queremos explicar o que se perde e o que se ganha, o que se altera e o que se mantém.

Cantaril com risotto de espargos

Faz agora cinco anos que o Chefe Tiger, especialista em pratos de confeção acessível e com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, começou esta aventura gastronómica. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Music fighter: temos Marco Paulo e Bruno Nogueira numa batalha épica

Está preparado para um dos encontros mais improváveis na história da música portuguesa? O humorista Bruno Nogueira e a cantora Manuela Azevedo, dos Clã, pegaram em várias músicas consideradas "pimba" - daquelas que ninguém admite ouvir mas que, no fundo, todos vão dançar assim que começam a tocar - e deram-lhe novos arranjos, num projeto que chegou aos coliseus de Lisboa e do Porto.  "Ninguém, ninguém", de Marco Paulo, tem possivelmente a introdução mais acelerada e frenética do panorama musical português. Mas, no frente-a-frente, quem é o mais rápido? Vai um tira-teimas à antiga?

Dez verdades assustadoras sobre filmes de terror

Este vídeo é como o monstro de "Frankenstein": ganhou vida graças à colagem de partes de alguns dos filmes mais aterrorizantes de sempre. Com uma ratazana mutante e os organizadores do festival de cinema de terror MotelX pelo meio. O Expresso foi à procura das razões que explicam o fascínio pelo terror, com muito sangue (feito de corante alimentar) à mistura. 

A paixão do vinil

Se para muitos o vinil é apenas uma moda que faz parte da cultura do revivalismo vintage, para outros ver o disco girar nunca deixou de ser algo habitual.

Portugal foi herdado, comprado ou conquistado?

Era agosto em Lisboa e, às portas de Alcântara, milhares de homens lutavam por dois reis, participando numa batalha decisiva para os espanhóis e ainda hoje maldita. Aconteceu em agosto de 1580. Mais de 400 anos depois, o Expresso deu-lhe vida, fazendo uma reconstituição do confronto através do recorte e animação digital de uma gravura anónima da época.

O Maradona dos bancos centrais

Dizer que Mario Draghi está a ser uma espécie de Maradona dos bancos centrais pode parecer estranho. Mas não é exagerado. Os jornalistas João Silvestre e Jorge Nascimento Rodrigues explicaram porquê num conjunto de artigos publicado no Expresso em Novembro de 2013 e que venceu em junho deste ano o prémio de jornalismo económico do Santander e da Universidade Nova. O trabalho observa ainda o desempenho de Ben Bernanke no combate à crise, revisita a situação em Portugal e arrisca um ranking dos 25 principais governadores de bancos centrais. Republicamos os artigos num formato especial desenvolvido para a web.

Com Deus na alma e o diabo no corpo

Quem os vê de fora pode pensar que estão possuídos. Eles preferem sublinhar o lado espiritual e terapêutico desta dança - chamam-lhe "krump" e nasceu nos bairros pobres dos Estados Unidos. De Los Angeles para Chelas, em Lisboa, já ajudou a tirar jovens do crime. Ligue o som bem alto e entre com o Expresso no bairro. E faça o teste: veja se consegue ficar quieto.


Comentários 13 Comentar
ordenar por:
mais votados
Agora já não há remédio!
O cronista salienta que os portugueses andam distraídos desde que permitiram que P assos Coelho chegasse a primeiro-ministro. Porém, vendo bem as coisas, a distracção verificou-se muito antes precisamente quando o povo elegeu e deixou governar um outro primeiro-ministro, aquele que deixou o estado de tal forma endividado e sem capacidade de obter mais financiamento externo que se viu obrigado a pedir a demissão do seu cargo e a se sujeitar a assinar um acordo com a "troka" prevendo a implementação das medidas de austeridade que o liberal Passos Coelho está agora a executar. João Lemos Esteves chegou tarde demais para escrever o artigo! Agora já não há remédio!
Sócrates :800mil desempregados
Re: Agora já não há remédio!
Re: Agora já não há remédio!
Exercício nojento de demagogia
Simplesmente, um exercício nojento de demagogia.

Posso ver que o JLE, esse jovem militante partidário, está no bom caminho para se tornar em mais um Relvas, um Silva Pereira, um Bernardino, e outros do mesmo género.

Já aqui escreveu excelentes textos. Este é simplesmente sujo.

Cumprimentos,

António

oreivaivestido.blogspot.pt
Re: Exercício nojento de demagogia
Serenata em dó maior
A música do Passos é velha e relha, é pimba para enganar papalvos, é feita em dó maior para quem trabalha e trabalhou toda a vida.
MUITO BEM ESCRITO, E PARA MUITOS É MUITO BEM FEITO
É uma ironia, infelizmente tornada realidade. Antes não fosse.

E como o articulista diz e muito bem, é uma carta ficcional, mas infelizmente também, contém mais verdades do que as que Passos Coelho já disse até hoje.
E as alternativas?
Um bater fácil e demagógico no Passos Coelho, mas o mais difícil que é dar alternativas ... nada.
Re: E as alternativas?
Re: E as alternativas?
Passos Coelho... o 1º ministro virtual
O artigo de opinião além de engraçado tem uma certa parecença com a realidade.
È verdade!!
O que João Lemos Esteves escreve é inteiramente verdade, quer se goste que não se goste, pena tenho de João Lemos Esteves ter contribuído para a eleição de passos coelho tanto com o seu voto, como com as crónicas a favor de Passos Coelho em plena campanha eleitoral, em minha opinião, esta descontente com a actuação do executivo, deveria ter mais cuidado e efectuar um exercício de memoria do que tem sido este 38 anos pós 25 de Abril e quais foram os partidos que nos trouxeram a desgraça, compadrio, amiguismo, corrupção, roubo, esbulho etc…
Comentários 13 Comentar

Últimas


Edição Diária 17.Abr.2014

Leia no seu telemóvel, tablet e computador
PUBLICIDADE

Pub