5

E vão três. Mais um Bush na fila para a presidência

Anterior
"Quero ser investigador de Física e ninguém me ajuda"
Seguinte
Tremoço fungicida amigo do ambiente
Página Inicial   >  Multimédia  >  Expresso TV  >   A economia para lá do PIB

A economia para lá do PIB

A Economia da Felicidade quer que o crescimento económico tenha em conta os níveis de bem-estar das pessoas. Há países onde já se fala "a sério" do assunto. Em Portugal, nasceu agora o primeiro "doutor felicidade".
|

Quando chegou ao poder, o presidente francês, Nicolas Sarkozy, avisou desde logo que, com ele, a economia devia encontrar uma forma eficaz de introduzir o conceito de felicidade na medição do PIB e na contabilidade nacional. Afinal, que importa ter uma economia a crescer, se os níveis de felicidade e bem-estar das populações diminuírem? Uma comissão foi nomeada, com o objectivo de encontrar instrumentos de medição do crescimento, que levassem em conta a qualidade de vida. Era uma espécie de "manifesto anti-PIB", há muito falado como uma fórmula incompleta, utilizada de forma injusta e desadequada para calibrar políticas públicas.

Joseph Stiglitz e Amartya Sen - dois prémios Nobel da Economia - encabeçaram a comissão e os resultados foram lançados por Sarkozy como um desafio para os parceiros europeus: o de alterar os parâmetros para medir indicadores económicos. Para a comissão, completa ainda por vários economistas de renome, aquilo que é fisicamente produzido (e que é já contabilizado pelo PIB), deve ter a mesma preponderância da felicidade, da sustentabilidade ambiental ou de uma distribuição equilibrada do rendimento.

Sarkozy leva os louros de ter sido o primeiro presidente de uma potência económica a falar seriamente do assunto. Ganha pela comissão prestigiada que escolheu. Pelo apoio técnico que conseguiu da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE), onde os países mais ricos do mundo se integram. Mas, para já, conseguiu pouco mais do que isso (até porque as conclusões da comissão não foram tão fraturantes como se desejava).

O grande argumento contra a inclusão dos indicadores propostos pela comissão de Sarkozy é simples: como se pretende medir um indicador tão subjectivo como a felicidade?

Esta é, sem dúvida, uma "objeção de partida" para este assunto. Mas nada que lhe retire credibilidade: Os dados retirados da análise do bem-estar das pessoas "são suficientemente objectivos para serem tratados estatisticamente ou economicamente", garante Gabriel Leite Mota, o primeiro português a aventurar-se na área de Economia da Felicidade.  

O "doutor felicidade"


"Três ensaios sobre a felicidade na economia, explorando a utilidade de dados subjectivos do bem-estar para a análise económica do bem-estar." Este é o título da tese de doutoramento na qual trabalhou nos últimos seis anos.  Chegar a este tema foi relativamente simples: ainda no tempo da licenciatura, na Faculdade de Economia da Universidade do Porto (FEP), Gabriel Mota começou a aperceber-se de que, não raras vezes, o crescimento económico conduzia a um aumento da desigualdade entre as pessoas, e não, como a lógica primária indica, a um aumento do bem-estar. "Tradicionalmente, os economistas pensam que há uma relação forte entre crescimento e bem-estar, mas começaram a existir dados que, objectivamente, refutam essa ideia", explica.

Gabriel Mota insere-se na minoria dos economistas que não têm nos números a sua máxima religião. Para ele, a diferença entre crescer e desenvolver foi algo que esteve sempre bem presente. "Facilmente encontrava exemplos de casos em que o crescimento económico ou mesmo o desenvolvimento tecnológico não significavam um aumento do bem-estar das pessoas", afirma, enquanto lembra o alerta dado por vários economistas internacionais para que se encontrem alternativas ao PIB, como único instrumento para medir o estado de um país.

A tese do doutoramento que apresentou não é fraturante - tal como os prémios Nobel não conseguiram ser - mas, em Portugal, é um abrir de um mundo completamente novo, porque não há ninguém na área de economia doutorado no assunto (a propósito, explicou-nos, teve que apresentar "provas" de que o tema "economia da felicidade" era já internacionalmente relevante para conseguir a orientação de um docente do Instituto Superior de Economia e Gestão de Lisboa).

Políticas portuguesas


Há uma pergunta prática que não podemos deixar de lançar: Estarão os políticos portugueses abertos a introduzir conceitos de Economia da Felicidade nas suas politicas? "Não sei, francamente não sei", responde-nos Gabriel Mota. "Estes indicadores correrão sempre o risco de não estarem alinhados com os interesses dos políticos", desenvolve. O interesse de ter na felicidade da população o seu objectivo principal. A verdade é que, mesmo que as políticas não sejam pensadas para a felicidade da população, poucos poderão ignorar as evidências que demonstram, em estudos feitos na área dos recursos humanos, que "as pessoas mais motivadas e mais felizes desempenham melhor as suas tarefas e têm mais produtividade, logo geram maior crescimento". A equação é simples e o raciocínio análogo pode ser aplicado ao país: "Se as pessoas estão mais felizes, produzem mais e temos maior crescimento económico", conclui o também docente da Universidade do Porto. E acrescenta: "Ao mesmo tempo, quanto maior for o crescimento, maior bem-estar teremos, porque pelo menos ao nível dos bens materiais estaremos mais satisfeitos".

O que já existe são rankings sobre os países mais felizes do mundo. Com algumas variações, a Dinamarca (e os países nórdicos de uma forma geral) é a campeã habitual, com Portugal a classificar-se medianamente (na casa dos trintas), o que faz "perspectivar um grande espaço para melhorias".

São vários os factores que influenciam o índice de bem-estar das pessoas. O rendimento auferido talvez surja à cabeça, mas a "vida familiar, a estabilidade no emprego, as possibilidades de evolução na carreira, o tempo de lazer e o bem-estar no trabalho" são também importantes. Alem disso, há provas de que um país com "instituições de qualidade e maior acesso à democracia" é um pais com cidadãos mais satisfeitos. No fundo é mais ou menos isto: "O equilibro entre o bem-estar material, laboral e familiar: dentro destas três variáveis estará grande parte do nosso bem-estar".

No que diz respeito à forma de usar estes indicadores - como o indicador mais importante ou como um dos indicadores, a ser usado em conjugação com outros - não há consensos entre os especialistas (e Gabriel Mota também não arrisca um lado). O caminho a percorrer no estudo em Economia da Felicidade parece ser mais longo do que o já percorrido. Mas Gabriel Mota tem uma convicção, em jeito de esperança: "À medida que a investigação cientifica avança, a transferência para a esfera politica também aumenta". Um dia, Portugal talvez fale "a sério" do assunto.  


Opinião


Multimédia

Geração Z

Mais rápidos, mais capazes, mais solitários, os Z vivem agarrados aos ecrãs, pensam com a ajuda da internet e estão permanentemente preocupados com a bateria do telemóvel. Que geração é esta que nasceu com a viragem do século?

Desaparecidos para sempre no Mar do Norte

O dia 15 de novembro já foi feriado, há 90 anos. A razão foi o desaparecimento de Sacadura Cabral algures no Mar do Norte. Depois de fazer mais de oito mil quilómetros de Lisboa ao Rio de Janeiro, o aviador pioneiro não conseguiu completar o voo entre a cidade holandesa de Amesterdão e a capital portuguesa. Ainda hoje, não se sabe o que aconteceu ao companheiro de Gago Coutinho e tio-avô de Paulo Portas, a quem o Expresso pediu um sms.

Os muros do mundo

Novembro relembrou-nos os muros que caem, mas também os que permanecem e os que se expandem. Berlim aproximou-se de si própria há 25 anos, mas há muros que continuam a desaproximar. Esta é a história de sete deles - diferentes, imprevisíveis, estranhos.

Tudo o que precisa de saber sobre o ébola. Em dois minutos

Porque é que este está a ser o pior surto da história? Como é que os primeiros sintomas se confundem com os de outras doenças? É possível viajar depois de ter contraído o vírus, sem transmitir a doença? E estamos ou não perto de ter uma vacina? O Expresso procurou as respostas a estas e outras dúvidas sobre o ébola.

A última viagem do navio indesejado

Construído nos Estaleiros de Viana e pensado para fazer a ligação entre ilhas nos Açores, o Atlântida foi recusado pelo Governo Regional por alegadamente não atingir a velocidade pretendida. Contando com os custos associados à dissolução do contrato, o prejuízo ascendeu a 70 milhões de euros. Foi agora comprado a "preço de saldo", para mudar de nome e ser reconvertido num cruzeiro na Amazónia. Fizemos a última viagem do Atlântida e vamos mostrar-lhe os segredos do navio.

O papa-medalhas que veio do espaço

O atleta português mais medalhado de sempre, Francisco Vicente, regressou dos campeonatos europeus de veteranos, na Turquia, com novas lembranças ao pescoço. Três de ouro e duas de prata para juntar à coleção. Tem 81 medalhas, uma por cada ano de vida.

Terror religioso está a aumentar

Relatório sobre a Liberdade Religiosa é divulgado esta terça-feira em todo o mundo. Dos 196 países analisados, só em 80 não há indícios de perseguições motivadas pela fé.

Vai pagar mais ou menos IRS? Veja as simulações

Reforma do imposto protege quem tem dependentes a cargo, mas pode penalizar os restantes contribuintes. Função pública e pensionistas vão ter mais dinheiro disponível. Veja simulações para vários casos.

Tem três minutinhos? Vamos explicar-lhe o que muda no orçamento de 350 mil portugueses (e no de muitas empresas)

O novo salário mínimo entrou em vigor. São mais €20 brutos para cerca de 350 mil portugueses (números do Ministério da Segurança Social, porque os sindicatos falam em 500 mil trabalhadores). Mudou o valor, mas também os descontos que as empresas fazem para a Segurança Social. Porque se trata de uma medida que afeta a vida de muitos portugueses, queremos explicar o que se perde e o que se ganha, o que se altera e o que se mantém.

Music fighter: temos Marco Paulo e Bruno Nogueira numa batalha épica

Está preparado para um dos encontros mais improváveis na história da música portuguesa? O humorista Bruno Nogueira e a cantora Manuela Azevedo, dos Clã, pegaram em várias músicas consideradas "pimba" - daquelas que ninguém admite ouvir mas que, no fundo, todos vão dançar assim que começam a tocar - e deram-lhe novos arranjos, num projeto que chegou aos coliseus de Lisboa e do Porto.  "Ninguém, ninguém", de Marco Paulo, tem possivelmente a introdução mais acelerada e frenética do panorama musical português. Mas, no frente-a-frente, quem é o mais rápido? Vai um tira-teimas à antiga?

Dez verdades assustadoras sobre filmes de terror

Este vídeo é como o monstro de "Frankenstein": ganhou vida graças à colagem de partes de alguns dos filmes mais aterrorizantes de sempre. Com uma ratazana mutante e os organizadores do festival de cinema de terror MotelX pelo meio. O Expresso foi à procura das razões que explicam o fascínio pelo terror, com muito sangue (feito de corante alimentar) à mistura. 

A paixão do vinil

Se para muitos o vinil é apenas uma moda que faz parte da cultura do revivalismo vintage, para outros ver o disco girar nunca deixou de ser algo habitual.

Portugal foi herdado, comprado ou conquistado?

Era agosto em Lisboa e, às portas de Alcântara, milhares de homens lutavam por dois reis, participando numa batalha decisiva para os espanhóis e ainda hoje maldita. Aconteceu em agosto de 1580. Mais de 400 anos depois, o Expresso deu-lhe vida, fazendo uma reconstituição do confronto através do recorte e animação digital de uma gravura anónima da época.

O Maradona dos bancos centrais

Dizer que Mario Draghi está a ser uma espécie de Maradona dos bancos centrais pode parecer estranho. Mas não é exagerado. Os jornalistas João Silvestre e Jorge Nascimento Rodrigues explicaram porquê num conjunto de artigos publicado no Expresso em Novembro de 2013 e que venceu em junho deste ano o prémio de jornalismo económico do Santander e da Universidade Nova. O trabalho observa ainda o desempenho de Ben Bernanke no combate à crise, revisita a situação em Portugal e arrisca um ranking dos 25 principais governadores de bancos centrais. Republicamos os artigos num formato especial desenvolvido para a web.

Com Deus na alma e o diabo no corpo

Quem os vê de fora pode pensar que estão possuídos. Eles preferem sublinhar o lado espiritual e terapêutico desta dança - chamam-lhe "krump" e nasceu nos bairros pobres dos Estados Unidos. De Los Angeles para Chelas, em Lisboa, já ajudou a tirar jovens do crime. Ligue o som bem alto e entre com o Expresso no bairro. E faça o teste: veja se consegue ficar quieto.

O Cabo da Roca depois da tragédia que matou casal polaco

Os turistas portugueses e estrangeiros que visitam o Cabo da Roca, em Sintra, continuam a desafiar a vida nas falésias, mesmo depois da tragédia que resultou na morte de um casal polaco, cujos filhos menores estavam também no local. Durante a visita do Expresso, um segurança tentou alertar os turistas para o perigo e refere a morte do casal polaco. O apelo não teve grande efeito. Veja as imagens.


Comentários 5 Comentar
ordenar por:
mais votados
Sarkozy-pequeno em estatura,egoista na felicidade.
Sarkozy é um mau exemplo de felicidade da população: a expulsão dos ciganos romenos puseram a nú um presidente que é pequeno até na sua estatura.
Re: Sarkozy-pequeno em estatura,egoista na felicid
Re: Sarkozy-pequeno em estatura,egoista na felicid
Contra-mão!
Pois é Portugal deve andar em contramão, pois não só as poilíticas não têm em consideração a felicidade dos portugueses, como ainda são cirúrgicamente desenvolvidas para provocar a infelicidade.

PIB: - Produto Interno Bruto ou Provoca Infelicidade á Bruta!!!!!
FELICIDADE???
Chamaram???
- Bom dia! Cá estou eu.
(e, vou avisando que não admito homónimos no expresso, tá??!!!
Comentários 5 Comentar

Últimas

Ver mais

Edição Diária 17.Abr.2014

Leia no seu telemóvel, tablet e computador

PUBLICIDADE

Pub