Anterior
Paulo Portas: o novo líder do PSD?
Seguinte
Santana Lopes ou Fernando Seara: qual o candidato do PSD a Lisboa?
Página Inicial   >  Blogues  >  Politicoesfera  >   A serenata aos desempregados de Passos Coelho

A serenata aos desempregados de Passos Coelho

|

Queridos desempregados,

Bem sei que os vossos dias são difíceis. Têm de contar todos os cêntimos com grande e prudente parcimónia: as vossas despesas têm de ser controladas com um rigor extremo. Mas, meus caros, isso é a vida: cada um sabe de si e Deus sabe de todos. Eu não sou Deus: sou Pedro Passos Coelho, rei entre os liberais portugueses. Ainda conseguem comprar esta? Ai, ai, ai, meus compatriotas tão distraídos...ainda bem que assim são: é que tal distracção permitiu-me chegar à liderança do Governo! Vou confessar: o liberalismo entre nós é uma doutrina económica que consiste em enaltecer os vícios e o lado perverso do capitalismo; e, por outro lado, esquecer as suas virtualidades. A doutrina liberal postula que o Estado deve abster-se de intervir na vida económica e social: as forças da sociedade civil devem, pois, desempenhar um papel preponderante na organização societária. Julgam mesmo que iria dar mais liberdade às pessoas, às empresas e aos empresários? Seria uma irresponsabilidade! Pelo contrário, os cidadãos têm de ser cada vez mais onerados, apertados pelo fisco (a propósito, terei de ligar ao Vítor Gaspar para preparar a próxima subida dos impostos - já estamos há muitos dias sem subir a percentagem de um imposto ou de uma taxa); as empresas devem subordinar-se ao poder político, sendo dirigidas por uma elite de luxo, liderada pela minha referência máxima, o Dr. Ângelo Correia e os jornalistas alvo de um controlo intenso e discreto. Ai, o que eu me ri com a minha esposa quando criticava o pobre do José Sócrates por querer comprar a TVI com dinheiros públicos...eu faria exactamente o mesmo! Mas mais sofisticadamente: o meu amigo Miguel Relvas não brinca em serviço! Ainda ontem me contou que já ameaçou mais uns quantos jornalistas e já estão todos caladinhos! Senão, podem crer que o Miguel Relvas lá os mandava para o mesmo caminho que vocês, meus caros: para o desemprego! O Relvas é implacável - mas é isso que o torna tão especial para mim. Enquanto eu permito-me dar um sério e respeitável, sempre muito sério e acima de todos os interesses, o Relvas vai fazendo o trabalho que se impõe junto das redacções e das suas ligações aos espiões e a outras entidades que não releva aqui identificar. Enfim, meus caros desempregados, a mensagem que quero deixar é....Coragem, desempregados, coragem!

Olhem para mim: eu quando saí da JSD, passei por dificuldades. Contudo, graças aos meus contactos, lá consegui que o PSD me indicasse para deputado - e lá fui para o Parlamento. E, depois, o meu amigo Ângelo Correia lá me arranjou um cargo impecável na empresa dele. Estão a perceber onde quero chegar? Com a ajuda de um "amigo especial, vocês podem vencer as dificuldades da vida! Há outro caminho: estudarem, trabalharem afincadamente, terem muito mérito, aplicarem-se, esforçarem-se, dedicarem-se...mas o mais provável, no meu Portugal, é persistirem no desemprego caso sigam este caminho. Aliás, não vos posso dar grandes conselhos sobre como trabalhar com mérito e afinco, visto não ser grande especialista nessa matéria. Arranjem o vosso Ângelo Correia! Mas, acima de tudo, Coragem, coragem, desempregados! Não têm dinheiro para sustentar a vossa família, vêem diariamente os vossos planos e projectos de vida desmoronarem-se - mas nós não mudaremos de rumo pois a Senhora Merkel diz que é muito importante ter aquele "número mágico" de défice. E, garanto-vos, que enquanto eu for Primeiro-Ministro, a vossa situação não melhorará: os impostos irão aumentar; a vida ficará mais cara; as prestações sociais serão menores. Sei que faço muitas promessas que não cumpro - no entanto, podem ter a certeza que estas irei cumprir. Com muita dedicação e carinho por vós, desempregados. Coragem, vá, coragem! Pensem positivo: a razão de ser do vosso desemprego é o que me permite convidar e contratar os meus boys políticos, como o José Luís Arnaut! Imaginem que não estavam desempregados e eu não aplicasse as medidas de austeridade - o que seria do José Luís Arnaut? A ganhar milhões no escritório de advogados? Isso não é vida para ninguém! Precisa de um complemento com a bênção do Estado! Acham que eu iria desamparar o meu amigo Arnaut? Podem ficar descansados que eu não permito que tal aconteça. Mas, para tal, aguentem aí no desempregado e não desanimem: estão a pagar o ordenado do Zé Luís Arnaut, dos meninos do Relvas...Vá, CORAGEM, CORAGEM, desempregados! Até porque vocês são o único indicador que o meu Governo aumenta diariamente: o crescimento económico diminui; as receitas fiscais diminuem; os salários baixam...o desemprego aumenta! Vêem como nós trabalhamos para vocês? Para que não fiquem sozinhos no desemprego? Coragem, desempregado, coragem....

Desempregados, até podem aplicar a frase do político que mais me inspirou (embora nunca tenha lido nada sobre ele, mas ensinaram-me que é fashion citá-lo): "hoje, somos muitos; amanhã, seremos milhões". É isso, desempregados: hoje vocês são muitos; amanhã serão milhões. Ainda mais. Esta é a marca da minha governação.

Coragem, desempregados, coragem!

Nota: Esta carta é ficcional. Contudo, advertimos os nossos caríssimos leitores para o facto de ela conter mais verdades do que qualquer comunicação feita por Passos Coelho até hoje.

Email: politicoesfera@gmail.com


Opinião


Multimédia

Portugal foi herdado, comprado ou conquistado?

Era agosto em Lisboa e, às portas de Alcântara, milhares de homens lutavam por dois reis, participando numa batalha decisiva para os espanhóis e ainda hoje maldita. Aconteceu em agosto de 1580. Mais de 400 anos depois, o Expresso deu-lhe vida, fazendo uma reconstituição do confronto através do recorte e animação digital de uma gravura anónima da época.

A paixão do vinil

Se para muitos o vinil é apenas uma moda que faz parte da cultura do revivalismo vintage, para outros ver o disco girar nunca deixou de ser algo habitual.

Com Deus na alma e o diabo no corpo

Quem os vê de fora pode pensar que estão possuídos. Eles preferem sublinhar o lado espiritual e terapêutico desta dança - chamam-lhe "krump" e nasceu nos bairros pobres dos Estados Unidos. De Los Angeles para Chelas, em Lisboa, já ajudou a tirar jovens do crime. Ligue o som bem alto e entre com o Expresso no bairro. E faça o teste: veja se consegue ficar quieto.

O Cabo da Roca depois da tragédia que matou casal polaco

Os turistas portugueses e estrangeiros que visitam o Cabo da Roca, em Sintra, continuam a desafiar a vida nas falésias, mesmo depois da tragédia que resultou na morte de um casal polaco, cujos filhos menores estavam também no local. Durante a visita do Expresso, um segurança tentou alertar os turistas para o perigo e refere a morte do casal polaco. O apelo não teve grande efeito. Veja as imagens.

Ó Capitão! meu Capitão! ergue-te e ouve os sinos

Ele foi a nossa ama... desajeitada. Ele foi o professor que nos inspirou no liceu. Ele trouxe alegria, mesmo nas alturas mais difíceis. Ele indicou-nos o caminho na faculdade. Ele ensinou-nos a manter a postura, mas também a quebrar preconceitos. Ele ensinou-nos que a vida é para ser aproveitada a cada instante. Ó capitão, meu capitão, crescemos contigo e vamos ter de envelhecer sem ti. 

Crumble. A sobremesa mais fácil do mundo

Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida, especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Voámos num F-16

Um piloto da Força Aérea voou com uma câmara GoPro do Expresso e temos imagens inéditas e exclusivas para lhe mostrar num trabalho multimédia.

Salada de salmão com sorvete de manga

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Por faróis nunca dantes navegados

São a salvaguarda dos navegantes, a luz que tranquiliza o mar. Há 48 faróis em Portugal continental e nas ilhas. Este é um acontecimento único: todos os faróis e 1830 km de costa disponíveis num mesmo trabalho. Para entendê-los e vê-los, basta navegar neste artigo.

Parecem casulos onde gente hiberna à espera de ver terra

No Porto de Manaus não há barcos, mas autocarros bíblicos que caminham sobre água. Têm vários andares e estão cheios de camas de rede que parecem casulos onde homens, mulheres e crianças aguardam o destino. E há gente a vender o que houver e tiver de ser junto ao Porto. "Como há Copa, tem por aí muito gringo que vem ter com 'nóis'. E então fica mais fácil vender"

O adeus de Lobo Antunes às aulas de medicina

O neurocirurgião deu terça-feira a sua "Última Lição" no auditório do Instituto de Medicina Molecular da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa, na véspera de deixar o seu trabalho no serviço nacional de saúde.

Jaguar volta a fabricar desportivo dos anos 60

Até ao verão será fabricado um número limitado de desportivos Jaguar E-Type Lightweight, seguindo todas as especificações originais, incluindo a continuação do número de série das unidades produzidas em 1963.

"Naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas"

Mais do que uma manifestação, o 'primeiro' 1º de Maio é recordado como a grande festa da Revolução dos Cravos, quando o povo saiu às ruas em massa e a união das esquerdas era um sonho possível. "O 1º de Maio seria mais uma primeira coisa, porque naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas." Foi há 40 anos.

Este trabalho não foi visado por qualquer comissão de censura

Aquilo que hoje é uma expressão anacrónica estava em relevo na primeira página do "República", a 25 de Abril de 1974: "Este jornal não foi visado por qualquer comissão de censura". Quarenta anos depois da Revolução, veja os jornais, ouça os sons e compreenda como decorreu o "dia inicial inteiro e limpo", como lhe chamou Sophia. O Expresso falou ainda com cinco gerações de 40 anos e percorreu a "geografia" das Ruas 25 de Abril de todo o país, falando com quem lá mora. Veja a reportagem multimédia.


Comentários 13 Comentar
ordenar por:
mais votados
Agora já não há remédio!
O cronista salienta que os portugueses andam distraídos desde que permitiram que P assos Coelho chegasse a primeiro-ministro. Porém, vendo bem as coisas, a distracção verificou-se muito antes precisamente quando o povo elegeu e deixou governar um outro primeiro-ministro, aquele que deixou o estado de tal forma endividado e sem capacidade de obter mais financiamento externo que se viu obrigado a pedir a demissão do seu cargo e a se sujeitar a assinar um acordo com a "troka" prevendo a implementação das medidas de austeridade que o liberal Passos Coelho está agora a executar. João Lemos Esteves chegou tarde demais para escrever o artigo! Agora já não há remédio!
Sócrates :800mil desempregados
Re: Agora já não há remédio!
Re: Agora já não há remédio!
Exercício nojento de demagogia
Simplesmente, um exercício nojento de demagogia.

Posso ver que o JLE, esse jovem militante partidário, está no bom caminho para se tornar em mais um Relvas, um Silva Pereira, um Bernardino, e outros do mesmo género.

Já aqui escreveu excelentes textos. Este é simplesmente sujo.

Cumprimentos,

António

oreivaivestido.blogspot.pt
Re: Exercício nojento de demagogia
Serenata em dó maior
A música do Passos é velha e relha, é pimba para enganar papalvos, é feita em dó maior para quem trabalha e trabalhou toda a vida.
MUITO BEM ESCRITO, E PARA MUITOS É MUITO BEM FEITO
É uma ironia, infelizmente tornada realidade. Antes não fosse.

E como o articulista diz e muito bem, é uma carta ficcional, mas infelizmente também, contém mais verdades do que as que Passos Coelho já disse até hoje.
E as alternativas?
Um bater fácil e demagógico no Passos Coelho, mas o mais difícil que é dar alternativas ... nada.
Re: E as alternativas?
Re: E as alternativas?
Passos Coelho... o 1º ministro virtual
O artigo de opinião além de engraçado tem uma certa parecença com a realidade.
È verdade!!
O que João Lemos Esteves escreve é inteiramente verdade, quer se goste que não se goste, pena tenho de João Lemos Esteves ter contribuído para a eleição de passos coelho tanto com o seu voto, como com as crónicas a favor de Passos Coelho em plena campanha eleitoral, em minha opinião, esta descontente com a actuação do executivo, deveria ter mais cuidado e efectuar um exercício de memoria do que tem sido este 38 anos pós 25 de Abril e quais foram os partidos que nos trouxeram a desgraça, compadrio, amiguismo, corrupção, roubo, esbulho etc…
Comentários 13 Comentar

Últimas

Ver mais

Edição Diária 17.Abr.2014

Leia no seu telemóvel, tablet e computador
PUBLICIDADE

Pub