20 de abril de 2014 às 1:37
Página Inicial  ⁄  Blogues  ⁄  A Tempo e a Desmodo  ⁄  A saga do reembolso do meu IRS

A saga do reembolso do meu IRS

Henrique Raposo (www.expresso.pt)

O reembolso andava demorado, mas não liguei. As notícias sobre os atrasos eram constantes. Porém, o dito começou a ficar atrasado ao estilo do coelhinho de Lewis Carroll. Era já um atraso patológico. Comecei a imaginar o meu dinheirinho a ser consumido pelos ratinhos da troika, em nome da pátria, claro; imaginei até um vampiresco Vítor Gaspar a palitar o meu reembolso na sua dentuça de contabilista do demo. Entre estas e outras dores da imaginação, via e revia o saldo da conta, e nada. Comecei a pensar que o reembolso estava mesmo perdido algures neste estado de emergência troikista. Mas, felizmente, a minha imaginação estava errada.

No final do ano passado, fechei a conta no banco x. Ora, como sou um cabeça-no-ar de nível 5, não coloquei a nova conta do banco y na declaração do IRS. Resultado? As finanças enviaram o dinheiro para a conta antiga, que, atenção, devia estar fechada. O senhor das finanças foi claro: "caro amigo, a transferência está concretizada, tem de falar com o banco". Mas como é que uma conta inexistente pode receber dinheiro? Eu retirei de lá todos os cêntimos, assinei papelada e destruí os cartões à frente dos gestores do banco x. "Pois, não sei, amigo, tem de falar com o banco". Com o meu dinheiro entre as finanças e uma conta sonâmbula, entrei no banco antigo. "Que estranho", comentou o senhor do balcão. A conta estava mesmo aberta e o reembolso estava lá, qual rafeiro abandonado. Como se tudo isto não fosse suficiente, ainda tive de pagar uma comissão bancária para consumar a transferência final para o banco y. Financiar a incompetência alheia é, digamos, um ato de caridade que o meu pobre coração católico não consegue recusar

A burocracia portuguesa cria histórias inconcebíveis, mistérios do Entroncamento com alíneas e cláusulas. E, neste caso, a má-da-fita do costume, a burocracia estatal, nem sequer fica mal na fotografia. Esta e outras histórias familiares dizem-me que as burocracias bancárias também têm o seu quê de nonsense. O que faz sentido, diga-se. Esta é a malta que viciou a sociedade em crédito, esta é tribo que se fartou de dar empréstimos a pessoas sem estabilidade financeira. E este é que é o verdadeiro nonsense, um nonsense que o país vai pagar durante muitos e muitos anos, durante muitos e muitos reembolsos.

Comentários 48 Comentar
ordenar por:
mais votados ▼
"Financiar a incompetência alheia"
HR põe o NIB de uma conta supostamente inexistente na sua declaração de IRS e ainda tem a lata de falar em

                "Financiar a incompetência alheia"?

Se eu fosse o Gaspar, teria ficado com o dinheiro do reembolso aparentemente indesejado.
O incompetente HR a queixar-se da incompetência... Ver comentário
Aterrar a cabeça Ver comentário
Re: Aterrar a cabeça Ver comentário
Relvado Ver comentário
Re: Relvado Ver comentário
Vícios Ver comentário
Re: Aterrar a cabeça Ver comentário
A fuga do raposo Ver comentário
Distrações Ver comentário
Suíca Ver comentário
Re: Ver comentário
Subsídio Ver comentário
Incompetência alheia sobre culpa própria.
Lembra-se, Sr. Henrique Raposo, de que quando preencheu a sua declaração de IRS pela internet estar pré preenchido o NIB da sua conta bancária, com os dados da declaração por si apresentada no ano anterior? Lembra-se de ter assinalado que confirmava aquele número? Lembre-se ou não, foi isso que aconteceu e por isso é por culpa própria que veio a tal incompetência alheia de que se queixa. Siga o conselho de Passos Coelho e não seja piegas.
A culpa é de quem não sabe ler Ver comentário
Re: A culpa é de quem não sabe ler Ver comentário
Re: A culpa é de quem não sabe ler Ver comentário
Re: A culpa é de quem não sabe ler Ver comentário
Re: A culpa é de quem não sabe ler Ver comentário
Re: A culpa é de quem não sabe ler Ver comentário
Re: A culpa é de quem não sabe ler Ver comentário
Re: A culpa é de quem não sabe ler Ver comentário
Re: A culpa é de quem não sabe ler Ver comentário
Re: A culpa é de quem não sabe ler Ver comentário
Re: Incompetência alheia sobre culpa própria. Ver comentário
Ai que dores
Gaspar afinal em vez de vampiresco é bonzinho, quiçá um dos anões da Branca de Neve. Maus maus são os tipos dos bancos. Maus e incompetentes. Então não tinham eles obrigação de o ir avisar a casa que tinha posto o NIB errado na declaração de IRS ? Oh, meu Deus, a desfaçatez desta gente... como se não bastasse já terem provocado o descalabro do País ao viciarem a malta em crédito. Esse grande flagelo, que até faz com que a malta se esqueça das negociatas das PPPs, autarcas corruptos, submarinos, bancos dos amigos onde se ganham acções a 1 euro e se vendem a 2, ilhas paradisíacas onde não se pagam impostos, licenciaturas à la minute, como as máquinas de fotografias rápidas do metro, etc.
Sim senhor, os bancos são o verdadeiro problema do século XXI
'A saga do reembolso do meu IRS
Interessante mas talvez não tão surpreendente como possa parecer. A partir do momento em que os bancos passaram a viver parcialmente das multas e taxas sobre pequenos serviços ou faltas,a desconfiança deve ser a regra. Admira-me que não lhe tenham cobrado a taxa de manutenção dessa conta, Henrique.
a-saga-do-reembolso-do-meu-irs
Ora, como sou um cabeça-no-ar de nível 5, não coloquei a nova conta do banco y na declaração do IRS. Resultado? As finanças enviaram o dinheiro para a conta antiga, que, atenção, devia estar fechada. O senhor das finanças foi claro: "caro amigo, a transferência está concretizada, tem de falar com o banco".

Não sou eu que digo, mas sim o Henrique raposo. A culpa afinal é de quem fez o erro inicial, pois se tudo fosse feito correctamente e como devia ser nada acontecia. Depois a culpa é dos outros e nunca é nossa. É assim a nível individual, colectivo e governamental. Sócrates culpava Santana, Passos Culpa Sócrates e o que vier a seguir vai culpar Passos e sucessivamente, mas a culpa pode ser de toa a gente, mas nunca será nossa.

viriatoapedrada.blogspot.pt/2012/05/diga-socrates-e-tudo-se-resolvera.html

viriatoapedrada.blogspot.pt/2012/07/passos-portugal-no-bom-caminho.html

viriatoapedrada.blogspot.pt/2012/07/d-januario-este-governo-e-corrupto.html

viriatoapedrada.blogspot.pt/2012/07/relvas-politica-maconaria-e-ensino.html
HR
Isto não é nenhuma anomalia, são feitios já preparados por esta mamocracia e que devemos estar orgulhosos da rosa negra que nos conduziu para esta situação.
E que agora ressabiado pela perda de parte do tacho ainda continua a mandar aquelas bacoradas de mamocrata.
Portugal um país de cranêos do tipo Madoff.
para além de burro é camelo
sem comentários a acrescentar à já estupida intervenção de um idiota!
Atirar a culpa para os outros!
"Financiar a incompetência alheia é, digamos, um ato de caridade que o meu pobre coração católico não consegue recusar"

Tu apenas pagaste por um erro que tu fizeste!

Tu é que te esqueceste de alterar o NIB na tua declaração de impostos.

Ou querias que o computador das finanças ao analisar os milhões de Portugueses fizesse uma chamada automática (Com a voz da Ana Zanatti) a solicitar que sua excelência confirmasse que o NIB que colocou na declaração era o correcto! - Se assim fosse o reembolso não nos chegava, ficava todo para a PT.

Da mesma maneira tudo o que está na declaração é da responsabilidade do contribuínte.

Se tu te esqueceres de mencionar os milhares de euros que recebeste do Expresso, na tua declaração, o fisco vai descobrir, porque o Expresso não se esqueceu do os declarar. E depois o Fisco vai atrás de ti. E nesse caso também achas que a incompetência é dos outros?
Re: A saga do reembolso do meu IRS

Quando li a sua crónica fui verificar a minha declaração, não fosse o Demo ter-se apropriado do teclado para lá colocar o seu próprio NIB, porque os tempos estão maus, até o Inferno precisa de financiamento, e como sabemos o Diabo não costuma ter escrúpulos nas suas artimanhas.

Mas afinel não era isso.
Parece que a saga do reembolso do meu IRS começa mesmo no Ministério das Finanças.

Reembolsar este individuo para ele só dizer
e escrever asneiras e frases pidescas.
Dinheiro mal gasto, muito mal gasto.
Mais um beneficiário do rendimento minimo garantido , a que tanto se opõe.
As finças aqui não têm culpa alguma!
O problema mesmo (para além do esquecimento de HR mudar o NIB...), e que considero grave, foi o Banco ter aceite a transferência para uma conta que já tinha sido cancelada, com a agravante de nem sequer ter avisado o antigo cliente (HR).

Isto é equivalente a alguem que eu designei para receber dinheiro em meu nome (p.e. pagamento de uma renda...), a quem posteriormente retirei essa "procuração", continunar a receber o dinheiro em meu nome e sem me avisar, porque eu me esqueci de dizer ao pagador que tinha mudado de procurador.

A meu ver isto era matéria de gravidade suficiente para queixa junto do Banco de Portugal. Mas nós tugas temos a mania de não nos queixarmos do que funciona mal! E, por isso, se as coisa estão mal, mal continuam. A bem do nacional porreirismo ..
"e o burro sou eu?"
Palavras para quê?
Sagas
Raposo és o maior, alguém das finanças explicou-me um dia que caso a conta esteja fechada a transferência do reembolso não é efectuada e segue por cartinha, a ser confirmado seria informação mais útil que o artigo. E a burocracia estatal não acertou no teu reembolso mas anda aí, que o meu NIB está correcto desde há anos, e copy paste LIQUIDADA-VEJA MOV. FINANCEIROS 1. D.PRAZO 2012-05-08! Fui sorteado para comprovar despesas o que aconteceu ainda em Maio e azar para o Gaspar estava tudo correcto, portanto lá vou continuar a aguardar sem fim à vista, azar o meu...
mais um artigo idiota...
... do perfeito idiota.
Só mesmo o HR
Pôs o NIB duma conta fechada na declaração de IRS.

O banco, havendo dinheiro a entrar na conta activou-a para benefício do HR, que se a transferência fosse devolvida ia esperar anos pelo dinheiro.

O HR que foi quem fez a asneira quixa-se do fisco que não teve culpa nenhuma e do banco que lhe fez o favor de lhe guardar o dinheiro.

É preciso não se enxergar.
Re: Só mesmo o HR Ver comentário
PUBLICIDADE
Expresso nas Redes
Pub