46
Anterior
Francisco Louçã, o Enver Hoxha do Bairro Alto
Seguinte
Não sei se repararam, mas a austeridade está a funcionar
Página Inicial   >  Blogues  >  A Tempo e a Desmodo  >   A bandeira na varanda e o cocó no passeio

A bandeira na varanda e o cocó no passeio

|

Eu adoro os patriotas de cadeirão que emergem durante funerais amalianos, choradeiras timorenses e epopeias futebolísticas. É gente que ama tanto Portugal que não tem tempo para respeitar os vizinhos, esses seres menores que habitam, à força, os sonhos molhados do patriotismo de cadeirão. E, neste campeonato, nunca irei esquecer um casal já entradote que morava no bairro na altura do Euro 2004. Casal Silva, de seu nome. À semelhança de milhões de outras famílias, o casal Silva colocou bandeirinhas de Portugal na varanda durante aquele mês de montanha russa emocional. Bom, eu não tinha nada contra as bandeiras. Só achava um pouco estranha a amplitude térmica entre a varanda e o passeio.

Sim, o casal Silva tinha a varanda num brinco pátrio, mas depois deixava que os seus cães inundassem a rua com cocós XXL. Às tantas, o passeio da rua de cima parecia um mar de caca canina, um literal mar negro. Mais um pouco e o escaravelho da Bulgária encontraria ali um habitat. Como sou o único ser do meu bairro que anda a pé, resolvi interpelar a Srª. Silva. Devia ter estado calado, porque a senhora era surda (a sorte não protege os audazes). Dias mais tarde, questionei o Senhor Silva. Quando percebi que não era surdo, senti um certo alívio e fiquei à espera de uma estarrecedora resposta, assim ao estilo de "não me apoquente, porque estou a contemplar a Pátria ali na minha varanda". Não tive semelhante sorte, pois do outro lado veio apenas um singelo "vá à merda".

Passou uma década, e nada mudou. O casal Silva já não anda por aqui, mas deixou descendência. Lisboa está cheia destes patriotas que se estão literalmente a cagar para os seus compatriotas. Se calhar, este ano tenho de recorrer não a interpelações, mas a singelos pontapés.

Opinião


Multimédia

Cheesecake com manjericão e doce de tomate

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Voámos num F-16

Um piloto da Força Aérea voou com uma câmara GoPro do Expresso e temos imagens inéditas e exclusivas para lhe mostrar num trabalho multimédia.

Salada de salmão com sorvete de manga

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Por faróis nunca dantes navegados

São a salvaguarda dos navegantes, a luz que tranquiliza o mar. Há 48 faróis em Portugal continental e nas ilhas. Este é um acontecimento único: todos os faróis e 1830 km de costa disponíveis num mesmo trabalho. Para entendê-los e vê-los, basta navegar neste artigo.

Parecem casulos onde gente hiberna à espera de ver terra

No Porto de Manaus não há barcos, mas autocarros bíblicos que caminham sobre água. Têm vários andares e estão cheios de camas de rede que parecem casulos onde homens, mulheres e crianças aguardam o destino. E há gente a vender o que houver e tiver de ser junto ao Porto. "Como há Copa, tem por aí muito gringo que vem ter com 'nóis'. E então fica mais fácil vender"

O adeus de Lobo Antunes às aulas de medicina

O neurocirurgião deu terça-feira a sua "Última Lição" no auditório do Instituto de Medicina Molecular da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa, na véspera de deixar o seu trabalho no serviço nacional de saúde.

Jaguar volta a fabricar desportivo dos anos 60

Até ao verão será fabricado um número limitado de desportivos Jaguar E-Type Lightweight, seguindo todas as especificações originais, incluindo a continuação do número de série das unidades produzidas em 1963.

"Naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas"

Mais do que uma manifestação, o 'primeiro' 1º de Maio é recordado como a grande festa da Revolução dos Cravos, quando o povo saiu às ruas em massa e a união das esquerdas era um sonho possível. "O 1º de Maio seria mais uma primeira coisa, porque naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas." Foi há 40 anos.

Este trabalho não foi visado por qualquer comissão de censura

Aquilo que hoje é uma expressão anacrónica estava em relevo na primeira página do "República", a 25 de Abril de 1974: "Este jornal não foi visado por qualquer comissão de censura". Quarenta anos depois da Revolução, veja os jornais, ouça os sons e compreenda como decorreu o "dia inicial inteiro e limpo", como lhe chamou Sophia. O Expresso falou ainda com cinco gerações de 40 anos e percorreu a "geografia" das Ruas 25 de Abril de todo o país, falando com quem lá mora. Veja a reportagem multimédia.


Comentários 46 Comentar
ordenar por:
mais votados
APROVEITE ... RAPOSO ...
E fale também de uns senhores que por aí andam ... de bandeira na lapela ... e a deixarem cocó nos passeios, nas ruas, nas aldeias, nas vilas e nas cidades ... cocó por todo o país ...

Já que a conversa é sobre ... emporcalhamento ...
Re: APROVEITE ... RAPOSO ...
Comer na pia,viver na pocilga!
HR só tem uma hipótese: mudar de bairro,deixar os vizinhos na sua pocilga e não pensar mais no assunto.
Porque há gente ,infelizmente, que só aprendeu a comer na pia e não querem sair da chafurdice mesmo quando alguém lhe atira uma bóia salvadora!
Re: Comer na pia,viver na pocilga!
Re: Comer na pia,viver na pocilga!
Re: Comer na pia,viver na pocilga!
Re: Comer na pia,viver na pocilga!
Re: Comer na pia,viver na pocilga!
Re: Comer na pia,viver na pocilga!
Re: Comer na pia,viver na pocilga!
A Liberdade animal
Caro Raposo, você acha que está a ter uma atitude civilizada chamando as pessoas à responsabilidade... mas não. A mim não me engana, essa é uma atitude nazi ! Não querer que os canídeos defem livremente no passeio público ! Logo os animais que são os seres mais livres que há ! Onde é que isto irá parar !!?
Errata
Re: A Liberdade animal
Re: A Liberdade animal
Re: A Liberdade animal
Re: A Liberdade animal
Re: A Liberdade animal
Re: A Liberdade animal
Re: A Liberdade animal
Re: A Liberdade animal
Re: A Liberdade animal
Re: A Liberdade animal
Correlação inversa entre patriotismo e educação.
Hoje H.R. tentou provar a relação inversa entre o patriotismo presente nas emoções do futebol e a educação. Julgo que não tem razão; apenas foi vítima de uma coincidência de merda e por isso, com mais ou com menos educação vamos todo apoiar a nossa selecção!
Concidências
Ele há coincidências que nem o mais pintado imagina, é que o meu apelido é Silva e aconteceu-me o mesmo mas foi com o casal Monteiro, julgo que o nome próprio não era Henrique, mas que era porquito era e tinha uma língua suja, aproveitando todas as oportunidades para chamar aos outros aquilo que não gostava que lhe chamassem a ele. É um maroto é assim como as mulheres da vida fácil, deixa que te chame antes que me chames a mim.
Aonde quer chegar?

Provar que há uma relação directa entre os Europeus e Mundiais de futebol e a quantidade de merda de cão nos passeios?

E a sua teoria aplica-se só ao seu bairro ou é de aplicação geral?
HR
Em Portugal deu-se a democracia, mas não se teve o cuidado de democratizar o seu povo e isto interessa aos oportunistas e vigaristas que pululam na política deste país.
porcarias
Desprezo HR, considero-o um imbecil amaricado, hipócrita e malintencionado. Portanto, recuso-me a concordar com ele seja em que circunstâncias for, mesmo quando publica, a despeito da temática, o artigo menos merdoso que lhe conheço.
!
Na minha rua os cócós de cão têm desaparecido. Claro que alguns cães, e possívelmente os donos, também já se terão mudado para a quinta das tabuletas
Já que estamos a tratar de porcaria, quando terei eu também a liberdade, neste Portugal de Abril, de circular em comboios limpos e decentes? Em vez de comboios que metem nojo todos cagados e paredes das estações da mesma forma. É um bom cartaz turístico para estrageiros que visitem Portugal. Se eles ainda não souberem que tipo de POVO somos ficam a saber. Claro que eu nunca chamo a atenção de ninguém nem àqueles que muitas vezes estão com as patas em cima dos bancos. Não é que tivesse medo que me mandassem à merda, mas podiam fazer-me muito pior.
é assim Portugal
Infelizmente esta experiência é comum. Por esses bairros fora, particularmente em Lisboa, é prática comum levar o cachorrinho (tão lindinho) a passear, largar o cocózinho (sim as vezes tamanho xxl) e voltar, deixando o dejecto no meio do passeio. Se tivessem de pagar multas avultadas por não apanharem o cocózinho do seu cachorrinho, certamente pensariam duas vezes. Pena é que deveriam ter um pouco mais de respeito e consideração pelos outros...
Re: é assim Portugal
ui...
Isto hoje vai estar cheio dos moralistas do regime.

O tuga sempre gostou de ser castigador. Tá-lhe no sangue.

Quanto ao texto. uma crónica de merda.

Portugal deve ser o a País da Europa com mais leis que não são para cumprir. Chamem a polícia.!!!!!
Re: A bandeira na varanda e o cocó no passeio
Após em dias anteriores ter dado asas à sua indisfarçável paixão por «pirilaus», eis que hoje o nosso Raposete (que aliás tem carradas de razão, pois eu também pouca paciência tenho para patriotismos exacerbados do povaréu tuga, salivando pela seleção e escarrando pelo chão, bem como para essa sacrossanta foleirice das bandeirinhas, vuvuzelas e quejandos) nos brinda com matérias de natureza escatológica, que aliás mais não são do que o corolário natural da escatologia ideológica com que este prosélito de ultra-direita radical nos brinda diariamente neste espaço de opinião...

E estou como o outro. Sou patriota: tenho os impostos em dia (aliás, sou credor nesta matéria do Vítor Gaspar, que teima e vai retardando muito para lá do admissível a devolução de dinheiro que é meu em sede de IRS...)...

Falta de Civismo
Parece que é a prática comum em todo o Portugal, e o que devia ser excepção é, infelizmente regra! Há que alterar os comportamentos, ter realmente respeito pelos Animais e Pessoas, e isso passa por Educação, Respeito, Civilidade...
Hum..alvo vai mal...
Desculpe a minha curiosidade Srº Raposo mas foi pago para escrever esta crónica ou cortaram-lhe em 50% o pagamento nas ás horas extras e como vingança escreveu este texto ?
Parece que partilhámos a mesma rua Sr. Henrique
Tenho uma cadela e gosto muito dela. Como defendora dos direitos dos animais que sou acredito que uma das maneira de "lutar" por eles é cumprimindo com os meus deveres como dona. E um deles é mesmo apanhar o tal cócózinho!... não me custa nada,aliás.
De facto, é nojento ver como algumas ruas estão... é uma enorme falta de respeito e de higiene também.
Comentários 46 Comentar

Últimas

Ver mais

Edição Diária 17.Abr.2014

Leia no seu telemóvel, tablet e computador
PUBLICIDADE

Pub