Anterior
Paulo Portas: o novo líder do PSD?
Seguinte
Santana Lopes ou Fernando Seara: qual o candidato do PSD a Lisboa?
Página Inicial   >  Blogues  >  Politicoesfera  >  A serenata aos desempregados de Passos Coelho

A serenata aos desempregados de Passos Coelho

|

Queridos desempregados,

Bem sei que os vossos dias são difíceis. Têm de contar todos os cêntimos com grande e prudente parcimónia: as vossas despesas têm de ser controladas com um rigor extremo. Mas, meus caros, isso é a vida: cada um sabe de si e Deus sabe de todos. Eu não sou Deus: sou Pedro Passos Coelho, rei entre os liberais portugueses. Ainda conseguem comprar esta? Ai, ai, ai, meus compatriotas tão distraídos...ainda bem que assim são: é que tal distracção permitiu-me chegar à liderança do Governo! Vou confessar: o liberalismo entre nós é uma doutrina económica que consiste em enaltecer os vícios e o lado perverso do capitalismo; e, por outro lado, esquecer as suas virtualidades. A doutrina liberal postula que o Estado deve abster-se de intervir na vida económica e social: as forças da sociedade civil devem, pois, desempenhar um papel preponderante na organização societária. Julgam mesmo que iria dar mais liberdade às pessoas, às empresas e aos empresários? Seria uma irresponsabilidade! Pelo contrário, os cidadãos têm de ser cada vez mais onerados, apertados pelo fisco (a propósito, terei de ligar ao Vítor Gaspar para preparar a próxima subida dos impostos - já estamos há muitos dias sem subir a percentagem de um imposto ou de uma taxa); as empresas devem subordinar-se ao poder político, sendo dirigidas por uma elite de luxo, liderada pela minha referência máxima, o Dr. Ângelo Correia e os jornalistas alvo de um controlo intenso e discreto. Ai, o que eu me ri com a minha esposa quando criticava o pobre do José Sócrates por querer comprar a TVI com dinheiros públicos...eu faria exactamente o mesmo! Mas mais sofisticadamente: o meu amigo Miguel Relvas não brinca em serviço! Ainda ontem me contou que já ameaçou mais uns quantos jornalistas e já estão todos caladinhos! Senão, podem crer que o Miguel Relvas lá os mandava para o mesmo caminho que vocês, meus caros: para o desemprego! O Relvas é implacável - mas é isso que o torna tão especial para mim. Enquanto eu permito-me dar um sério e respeitável, sempre muito sério e acima de todos os interesses, o Relvas vai fazendo o trabalho que se impõe junto das redacções e das suas ligações aos espiões e a outras entidades que não releva aqui identificar. Enfim, meus caros desempregados, a mensagem que quero deixar é....Coragem, desempregados, coragem!

Olhem para mim: eu quando saí da JSD, passei por dificuldades. Contudo, graças aos meus contactos, lá consegui que o PSD me indicasse para deputado - e lá fui para o Parlamento. E, depois, o meu amigo Ângelo Correia lá me arranjou um cargo impecável na empresa dele. Estão a perceber onde quero chegar? Com a ajuda de um "amigo especial, vocês podem vencer as dificuldades da vida! Há outro caminho: estudarem, trabalharem afincadamente, terem muito mérito, aplicarem-se, esforçarem-se, dedicarem-se...mas o mais provável, no meu Portugal, é persistirem no desemprego caso sigam este caminho. Aliás, não vos posso dar grandes conselhos sobre como trabalhar com mérito e afinco, visto não ser grande especialista nessa matéria. Arranjem o vosso Ângelo Correia! Mas, acima de tudo, Coragem, coragem, desempregados! Não têm dinheiro para sustentar a vossa família, vêem diariamente os vossos planos e projectos de vida desmoronarem-se - mas nós não mudaremos de rumo pois a Senhora Merkel diz que é muito importante ter aquele "número mágico" de défice. E, garanto-vos, que enquanto eu for Primeiro-Ministro, a vossa situação não melhorará: os impostos irão aumentar; a vida ficará mais cara; as prestações sociais serão menores. Sei que faço muitas promessas que não cumpro - no entanto, podem ter a certeza que estas irei cumprir. Com muita dedicação e carinho por vós, desempregados. Coragem, vá, coragem! Pensem positivo: a razão de ser do vosso desemprego é o que me permite convidar e contratar os meus boys políticos, como o José Luís Arnaut! Imaginem que não estavam desempregados e eu não aplicasse as medidas de austeridade - o que seria do José Luís Arnaut? A ganhar milhões no escritório de advogados? Isso não é vida para ninguém! Precisa de um complemento com a bênção do Estado! Acham que eu iria desamparar o meu amigo Arnaut? Podem ficar descansados que eu não permito que tal aconteça. Mas, para tal, aguentem aí no desempregado e não desanimem: estão a pagar o ordenado do Zé Luís Arnaut, dos meninos do Relvas...Vá, CORAGEM, CORAGEM, desempregados! Até porque vocês são o único indicador que o meu Governo aumenta diariamente: o crescimento económico diminui; as receitas fiscais diminuem; os salários baixam...o desemprego aumenta! Vêem como nós trabalhamos para vocês? Para que não fiquem sozinhos no desemprego? Coragem, desempregado, coragem....

Desempregados, até podem aplicar a frase do político que mais me inspirou (embora nunca tenha lido nada sobre ele, mas ensinaram-me que é fashion citá-lo): "hoje, somos muitos; amanhã, seremos milhões". É isso, desempregados: hoje vocês são muitos; amanhã serão milhões. Ainda mais. Esta é a marca da minha governação.

Coragem, desempregados, coragem!

Nota: Esta carta é ficcional. Contudo, advertimos os nossos caríssimos leitores para o facto de ela conter mais verdades do que qualquer comunicação feita por Passos Coelho até hoje.

Email: politicoesfera@gmail.com


Opinião


Multimédia

Quase ninguém ficou em casa

Foi num 25 de Abril como o deste sábado, mas há 40 anos e numa liberdade então recentemente tomada: a 25 de Abril de 1975, Portugal testemunhou as primeiras eleições livres e universais após quase meio século de ditadura. Estas são as histórias, os retratos, os apelos e as memórias de um tempo que mudou o rosto do país.

Edwin. O rapaz que aprendeu a sonhar

O que Edwin sabia sobre a vida era sobreviver. Na cabeça dele não cabiam sonhos e os dias eram passados à procura de comida para ele e para a mãe e para o irmão. A fome espreitava nos cantos da barraca de palha no Quénia e ele escondia-se dela como podia - chupar as pedras era uma forma de a enganar. Mas a sorte dele mudou porque alguém viu nele outra coisa. E tudo começou numa dança. Agora, os mesmos dedos que agarravam as pedras tocam hoje teclas de um piano Bechstein. E os pés dele já não estão nus mas calçados. Com chuteiras. Primeiro no Benfica, agora no Estoril, o miúdo de 15 anos que fala como gente grande descobriu que tinha um sonho: ser futebolista. Como Drogba.

26 mil esferográficas, 14 mil urnas e 760 quilos de lacre. Os números de uma eleição histórica

Mais de mil caixas de lacre foram usadas pelas secções de voto que por todo o país, no dia 25 de abril de 1975, recolheram os boletins de milhões de eleitores. O Expresso percorreu os quatro mapas de despesas das eleições para a Assembleia Constituinte, elaborados pelo STAP, para saber quanto dinheiro esteve envolvido, onde e como foi gasto. Cada valor em escudos foi convertido para euros a preços correntes, tendo em conta a inflação. 

Todas as ilhas têm a sua nuvem

Raul Brandão chamou-lhe 'A Ilha Branca'. Como viajante digo que tem um verde diferente das outras oito que com ela formam o arquipélago dos Açores. É tenra, mansa, repousante e simultaneamente desafiante. Esconde segredos como a lenda da Maria Encantada e um vulcão florestado a meio do século passado que nos transporta para uma dimensão sulfurosa e mágica. Obrigatória para projetos de férias de natureza.

Em três quartos de hora não se esquece só a idade. "Esquece-se o mundo"

Maria do Céu dá três voltas ao lar sempre que pode. Edviges vai a todos os velórios, faz hidroginástica e sopas de letras. António dá um apoio na Igreja e nos escuteiros. Tudo é uma ajuda para passar os dias quando se tornam todos iguais. No Pinhal Interior Sul, a região mais envelhecida da União Europeia, quase um terço da população tem mais de 65 anos. Os mais velhos ficaram, os mais novos partiram.

Profissão: Sniper

O Expresso foi ver como são selecionados, que armas usam, para que missões estão preparados os snipers da Força de Operações Especiais do Exército. São uma elite dentro da elite. Um pelotão restrito. Anónimo. Treinam diariamente com um único objetivo: eliminar um alvo à primeira, mesmo que esteja a centenas de metros. Humano ou material. Sem dramas morais, dizem.

Xarém com conquilhas

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione com esta nova receita.

O que se passa dentro da cabeça dele

O que leva um tipo a quem iam amputando uma perna a regressar ao sítio onde os ossos se desfizeram, uma e outra vez, e testar os limites do seu corpo? Resposta: a busca pelo salto perfeito, que ele diz existir dentro dele e que ele encontrará mais dia menos dia. É a fé e a confiança que o movem e o levam a pular para lá do que é exigido a um campeão olímpico e mundial que não tem mais nada a provar a ninguém - a não ser a ele próprio. Este é um trabalho que publicámos em agosto de 2014, quando o saltador se preparava para os Europeus e falava das metas que tinha traçado para 2015 e 2016: mostrar que não estava acabado. Sete meses depois, provou-o no Europeu de pista coberta em Praga, onde venceu este fim de semana.

Amadeu, que aprendeu o mundo no campo e tinha o coração na ponta dos dedos

Em Portugal, a dedicação à língua mirandesa tem nome próprio: Amadeu Ferreira, o jurista da CMVM que - quando todos diziam que "era uma loucura impossível" - arranjou tempo para traduzir "Os Lusíadas", a "Mensagem", os quatro Evangelhos da Bíblia e ainda duas aventuras do Asterix para uma língua que pertence a um cantinho do nordeste português e é falada por menos de 15 mil pessoas. No final de 2014 deu ao Expresso aquela que viria a ser a sua última entrevista. Morreu no passado domingo e esta quinta-feira foi lançada a sua biografia, "O fio das lembranças", com quase 800 páginas.

Temos 16 imagens que não explicam o mundo, mas que ajudam a compreendê-lo

O júri do World Press Photo queria dar o prémio maior da edição deste ano (e talvez das edição todas) a uma fotografia com "potencial para se tornar icónica". A primeira imagem desta fotogaleria, por ser "esteticamente poderosa" e "revelar humanidade", é o que o júri procurava. A fotografia de um casal homossexual russo, a grande vencedora, é a primeira de 16 imagens de uma seleção onde há Messi desolado, migrantes em condições indignas no Mediterrâneo, a aflição do ébola, mistérios afins e etc - são os contrastes do mundo.

Vamos falar de sexo. Seis portugueses revelam tudo o que lhes dá prazer na cama

Neste primeiro episódio de uma série que vai durar sete semanas, seis entrevistados falam abertamente sobre aquilo que lhes dá mais satisfação na intimidade. Sexo em grupo, sexo na gravidez, prazer sem orgasmo e melhor sexo após a menopausa são alguns dos temas referidos nos testemunhos desta semana. O psiquiatra Francisco Allen Gomes explica ainda a razão de muitas mulheres fingirem o orgasmo. O Expresso e a SIC falaram com 33 portugueses que deram a cara e o testemunho de como são na cama. Ao longo das próximas sete semanas, contamos-lhe tudo.

Elvis. Gostamos ou não gostamos?

Ele não é consensual, mas é incontornável. Dispunha de penteado majestoso e patilha marota, aparentava olhar matador e pose atrevida. E deixou canções: umas fáceis e outras nem tanto, por vezes previsíveis e às vezes inesperadas, ora gentis ora aceleradas. E ele, Elvis, nasceu em janeiro de 1934 - há precisamente 40 anos, ao oitavo dia. Temos quatro textos sobre o artista: Nicolau Santos, Rui Gustavo, Nicolau Pais e João Cândido da Silva explicam o que apreciam, o que toleram e o que não suportam.

A última viagem do navio indesejado

Construído nos Estaleiros de Viana e pensado para fazer a ligação entre ilhas nos Açores, o Atlântida foi recusado pelo Governo Regional por alegadamente não atingir a velocidade pretendida. Contando com os custos associados à dissolução do contrato, o prejuízo ascendeu a 70 milhões de euros. Foi agora comprado a "preço de saldo", para mudar de nome e ser reconvertido num cruzeiro na Amazónia. Fizemos a última viagem do Atlântida e vamos mostrar-lhe os segredos do navio.

Desfile de vedetas

Saiba tudo sobre os modelos concorrentes ao Carro do Ano 2015/Troféu Essilor Volante de Cristal. Conheça o essencial sobre os 20 automóveis participantes nesta iniciativa, da estética, às características técnicas, do preço ao consumo. A apresentação ficará completa no dia 3 de janeiro.


Comentários 13 Comentar
ordenar por:
mais votados
Agora já não há remédio!
O cronista salienta que os portugueses andam distraídos desde que permitiram que P assos Coelho chegasse a primeiro-ministro. Porém, vendo bem as coisas, a distracção verificou-se muito antes precisamente quando o povo elegeu e deixou governar um outro primeiro-ministro, aquele que deixou o estado de tal forma endividado e sem capacidade de obter mais financiamento externo que se viu obrigado a pedir a demissão do seu cargo e a se sujeitar a assinar um acordo com a "troka" prevendo a implementação das medidas de austeridade que o liberal Passos Coelho está agora a executar. João Lemos Esteves chegou tarde demais para escrever o artigo! Agora já não há remédio!
Sócrates :800mil desempregados
Re: Agora já não há remédio!
Re: Agora já não há remédio!
Exercício nojento de demagogia
Simplesmente, um exercício nojento de demagogia.

Posso ver que o JLE, esse jovem militante partidário, está no bom caminho para se tornar em mais um Relvas, um Silva Pereira, um Bernardino, e outros do mesmo género.

Já aqui escreveu excelentes textos. Este é simplesmente sujo.

Cumprimentos,

António

oreivaivestido.blogspot.pt
Re: Exercício nojento de demagogia
Serenata em dó maior
A música do Passos é velha e relha, é pimba para enganar papalvos, é feita em dó maior para quem trabalha e trabalhou toda a vida.
MUITO BEM ESCRITO, E PARA MUITOS É MUITO BEM FEITO
É uma ironia, infelizmente tornada realidade. Antes não fosse.

E como o articulista diz e muito bem, é uma carta ficcional, mas infelizmente também, contém mais verdades do que as que Passos Coelho já disse até hoje.
E as alternativas?
Um bater fácil e demagógico no Passos Coelho, mas o mais difícil que é dar alternativas ... nada.
Re: E as alternativas?
Re: E as alternativas?
Passos Coelho... o 1º ministro virtual
O artigo de opinião além de engraçado tem uma certa parecença com a realidade.
È verdade!!
O que João Lemos Esteves escreve é inteiramente verdade, quer se goste que não se goste, pena tenho de João Lemos Esteves ter contribuído para a eleição de passos coelho tanto com o seu voto, como com as crónicas a favor de Passos Coelho em plena campanha eleitoral, em minha opinião, esta descontente com a actuação do executivo, deveria ter mais cuidado e efectuar um exercício de memoria do que tem sido este 38 anos pós 25 de Abril e quais foram os partidos que nos trouxeram a desgraça, compadrio, amiguismo, corrupção, roubo, esbulho etc…
Comentários 13 Comentar

Últimas

Receba a nova Newsletter
Ver Exemplo

Pub