11
Anterior
Cada vez mais, na França, o rastilho da Europa.
Seguinte
A UE e a opção neoliberal
Página Inicial   >  Blogues  >  Blogues Economia  >  Exames do dia  >  A caminho de uma grande depressão

A caminho de uma grande depressão

|

No melhor dos cenários, sem rutura de paradigma, agora sim, estamos a caminho de uma grande depressão. Tudo indica que o referendo grego, caso venha de facto a ser realizado, rejeitará o plano europeu de redução da dívida pública grega para 120% do produto interno bruto lá para 2020. Com efeito, ao que parece, vários planos de austeridade passados, esforçados e castigadores, o povo grego (há quem diga que parte das forças armadas) não está mais disponível para programas que medem o êxito em dívida ao invés de crescimento e emprego e esperança.

Mas estranho mais que os portugueses não entendam o povo grego, do que o povo grego não entenda as responsabilidades (e por isso os sacrifícios) lhe são imputados. Afinal, após décadas de um endividamento irresponsável que interessou a todos, beneficiando de uma desregulação interessada (e interesseira) dos mercados financeiros, coloca-se agora a defesa desses mercados à frente de políticas de crescimento. Há um argumento deveras de peso na defesa desta opção: os mercados financeiros são o suporte de financiamento das atividades produtivas nas economias de mercado; defaults e insolvências encadeadas implodiriam o sistema tal como o conhecemos, com prejuízo severo para as economias e, por isso, para os cidadãos.

Há contudo, um outro argumento que sustenta a revolta das populações. De forma a garantir retornos substanciais e crescentes, os mercados financeiros desenvolveram de tal forma os seus produtos, complexificaram de tal forma os seus derivados, disfarçaram de tal forma os riscos encadeados, que o seu impacto na economia vai bem além do tradicional financiamento das atividades.

Os mercados financeiros têm uma vida própria, bem distante do propósito de alavancar o crescimento dos sistemas económicos. "Investidores" privados, institucionais e públicos progressivamente cederam à tentação de retornos elevados associados a níveis de endividamento que não deveriam ter sido autorizados. Disseram: Pagam "amanhã". E se há risco de poderem vir a não pagar, empresta-se na mesma a um juro cada vez mais e mais elevado.

E chegados à vertigem do incumprimento, ainda assim não pararam de emprestar. Antes passaram o risco a terceiros, através de um mecanismo de seguros, também eles muito caros, e por isso também muito interessantes. Disseram-nos: a responsabilidade é das finanças públicas, do incumprimento do pacto de estabilidade. Como se fossem os défices, mais do que justificáveis em significativas baixas de ciclo (o próprio Pacto o reconhece!), os culpáveis pela irresponsabilidade, pela ganância, ou pela disfunção dos mercados. Como se em Portugal ou na Grécia uma política keynesiana moderada e anticíclica tenha sido, salvo em raros momentos, corretamente utilizada. E com tudo o que nos disseram, e ainda dizem, os mercados regozijaram.

Assim, não encontro diferença substancial entre o subprime e a crise das dívidas soberanas, sobretudo depois dos resultados da última cimeira europeia. Repetem-se os mesmos mecanismos, os mesmos erros: endividamento excessivo suportado por uma espécie de linhas seguradoras, estas últimas garantidas pela base da zona euro, assim transformada em gigante doente e com pés de barro.

Hoje, a opção continua a ser pela defesa dos mercados financeiros, com o argumento vicioso de que sem eles, as economias irão colapsar. Sem uma rutura de paradigma, é verdade que sim.



Clique na imagem para visitar o site da Universidade Fernando Pessoa




Nota
Este texto é da inteira responsabilidade do autor e da entidade representada.


Opinião


Multimédia

Edwin. O rapaz que aprendeu a sonhar

O que Edwin sabia sobre a vida era sobreviver. Na cabeça dele não cabiam sonhos e os dias eram passados à procura de comida para ele e para a mãe e para o irmão. A fome espreitava nos cantos da barraca de palha no Quénia e ele escondia-se dela como podia - chupar as pedras era uma forma de a enganar. Mas a sorte dele mudou porque alguém viu nele outra coisa. E tudo começou numa dança. Agora, os mesmos dedos que agarravam as pedras tocam hoje teclas de um piano Bechstein. E os pés dele já não estão nus mas calçados. Com chuteiras. Primeiro no Benfica, agora no Estoril, o miúdo de 15 anos que fala como gente grande descobriu que tinha um sonho: ser futebolista. Como Drogba.

Todas as ilhas têm a sua nuvem

Raul Brandão chamou-lhe 'A Ilha Branca'. Como viajante digo que tem um verde diferente das outras oito que com ela formam o arquipélago dos Açores. É tenra, mansa, repousante e simultaneamente desafiante. Esconde segredos como a lenda da Maria Encantada e um vulcão florestado a meio do século passado que nos transporta para uma dimensão sulfurosa e mágica. Obrigatória para projetos de férias de natureza.

Em três quartos de hora não se esquece só a idade. "Esquece-se o mundo"

Maria do Céu dá três voltas ao lar sempre que pode. Edviges vai a todos os velórios, faz hidroginástica e sopas de letras. António dá um apoio na Igreja e nos escuteiros. Tudo é uma ajuda para passar os dias quando se tornam todos iguais. No Pinhal Interior Sul, a região mais envelhecida da União Europeia, quase um terço da população tem mais de 65 anos. Os mais velhos ficaram, os mais novos partiram.

Profissão: Sniper

O Expresso foi ver como são selecionados, que armas usam, para que missões estão preparados os snipers da Força de Operações Especiais do Exército. São uma elite dentro da elite. Um pelotão restrito. Anónimo. Treinam diariamente com um único objetivo: eliminar um alvo à primeira, mesmo que esteja a centenas de metros. Humano ou material. Sem dramas morais, dizem.

Xarém com conquilhas

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione com esta nova receita.

O que se passa dentro da cabeça dele

O que leva um tipo a quem iam amputando uma perna a regressar ao sítio onde os ossos se desfizeram, uma e outra vez, e testar os limites do seu corpo? Resposta: a busca pelo salto perfeito, que ele diz existir dentro dele e que ele encontrará mais dia menos dia. É a fé e a confiança que o movem e o levam a pular para lá do que é exigido a um campeão olímpico e mundial que não tem mais nada a provar a ninguém - a não ser a ele próprio. Este é um trabalho que publicámos em agosto de 2014, quando o saltador se preparava para os Europeus e falava das metas que tinha traçado para 2015 e 2016: mostrar que não estava acabado. Sete meses depois, provou-o no Europeu de pista coberta em Praga, onde venceu este fim de semana.

Amadeu, que aprendeu o mundo no campo e tinha o coração na ponta dos dedos

Em Portugal, a dedicação à língua mirandesa tem nome próprio: Amadeu Ferreira, o jurista da CMVM que - quando todos diziam que "era uma loucura impossível" - arranjou tempo para traduzir "Os Lusíadas", a "Mensagem", os quatro Evangelhos da Bíblia e ainda duas aventuras do Asterix para uma língua que pertence a um cantinho do nordeste português e é falada por menos de 15 mil pessoas. No final de 2014 deu ao Expresso aquela que viria a ser a sua última entrevista. Morreu no passado domingo e esta quinta-feira foi lançada a sua biografia, "O fio das lembranças", com quase 800 páginas.

Temos 16 imagens que não explicam o mundo, mas que ajudam a compreendê-lo

O júri do World Press Photo queria dar o prémio maior da edição deste ano (e talvez das edição todas) a uma fotografia com "potencial para se tornar icónica". A primeira imagem desta fotogaleria, por ser "esteticamente poderosa" e "revelar humanidade", é o que o júri procurava. A fotografia de um casal homossexual russo, a grande vencedora, é a primeira de 16 imagens de uma seleção onde há Messi desolado, migrantes em condições indignas no Mediterrâneo, a aflição do ébola, mistérios afins e etc - são os contrastes do mundo.

Vamos falar de sexo. Seis portugueses revelam tudo o que lhes dá prazer na cama

Neste primeiro episódio de uma série que vai durar sete semanas, seis entrevistados falam abertamente sobre aquilo que lhes dá mais satisfação na intimidade. Sexo em grupo, sexo na gravidez, prazer sem orgasmo e melhor sexo após a menopausa são alguns dos temas referidos nos testemunhos desta semana. O psiquiatra Francisco Allen Gomes explica ainda a razão de muitas mulheres fingirem o orgasmo. O Expresso e a SIC falaram com 33 portugueses que deram a cara e o testemunho de como são na cama. Ao longo das próximas sete semanas, contamos-lhe tudo.

Elvis. Gostamos ou não gostamos?

Ele não é consensual, mas é incontornável. Dispunha de penteado majestoso e patilha marota, aparentava olhar matador e pose atrevida. E deixou canções: umas fáceis e outras nem tanto, por vezes previsíveis e às vezes inesperadas, ora gentis ora aceleradas. E ele, Elvis, nasceu em janeiro de 1934 - há precisamente 40 anos, ao oitavo dia. Temos quatro textos sobre o artista: Nicolau Santos, Rui Gustavo, Nicolau Pais e João Cândido da Silva explicam o que apreciam, o que toleram e o que não suportam.

A última viagem do navio indesejado

Construído nos Estaleiros de Viana e pensado para fazer a ligação entre ilhas nos Açores, o Atlântida foi recusado pelo Governo Regional por alegadamente não atingir a velocidade pretendida. Contando com os custos associados à dissolução do contrato, o prejuízo ascendeu a 70 milhões de euros. Foi agora comprado a "preço de saldo", para mudar de nome e ser reconvertido num cruzeiro na Amazónia. Fizemos a última viagem do Atlântida e vamos mostrar-lhe os segredos do navio.

Desfile de vedetas

Saiba tudo sobre os modelos concorrentes ao Carro do Ano 2015/Troféu Essilor Volante de Cristal. Conheça o essencial sobre os 20 automóveis participantes nesta iniciativa, da estética, às características técnicas, do preço ao consumo. A apresentação ficará completa no dia 3 de janeiro.

Tudo o que precisa de saber sobre o ébola. Em dois minutos

Porque é que este está a ser o pior surto da história? Como é que os primeiros sintomas se confundem com os de outras doenças? É possível viajar depois de ter contraído o vírus, sem transmitir a doença? E estamos ou não perto de ter uma vacina? O Expresso procurou as respostas a estas e outras dúvidas sobre o ébola.

Desacelerámos a realidade para observar a euforia da liberdade

Ela, Jacarandá, é algarvia. Ele, Katmandu, é espanhol. São linces e agora experimentam a responsabilidade da liberdade: foram soltos esta terça-feira numa herdade alentejana, próxima de Mértola, eles que saíram de centros de reprodução em cativeiro. Foi inédito: nunca tinha acontecido algo assim em Portugal. Estivemos lá e ensaiámos o slow motion.


Comentários 11 Comentar
ordenar por:
mais votados
Está enganada...
COM ELES, as economias vão colapsar!!! Não digo isto por sectarismo ideológico, mas simplesmente pelo facto de que a relação que existe hoje em dia entre o volume monetário real e virtual atingiu o limite!!!

Esta crise não é FINANCEIRA em sentido estrito. É, sim, CONTABILÍSTICA e CONTRATUAL!!!

A questão é que as grandezas são avaliadas pelas reacções, interpretações, etc., e não é possível fazer CONTAS REAIS. E por outro lado, os Estados, os Bancos, as Empresas etc. estão REFÉNS de CONTRATOS que obrigam a pagamentos, e a malha tornou-se tão apertada que está a estrangular a economia.

Era necessário fazer AUDITORIAS a todas as contas e todos os contratos. Porque os detentores de títulos de dívida não os compraram sequer com DINHEIRO REAL, mas sim com "garantias" virtuais.

A única parte REAL do problema são os JUROS. Estamos é perante um ESQUEMA DE EXTORSÃO que foi tão longe, que o "cliente" deixou de ter dinheiro para pagar e só lhe resta fechar a loja...
Muito bem observado!
Não podia estar mais de acordo
Infelizmente, da reunia do G20 não saíu muito melhor do que da cimeira europeia. O receio é tão grande, tão grande pela mudança de paradigma e pela liquidação dos mercados financeiros tal como os conhecemos hoje, que os líderes políticos preferem continuar no caminho do abismo, sabendo que um dia (mais cedo do que muitos pensam) vai mesmo estourar. A situação é insustentável mas ainda ha quem acredite em milagres.
Economia mascarada
Infelizmente, a economia é um assunto frequentemente visto com confusão e tédio. Sequências infinitas de termos financeiros aliada a intimidadores calculos matemáticos, fazem rapidamente as pessoas desistirem de tentarem ententer a economia.
No entanto, o facto é: a complexidade associada ao sistema financeiro é somente uma mascara, criada para ocultar uma das estruturas mais socialmente estagnantes que a humanidade já tolerou.
Á medida que o homem constroi o seu mundo, com a força do seu trabalho alienado, o mundo converte-se na prisão onde terá de viver. Um mundo sem sabor, nem odor e sordido onde domina a miséria do modo de produção dominante.
Um cenário em constante construção.
Nada nele é estavel.
A transformação permanente do espaço que nos envolve, justifica-se pela amnésia generalizada e pela insegurança na qual deve viver a humanidade.
" ninguem é mais escravo do que aquele que falsamente acredita ser livre"
Sempre o alvo ao lado...
Porque e' que se continua a culpar os "mercados desregulados" sem culpabilizar o verdadeiro vilao, o Estado. Ha que reconhecer que o poder politicos esta casado com o poder financeiro e e' ai que esta o problema. Se os mercados financeiros nao tem armas, nem policia, nem tribunais, nem juizes, nem exercito. Os "mercados desregulados" nao podem obrigar ninguem a pedir dinheiro emprestado. Porque ninguem reconhece que os Estados tem de viver dentro dos orcamentos que obtem dos impostos dos cidadaos? Sao os POLITICOS que endividam as populacoes, nao sao os mercados. Querem mais regulacoes? Se se criarem mais regulacoes para os ESTADOS, os mercados ficam limitados tambem. Criem regulacoes para que os ESTADOS tenham ZERO de deficit, limitem o poder dos politicos e responsabilizem-nos criminalmente. Os Estados tornaram-se "toxicodependentes" de dinheiro, cpazes de tudo para obter a sua "fix" e quem e' que as pessoas responsabilizam? Os dealers? Sem a interferencia do poder politico, os "mercados" tem a sua propria regulacao, que e' o risco de emprestar e PERDER. Quando o poder politico "garante" depositos e diz aos "mercados": "Podes emprestar a Grecia que nao ha problema. Se eles nao pagarem, os nossos contribuintes pagarao", e diz que aos "mercados" que eles serao sempre bailed out, estao a destruir a unica regulacao que trava a ganancia do lucro, o risco de falir. E' esta interferencia que tem de acabar.
Re: Sempre o alvo ao lado...
Re: Sempre o alvo ao lado...
Re: Sempre o alvo ao lado...
Re: Sempre o alvo ao lado...
Re: Sempre o alvo ao lado...
A Sra. Professora tem uma ideologia...
... e tem direito a tê-la. Mas este Blog era suposto ser de Análise Económica, e não de propaganda política.
Não refere um único facto, número, rácio, tendência que explique ou sustente a sua opinião, que claramente é turvada ideologicamente.
O texto é interessante como artigo de opinião, mas não neste Blog.
Comentários 11 Comentar

Últimas

Receba a nova Newsletter
Ver Exemplo

Últimas


Pub