1
Anterior
Entrevista a Sócrates: nós é que não somos parvos!
Seguinte
Debate na AR: socorro, estamos "socratinados"!
Página Inicial   >  Blogues  >  Politicoesfera  >   A Justiça portuguesa virou circo?

A Justiça portuguesa virou circo?

|
Marinho Pinto não perde de vista os magistrados...Obsessão.

1.Como se não bastasse a crise económico-financeira, a (enorme) instabilidade política e a falta de soluções para a resolver - eis que volta à tona o velho e pungente problema da nossa Justiça.Porque se começou a discutir - de forma rigorosa e séria - o problema da acção executiva, com propostas sérias e realistas? Não. Porque se avançou com propostas concretas para solucionar a morosidade e a acumulação de processos nos nossos tribunais? Não, nada disso. A Justiça volta a estar na ordem do dia apenas porque os representantes máximos dos operadores judiciários continuam a oferecer-nos verdadeiros espetáculos mediáticos à la Circo Cardinalli.

2.Com efeito, ontem, Marinho Pinto brindou-nos com mais uma das suas atuações hilariantes. OS advogados - não obstante muitas críticas que possamos fazer - são fundamentais para o funcionamento do nosso sistema de Justiça. E para serem respeitados - têm de se dar ao respeito. Como? Actuando com princípios, com valores - com dignidade. Servindo a Justiça - e não servindo-se da Justiça (ou da injustiça). Ora, Marinho Pinto - está mais do que provado - não se dá ao respeito: agora, resolveu tirar o colar da Ordem para bater nos magistrados no discurso solene da reabertura do ano judicial. Pequeno (grande) pormenor: não há dois Marinhos Pinto. Ontem, Marinho Pinto, com colar ou sem colar, estava a representar a classe dos advogados - e só nesse título discursou. Não estava a título pessoal - que legitimidade tinha ele de expressar opiniões pessoais, por mero capricho, para dar expressão aos seus tiques anti-magistrados? Note-se: os magistrados não estão isentos de críticas. Bem pelo contrário: há magistrados que não merecem estar a servir a justiça portuguesa. Todavia, os problemas da nossa Justiça são muito mais graves e estruturais. Já era tempo de Marinho Pinto deixar-se de demagogias baratas, inconsequentes - e, de uma vez por todas, passar ao capítulo das soluções. Não é com uma versão moderna de Che Guevarra que a confiança no Estado de Direito aumentará. Num ponto, estou de acordo com Marinho Pinto: o excesso de mediatismo é um dos problemas da nossa Justiça. Só que o Bastonário da Ordem dos Advogados (com ou sem colar) é a pessoa que mais contribui para o agravamento dessa tendência mediática, trazendo para a discussão dos problemas judiciários as armas próprias do combate político. Lembre-se que Marinho Pinto colou-se ao Governo nos processos delicados em que José Sócrates esteve envolvido. Lembre-se que Marinho Pinto participou em debates sobre um processo doloroso para a sociedade portuguesa, tomando partido por uma das partes, criticando uma sentença - que ele ainda não conhecia. Em suma, Marinho Pinto bem pode afirmar algumas verdades, bradar aos céus, destilar o seu ódio visceral aos magistrados - mas já poucos o ouvem. Caiu no ridículo.

3.Por falar em magistrados, é penoso ouvir o Presidente do Supremo Tribunal de Justiça. Eis um exemplo de alguém que exerce um cargo que excede as suas capacidades. Então, não é que este "brilhante" juiz limitou-se a apontar a acção executiva como o problema da Justiça portuguesa e propôs - pasme-se - a privatização total da acção executiva? Esta é a solução do presidente do mais alto tribunal português? Noronha Nascimento personaliza o que um magistrado não deve ser. Confuso e atabalhoado na justificação jurídica das suas decisões - remetendo as explicações para as suas declarações á comunicação social. Até parece que é mais comentador do que magistrado...caros leitores, eis o presidente do Supremo Tribunal de Justiça!

4.Por último, a cara que melhor representa o estado da nossa Justiça é Pinto Monteiro - o Procurador- Geral da república. O tal que tem menos poderes que a Rainha de Inglaterra. É ver o seu ar resignado. O homem mantém-se no cargo para fazer um frete a alguém - a si próprio (habituou-se ao cargo e não quer sair) ou a alguém. O discurso de ontem foi um chorrilho de banalidades - e não mereceu destaque nenhum. O nosso Procurador parece que só gosta de fazer queixinhas para ter mais poderes - e se exercesse os que já tem? A nossa Justiça não estaria melhor? Caros leitores, eis o nosso Procurador-Geral da República!

5. E o nosso Ministro da Justiça? Esse é um desaparecido em combate. Perante isto, admiram-se que a nossa Justiça se encontra no estado caótico em que está?

Email: politicoesfera@gmail.com

 


Opinião


Multimédia

Portugal foi herdado, comprado ou conquistado?

Era agosto em Lisboa e, às portas de Alcântara, milhares de homens lutavam por dois reis, participando numa batalha decisiva para os espanhóis e ainda hoje maldita. Aconteceu em agosto de 1580. Mais de 400 anos depois, o Expresso deu-lhe vida, fazendo uma reconstituição do confronto através do recorte e animação digital de uma gravura anónima da época.

A paixão do vinil

Se para muitos o vinil é apenas uma moda que faz parte da cultura do revivalismo vintage, para outros ver o disco girar nunca deixou de ser algo habitual.

Com Deus na alma e o diabo no corpo

Quem os vê de fora pode pensar que estão possuídos. Eles preferem sublinhar o lado espiritual e terapêutico desta dança - chamam-lhe "krump" e nasceu nos bairros pobres dos Estados Unidos. De Los Angeles para Chelas, em Lisboa, já ajudou a tirar jovens do crime. Ligue o som bem alto e entre com o Expresso no bairro. E faça o teste: veja se consegue ficar quieto.

O Cabo da Roca depois da tragédia que matou casal polaco

Os turistas portugueses e estrangeiros que visitam o Cabo da Roca, em Sintra, continuam a desafiar a vida nas falésias, mesmo depois da tragédia que resultou na morte de um casal polaco, cujos filhos menores estavam também no local. Durante a visita do Expresso, um segurança tentou alertar os turistas para o perigo e refere a morte do casal polaco. O apelo não teve grande efeito. Veja as imagens.

Ó Capitão! meu Capitão! ergue-te e ouve os sinos

Ele foi a nossa ama... desajeitada. Ele foi o professor que nos inspirou no liceu. Ele trouxe alegria, mesmo nas alturas mais difíceis. Ele indicou-nos o caminho na faculdade. Ele ensinou-nos a manter a postura, mas também a quebrar preconceitos. Ele ensinou-nos que a vida é para ser aproveitada a cada instante. Ó capitão, meu capitão, crescemos contigo e vamos ter de envelhecer sem ti. 

Crumble. A sobremesa mais fácil do mundo

Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida, especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Voámos num F-16

Um piloto da Força Aérea voou com uma câmara GoPro do Expresso e temos imagens inéditas e exclusivas para lhe mostrar num trabalho multimédia.

Salada de salmão com sorvete de manga

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Por faróis nunca dantes navegados

São a salvaguarda dos navegantes, a luz que tranquiliza o mar. Há 48 faróis em Portugal continental e nas ilhas. Este é um acontecimento único: todos os faróis e 1830 km de costa disponíveis num mesmo trabalho. Para entendê-los e vê-los, basta navegar neste artigo.

Parecem casulos onde gente hiberna à espera de ver terra

No Porto de Manaus não há barcos, mas autocarros bíblicos que caminham sobre água. Têm vários andares e estão cheios de camas de rede que parecem casulos onde homens, mulheres e crianças aguardam o destino. E há gente a vender o que houver e tiver de ser junto ao Porto. "Como há Copa, tem por aí muito gringo que vem ter com 'nóis'. E então fica mais fácil vender"

O adeus de Lobo Antunes às aulas de medicina

O neurocirurgião deu terça-feira a sua "Última Lição" no auditório do Instituto de Medicina Molecular da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa, na véspera de deixar o seu trabalho no serviço nacional de saúde.

Jaguar volta a fabricar desportivo dos anos 60

Até ao verão será fabricado um número limitado de desportivos Jaguar E-Type Lightweight, seguindo todas as especificações originais, incluindo a continuação do número de série das unidades produzidas em 1963.

"Naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas"

Mais do que uma manifestação, o 'primeiro' 1º de Maio é recordado como a grande festa da Revolução dos Cravos, quando o povo saiu às ruas em massa e a união das esquerdas era um sonho possível. "O 1º de Maio seria mais uma primeira coisa, porque naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas." Foi há 40 anos.

Este trabalho não foi visado por qualquer comissão de censura

Aquilo que hoje é uma expressão anacrónica estava em relevo na primeira página do "República", a 25 de Abril de 1974: "Este jornal não foi visado por qualquer comissão de censura". Quarenta anos depois da Revolução, veja os jornais, ouça os sons e compreenda como decorreu o "dia inicial inteiro e limpo", como lhe chamou Sophia. O Expresso falou ainda com cinco gerações de 40 anos e percorreu a "geografia" das Ruas 25 de Abril de todo o país, falando com quem lá mora. Veja a reportagem multimédia.


Comentários 1 Comentar
ordenar por:
mais votados
Quem quer exprimentar tortura em portugal seculo ?
A justiça especificamente os juizes de Vila Nova de Famalicão
em detrimento da crise permit violação dos direitos humanos e tortura do sono
a familias intereiras, caso nao acreditem, os residentes oferecem suas cmas para quem
quiser experimentar o que é a tortura do sono, inclusive aos juizes de Vila Nova de Famalicão
e até inclui refeição neste caso especifico, basta irem a Rua do Relogio 268, 4770-245, Joane, Vila Nova de
Famalicão, Braga, PORTUGAL.

Para estrangeiros oferta especial de tambem passarem o tempo diario para extra
"violação dos direitos humanos", o patrocinador disto é a Empressa João e Feliciano, Lda.
Qualquer entresado basta de derigir e podem usofruir de tortura gratuita, gracas a justiça PORTUGUESA,
qual que tortura na guera, pressos politicos isso é para crinças aproveitam já esta oferta.
Comentários 1 Comentar

Últimas

Ver mais

Edição Diária 17.Abr.2014

Leia no seu telemóvel, tablet e computador
PUBLICIDADE

Pub