21 de abril de 2014 às 10:37
Página Inicial  ⁄  Multimédia  ⁄  Infografia  ⁄  A esperança de vida dos animais

A esperança de vida dos animais

Tempo que decorre desde o nascimento até à morte varia entre as espécies. Enquanto os dados são facilmente identificados no caso dos humanos, o cálculo da expectativa de vida nos animais envolve técnicas mais indiretas.
Carlos Paes (infografia)






Comentários 51 Comentar
ordenar por:
mais votados ▼
Mais 7-12 anos?
Coelho: 8-13 anos.

NÃO!!!!!!!
Re: Mais 7-12 anos? Ver comentário
Re: Mais 7-12 anos? Ver comentário
Re: Mais 7-12 anos? Ver comentário
Belo trabalho Ver comentário
Re: Belo trabalho Ver comentário
Re: Belo trabalho Ver comentário
Re: Belo trabalho Ver comentário
Os meus parabéns ao(s) autor(es)!
Esta infografia está simplesmente espectacular!
Re: A esperança de vida dos animais
(O trabalho está muito bom)

Como podem os seres vivos (homens e animais) existir para morrer? (dure horas ou décadas).

Se o ser veio á existência para depois morrer (vamos esquecer a ressurreição por agora), então a sua existência não faz nenhum sentido, pois passado um certo tempo, tudo se passa como se nunca tivesse existido.

E vamo-nos deixar da conversa fiada de "ficou a sua obra, a sua memória,...". Pode ir jantar com os amigos? Não? Então estamos conversados, está morto!

Mas como não foi para isto que Deus o criou, Deus tomou as suas precauções. A Raíz da imortalidade está nele, mas adormecida á espera que os acontecimentos apropriados ocorram, para acordar.
(Lembram-se da descida do Espírito no Pentecostes?)
Ora tudo o que desce, sobe...

Re: A esperança de vida dos animais Ver comentário
Re: A esperança de vida dos animais Ver comentário
Re: A esperança de vida dos animais Ver comentário
Re: A esperança de vida dos animais Ver comentário
Re: A esperança de vida dos animais Ver comentário
Re: A esperança de vida dos animais Ver comentário
Re: A esperança de vida dos animais Ver comentário
Re: A esperança de vida dos animais Ver comentário
Re: A esperança de vida dos animais Ver comentário
700 dias
Há um animal magnífico que temos em Portugal, que pouca gente conhece, e que é conhecido como solífugo (nome comum), e, em especial, a única espécie existente da ordem Solifugae (ordem dos solífugos da classe dos aracnídeos) em Portugal é Gluvia dorsalis:
naturdata.com/Gluvia-dorsalis-26323.htm
com uma longevidade média estimada em cerca de 700 dias.
www.americanarachnology.org/JoA_free/JoA_v38_n3/arac-38-03-466.pdf

É muito comum no Sul, e, em especial, de actividade nocturna. Contudo pode ser visto a Norte como se nota no mapa exarado no pdf supracitado.
Este animais foram muito falados aquando a guerra do Golfo com imagens famosas e de, certa forma, manipuladas para criar a ideia errada que eram maiores do que o são. Notar que a Gluvia dorsalis é endémica à Península Ibérica - não existe em mais lugar nenhum do mundo que se conheça.
'A esperança de vida dos animais
O trabalho está lindíssimo, a musica não podia ser mais adequada (Penguin Cafe?), o conjunto funciona muito bem... parabéns!

Não sabia que uma baleia era campeã da longevidade.

Interessante como na infografia conseguiu-se introduzir uma crítica social quando no mesmo se compara a longevidade humana em diferentes condições com a longevidade animal. Foi chocante descobrir que um ser humano num país subdesenvolvido tem menos esperança de vida que uma solha ou um carapau... e isto para não falar da esperança de vida para quem tem fome, que também apresentaram.

A infografia também é interessante na maneira como brinca com as nossas conceções de forma e identificação. Penso que ninguém vai contestar o primeiro apontamento, sobre a efémera (2 a 10 horas). Neste catálogo, ela "tinha" que lá estar, e "naquela" posição. E no entanto, enquanto avaliação da longevidade de um indivíduo animal, a infografia esclarece-nos que se trata de um inseto aquático que dura normalmente um ano. Ou seja, enquanto animal individual, a idade apontada está errada. Se aplicássemos o mesmo critério nos outros, teríamos que retirar uns 13 anos à espécie humana (menos, a outras). Já para não falar da polémica de introduzir no catálogo a formiga obreira.

Se alguns insetos vivem quase toda a sua vida em fases imaturas, não seria mais lógico identificar então estas como sendo os tais, e considerar as fases adultas como meras modificações com vista à difusão e reprodução?

Intrigante!
Re: 'A esperança de vida dos animais Ver comentário
Re: 'A esperança de vida dos animais Ver comentário
Re: 'A esperança de vida dos animais Ver comentário
Re: 'A esperança de vida dos animais Ver comentário
Re: 'A esperança de vida dos animais Ver comentário
Re: 'A esperança de vida dos animais Ver comentário
Re: 'A esperança de vida dos animais Ver comentário
Musca domestica
Atenção ao díptero Musca domestica. Não é esse o género, nem tão pouco a família. A mosca ilustra um espécimen da família Sarcophagidae. O género da mosca é, na verdade, Sarcophaga sp.
Re: Musca domestica Ver comentário
Re: Musca domestica Ver comentário
Re: Musca domestica Ver comentário
Re: Musca domestica Ver comentário
Re: Musca domestica Ver comentário
Re: Musca domestica Ver comentário
Re: Musca domestica Ver comentário
Re: A esperança de vida dos animais
Trabalho muito interessante. Parabéns.
Esperança de vida dos animais

Trabalho de grande qualidade. Parabéns.
...
Esta partilha é de facto maravilhosa ... Parabéns ...Amei ...
Um trabalho de Excelência que nos põe à prova o nosso conhecimento!

Tudo vive em cadeia ... um todo ... os elos quando cortados e vidas ceifadas... desequilibram o planeta que é tão rico na sua diversidade ...

A terra ... o ar ... água ... luz são as musas privilegiadas da Natureza elementos exaltadores da Vida ... e as idades próprias de cada espécie ... Tudo tão perfeito que nos deixa tão espantados e o Mundo a cores contemplado!

O Mundo das mudanças como lidamos com as outras espécies ... acaba por mudar!
Um trabalho tamanho e importante!

Parabéns ao realizador por este trabalho colossal.

170 ilustrações com relativas noticias sobre 170 animais, mais ou menos conhecidos.
Quase ninguém sabia nade sobre deles.

Vou salvar este link.

A.M.

Excelente!
Excelente infografia, um brihante trabalho e com bom gosto até na musica escolhida! Afinal há vida no jornalismo em Portugal. Até os comentários têm pés e cabeça...muito bom
Re: Excelente! Ver comentário
E a extinção d vida p acção humana?

Artigo interessante.

Nesta sequência, poderiam apresentar periodicamente artigos sobre a catastrófica extinção de espécies provocada pela actividade humana.

Acção que muitos cientistas comparam já, aos efeitos de outros eventos catastróficos do passado (Asteróides e clima) e que causaram extinção em massa de vida na terra!

Muita pouca gente conhece, p.ex., as consequências que o funcionamento regular de uma simples Estação de tratamento de águas residuais (ETAR) de uma pequena povoação, trazem para o ecosistema da ribeira ou rio adjacente.

Ribeiras e rios que constituíam ainda há poucas décadas, viveiros de dezenas de espécies estão hoje praticamente mortos, pela acção dos resíduos "tratados" destes sistemas!

E estamos a falar de algo que a opinião pública interiorizou como sendo um sistema "ecológico"!

dalilabalekjian.wordpress.com/2012/03/05/a-sexta-extincao-em-massa-o-homem-seu-exte rminador/

  radames.manosso.nom.br/ambiental/ideias/antropoceno-o-periodo-em-que-o-homem-estrag ou-o-planeta/

 
Re: E a extinção d vida p acção humana? Ver comentário
Re: E a extinção d vida p acção humana? Ver comentário
Re: E a extinção d vida p acção humana? Ver comentário
Não se justifica.
As imagens estão excelentes, a ideia é excelente e o resultado visual um espectáculo.
Depois, tudo isto é destruído por informação errada. Tem erros que não se justificam minimamente e que tiram todo o mérito ao trabalho.
A meu ver, se o objectivo é informar, não cumpriu minimamente, pois contém dados errados, traduções erradas, fotografias mal identificadas...

Uma pena. E com tanta informação disponível na internet...
Re: Não se justifica. Ver comentário
Re: Não se justifica. Ver comentário
Re: Não se justifica. Ver comentário
Re: Não se justifica. Ver comentário
Comentários 51 Comentar
Pub