48
Anterior
Cartinha de Natal para Passos e Gaspar
Seguinte
"O Senhor dos Anéis" encontra "O Sexo e a Cidade"
Página Inicial   >  Blogues  >  A Tempo e a Desmodo  >   A saga do reembolso do meu IRS

A saga do reembolso do meu IRS

|

O reembolso andava demorado, mas não liguei. As notícias sobre os atrasos eram constantes. Porém, o dito começou a ficar atrasado ao estilo do coelhinho de Lewis Carroll. Era já um atraso patológico. Comecei a imaginar o meu dinheirinho a ser consumido pelos ratinhos da troika, em nome da pátria, claro; imaginei até um vampiresco Vítor Gaspar a palitar o meu reembolso na sua dentuça de contabilista do demo. Entre estas e outras dores da imaginação, via e revia o saldo da conta, e nada. Comecei a pensar que o reembolso estava mesmo perdido algures neste estado de emergência troikista. Mas, felizmente, a minha imaginação estava errada.

No final do ano passado, fechei a conta no banco x. Ora, como sou um cabeça-no-ar de nível 5, não coloquei a nova conta do banco y na declaração do IRS. Resultado? As finanças enviaram o dinheiro para a conta antiga, que, atenção, devia estar fechada. O senhor das finanças foi claro: "caro amigo, a transferência está concretizada, tem de falar com o banco". Mas como é que uma conta inexistente pode receber dinheiro? Eu retirei de lá todos os cêntimos, assinei papelada e destruí os cartões à frente dos gestores do banco x. "Pois, não sei, amigo, tem de falar com o banco". Com o meu dinheiro entre as finanças e uma conta sonâmbula, entrei no banco antigo. "Que estranho", comentou o senhor do balcão. A conta estava mesmo aberta e o reembolso estava lá, qual rafeiro abandonado. Como se tudo isto não fosse suficiente, ainda tive de pagar uma comissão bancária para consumar a transferência final para o banco y. Financiar a incompetência alheia é, digamos, um ato de caridade que o meu pobre coração católico não consegue recusar

A burocracia portuguesa cria histórias inconcebíveis, mistérios do Entroncamento com alíneas e cláusulas. E, neste caso, a má-da-fita do costume, a burocracia estatal, nem sequer fica mal na fotografia. Esta e outras histórias familiares dizem-me que as burocracias bancárias também têm o seu quê de nonsense. O que faz sentido, diga-se. Esta é a malta que viciou a sociedade em crédito, esta é tribo que se fartou de dar empréstimos a pessoas sem estabilidade financeira. E este é que é o verdadeiro nonsense, um nonsense que o país vai pagar durante muitos e muitos anos, durante muitos e muitos reembolsos.


Opinião


Multimédia

Os assassínios, as execuções, as decapitações são as imagens mais chocantes de uma propaganda cada vez mais sofisticada. É a Jihad, que recruta guerrilheiros no ocidente para matar e morrer na Síria. O Expresso seguiu as pisadas de cinco jiadistas portugueses, mostrando quem são e como foram convertidos e radicalizados. E como lutam, como foram morrer - e como já haverá arrependidos com medo de fugir. Reportagem em Londres, no café onde viam jogos de futebol, na universidade onde estudavam e na mesquita onde rezavam. Autoridades e especialistas em terrorismo estão alerta sobre este pequeno mas perigoso grupo, onde corre sangue português - e de onde escorre sangue por Alá.

Desacelerámos a realidade para observar a euforia da liberdade

Ela, Jacarandá, é algarvia. Ele, Katmandu, é espanhol. São linces e agora experimentam a responsabilidade da liberdade: foram soltos esta terça-feira numa herdade alentejana, próxima de Mértola, eles que saíram de centros de reprodução em cativeiro. Foi inédito: nunca tinha acontecido algo assim em Portugal. Estivemos lá e ensaiámos o slow motion.

Geração Z

Mais rápidos, mais capazes, mais solitários, os Z vivem agarrados aos ecrãs, pensam com a ajuda da internet e estão permanentemente preocupados com a bateria do telemóvel. Que geração é esta que nasceu com a viragem do século?

Desaparecidos para sempre no Mar do Norte

O dia 15 de novembro já foi feriado, há 90 anos. A razão foi o desaparecimento de Sacadura Cabral algures no Mar do Norte. Depois de fazer mais de oito mil quilómetros de Lisboa ao Rio de Janeiro, o aviador pioneiro não conseguiu completar o voo entre a cidade holandesa de Amesterdão e a capital portuguesa. Ainda hoje, não se sabe o que aconteceu ao companheiro de Gago Coutinho e tio-avô de Paulo Portas, a quem o Expresso pediu um sms.

Os muros do mundo

Novembro relembrou-nos os muros que caem, mas também os que permanecem e os que se expandem. Berlim aproximou-se de si própria há 25 anos, mas há muros que continuam a desaproximar. Esta é a história de sete deles - diferentes, imprevisíveis, estranhos.

Tudo o que precisa de saber sobre o ébola. Em dois minutos

Porque é que este está a ser o pior surto da história? Como é que os primeiros sintomas se confundem com os de outras doenças? É possível viajar depois de ter contraído o vírus, sem transmitir a doença? E estamos ou não perto de ter uma vacina? O Expresso procurou as respostas a estas e outras dúvidas sobre o ébola.

A última viagem do navio indesejado

Construído nos Estaleiros de Viana e pensado para fazer a ligação entre ilhas nos Açores, o Atlântida foi recusado pelo Governo Regional por alegadamente não atingir a velocidade pretendida. Contando com os custos associados à dissolução do contrato, o prejuízo ascendeu a 70 milhões de euros. Foi agora comprado a "preço de saldo", para mudar de nome e ser reconvertido num cruzeiro na Amazónia. Fizemos a última viagem do Atlântida e vamos mostrar-lhe os segredos do navio.

O papa-medalhas que veio do espaço

O atleta português mais medalhado de sempre, Francisco Vicente, regressou dos campeonatos europeus de veteranos, na Turquia, com novas lembranças ao pescoço. Três de ouro e duas de prata para juntar à coleção. Tem 81 medalhas, uma por cada ano de vida.

Terror religioso está a aumentar

Relatório sobre a Liberdade Religiosa é divulgado esta terça-feira em todo o mundo. Dos 196 países analisados, só em 80 não há indícios de perseguições motivadas pela fé.

Vai pagar mais ou menos IRS? Veja as simulações

Reforma do imposto protege quem tem dependentes a cargo, mas pode penalizar os restantes contribuintes. Função pública e pensionistas vão ter mais dinheiro disponível. Veja simulações para vários casos.

Tem três minutinhos? Vamos explicar-lhe o que muda no orçamento de 350 mil portugueses (e no de muitas empresas)

O novo salário mínimo entrou em vigor. São mais €20 brutos para cerca de 350 mil portugueses (números do Ministério da Segurança Social, porque os sindicatos falam em 500 mil trabalhadores). Mudou o valor, mas também os descontos que as empresas fazem para a Segurança Social. Porque se trata de uma medida que afeta a vida de muitos portugueses, queremos explicar o que se perde e o que se ganha, o que se altera e o que se mantém.

Music fighter: temos Marco Paulo e Bruno Nogueira numa batalha épica

Está preparado para um dos encontros mais improváveis na história da música portuguesa? O humorista Bruno Nogueira e a cantora Manuela Azevedo, dos Clã, pegaram em várias músicas consideradas "pimba" - daquelas que ninguém admite ouvir mas que, no fundo, todos vão dançar assim que começam a tocar - e deram-lhe novos arranjos, num projeto que chegou aos coliseus de Lisboa e do Porto.  "Ninguém, ninguém", de Marco Paulo, tem possivelmente a introdução mais acelerada e frenética do panorama musical português. Mas, no frente-a-frente, quem é o mais rápido? Vai um tira-teimas à antiga?

Dez verdades assustadoras sobre filmes de terror

Este vídeo é como o monstro de "Frankenstein": ganhou vida graças à colagem de partes de alguns dos filmes mais aterrorizantes de sempre. Com uma ratazana mutante e os organizadores do festival de cinema de terror MotelX pelo meio. O Expresso foi à procura das razões que explicam o fascínio pelo terror, com muito sangue (feito de corante alimentar) à mistura. 

A paixão do vinil

Se para muitos o vinil é apenas uma moda que faz parte da cultura do revivalismo vintage, para outros ver o disco girar nunca deixou de ser algo habitual.

Portugal foi herdado, comprado ou conquistado?

Era agosto em Lisboa e, às portas de Alcântara, milhares de homens lutavam por dois reis, participando numa batalha decisiva para os espanhóis e ainda hoje maldita. Aconteceu em agosto de 1580. Mais de 400 anos depois, o Expresso deu-lhe vida, fazendo uma reconstituição do confronto através do recorte e animação digital de uma gravura anónima da época.

O Maradona dos bancos centrais

Dizer que Mario Draghi está a ser uma espécie de Maradona dos bancos centrais pode parecer estranho. Mas não é exagerado. Os jornalistas João Silvestre e Jorge Nascimento Rodrigues explicaram porquê num conjunto de artigos publicado no Expresso em Novembro de 2013 e que venceu em junho deste ano o prémio de jornalismo económico do Santander e da Universidade Nova. O trabalho observa ainda o desempenho de Ben Bernanke no combate à crise, revisita a situação em Portugal e arrisca um ranking dos 25 principais governadores de bancos centrais. Republicamos os artigos num formato especial desenvolvido para a web.


Comentários 48 Comentar
ordenar por:
mais votados
"Financiar a incompetência alheia"
HR põe o NIB de uma conta supostamente inexistente na sua declaração de IRS e ainda tem a lata de falar em

                "Financiar a incompetência alheia"?

Se eu fosse o Gaspar, teria ficado com o dinheiro do reembolso aparentemente indesejado.
O incompetente HR a queixar-se da incompetência...
Aterrar a cabeça
Re: Aterrar a cabeça
Relvado
Re: Relvado
Vícios
Re: Aterrar a cabeça
A fuga do raposo
Distrações
Suíca
Re:
Subsídio
Incompetência alheia sobre culpa própria.
Lembra-se, Sr. Henrique Raposo, de que quando preencheu a sua declaração de IRS pela internet estar pré preenchido o NIB da sua conta bancária, com os dados da declaração por si apresentada no ano anterior? Lembra-se de ter assinalado que confirmava aquele número? Lembre-se ou não, foi isso que aconteceu e por isso é por culpa própria que veio a tal incompetência alheia de que se queixa. Siga o conselho de Passos Coelho e não seja piegas.
A culpa é de quem não sabe ler
Re: A culpa é de quem não sabe ler
Re: A culpa é de quem não sabe ler
Re: A culpa é de quem não sabe ler
Re: A culpa é de quem não sabe ler
Re: A culpa é de quem não sabe ler
Re: A culpa é de quem não sabe ler
Re: A culpa é de quem não sabe ler
Re: A culpa é de quem não sabe ler
Re: A culpa é de quem não sabe ler
Re: Incompetência alheia sobre culpa própria.
Ai que dores
Gaspar afinal em vez de vampiresco é bonzinho, quiçá um dos anões da Branca de Neve. Maus maus são os tipos dos bancos. Maus e incompetentes. Então não tinham eles obrigação de o ir avisar a casa que tinha posto o NIB errado na declaração de IRS ? Oh, meu Deus, a desfaçatez desta gente... como se não bastasse já terem provocado o descalabro do País ao viciarem a malta em crédito. Esse grande flagelo, que até faz com que a malta se esqueça das negociatas das PPPs, autarcas corruptos, submarinos, bancos dos amigos onde se ganham acções a 1 euro e se vendem a 2, ilhas paradisíacas onde não se pagam impostos, licenciaturas à la minute, como as máquinas de fotografias rápidas do metro, etc.
Sim senhor, os bancos são o verdadeiro problema do século XXI
'A saga do reembolso do meu IRS
Interessante mas talvez não tão surpreendente como possa parecer. A partir do momento em que os bancos passaram a viver parcialmente das multas e taxas sobre pequenos serviços ou faltas,a desconfiança deve ser a regra. Admira-me que não lhe tenham cobrado a taxa de manutenção dessa conta, Henrique.
a-saga-do-reembolso-do-meu-irs
Ora, como sou um cabeça-no-ar de nível 5, não coloquei a nova conta do banco y na declaração do IRS. Resultado? As finanças enviaram o dinheiro para a conta antiga, que, atenção, devia estar fechada. O senhor das finanças foi claro: "caro amigo, a transferência está concretizada, tem de falar com o banco".

Não sou eu que digo, mas sim o Henrique raposo. A culpa afinal é de quem fez o erro inicial, pois se tudo fosse feito correctamente e como devia ser nada acontecia. Depois a culpa é dos outros e nunca é nossa. É assim a nível individual, colectivo e governamental. Sócrates culpava Santana, Passos Culpa Sócrates e o que vier a seguir vai culpar Passos e sucessivamente, mas a culpa pode ser de toa a gente, mas nunca será nossa.

viriatoapedrada.blogspot.pt/2012/05/diga-socrates-e-tudo-se-resolvera.html

viriatoapedrada.blogspot.pt/2012/07/passos-portugal-no-bom-caminho.html

viriatoapedrada.blogspot.pt/2012/07/d-januario-este-governo-e-corrupto.html

viriatoapedrada.blogspot.pt/2012/07/relvas-politica-maconaria-e-ensino.html
HR
Isto não é nenhuma anomalia, são feitios já preparados por esta mamocracia e que devemos estar orgulhosos da rosa negra que nos conduziu para esta situação.
E que agora ressabiado pela perda de parte do tacho ainda continua a mandar aquelas bacoradas de mamocrata.
Portugal um país de cranêos do tipo Madoff.
para além de burro é camelo
sem comentários a acrescentar à já estupida intervenção de um idiota!
Atirar a culpa para os outros!
"Financiar a incompetência alheia é, digamos, um ato de caridade que o meu pobre coração católico não consegue recusar"

Tu apenas pagaste por um erro que tu fizeste!

Tu é que te esqueceste de alterar o NIB na tua declaração de impostos.

Ou querias que o computador das finanças ao analisar os milhões de Portugueses fizesse uma chamada automática (Com a voz da Ana Zanatti) a solicitar que sua excelência confirmasse que o NIB que colocou na declaração era o correcto! - Se assim fosse o reembolso não nos chegava, ficava todo para a PT.

Da mesma maneira tudo o que está na declaração é da responsabilidade do contribuínte.

Se tu te esqueceres de mencionar os milhares de euros que recebeste do Expresso, na tua declaração, o fisco vai descobrir, porque o Expresso não se esqueceu do os declarar. E depois o Fisco vai atrás de ti. E nesse caso também achas que a incompetência é dos outros?
Re: A saga do reembolso do meu IRS

Quando li a sua crónica fui verificar a minha declaração, não fosse o Demo ter-se apropriado do teclado para lá colocar o seu próprio NIB, porque os tempos estão maus, até o Inferno precisa de financiamento, e como sabemos o Diabo não costuma ter escrúpulos nas suas artimanhas.

Mas afinel não era isso.
Parece que a saga do reembolso do meu IRS começa mesmo no Ministério das Finanças.

Reembolsar este individuo para ele só dizer
e escrever asneiras e frases pidescas.
Dinheiro mal gasto, muito mal gasto.
Mais um beneficiário do rendimento minimo garantido , a que tanto se opõe.
As finças aqui não têm culpa alguma!
O problema mesmo (para além do esquecimento de HR mudar o NIB...), e que considero grave, foi o Banco ter aceite a transferência para uma conta que já tinha sido cancelada, com a agravante de nem sequer ter avisado o antigo cliente (HR).

Isto é equivalente a alguem que eu designei para receber dinheiro em meu nome (p.e. pagamento de uma renda...), a quem posteriormente retirei essa "procuração", continunar a receber o dinheiro em meu nome e sem me avisar, porque eu me esqueci de dizer ao pagador que tinha mudado de procurador.

A meu ver isto era matéria de gravidade suficiente para queixa junto do Banco de Portugal. Mas nós tugas temos a mania de não nos queixarmos do que funciona mal! E, por isso, se as coisa estão mal, mal continuam. A bem do nacional porreirismo ..
"e o burro sou eu?"
Palavras para quê?
Sagas
Raposo és o maior, alguém das finanças explicou-me um dia que caso a conta esteja fechada a transferência do reembolso não é efectuada e segue por cartinha, a ser confirmado seria informação mais útil que o artigo. E a burocracia estatal não acertou no teu reembolso mas anda aí, que o meu NIB está correcto desde há anos, e copy paste LIQUIDADA-VEJA MOV. FINANCEIROS 1. D.PRAZO 2012-05-08! Fui sorteado para comprovar despesas o que aconteceu ainda em Maio e azar para o Gaspar estava tudo correcto, portanto lá vou continuar a aguardar sem fim à vista, azar o meu...
mais um artigo idiota...
... do perfeito idiota.
Só mesmo o HR
Pôs o NIB duma conta fechada na declaração de IRS.

O banco, havendo dinheiro a entrar na conta activou-a para benefício do HR, que se a transferência fosse devolvida ia esperar anos pelo dinheiro.

O HR que foi quem fez a asneira quixa-se do fisco que não teve culpa nenhuma e do banco que lhe fez o favor de lhe guardar o dinheiro.

É preciso não se enxergar.
Re: Só mesmo o HR
Comentários 48 Comentar

Últimas


Edição Diária 17.Abr.2014

Leia no seu telemóvel, tablet e computador

PUBLICIDADE

Pub