1
Anterior
Síria, 12 de Abril, 6.00 a.m.
Seguinte
O Sudão de Cima e o Sudão de Baixo
Página Inicial   >  Blogues  >  Maghreb / Machrek  >   A Nova Tunísia

A Nova Tunísia

|
Christian Giudicelli
Christian Giudicelli  / Google Imagens

O romancista, dramaturgo e crítico literário francês Christian Giudicelli (Prémio Renaudot 1986), acabou de publicar um interessante livro sobre a Tunísia, Tunisie, saison nouvelle, onde regista as impressões da sua mais recente visita àquele país, em Junho último, a primeira depois da queda do regime de Ben Ali.

Conhece bem o autor a Tunísia, que frequenta com assiduidade desde há duas décadas, e sobre a qual já escreveu um outro livro, Fragments tunisiens, editado em 1998. Por isso, a sua opinião sobre as mudanças ocorridas e a actual situação no país merece o maior interesse. O balanço de Giudicelli é prudente, não deixando de evidenciar o clima de liberdade que agora se respira, derrubada que foi a ditadura, mas acautelando-nos quanto às tentações do partido islâmico Ennahda, que viria a ganhar as eleições em Outubro do ano passado.

Como tive oportunidade de escrever, em ocasião anterior, sendo a Tunísia um país muçulmano, não deixa de ser, por isso, um estado mais ou menos laico, o mais laico dos países árabes, se me é permitida esta expressão. O modelo tunisino decorre do pensamento e da acção do seu primeiro presidente da República (1957) e pai fundador, Habib Bourguiba, que, em 1956, como primeiro-ministro do Bey, obteve a independência do país, até então um protectorado francês.

Conheceu a Tunísia um desenvolvimento progressivo (social, económico e cultural), no tempo de Bourguiba, que viria a ser afastado do poder, pelo seu primeiro-ministro Ben Ali, em 7 de Novembro de 1987, por alegada incapacidade mental. Este golpe de Estado palaciano, que ficou conhecido pelos tunisinos como changement, levaria imediatamente Ben Ali à presidência, por imperativos constitucionais, dado ser o chefe do Governo, e depois à sua eleição e sucessivas re-eleições como presidente, até à fuga para a Arábia Saudita, em 14 de Janeiro de 2011, na sequência da revolução no país.

Importa dizer que, apesar da supressão das liberdades políticas e da repressão de todas as manifestações consideradas contrárias ao regime, a Tunísia conheceu um progresso económico sob o consulado de Ben Ali, devido em larga medida ao incentivo ao turismo, que tornou o país num dos mais apetecíveis destinos do norte de África. Registou-se também um notável desenvolvimento na área do ensino e mantiveram-se, e até aumentaram (1993), os direitos das mulheres consagrados por Bourguiba no Code du Statut Personnel (1957), que instaurou em numerosos domínios a igualdade entre o homem e a mulher. Também no campo cultural se registaram importantes eventos e se adoptaram medidas de protecção ao património, apesar da manutenção de uma rigorosa censura aos órgãos de comunicação social.

A situação na Tunísia começou, todavia, a degradar-se após o segundo casamento de Ben Ali, em 1992, com Leila Trabelsi, tendo-se instalado um crescente clima de corrupção. A numerosa família de Leila Trabelsi apoderou-se de lugares chave da economia e, com a cumplicidade do presidente, começou a governar discricionariamente o país, permitindo-se todos os abusos e sobrepondo-se mesmo à acção do próprio governo. O descontentamento foi alastrando e a imolação pelo fogo, em 17 de Dezembro de 2010, do jovem Mohamed Bouazizi, constituiu o rastilho para o eclodir da revolta.

Tendo o exército recusado reprimir os manifestantes, com a consequente fuga do presidente, registaram-se várias peripécias a nível da governação, acabando por ser eleita, em 23 de Outubro passado, uma assembleia constituinte. A esperada vitória do partido Ennahda (Renascimento), embora por uma margem superior à prevista, tem provocado alguns receios na população urbana (a mais ocidentalizada), uma vez que, como todos os partidos islâmicos, seja orientação do Ennahda a introdução da religião na vida pública.

Em conferência recente na Universidade Católica, em Lisboa (15 de Fevereiro passado), o novo ministro dos Negócios Estrangeiros, Rafik Abdessalem, procurou convencer a assistência que seriam garantidas todas as liberdades no país. Preconizou um caminho moderado, dando como maus exemplos a laicização forçada de Kemal Atatürk, na Turquia ou a islamização forçada, na actual República do Irão. É evidente que o Governo do primeiro-ministro Hammadi Jebali se esforçará por tranquilizar o Ocidente quanto a qualquer atitude hostil ao mesmo. E assegurada que seja uma posição política pró-ocidental, como parece ser o caso, e mantido o sistema de economia de mercado herdado do anterior regime, não serão as medidas "moralizadoras" que incomodarão especialmente a Europa e os Estados Unidos. Elas poderão incomodar, sim, se forem adoptadas, uma parte da população tunisina, já habituada a costumes mais livres, e eventualmente os turistas que voltem a deslocar-se à Tunísia, dado que urge ao actual governo recuperar a actividade turística, uma das principais fontes de receita do país e hoje, por motivos óbvios, em franca decadência.

Tem o líder do Ennahda, Rachid Ghannouchi, reafirmado estar fora de causa a introdução da sharia na nova Constituição da Tunísia. Mas as declarações e as atitudes de alguns ministros não deixam de provocar apreensão. Há pouco mais de duas semanas foram presos três jornalistas do jornal Attounisia, por este periódico ter publicado na primeira página a fotografia do jogador alemão de origem tunisina Sami Khedira a abraçar a namorada nua, ainda que a parte visível do corpo nada exiba de minimamente chocante. Também o ministro dos Direitos do Homem, Samir Dilou, considerou que "a homossexualidade é uma perversão" que deve "ser tratada medicamente", acrescentando na televisão, em 4 de Fevereiro passado que "eles (a comunidade LGBT) vivem como cidadãos mas devem respeitar as linhas vermelhas fixadas pela nossa religião, a nossa herança e a nossa civilização".

Existem também pressões para que as mulheres passem a usar véu, um hábito praticamente inexistente na Tunísia urbana, tendo-se já verificado incidentes nas universidades entre estudantes laicos e islamistas. Igualmente, estão previstas mais restrições à venda de bebidas alcoólicas, que já eram anteriormente proibidas em quase todos os locais, à excepção dos especificamente destinados a turistas.

Uma outra declaração que causou mal-estar, reportada pela revista francesa Le Nouvel Observateur (nº 2465), foi a do ministro do Ensino Superior, Moncef Ben Salem, de que o já referido Statut Personnel fora promulgado por Bourguiba por este ser judeu, e ter agido segundo as instruções do então primeiro-ministro francês, Pierre Mendès-France (esse realmente judeu), a pedido das forças sionistas.

Nas últimas semanas voltou a ser ventilada a possibilidade da alteração do artigo I da Constituição de 1959, que estabelece que "a Tunísia é um estado livre, independente e soberano, que a sua religião é o islão (...) e o seu regime a República". Os salafistas têm insistido na referência à sharia na lei fundamental, mas Rachid Ghannouchi reiterou, no passado dia 26 de Março, que "a Ennahda pensa que a redacção do artigo merece o consenso geral de todas as componentes da sociedade tunisina" e que "preserva a identidade islâmica e árabe do Estado". Milhares de pessoas tinham-se manifestado antes, no dia 20 (Festa Nacional da Tunísia), nas principais cidades, em defesa da manutenção do citado artigo e a favor de um estado laico.

Na primeira semana de Abril, os ciber-militantes tunisinos, pertencentes ao movimento dos "Anónimos", piratearam as caixas de correio electrónico do primeiro-ministro Hamadi Jebali e de outros ministros e informaram, através da divulgação de um vídeo, que tinham guardado uma parte das informações nelas contidas, mas que as tornariam públicas se o Governo não renunciasse à censura sobre a Internet e não respeitasse os direitos do homem e a liberdade de expressão.

Esperamos e desejamos que as declarações e atitudes que referimos constituam episódios isolados e não configurem uma deriva islamizante, que faria recuar a Tunísia - território onde floresceram civilizações notáveis - ao período pré-independência. É que a adopção de comportamentos "religiosos" não se faz apenas por imposição legal mas também por pressão social e seria incompreensível para todos os tunisinos que se bateram pela conquista das liberdades fundamentais, e por todos os estrangeiros que de alguma forma os apoiaram, assistirem à implantação de qualquer tipo de ditadura religiosa em substituição de uma ditadura laica.

 

Júlio de Magalhães escreve de acordo com a antiga ortografia

 


Opinião


Multimédia

O papa-medalhas que veio do espaço

O atleta português mais medalhado de sempre, Francisco Vicente, regressou dos campeonatos europeus de veteranos, na Turquia, com novas lembranças ao pescoço. Três de ouro e duas de prata para juntar à coleção. Tem 81 medalhas, uma por cada ano de vida.

Tudo o que precisa de saber sobre o ébola, em dois minutos

Porque é que este está a ser o pior surto da história? Como é que os primeiros sintomas se confundem com os de outras doenças? É possível viajar depois de ter contraído o vírus, sem transmitir a doença? E estamos ou não perto de ter uma vacina? O Expresso procurou as respostas a estas e outras dúvidas sobre o ébola.

United Colors of Gnocchi

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Vai pagar mais ou menos IRS? Veja as simulações

Reforma do imposto protege quem tem dependentes a cargo, mas pode penalizar os restantes contribuintes. Função pública e pensionistas vão ter mais dinheiro disponível. Veja simulações para vários casos.

A última viagem do navio indesejado

Construído nos Estaleiros de Viana e pensado para fazer a ligação entre ilhas nos Açores, o Atlântida foi recusado pelo Governo Regional por alegadamente não atingir a velocidade pretendida. Contando com os custos associados à dissolução do contrato, o prejuízo ascendeu a 70 milhões de euros. Foi agora comprado a "preço de saldo", para mudar de nome e ser reconvertido num cruzeiro na Amazónia. Fizemos a última viagem do Atlântida e vamos mostrar-lhe os segredos do navio.

Strogonoff de peixe espada preto

Faz agora cinco anos que o Chefe Tiger, especialista em pratos de confeção acessível e com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, começou esta aventura gastronómica. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Caril de banana

Faz agora cinco anos que o Chefe Tiger, especialista em pratos de confeção acessível e com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, começou esta aventura gastronómica. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Tem três minutinhos? Vamos explicar-lhe o que muda no orçamento de 350 mil portugueses (e no de muitas empresas)

O novo salário mínimo entrou em vigor. São mais €20 brutos para cerca de 350 mil portugueses (números do Ministério da Segurança Social, porque os sindicatos falam em 500 mil trabalhadores). Mudou o valor, mas também os descontos que as empresas fazem para a Segurança Social. Porque se trata de uma medida que afeta a vida de muitos portugueses, queremos explicar o que se perde e o que se ganha, o que se altera e o que se mantém.

Cantaril com risotto de espargos

Faz agora cinco anos que o Chefe Tiger, especialista em pratos de confeção acessível e com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, começou esta aventura gastronómica. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Music fighter: temos Marco Paulo e Bruno Nogueira numa batalha épica

Está preparado para um dos encontros mais improváveis na história da música portuguesa? O humorista Bruno Nogueira e a cantora Manuela Azevedo, dos Clã, pegaram em várias músicas consideradas "pimba" - daquelas que ninguém admite ouvir mas que, no fundo, todos vão dançar assim que começam a tocar - e deram-lhe novos arranjos, num projeto que chegou aos coliseus de Lisboa e do Porto.  "Ninguém, ninguém", de Marco Paulo, tem possivelmente a introdução mais acelerada e frenética do panorama musical português. Mas, no frente-a-frente, quem é o mais rápido? Vai um tira-teimas à antiga?

Dez verdades assustadoras sobre filmes de terror

Este vídeo é como o monstro de "Frankenstein": ganhou vida graças à colagem de partes de alguns dos filmes mais aterrorizantes de sempre. Com uma ratazana mutante e os organizadores do festival de cinema de terror MotelX pelo meio. O Expresso foi à procura das razões que explicam o fascínio pelo terror, com muito sangue (feito de corante alimentar) à mistura. 

A paixão do vinil

Se para muitos o vinil é apenas uma moda que faz parte da cultura do revivalismo vintage, para outros ver o disco girar nunca deixou de ser algo habitual.

Portugal foi herdado, comprado ou conquistado?

Era agosto em Lisboa e, às portas de Alcântara, milhares de homens lutavam por dois reis, participando numa batalha decisiva para os espanhóis e ainda hoje maldita. Aconteceu em agosto de 1580. Mais de 400 anos depois, o Expresso deu-lhe vida, fazendo uma reconstituição do confronto através do recorte e animação digital de uma gravura anónima da época.

O Maradona dos bancos centrais

Dizer que Mario Draghi está a ser uma espécie de Maradona dos bancos centrais pode parecer estranho. Mas não é exagerado. Os jornalistas João Silvestre e Jorge Nascimento Rodrigues explicaram porquê num conjunto de artigos publicado no Expresso em Novembro de 2013 e que venceu em junho deste ano o prémio de jornalismo económico do Santander e da Universidade Nova. O trabalho observa ainda o desempenho de Ben Bernanke no combate à crise, revisita a situação em Portugal e arrisca um ranking dos 25 principais governadores de bancos centrais. Republicamos os artigos num formato especial desenvolvido para a web.

Com Deus na alma e o diabo no corpo

Quem os vê de fora pode pensar que estão possuídos. Eles preferem sublinhar o lado espiritual e terapêutico desta dança - chamam-lhe "krump" e nasceu nos bairros pobres dos Estados Unidos. De Los Angeles para Chelas, em Lisboa, já ajudou a tirar jovens do crime. Ligue o som bem alto e entre com o Expresso no bairro. E faça o teste: veja se consegue ficar quieto.


Comentários 1 Comentar
ordenar por:
mais votados
Receios
Crónica serena e esclarecedora. Os receios existem. As ditaduras controlavam o islamismo militante, as liberdades podem abrir a porta á propaganda da guerra santa e reconquista.Desta vez às portas da Europa.
Muito dependerá do que passe no Egipto,Líbia,etc, julgo eu.

Seria interessante identificar as fontes de financiamento desses movimentos. Secá-las pode ser o método mais eficaz de controlar a situação....
Comentários 1 Comentar

Últimas


Edição Diária 17.Abr.2014

Leia no seu telemóvel, tablet e computador
PUBLICIDADE

Pub