11
Anterior
Cada vez mais, na França, o rastilho da Europa.
Seguinte
A UE e a opção neoliberal
Página Inicial   >  Blogues  >  Blogues Economia  >  Exames do dia  >   A caminho de uma grande depressão

A caminho de uma grande depressão

|

No melhor dos cenários, sem rutura de paradigma, agora sim, estamos a caminho de uma grande depressão. Tudo indica que o referendo grego, caso venha de facto a ser realizado, rejeitará o plano europeu de redução da dívida pública grega para 120% do produto interno bruto lá para 2020. Com efeito, ao que parece, vários planos de austeridade passados, esforçados e castigadores, o povo grego (há quem diga que parte das forças armadas) não está mais disponível para programas que medem o êxito em dívida ao invés de crescimento e emprego e esperança.

Mas estranho mais que os portugueses não entendam o povo grego, do que o povo grego não entenda as responsabilidades (e por isso os sacrifícios) lhe são imputados. Afinal, após décadas de um endividamento irresponsável que interessou a todos, beneficiando de uma desregulação interessada (e interesseira) dos mercados financeiros, coloca-se agora a defesa desses mercados à frente de políticas de crescimento. Há um argumento deveras de peso na defesa desta opção: os mercados financeiros são o suporte de financiamento das atividades produtivas nas economias de mercado; defaults e insolvências encadeadas implodiriam o sistema tal como o conhecemos, com prejuízo severo para as economias e, por isso, para os cidadãos.

Há contudo, um outro argumento que sustenta a revolta das populações. De forma a garantir retornos substanciais e crescentes, os mercados financeiros desenvolveram de tal forma os seus produtos, complexificaram de tal forma os seus derivados, disfarçaram de tal forma os riscos encadeados, que o seu impacto na economia vai bem além do tradicional financiamento das atividades.

Os mercados financeiros têm uma vida própria, bem distante do propósito de alavancar o crescimento dos sistemas económicos. "Investidores" privados, institucionais e públicos progressivamente cederam à tentação de retornos elevados associados a níveis de endividamento que não deveriam ter sido autorizados. Disseram: Pagam "amanhã". E se há risco de poderem vir a não pagar, empresta-se na mesma a um juro cada vez mais e mais elevado.

E chegados à vertigem do incumprimento, ainda assim não pararam de emprestar. Antes passaram o risco a terceiros, através de um mecanismo de seguros, também eles muito caros, e por isso também muito interessantes. Disseram-nos: a responsabilidade é das finanças públicas, do incumprimento do pacto de estabilidade. Como se fossem os défices, mais do que justificáveis em significativas baixas de ciclo (o próprio Pacto o reconhece!), os culpáveis pela irresponsabilidade, pela ganância, ou pela disfunção dos mercados. Como se em Portugal ou na Grécia uma política keynesiana moderada e anticíclica tenha sido, salvo em raros momentos, corretamente utilizada. E com tudo o que nos disseram, e ainda dizem, os mercados regozijaram.

Assim, não encontro diferença substancial entre o subprime e a crise das dívidas soberanas, sobretudo depois dos resultados da última cimeira europeia. Repetem-se os mesmos mecanismos, os mesmos erros: endividamento excessivo suportado por uma espécie de linhas seguradoras, estas últimas garantidas pela base da zona euro, assim transformada em gigante doente e com pés de barro.

Hoje, a opção continua a ser pela defesa dos mercados financeiros, com o argumento vicioso de que sem eles, as economias irão colapsar. Sem uma rutura de paradigma, é verdade que sim.



Clique na imagem para visitar o site da Universidade Fernando Pessoa




Nota
Este texto é da inteira responsabilidade do autor e da entidade representada.


Opinião


Multimédia

E que tal uma canjinha de pato?

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione com esta nova receita.

Os assassínios, as execuções, as decapitações são as imagens mais chocantes de uma propaganda cada vez mais sofisticada. É a Jihad, que recruta guerrilheiros no ocidente para matar e morrer na Síria. O Expresso seguiu as pisadas de cinco jiadistas portugueses, mostrando quem são e como foram convertidos e radicalizados. E como lutam, como foram morrer - e como já haverá arrependidos com medo de fugir. Reportagem em Londres, no café onde viam jogos de futebol, na universidade onde estudavam e na mesquita onde rezavam. Autoridades e especialistas em terrorismo estão alerta sobre este pequeno mas perigoso grupo, onde corre sangue português - e de onde escorre sangue por Alá.

Desfile de vedetas

Saiba tudo sobre os modelos concorrentes ao Carro do Ano 2015/Troféu Essilor Volante de Cristal. Conheça o essencial sobre os 20 automóveis participantes nesta iniciativa, da estética, às características técnicas, do preço ao consumo. A apresentação ficará completa no dia 3 de janeiro.

Elvis. Gostamos ou não gostamos?

Ele não é consensual, mas é incontornável. Dispunha de penteado majestoso e patilha marota, aparentava olhar matador e pose atrevida. E deixou canções: umas fáceis e outras nem tanto, por vezes previsíveis e às vezes inesperadas, ora gentis ora aceleradas. E ele, Elvis, nasceu em janeiro de 1934 - há precisamente 40 anos, ao oitavo dia. Temos quatro textos sobre o artista: Nicolau Santos, Rui Gustavo, Nicolau Pais e João Cândido da Silva explicam o que apreciam, o que toleram e o que não suportam.

Tudo o que precisa de saber sobre o ébola. Em dois minutos

Porque é que este está a ser o pior surto da história? Como é que os primeiros sintomas se confundem com os de outras doenças? É possível viajar depois de ter contraído o vírus, sem transmitir a doença? E estamos ou não perto de ter uma vacina? O Expresso procurou as respostas a estas e outras dúvidas sobre o ébola.

Piza de manga com estragão e canela

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Desacelerámos a realidade para observar a euforia da liberdade

Ela, Jacarandá, é algarvia. Ele, Katmandu, é espanhol. São linces e agora experimentam a responsabilidade da liberdade: foram soltos esta terça-feira numa herdade alentejana, próxima de Mértola, eles que saíram de centros de reprodução em cativeiro. Foi inédito: nunca tinha acontecido algo assim em Portugal. Estivemos lá e ensaiámos o slow motion.

Desaparecidos para sempre no Mar do Norte

O dia 15 de novembro já foi feriado, há 90 anos. A razão foi o desaparecimento de Sacadura Cabral algures no Mar do Norte. Depois de fazer mais de oito mil quilómetros de Lisboa ao Rio de Janeiro, o aviador pioneiro não conseguiu completar o voo entre a cidade holandesa de Amesterdão e a capital portuguesa. Ainda hoje, não se sabe o que aconteceu ao companheiro de Gago Coutinho e tio-avô de Paulo Portas, a quem o Expresso pediu um sms.

Os muros do mundo

Novembro relembrou-nos os muros que caem, mas também os que permanecem e os que se expandem. Berlim aproximou-se de si própria há 25 anos, mas há muros que continuam a desaproximar. Esta é a história de sete deles - diferentes, imprevisíveis, estranhos.

A última viagem do navio indesejado

Construído nos Estaleiros de Viana e pensado para fazer a ligação entre ilhas nos Açores, o Atlântida foi recusado pelo Governo Regional por alegadamente não atingir a velocidade pretendida. Contando com os custos associados à dissolução do contrato, o prejuízo ascendeu a 70 milhões de euros. Foi agora comprado a "preço de saldo", para mudar de nome e ser reconvertido num cruzeiro na Amazónia. Fizemos a última viagem do Atlântida e vamos mostrar-lhe os segredos do navio.

O papa-medalhas que veio do espaço

O atleta português mais medalhado de sempre, Francisco Vicente, regressou dos campeonatos europeus de veteranos, na Turquia, com novas lembranças ao pescoço. Três de ouro e duas de prata para juntar à coleção. Tem 81 medalhas, uma por cada ano de vida.

Terror religioso está a aumentar

Relatório sobre a Liberdade Religiosa é divulgado esta terça-feira em todo o mundo. Dos 196 países analisados, só em 80 não há indícios de perseguições motivadas pela fé.

Vai pagar mais ou menos IRS? Veja as simulações

Reforma do imposto protege quem tem dependentes a cargo, mas pode penalizar os restantes contribuintes. Função pública e pensionistas vão ter mais dinheiro disponível. Veja simulações para vários casos.

Tem três minutinhos? Vamos explicar-lhe o que muda no orçamento de 350 mil portugueses (e no de muitas empresas)

O novo salário mínimo entrou em vigor. São mais €20 brutos para cerca de 350 mil portugueses (números do Ministério da Segurança Social, porque os sindicatos falam em 500 mil trabalhadores). Mudou o valor, mas também os descontos que as empresas fazem para a Segurança Social. Porque se trata de uma medida que afeta a vida de muitos portugueses, queremos explicar o que se perde e o que se ganha, o que se altera e o que se mantém.

Music fighter: temos Marco Paulo e Bruno Nogueira numa batalha épica

Está preparado para um dos encontros mais improváveis na história da música portuguesa? O humorista Bruno Nogueira e a cantora Manuela Azevedo, dos Clã, pegaram em várias músicas consideradas "pimba" - daquelas que ninguém admite ouvir mas que, no fundo, todos vão dançar assim que começam a tocar - e deram-lhe novos arranjos, num projeto que chegou aos coliseus de Lisboa e do Porto.  "Ninguém, ninguém", de Marco Paulo, tem possivelmente a introdução mais acelerada e frenética do panorama musical português. Mas, no frente-a-frente, quem é o mais rápido? Vai um tira-teimas à antiga?


Comentários 11 Comentar
ordenar por:
mais votados
Está enganada...
COM ELES, as economias vão colapsar!!! Não digo isto por sectarismo ideológico, mas simplesmente pelo facto de que a relação que existe hoje em dia entre o volume monetário real e virtual atingiu o limite!!!

Esta crise não é FINANCEIRA em sentido estrito. É, sim, CONTABILÍSTICA e CONTRATUAL!!!

A questão é que as grandezas são avaliadas pelas reacções, interpretações, etc., e não é possível fazer CONTAS REAIS. E por outro lado, os Estados, os Bancos, as Empresas etc. estão REFÉNS de CONTRATOS que obrigam a pagamentos, e a malha tornou-se tão apertada que está a estrangular a economia.

Era necessário fazer AUDITORIAS a todas as contas e todos os contratos. Porque os detentores de títulos de dívida não os compraram sequer com DINHEIRO REAL, mas sim com "garantias" virtuais.

A única parte REAL do problema são os JUROS. Estamos é perante um ESQUEMA DE EXTORSÃO que foi tão longe, que o "cliente" deixou de ter dinheiro para pagar e só lhe resta fechar a loja...
Muito bem observado!
Não podia estar mais de acordo
Infelizmente, da reunia do G20 não saíu muito melhor do que da cimeira europeia. O receio é tão grande, tão grande pela mudança de paradigma e pela liquidação dos mercados financeiros tal como os conhecemos hoje, que os líderes políticos preferem continuar no caminho do abismo, sabendo que um dia (mais cedo do que muitos pensam) vai mesmo estourar. A situação é insustentável mas ainda ha quem acredite em milagres.
Economia mascarada
Infelizmente, a economia é um assunto frequentemente visto com confusão e tédio. Sequências infinitas de termos financeiros aliada a intimidadores calculos matemáticos, fazem rapidamente as pessoas desistirem de tentarem ententer a economia.
No entanto, o facto é: a complexidade associada ao sistema financeiro é somente uma mascara, criada para ocultar uma das estruturas mais socialmente estagnantes que a humanidade já tolerou.
Á medida que o homem constroi o seu mundo, com a força do seu trabalho alienado, o mundo converte-se na prisão onde terá de viver. Um mundo sem sabor, nem odor e sordido onde domina a miséria do modo de produção dominante.
Um cenário em constante construção.
Nada nele é estavel.
A transformação permanente do espaço que nos envolve, justifica-se pela amnésia generalizada e pela insegurança na qual deve viver a humanidade.
" ninguem é mais escravo do que aquele que falsamente acredita ser livre"
Sempre o alvo ao lado...
Porque e' que se continua a culpar os "mercados desregulados" sem culpabilizar o verdadeiro vilao, o Estado. Ha que reconhecer que o poder politicos esta casado com o poder financeiro e e' ai que esta o problema. Se os mercados financeiros nao tem armas, nem policia, nem tribunais, nem juizes, nem exercito. Os "mercados desregulados" nao podem obrigar ninguem a pedir dinheiro emprestado. Porque ninguem reconhece que os Estados tem de viver dentro dos orcamentos que obtem dos impostos dos cidadaos? Sao os POLITICOS que endividam as populacoes, nao sao os mercados. Querem mais regulacoes? Se se criarem mais regulacoes para os ESTADOS, os mercados ficam limitados tambem. Criem regulacoes para que os ESTADOS tenham ZERO de deficit, limitem o poder dos politicos e responsabilizem-nos criminalmente. Os Estados tornaram-se "toxicodependentes" de dinheiro, cpazes de tudo para obter a sua "fix" e quem e' que as pessoas responsabilizam? Os dealers? Sem a interferencia do poder politico, os "mercados" tem a sua propria regulacao, que e' o risco de emprestar e PERDER. Quando o poder politico "garante" depositos e diz aos "mercados": "Podes emprestar a Grecia que nao ha problema. Se eles nao pagarem, os nossos contribuintes pagarao", e diz que aos "mercados" que eles serao sempre bailed out, estao a destruir a unica regulacao que trava a ganancia do lucro, o risco de falir. E' esta interferencia que tem de acabar.
Re: Sempre o alvo ao lado...
Re: Sempre o alvo ao lado...
Re: Sempre o alvo ao lado...
Re: Sempre o alvo ao lado...
Re: Sempre o alvo ao lado...
A Sra. Professora tem uma ideologia...
... e tem direito a tê-la. Mas este Blog era suposto ser de Análise Económica, e não de propaganda política.
Não refere um único facto, número, rácio, tendência que explique ou sustente a sua opinião, que claramente é turvada ideologicamente.
O texto é interessante como artigo de opinião, mas não neste Blog.
Comentários 11 Comentar

Últimas

Receba a nova Newsletter
Ver Exemplo

Pub